[esi ihc-user field="ihc_avatar"]

Curso de Frequências Grátis

Grupo de Frequências

Séries Terapêuticas Personalizadas

Nossa Lojinha

[esi ihc-user field="ihc_avatar"]

DESTRUIÇÃO DE VÍRUS POR FREQUÊNCIAS (RESSONÂNCIAS)

Abstrato

Vírus e outros micróbios podem ser inativados de forma seletiva, submetendo-os a um campo elétrico oscilante de frequência adequada. Royal R. (em todo o lado.) Rife descobriu esse método há cerca de 100 anos. Provou sua eficiência por meio de microscópios de alta resolução e em 1934, por testes clínicos controlados. No entanto, esses resultados pareciam inacreditáveis, uma vez que o mecanismo subjacente ainda não era compreendido. Na verdade, somos confrontados com três problemas: 1) o funcionamento dos supermicroscópios de Rife, 2) sua observação de que as bactérias podem sofrer redução de tamanho e 3) o fenômeno de ressonância decisiva. Explicamos a alta ampliação e o poder de resolução dos microscópios de Rife e mostramos que novas descobertas confirmam que o postulado de formas invariáveis de bactérias tem que ser abandonado. Então provamos que oscilações forçadas de picos de vírus levam a uma ressonância peculiar, por causa de efeitos não lineares. Causa destruição total do vírus pela ruptura do seu revestimento. A mesma teoria se aplica a bactérias e nanobactérias, devido ao seu pili. A pandemia mundial de coronavírus, a constante ameaça de mutações imprevisíveis e as explicações agora disponíveis devem tornar óbvio que os métodos biofísicos não podem mais ser negligenciados.

 

  1. Introdução

Royal Raymond Rife (1888-1971) foi um inventor científico de destaque, que queria ajudar a humanidade descobrindo e lutando causas ainda desconhecidas de doença e morte. Suas realizações e a oposição que ele encontrou foram descritas no notável livro de Barry Lynes 1[1]. Em sua juventude, Rife ficou impressionado com as descobertas de Louis Pasteur e Robert Koch durante a segunda metade do thséculo 19. Eles usaram microscópios para ver micróbios letais. Eles poderiam então isolá-los e cultivá-los. Quando as entidades resultantes causaram sempre a mesma doença após ciclos repetidos, o próximo passo era encontrar vacinas específicas para ajudar o seu reconhecimento pelo nosso sistema imunológico. Rife suspeitava que o câncer também resulta de micróbios, mas que eles são muito pequenos para serem vistos por meio de microscópios ópticos padrão.

Esta limitação resulta da natureza de onda da luz. Isso leva a efeitos de interferência. O físico Ernst Abbe, trabalhando para a Carl Zeiss Company, estabeleceu mesmo em 1873 uma relação entre o melhor poder de resolução possível de microscópios ópticos e o comprimento de onda da luz. É, na melhor das hipóteses, aproximadamente λ?/3, onde é o comprimento de onda para a luz visível. O limite é, portanto, de cerca de 180 nm, mas para luz ultravioleta ultra violeta, λ? 400 nm. A Carl Zeiss Company desenvolveu assim microscópios de fluorescência UV. A fonte de luz era uma intensa lâmpada de arco elétrico e a luz UV estava concentrada no espécime por meio de lentes de quartzo. Uma vez que a amostra converteu esta luz por fluorescência em luz visível, o objetivo e ocular eram lentes de vidro. Em 1913, a Carl Zeiss Company estava pronta para vender este novo tipo de microscópios2.

Rife começou em 1917 para construir um microscópio melhor para a luz visível e terminou em 19221. Ele ampliou até 17.000 vezes, enquanto os melhores microscópios ópticos padrão só poderiam chegar a 2000 a 2500 vezes. Além disso, as imagens foram bem contraídas, com alta resolução sem precedentes. Como isso foi alcançado permaneceu um quebra-cabeça não resolvido. Rife construiu microscópios ópticos ainda mais poderosos. Seu segundo foi concluído em 1929 e o terceiro em 1933. Ele chamou isso de “microscópio universal”, por causa de sua grande adaptabilidade. Pode até ampliar até 60.000 vezes.

Esses supermicroscópios permitiram que ele fizesse descobertas extraordinárias, mas contradiziam as crenças das autoridades médicas. Usando apenas microscópios convencionais, eles não conseguiram observar o que Rife viu por meio de seus supermicroscópios. Além disso, Rife descobriu o micróbio do câncer, embora fosse geralmente assumido que o câncer não é uma doença infecciosa. A ciência progride, é claro, descobrindo fatos anteriormente desconhecidos e explicando-os, mas isso pode exigir a correção de suposições anteriores. Infelizmente, é muito difícil modificar ideias profundamente enraizadas. Um dos objetivos deste artigo é ilustrar esse fato analisando as descobertas e conquistas de Rife, para mostrar a complementaridade dos métodos experimentais e teóricos.

Alegou-se3, por exemplo, que é impossível alcançar a alta resolução do microscópio de Rife, repetindo a teoria padrão. Também é incorreto acreditar que Rife suprimiu os efeitos de interferência 4[4]. O Prêmio Nobel de Química de 2014 foi realmente concedido para o desenvolvimento de microscopia super-resolvido 5[5]. Isso foi conseguido usando lasers poderosos, enquanto Rife teve sucesso com meios puramente clássicos. No entanto, seu nome foi eliminado da literatura médica e científica oficial.

Felizmente, alguns documentos foram preservados e sua análise nos ajudou a descobrir o segredo que escapou da atenção. Além disso, eles fornecem informações em primeira mão sobre as descobertas que Rife fez com seu novo microscópio. O primeiro dizia respeito à existência de “nanobactérias”, resultante da redução de tamanho de bactérias conhecidas. Eles são mais virulentos, mas Rife descobriu também um método para destruí-los, por ressonância. Para observar ambos os fenômenos muito claramente, ele construiu os microscópios mais poderosos. O tamanho das bactérias típicas é da ordem de 1000 nm. Para os vírus, varia de cerca de 400 a 20 nm, mas sua existência já havia sido estabelecida por volta de 1900 por meio de filtros de porcelana com poros muito estreitos. O filtrado não continha bactérias, mas permaneceu virulento. Este fato justificou a convicção de Rife de que essas entidades misteriosas deveriam ser observáveis por meio de melhores microscópios.

Uma descrição de seu microscópio universal foi publicada em 1944 por uma revista científica6. Ele também mencionou outros novos microscópios ópticos e comparou-os com microscópios eletrônicos, desenvolvidos em 1930th. Sua ampliação é maior e permite, por exemplo, determinar o tamanho do vírus da poliomielite. São apenas 30 nm. O diâmetro do núcleo esférico do vírus Covid-19 é de 85 nm e carrega picos de 20 nm. No entanto, os microscópios eletrônicos só podem produzir imagens de micróbios mortos. O artigo de 1944 insistiu, assim, sobre o “grande interesse” do novo tipo de microscópios ópticos, uma vez que permitem que os cientistas penetrem no mundo invisível do organismo minucioso e causador de doenças quando ainda estão vivos e ativos.

Isso foi essencial para Rife, mas como ele adquiriu a competência para suas realizações aparentemente impossíveis? Sabemos que ele começou os estudos médicos em 1905 na Universidade John Hopkins, em Maryland, mas ele os quebrou. Seu objetivo era construir o mais rápido possível um microscópio melhor e encontrar o micróbio do câncer. Foi relatado 7que ele se casou em 1912 e mudou-se para San Diego, Califórnia. Falando alemão, ele viajou muitas vezes antes da Primeira Guerra Mundial para a Alemanha para a Marinha dos EUA. Rife forneceu-se informações confiáveis em 1960, respondendo a 137 perguntas do advogado de seu colaborador John Crane 8[8]. Ele estava em julgamento, já que a poderosa Associação Médica Americana (AMA) decidiu abolir a terapia do câncer Rife / Crane. Foi declarado falso, mesmo sem examinar os métodos e resultados de Rife. Após o julgamento de Rife, orquestrado já em 1939 pela AMA, ele foi forçado a parar sua pesquisa. Ele estava falido e desesperado. Seu laboratório foi invadido. Seus microscópios foram tornados inutilizáveis e os documentos foram roubados. Eles também incluíram filmes do comportamento dos minúsculos seres vivos que Rife tornou visível. Ele se refugiou no México. Mesmo suas respostas escritas de 1960 não foram autorizadas a comparecer ao tribunal durante o julgamento de Crane em 1961, mas foram conservadas.

Rife respondeu (para questionar Q.38) que ele adquiriu sua experiência em óptica, trabalhando por 6 anos com Hans Lukel, que foi cientista de Carl Zeiss nos EUA. Rife menciona lá também que ele fez “todas as fotomicrografias para o Atlas dos Parasitas que foi feito na Universidade de Heidelberg”. Este livro foi publicado em 1914 e continha mais de trezecentas litografias coloridas 9[9]. Nossas investigações nos arquivos das universidades de Heidelberg e Gie’en, bem como no Suporte de História da Carl Zeiss em Jena, não revelaram vestígios registrados ou de fácil acesso. Os autores do livro só agradeceram seus colegas acadêmicos. De qualquer forma, levou nove anos antes de Rife se sentir pronto para começar sua própria pesquisa (Q.39). A ligação 8[8] fornece fotografias de seus microscópios e a cópia de um certificado, onde o Instituto de Pesquisa Científica da Expedição Antropológica Andina reconheceu as “excelentes contribuições para a ciência” de Rife e a atribuição de uma Bolsa de Pesquisa em bioquímica. Rife confirmou isso (Q.135-137) e acrescentou que estudou bacteriologia na Universidade John Hopkins (Q.56). Ele adquiriu lá um diploma de doutorado, uma vez que ele assinou um artigo científico 10com este título e foi muitas vezes chamado Dr. O Rife.

Quando ele estava ficando sem recursos financeiros, ele assumiu um emprego como motorista do multimilionário Henry Timken. Ele fabricava rolamentos de esferas e Rife fornecia uma maneira de controlar sua qualidade construindo uma máquina de raios-X. Timken valorizava sua criatividade e habilidades técnicas, demonstradas de várias maneiras. Impressionado com a competência de Rife e sua forte motivação para construir melhores microscópios para identificar o micróbio do câncer, Timken ofereceu-lhe um laboratório em Point Loma, Califórnia, com equipamento completo e apoio financeiro.

Rife construiu ali seus microscópios e o porão forneceu instalações para 1000 animais com ar condicionado precisamente controlado (Q.10). Havia cerca de 800 ratos albinos, mas também porcos e coelhos da Guiné (Q.59). Em 1929, um jornal local publicou um artigo sobre o extraordinário microscópio de Rife e suas fascinantes descobertas11. O jornalista elogiou sua competência em bacteriologia, química, metalurgia e engenharia. Rife tinha desenvolvido métodos para observar e documentar entidades vivas anteriormente não observáveis. Ele encontrou até uma técnica para destruir micróbios nocivos, mas “se recusa a ganhar dinheiro com isso”. Ele está preocupado com a ciência pura e quer libertar a humanidade do câncer e outras doenças terríveis.

Em sua entrevista 8[8], Rife fornece detalhes importantes sobre sua pesquisa e as dificuldades que encontrou. Ele usou tecidos cancerígenos e preparou mais de 15.000 slides, já que estava convencido de que seu microscópio deveria permitir que ele visse o micróbio que causa câncer, mas ele permaneceu oculto. Ele tentou inúmeras moléculas para colorir e isso durou mais de 10 anos, sem sucesso (Q.22). Eventualmente, ele pensou que substâncias químicas poderiam destruir os mini-micróbios e, portanto, começou a explorar outras capacidades de seu microscópio. Embora isso fosse demorado, permitiu-lhe selecionar uma cor que tornasse os micróbios visíveis por sua própria luminescência, sem ter que adicionar alguma substância corante. Também foi necessário descobrir um método para multiplicar os micróbios que ele esperava estar presente no tecido do câncer. Ele descobriu que eles tinham que ser cultivados no “médium K”, desenvolvido pelo microbiologista Arthur Kendall. Este meio é baseado em proteínas, mas pobre em peptones (políptídeos e aminoácidos). Era superior a todos os outros (Q.29 e 30). No entanto, o avanço decisivo foi quase acidental 12[12].

“Depois de muitos procedimentos longos e tentativas malsucedidas”, Rife colocou fortuitamente um tubo de ensaio perto de um tubo de descarga do argônio. Ele ioniza o ar e produz O ? 2

íons, tornando-se ozônio. Rife notou alguma nebulosidade, mas o microscópio não revelou nada de especial. Após a incubação durante 24 horas a 37,5o no K-medium, a solução foi “eming com o vírus do câncer”. Essas entidades eram muito pequenas e motas, mas facilmente discerníveis por meio de sua fluorescência arrojada. Sua proliferação resultou de submeter bactérias ao estresse. Como Rife estava procurando essas entidades misteriosas durante muitos anos, ele as chamou de X-bactérias ou simplesmente “BX”. Para verificar se eles realmente causaram câncer, ele inoculou ratos albinos com uma solução, derivada do tecido do câncer de mama humano. Em quase 3 a 4 dias apareceu uma lesão no ponto de inoculação na glândula mamária desses ratos. O exame patológico revelou malignidade típica. Rife mencionou que o mesmo procedimento foi repetido 411 vezes com resultados idênticos (Q. 24). Ele queria ter certeza absoluta.

O culpado do câncer ou pelo menos uma nova causa possível foi assim descoberto. Era uma pequena partícula ovóide, de cerca de 50 nm de grande e 70 nm de comprimento. Sua motilidade indicava que era flagelada 10[10]. Rife observou também com seu supermicroscópio que essas entidades BX poderiam ser transformadas novamente em bactérias ou fungos, de acordo com o meio onde viviam. Na sua forma reduzida, eles não podiam ser destruídos por radiação UV ou raios-X, mas foram mortos após dois dias a 42oC. O artigo do jornal 11[11] atraiu a atenção do Dr. Arthur Kendall, que tinha desenvolvido o meio K. Ele era professor e chefe do departamento de bacteriologia da Universidade Northwestern, em Chicago, e queria verificar a realidade dessas alegações surpreendentes.

Ele convidou Rife em 1931 para trazer seu microscópio para sua instituição, onde ele usou um tipo de bactéria que ele mesmo cultivou. Em seu “estado filtrado”, eles apareceram no escopo de Rife como pequenos grânulos de cor azul-turquesa. Essas observações foram tão surpreendentes que todo o procedimento foi repetido oito vezes. Em 1931, Prof. – Dr. Dr. (em inglês). Kendall publicou com Rife um artigo 10que descrevia esses experimentos e seus resultados. Kendall foi então convidado para falar em 1932 em uma reunião da Associação de Médicos Americanos. – Dr. Dr. (em inglês). Thomas Rivers, virologista da Fundação Rockefeller, tentou cancelar a conversa de Kendall. Isso não foi aceito, mas Rivers foi imediatamente ao pódio depois de sua conversa para expressar oposição feroz. Ele impressionou o público ao se atrever a discursar no Dr. Kendall como se fosse um mentiroso.

– Dr. Dr. (em inglês). Rios e Dr. Zinser, bacteriologista de Harvard, tentou reproduzir os resultados de Kendall. Eles usaram o K-medium, mas suas observações foram feitas com microscópios ópticos convencionais. Sem o supermicroscópio de Rife e seu método para provocar luminescência, eles não conseguiram ver as nanopartículas relevantes. Além disso, eles acreditavam no monomorfismo, defendido por Louis Pasteur. Ele atribuiu doenças infecciosas a bactérias de tamanho e forma específicas. Um postulado semelhante é usado para classificações em botânica e zoologia, mas a metamorfose não é impossível. Desde que Rife e Kendall estavam enfrentando ideologia, Dr. Edward Rosenow, que liderava o programa Experimental Bacteriologia da Fundação Mayo em Rochester, Minnesota, queria verificar os fatos. Ele passou 3 dias no laboratório de Kendall, onde o microscópio de Rife ainda estava instalado e relatou suas observações na Science 13[13]. Ele escreveu: “Não pode haver nenhuma questão da existência de corpos azuis turquesa turquesa filtíveis”. Eles aparecem em grande número em filtrados de culturas de tecidos infectados e constituem um “estágio no desenvolvimento de microorganismos”.

Rife mencionou em sua entrevista 8[8] que as entidades BX estão se movendo ativamente (Q. 51), mas que ele encontrou um método para “desvimentar todos os microrganismos como desejado” (Q.19). Foram necessárias ondas EM de frequência particular, dependendo do tipo de micróbios. Essa frequência foi determinada observando os micróbios com seu microscópio (Q.76). Alguns tipos então “explodiram ou se desintegraram” e outros tipos se agregaram (Q.80). Isso aconteceu para vários tipos de bactérias (Q.78), mas nunca foram afetadas por frequências inadequadas (Q.118). Esta observação levou ao desenvolvimento da “máquina de raio”. Sua produção foi continuada por John Crane quando Rife fugiu para o México, mas Crane foi processado. AMA acusou-o, embora se recusou a testar seu sistema (Q.131). A Sociedade Americana do Câncer estava interessada, até descobrirem que Crane e Rife não eram médicos (Q.127).

No entanto, o Dr. Milbank Johnson, professor de Fisiologia e Medicina Clínica da Universidade do Sul da Califórnia, reuniu em 1934 um Comitê de Pesquisa para testar a eficiência clínica da terapia do câncer de Rife. Foram selecionados 16 pacientes terminais com diferentes tipos de neoplasias malignas e tratados com o instrumento que produziu um campo elétrico oscilante da frequência necessária para desativar as entidades BX. As sessões duraram apenas 3 minutos, todos os três dias. Os pacientes não sentiram dor nem qualquer outra sensação, mas “o vírus ou bactéria é destruído e o corpo então se recupera” 1[1]. O intervalo entre os tratamentos foi necessário para eliminar os detritos tóxicos. “Após três meses, 14 desses casos sem esperança foram assinados clinicamente curados pela equipe de cinco médicos”. Outros participaram da visão geral deste teste e do patologista do grupo, Dr. Foord, certificou a cura. Os outros dois pacientes foram curados após mais 20 dias 7[7]. A primeira clínica de câncer que usou a tecnologia Rife foi aberta em 1934 e a Rife Beam Ray Company estava operando em 1938. Isso foi intolerável para a poderosa AMA. A indústria farmacêutica capitalista também queria impedir o desenvolvimento de formas alternativas de tratamentos médicos, é claro, mas tinha apenas que incentivar o pedido da AMA de proibição legal e o uso de outros métodos de coerção. Este procedimento foi analisado no contexto da antropologia social, relacionada à ciência e tecnologia 14[14]. É necessário, de fato, perceber que era profundamente injusto, não científico e até prejudicial, impedindo a possível cura.

A estrutura deste artigo resulta da necessidade de resolver três problemas básicos. A seção 2 descreve o supermicroscópio de Rife e explica seu funcionamento. A seção 3 justifica o conceito de pleomorfismo. A Seção 4 fornece uma explicação científica detalhada do mecanismo físico de destruição de micróbios-alvo por ressonância. Esta parte ilustra também a utilidade do raciocínio físico para resolver enigmas científicos, mesmo na medicina. A seção 5 apresenta conclusões e algumas recomendações.

  1. Supermicroscópios ópticos

2.1 Microscópio Universal da Rife

Os princípios básicos da microscopia resultam das leis da óptica geométrica. Todos os raios de luz que emergem de um ponto A e passam por uma lente L convergem no ponto A’. Para determinar sua posição, basta considerar dois raios, como mostrado na Figura 1. O raio que passa pelo centro de uma lente fina não é desviado, enquanto o raio que passa pelo ponto focal F é refratado pela lente para se tornar paralelo ao seu eixo de simetria. Isto aplica-se mesmo a combinações de lentes finas. A posição da imagem A’ de A é determinada por 5 parâmetros: suas distâncias D e d do plano da lente, suas alturas H e h acima e abaixo do eixo de simetria, bem como a distância focal f da lente L. Na verdade,

1 f ? +

E a H h ?

(1)

As relações análogas aplicam-se à segunda lente L’. Uma vez que os raios que emergem de A e passam por essa lente são refratados como se eles tivessem surgido de I, esta é uma imagem virtual. A ampliação global é o produto das ampliações fornecidas pelas lentes objetiva e ocular.

Rife modificou este sistema para obter uma ampliação muito maior, aumentando a distância D. Ele fez isso intercalando muitos prismas, conforme indicado na Figura 2. Nós representamos lá apenas um feixe estreito de raios, formando um feixe que coincidiria com o eixo de simetria se não fosse desviado. Rife afirmou em sua descrição 15[15] que o feixe foi submetido a “21 curvas de luz”. São apenas 20

Figura 1. Formação sucessiva de duas imagens A’ e I do ponto A em microscópios ópticos.

Figura 2. Rife alcançou grande ampliação, aumentando a distância D entre a lente L e A.

prismas, mas a imagem A’ também produz um desvio para produzir a imagem I. Rife insistiu que os raios de luz devem permanecer quase paralelos, embora os raios que emergem da lente L estejam convergindo. Os prismas de 90o, portanto, não apenas agiam como espelhos. Um de seus rostos era um pouco côncavo. Toda vez que os raios tendiam a se encontrar, eles eram assim menos convergentes. Este estratagema exigiu uma precisão extremamente alta, uma vez que o desvio total do ideal não poderia exceder um comprimento de onda.

A distância que os raios de luz viajavam em ziguezague era de 449 mm, enquanto o comprimento do barril era de apenas 229 mm. Para microscópios usuais é de 160 – 190 mm. Todos os prismas e lentes foram feitos de quartzo de geleira em bloco. O barril e os parafusos eram feitos de “magnalium”. Esta liga AL/Mg era muito cara, mas tem o mesmo coeficiente de dilatação térmica que o quartzo. A Figura 1 mostra que ambas as distâncias focais f e f’ devem ser tão pequenas quanto possível. A Rife optou assim por um par de objetivos idênticos e de alta qualidade com lentes de quartzo, desenvolvido pela Zeiss. Por que Rife não seguiu a tendência contemporânea de melhorar a resolução usando luz UV? Não seria convertido em toda parte em luz visual quando passa pelo espécime, mas é perigoso para observação visual. Embora pudesse ser eliminado por um filtro, Rife preferiu usar uma fonte de luz normal, já que sua intenção inicial era usar coloração química.

Rife sabia que a fluorescência molecular resulta de processos que são representados na Figura 3(a). As curvas mostram como a energia E depende para o estado fundamental e o primeiro estado excitado no parâmetro estrutura s. Fótons de luz azul ou ultravioleta próximo podem, assim, excitar um elétron do estado terrestre mais provável para outro estado possível. A molécula modifica então a sua configuração antes de emitir um fóton de menor energia. Como a absorção e emissão de um fóton são processos instantâneos, são representados por transições verticais. Há também estados vibracionais, levando a bandas espectrais em vez de linhas, mas podemos simplificar o gráfico, uma vez que o ponto essencial é que as moléculas, que podem rapidamente perder qualquer excesso de energia. No entanto, era necessário que a fonte de luz pudesse fornecer luz de qualquer cor necessária para provocar fluorescência ideal.

Um arco elétrico é uma fonte de luz muito intensa, mas existem linhas espectrais. Rife preferiu, portanto, um filamento incandescente. Ele produz um espectro contínuo e Rife usou um filtro especial para selecionar a cor adequada. Foi inventado em 1889 pelo oftalmologista Risley e é representado na Figura 3 (b). Na verdade,

Figura 3. (a) A luminescência molecular é ótima quando é excitada pela luz de uma cor particular. (b) Foi selecionado por um filtro de Risley. (c) O segredo de Rife era um filtro pontual perto de A’.

dois prismas idênticos de 90o podem ser girados em relação um ao outro, enquanto suas faces oblíquas permanecem em contato. Na incidência normal, a luz é refratada apenas na interface. Isso leva à dispersão, mas girando os prismas em relação ao outro, obtemos apenas a luz de uma determinada cor que deixa o segundo prisma na incidência normal. Como o quartzo é birrefringente, o ângulo de refração depende não apenas da cor, mas também da polarização das ondas de luz. Rife poderia, assim, produzir luz polarizada de qualquer cor desejada. Isso é útil para a mineralogia, já que fatias finas revelam partes coloridas.

A Figura 3(c) representa o filtro pontual que Rife colocou antes da primeira imagem A’, mas ele não mencionou isso em seu diálogo com Crane 16[16]. Ele afirmou lá (43) que o microscópio universal tem “uma resolução de 31.000 vezes e uma ampliação de 60.000 vezes”. Esses valores têm sido frequentemente repetidos, sem explicar como foram determinados, mas Rife mencionou que ele usou um slide revestido de prata Zeiss, carregando 800 linhas por mm com definição perfeita. Eles foram assim separados por 1,25 m. Sob um microscópio padrão, apareceu 40 – 60 dessas linhas com distorções, devido à aberração esférica das lentes. “Sob o microscópio universal, vemos apenas 1 a 3 linhas e elas são perfeitamente paralelas através de todo o campo” (44 e 45). A maior ampliação manteve apenas a parte central das imagens habituais. Rife afirmou que “a resolução é 31.000 vezes”, o que é incomum, mas considerou que a nitidez da imagem atingiu pelo menos metade da separação das linhas.

A alta resolução permaneceu muito intrigante, já que Feynman observou em suas famosas palestras sobre física (I, 27-7) que poderíamos construir um “sistema de lentes que amplia 10.000 diâmetros, mas ainda não podíamos ver dois pontos que estão muito próximos”. Já mencionamos que o poder de resolução de microscópios ópticos é limitado por efeitos de interferência. No entanto, Rife respondeu apenas à pergunta dos guindastes sobre esse limite (n.o 43) de que a falta de nitidez é devida a “fatores de erro que entram no campo da ótica pela iluminação e pelas coisas de todos os tipos”. O uso de um filtro pontual pouco antes da primeira imagem não foi mencionado. Mesmo no artigo de 1944, Rife observou apenas 6que “se alguém perfurar uma tira preta de papel ou papelão com o ponto de uma agulha e, em seguida, traz o cartão para perto do olho para que o buraco esteja no eixo óptico, um pequeno objeto brilhantemente iluminado parecerá maior e mais claro, revelando mais detalhes mais finos”. Essa dica não foi percebida, mas o método de Rife é equivalente a uma descoberta recente5, que merecia até mesmo um prêmio Nobel.

2.2 – O que é o mais do que é Microscópios modernos de alta resolução e difração

Stephan Hell, que foi pioneiro no uso de lasers para microscopia óptica de alta resolução, explicou a ideia básica em sua palestra do Nobel.16 Ele começou com a vantagem de microscopia óptica minimamente invasiva em relação à microscopia eletrônica. No entanto, a resolução dos microscópios ópticos é limitada e “os cientistas acreditavam ao longo do século XX” que essa barreira não pode ser superada. O conhecimento da realização de Rife havia sido dizimado, mas o inferno pensou que “tantos fenômenos novos foram descobertos” que a resolução mais alta dos microscópios ópticos deveria ser realizável. Ele estava ensinando química biofísica em Gotinga e atribuiu a dificuldade ao fato de que a luz é emitida por diferentes moléculas dentro de um pequeno volume do espécime. Eles são saídos juntos e emitem luz pelos processos moleculares que foram descritos na Figura 3(a). Uma vez que é impossível excitar apenas um pequeno grupo de moléculas, ele tentou descobrir se podemos “gerenciar para manter algumas moléculas escuras”.

Pesquisando uma resposta a esta pergunta, ele descobriu que a física sabe sobre a emissão de radiação stiulated. Einstein descobriu esse fenômeno em 1917, provando que ele é responsável pelo espectro de radiação EM de Planck em um forno ou em qualquer cavidade em temperatura suficientemente alta. Com lasers, é possível silenciar moléculas excitadas por “despocimento de emissão estimulado” (STED). Este processo é representado de forma simplificada na Figura 4(a). Luz laser azul (1) de intensidade moderada é absorvida por uma molécula. Um elétron é elevado do estado fundamental S o para o primeiro estado excitado S 11. A molécula relaxa, alterando sua configuração. A linha interrompida representa essa perda de energia, uma vez que é suficiente representar o estado excitado inicial e final para explicar a Figura 3(a). A emissão de luz resulta da transição (2) na Figura 4(a), mas a emissão estimulada (2’) pode ser causada por intensa luz laser da frequência adequada. O estado excitado é então constantemente esvaziado e a emissão de luz normal é extinguida.

A Figura 4(b) representa os domínios espaciais da iluminação por meio dos dois lasers. Essas distribuições de luz não podem ser pontuais, mas é possível produzir uma mancha de luz azul (1) e sobrepor um anel de luz verde muito intensa (2′). Ele aboli a emissão de luz neste anel e deixa apenas o pequeno ponto central onde a emissão de luz (2) ainda é possível.

Uma vez que o feitiço foi quebrado, outros cientistas abordaram o mesmo problema durante as duas últimas décadas e descobriram vários métodos para resolvê-lo. Eles foram revisados de forma abrangente e interessante 17[17]. A técnica básica consistia sempre na separação da emissão de luz no espaço ou no tempo. Como Rife poderia ter sucesso já em 1920 thpara alcançar alta resolução sem lasers? Para entender esse fato, é útil retornar ao básico.

A observação cuidadosa de Grimaldi em 1660 da sombra lançada por uma vara revelou que ela não pode ser explicada pela óptica geométrica, a menos que os raios de luz que passam perto de obstáculos sejam divididos (pelo menos) em dois raios. Isso levou ao conceito de “diffraction”.

Figura 4. (a) Transições entre os níveis de energia, utilizados para microscopia de alta resolução pelo método de depleção de emissões estimuladas (STEP). b) Iluminaçãos sobrepostos e a emissão resultante.

Grimaldi já pensava que a luz não pode ser constituída de partículas que se movem ao longo de linhas retas em qualquer meio homogêneo. O famoso experimento de dupla fenda de Young de 1801 provou que a luz está se propagando como ondas. Acreditava-se, então, geralmente que existem “ondas leves”, mas Planck descobriu em 1900 que existem grãos de energia luminosa e Einstein provou em 1905 que são partículas. Esses fótons nem sempre se movem em uma única trajetória bem definida, mas também permitem interferências.

Em 1815, Fraunhofer descobriu linhas espectrais na luz solar, melhorando a qualidade das lentes e prismas, mas ele também usou grades com muitas fendas estreitas equidistantes. A interferência resultante decompõe a luz branca em cores diferentes. Fraunhofer descobriu que uma única fenda produz também um conjunto de franjas de interferência espaçadas. Mesmo quando a luz encontra uma tela com um pequeno orifício circular de raio r, como mostrado na Figura 5(a), ele produz um ponto brilhante de luz que é cercado por anéis mais fracos. Fresnel explicou esse fato em 1819 considerando que todos os pontos dentro deste buraco emitem ondas de luz esféricas, mas no eixo de simetria, eles sempre interferem construtivamente um com o outro. A Figura 5(b) mostra que, para o ângulo em relação ao eixo de simetria, a luz emitida por qualquer par de pontos que são radialmente separados pela distância r interfere destrutivamente para a luz monocromática do comprimento de onda dado, quando

r ? ? ? ?

(2)

Para outros ângulos, as amplitudes de onda não são opostas umas às outras. Fresnel calculou a variação resultante da intensidade da luz e verificou-se que ela varia conforme indicado na Figura 5(c). É até o quadrado de uma função de Bessel. As setas definem a largura do ponto central, resultante da relação (2).

Estrelas distantes são fontes de luz pontuais, mas para os telescópios, sua imagem é um ponto de luz que é cercado por anéis de intensidade decrescente. Isso foi comprovado em 1835 e levou ao termo “disco Airy”. É representado na Figura 6(a), quando as intensidades de luz são representadas na inversão em preto/branco. A Figura 6(b) lembra que todos os raios de luz que emergem do ponto A e passam pela lente L convergirão no ponto A’. Ernst Abbe percebeu em 1873 que um microscópio é, portanto, equivalente a um buraco circular de raio.

r ? ? 2 A   onde  N A ?

(3)

Figura 5. (a) A luz que passa por uma pequena abertura circular leva à interferência. (b) É sempre destrutivo para um ângulo particularθ. (c) A distribuição angular da intensidade luminosa resultante I produz uma bolha central, cercada por anéis luminosos mais fracos.

Figura 6. (a) Imagem em preto/branco de um disco de Airy. (b) Formação da primeira imagem em um microscópio. (c) O poder de resolução r define a menor distância entre fontes ponto separáveis.

O valor de r resulta de (2) e o fato de que os raios de luz são refratados pela lente. NA é chamado de “abertura numérica” do sistema de lentes, uma vez que depende da abertura angular do diafragma e do índice de refração do meio entre o espécime e a lente. Ele refrata a onda de luz, mas do outro lado da lente L há ar, onde n ? 1. A Figura 6(c) mostra que a imagem turva de dois pontos próximos a A só pode ser separada quando sua separação é maior que r. O poder de resolução de microscópios é assim definido por (3). Abbe concluiu que a resolução de microscópios ópticos pode ser melhorada preenchendo o espaço entre a amostra e a lente com um fluido transparente, onde n ? 1,5. A imersão reduz assim r de ? /2 para ? ?/3.

2.3 – O que se é com o que é o que é. O Método de Rife e outros supermicroscópios

Foi afirmado 3[3] que Rife não poderia superar a barreira de difração e que ele a suprimiu aplicando o princípio da reversibilidade 4[4]. Desculpe, esse princípio só é válido em óptica geométrica, pois implica que a direção da propagação da luz é irrelevante para os raios de luz. A difração da luz que passa por um pequeno orifício circular ou por uma fenda estreita resulta da interferência e não pode ser eliminada, mas a Figura 4 mostrou que a dificuldade pode ser ignorada. Como Rife poderia fazer isso sem lasers?

O contato de Rife com a Zeiss Company e suas próprias observações o tornaram consciente dos fenômenos de difração, mas ele encontrou uma maneira muito simples de reduzir seus efeitos. Ele combinou ampliação muito alta com um filtro pontual, o que reduz o tamanho do disco de Airy em A’, como mostrado na Figura 3(c). Provavelmente, Rife não mencionou este filtro para proteger sua invenção. É até impossível verificar se ele usou um filtro de furo, já que seus microscópios foram desmontados. Rife construiu em 1932 um supermicroscópio para um amigo, que era um relojoeiro e pode ter dado conselhos para ferramentas de alta precisão. Este instrumento foi vendido em leilão em 2009, mas os sistemas objetivos e de lentes oculares estavam faltando, bem como o filtro pontual 18[18].

É muito notável que Gaston Naessens (1924-2018) desenvolveu em 1949 outro tipo de supermicroscópios ópticos com especialistas da Companhia Leitz em Wetzlar, Alemanha. Este instrumento atingiu uma ampliação de 30.000 e uma resolução suficientemente alta para ver entidades vivas muito pequenas. Naessens os chamou de “samódeas” e seu microscópio de “somatoscópio”. Ele observou que esses somatídeos resultaram de mudanças de tamanho e forma de bactérias normais. Eles poderiam passar por um ciclo de vida simples ou complexo.19 Isso é demonstrado em um vídeo curto e muito interessante 20[20]. Seu microscópio também foi baseado em bioluminescência, mas a radiação emocionante era uma luz UV e azul muito intensa de comprimentos de onda fixos, respectivamente de 185 nm e 330 nm. Como a excitação como a da Figura 3(a) requer uma cor específica, isso foi conseguido por meio de campos magnéticos e elétricos, modificando espectros moleculares de forma adaptável.

Uma vez que ignoramos se ele também usou um filtro pinhole para obter uma resolução muito alta, nos perguntamos se outros métodos poderiam ter sido usados. Isso é concebível, uma vez que a Figura 7(a) é responsável pela excitação por meio da luz UV que permite transições (1) entre o estado fundamental S o e um estado de saída mais alta S 22. A energia é então reduzida, modificando o parâmetro de configuração da molécula. No entanto, a curva S 2 corta a curva S 1(s). O elétron saído vai então para o estado de energia mais baixa, o que permite a emissão imediata de luz (2), chamado fluorescência.No entanto, o elétron excitado também pode passar de S 1 para outro estado T. É um estado triplo, uma vez que o spin do elétron excitado foi invertido. Obtemos assim um par de elétrons, onde o spin total é 1 em vez de 0 para os estados singlet S e a transição T – S o é proibida. O elétron é assim preso até que esteja termicamente excitado para alcançar novamente o nível S 11. Isso permite a emissão de luz retardada, conhecida como fosforescência.Uma vez que não há mais relação de fase fixa com a luz emocionante, as ondas de luz emitidas são incoerentes e não podem interferir.

Outro método consiste em colocar um filtro pontual precisamente no ponto A’, como mostrado na Figura 7(b). Isso tem principalmente a vantagem de melhorar a nitidez da profundidade, uma vez que a luz que emerge de outros planos do que em A não será focalizada no plano de imagem A. Este tipo de microscopia confocal foi inventado e patenteado em 1950.21 Isso permitiu a varredura a laser. A microscopia óptica fez um progresso notável, mas os pioneiros, Rife e Naessens foram injustamente descartados da lista de cientistas honrados.

Eles usaram seus microscópios para observar que as bactérias podem reduzir seu tamanho e desenvolveram métodos para combater doenças. Rife fez isso por ressonância e Naessens, descobrindo drogas que ele poderia observar para ser eficiente, mas ele foi processado por exercício ilegal de medicina.22 Rife e Naessens não pertenciam à corporação ou casta necessária. Essa mentalidade é semelhante ao racismo, uma vez que nem foi necessário verificar se suas observações estavam corretas e se seus tratamentos foram úteis ou não.

Figura 7. (a) Excitação de fluorescência e fosforescência. (b) Microscopia confocal.

  1. Descobertas Biológicas e Aplicações Médicas

3.1 (‘) O Pleomorfismo Revisitado

Antoine Béchamp, um compatriota de Pasteur, já provou por extensa experimentação que o tamanho e a forma das bactérias podem ser modificados.23 Ele introduziu o termo pleomorfismo, significando formas mais possíveis.Ele descobriu que as entidades menores sobrevivem em giz, mas podem reacquirir seu tamanho habitual e até mesmo se tornarem fungos. Em 1886, Béchamp descreveu “microzimámes” (pequenos fermentos) que subsistem como entidades vivas após a morte de órgãos, embora se acredite que nada possa sobreviver. Esses microzimas também podem estar presentes nos seres vivos, onde causam doenças, mas Pasteur defendeu ferozmente sua convicção de que todas as doenças infecciosas são apenas devidas a micróbios de origem externa. Béchamp foi doutor em farmácia e professor de química. Ele se tornou médico e depois professor de medicina. Ele era um membro da Academia Francesa, como Louis Pasteur, que era um químico. Pasteur fez descobertas muito importantes, mas foi bastante intolerante. Ele teve até uma rivalidade com Robert Koch e 24reagiu tão agressivamente contra Béchamp que o monomorfismo prevaleceu por consentimento dócil de colegas.

No entanto, a Sra. Henri do Instituto Pasteur em Paris observou em 1914 que os bacilos de antraz mudam sua forma quando são submetidos à luz ultravioleta 25[25]. O monomorfismo também foi contestado pelo biólogo sueco Ernest Almquist 26[26]. Ele escreveu em 1922: “Ninguém pode fingir saber o ciclo de vida completo e todas as variedades de uma única espécie bacteriana. Seria uma suposição pensar assim.”

Rife não estava ciente dessas controvérsias ou não estava interessado. Seu objetivo era observar os minúsculos micróbios que ele esperava existir. Ele conseguiu e descobriu que “qualquer alteração de mídia artificial (para bactérias cultiváveis) ou ligeira variação metabólica nos tecidos induzirá um organismo de um grupo a se transformar em qualquer outro organismo incluído nesse mesmo grupo”. Essas transformações são reversíveis, mas o bacillus typhosus produz sempre entidades luminescentes azul-turquesa. Para o bacilo coli tem uma cor de mogno, para a tuberculose é verde esmeralda e para o BX-ushplish-red.

Rife descobriu que as bactérias inofensivas se tornam virulentas quando seu tamanho é reduzido. Ele pensou, portanto, que as bactérias não produzem doenças, mas os microrganismos que resultam de sua transformação. “Se o metabolismo do corpo humano está perfeitamente equilibrado ou equilibrado, ele não é suscetível a nenhuma doença”. Rife acrescentou nove anos 12depois: “com uma cultura pura de bacilo coli, alterando a mídia apenas duas partes por milhão em volume, podemos mudar esse organismo em 36 horas”. No meio inicial, o microrganismo torna-se novamente um bacilo coli. O estudo microscópico contínuo e a fotografia de stop motion confirmaram a reversibilidade e revelaram que o BX permite “muitas mudanças e ciclos”.

Em animais experimentais, o BX produz “um tumor típico com toda a patologia do verdadeiro tecido neoplásico, do qual podemos recuperar novamente o microrganismo BX”. Eles estão até abundantemente presentes. Para ter certeza desse resultado surpreendente, Rife repetiu essas observações várias centenas de vezes. Deve-se notar que ele tendia a usar o termo “vírus” para qualquer tipo de micróbios filtráveis, já que o modo específico de reprodução do vírus ainda não era conhecido. O biólogo Gaston Naessens observou o pleomorfismo com mais detalhes. Ele apresentou evidências claras em um vídeo que 27os somatos encontrados no sangue podem ter um ciclo de vida simples ou um com 16 estágios diferentes. Esses fatos podem simplesmente ser negados, já que não são observáveis com microscópios ópticos padrão? Os livros de Lynes 1[1] e Bird 23[23] denunciam a enorme falta de honestidade científica em relação às descobertas de Rife e Naessens.

Felizmente, é possível redescobrir o que está acontecendo na Natureza. Emmy Klieneberger-Nobel publicou em 1951 um estudo completo de formas filtradas de bactérias. Ela usou um microscópio de contraste de fase, desenvolvido em 1942. Ele converte mudanças de fase sutis de ondas de luz que passam através do espécime em modificações de amplitude. Eles são perceptíveis reduzindo a amplitude das ondas de fundo. Este método tornou possível descobrir mudanças reversíveis de vários tipos de bactérias, resultantes de modificações de seu ambiente 28[28]. De acordo com sua longa lista de referências, ela não estava ciente das descobertas de Rife e Naessens, mas a realidade do pleomorfismo foi confirmada.

Kurath e Morita demonstraram em 1983 que as bactérias marinhas são capazes de se adaptar para a sobrevivência sob condições de fome de nutrientes 29[29]. O geólogo Robert Folk descobriu no início do século 90 que a precipitação de carbonatos em fontes termais da Itália central é devido a bactérias modificadas. Ele os estudou por microscopia eletrônica de varredura (MEV), provando que o tamanho médio do herdeiro era de 200 nm. Em 1994, Folk atribuiu a precipitação carbonatada observada às paredes celulares carregadas negativamente. Eles atraem íons Ca ++, neutralizados por CO 3 íons, que produz giz (CaCO 33) 30[30].

Kajander e Ciftcioglu provaram em 1998 que o sangue pode conter nanobactérias, associado a Ca ++, CO 3 e PO 4 31[31]. As nanobactérias atuam então como centros de cristalização que levam à formação de pedras nos rins. O envelope calcificado parece fornecer um abrigo para a sobrevivência, uma vez que as micrografias de MEV revelaram que ainda são capazes de divisão. Parecia também que estas nanobactérias são cobertas com uma “camada de cabelo”. A microscopia eletrônica de transmissão (TEM) confirmou a existência dessa camada de bigodes mineralizados.

No entanto, a existência de nanobactérias levantou controvérsias, uma vez que acreditava-se geralmente que as bactérias têm que ser grandes o suficiente para acomodar DNA ou RNA, bem como as enzimas necessárias para a replicação autônoma. A oposição ao conceito de pleomorfismo ressurgiu, mas agora por causa da genética molecular. Ciftcioglu, Kajander et al. responderam em 2006 por mais fatos: a calcificação patológica causada por nanobactérias também explica os cálculos biliares, doenças cardíacas arteriais, prostatite, câncer e doença de Alzheimer [32]. Eles afirmaram que a pesquisa nessa área tem sido “paralisada por décadas atribuindo as calcificações a processos insignificantes, passivos e degenerativos do envelhecimento”.

O dermatologista Milton Wainwright publicou já em 1990 um livro 33[33], onde apresentou resultados importantes sobre as causas microbiológicas do câncer. Ele descobriu que a esclerodermia, uma forma rara de câncer que leva ao endurecimento da pele e inevitavelmente à morte, é causada por micróbios. Outros médicos e cientistas de pesquisa médica também demonstraram, entretanto, que várias formas de câncer resultam de nanobactérias, mas o estabelecimento médico rejeitou de forma imprudente todas as provas que contradiziam o dogma padrão. O livro de Wainwright de 2005 fornece ampla prova desse tipo de “política médica” 34[34].

Milton Wainwright lembrou a batalha entre pleomorfismo e monomorfismo35, uma vez que ainda está acontecendo. Ao descartar essa possibilidade, “podemos estar perdendo algo de importância fundamental”. Uma revisão 36concluiu em 2011 que “a evidência de que as nanobactérias existem no corpo humano e estão intimamente associadas a muitos tipos de doenças é agora esmagadora”. No entanto, ele veio ainda em 2011 a uma negação categórica [37]. Ele arbitrou injustamente para um estudo de Ciftcioglu e McKay [38]. Foi muito mais cuidadoso e mencionou que as nanopartículas calcificantes “não se encaixam na definição típica de vida”, mas poderia ser muito restritiva. Formas menores têm efeitos prejudiciais sobre a saúde humana e devem ser o “foco do esforço futuro”.

Cantwell insistiu novamente em 2014 com a evidência existente de que o câncer é causado por bactérias pleomórficas [39]. Mais e mais justificativas da relevância das formas modificadas de bactérias em patologias humanas foram publicadas. Cientistas russos apresentaram em 2012 uma revisão 40onde as nanobactérias de coqueides foram relatadas como aparecendo na água do mar, no solo, nas rochas sedimentares e graníticas, na camada de gelo da Groenlândia, geleiras e solos de permafrost, bem como em seres humanos e insetos, por exemplo. Seu tamanho pode ser reduzido para cerca de 150 nm. Este artigo contém várias micrografias que mostram que as ultramicrobactérias podem fazer contato umas com as outras por meio de apêndices semelhantes aos do cabelo. A equipe de Banfield na Universidade da Califórnia, em Berkeley, coletou nanobactérias filtrando a água subterrânea alterada por acetato.41 Essas células foram imediatamente congeladas para evitar a deterioração e levadas ao laboratório, onde foram analisadas pelo CryoTEM. Parece que essas nanobactérias são bastante comuns e bem adaptadas para a sobrevivência em condições adversas. Uma micrografo amplamente publicada [42] mostra uma partícula esférica revestida. Seu diâmetro é próximo de 300 nm e sua superfície é coberta com vários pili, irradiando para fora. Seu comprimento é de cerca de 50 nm. Sua presença atraiu nossa atenção e se tornará muito importante.

Lida Mattman foi uma excelente microbiologista. Ela confirmou o pleomorfismo e descreveu o ciclo de vida de várias bactérias. Seu livro [43] concentrou-se em “formas deficientes em paredes celulares”. Eles podem resultar de uma adaptação para aumentar a proteção contra antibióticos naturais, mas permaneceram escondidos no sangue, embora sejam prejudiciais. “A bactéria atual tem a crença de que cada espécie de célula tem apenas uma forma simples e a retém por reprodução”. No entanto, eles são capazes de “passar por estágios com morfologias marcadamente diferentes”.

Dennis Claessen e seu grupo no Instituto de Biologia em Leiden descobriram bactérias filamentosas que estão presentes nos solos. Ele os chamou de “actinomycetes”. Em resposta ao estresse, eles podem se tornar deficientes na parede celular [44]. Este pode ser um estado transitório, mas também duradouro. Pr. Claessen comentou em uma entrevista: “Isso dá uma nova compreensão da flexibilidade dos microrganismos sob estresse e sua capacidade de se adaptar ao seu ambiente”. Ele publicou um artigo em 2019, onde revisou o progresso recente em relação à deficiência de parede induzida pelo estresse e ao pleomorfismo [45]. Ele concluiu que durante a última década, tornou-se cada vez mais claro que “as células têm uma ampla gama de mecanismos de defesa para lidar com várias tensões”. Isso também é clinicamente relevante, uma vez que a plasticidade morfológica pode causar reinfecções.

É particularmente notável que Rife descobriu que as nanobactérias mortais prosperaram em tecidos que haviam sido tratados por radiação , ? βe ? ou raios gama de cobalto [46]. A ideia de que o câncer resulta apenas de mutações, devido a danos causados por radiação e algumas substâncias químicas, precisa de revisão, uma vez que não estávamos cientes do pleomorfismo, causado pelo estresse.

3.2 – Em que se opresente. Método da Rife para produzir ondas EM

Seu objetivo não era apenas ver pequenos micróbios, causando doenças e morte, mas também destruí-los. Ele já suspeitava que isso poderia ser possível submetendo-os a campos elétricos oscilantes. Ele declarou 8que a experimentação sistemática começou em 1920. Naquela época, os radioamadores eram muito ativos. A onda portadora para frequências de rádio foi inicialmente produzida por meio de uma sequência de faíscas (em alemão: Funken, significando também radioemissão). As faíscas resultam de alta tensão, obtidas por meio de uma bobina de indução de Ruhmkorf e um interruptor. O campo elétrico acelera alguns elétrons perdidos que se tornam capazes de ionizar moléculas de ar. Isso produz mais elétrons livres de forma avalanche, mas os processos de recombinação levam a uma faísca e descarga rápida. Isso também é relevante para relâmpagos.

Quando se percebeu que os elétrons podem ser emitidos por um filamento quente, tornou-se possível fabricar diodos luminosos. No entanto, Lee De Forest usou um tubo de vácuo e inventou o triodo, onde o fluxo de elétrons amplificado pode ser controlado. Este “audion” poderia, assim, modular uma onda de alta frequência em frequências de áudio e foi patenteado em 1908. A radiodifusão pública começou em 1922 a partir da torre Eifel em Paris e, em 1926, a NBC iniciou emissões de rádio nos EUA, mas o Dr. Rife queria apenas produzir ondas de rádio de alcance limitado. A sua frequência deve ser adaptável e estável para permitir uma ação seletiva em micróbios específicos. Sendo tecnicamente talentoso e muito criativo, ele fez isso combinando duas invenções existentes.

Por um lado, o físico e soprador de vidro Geissler criou em 1857 um tubo de descarga de gás, ainda hoje usado como fonte de luz colorida. Consiste em um recipiente de vidro selado que contém um gás nobre a baixa pressão e dois eletrodos. Não há filamento quente, mas uma diferença de alto potencial constante é aplicada a esses eletrodos. O campo resultante acelera os elétrons livres que então ionizam os átomos. Em baixa pressão, eles são difundidos por colisões antes de emitir luz. Todo o tubo se torna assim luminoso e a cor depende do gás escolhido.

Por outro lado, Coolidge inventou em 1913 um tubo de raios-X que era uma esfera de vidro. Um filamento quente emitiu elétrons, empacotado e acelerado em alto vácuo por um forte campo elétrico para impactar o outro eletrodo em alta velocidade. Eles estavam lá de repente desacelerados, mas as leis básicas do eletromagnetismo preveem que quando a velocidade das partículas eletricamente carregadas é reduzida, elas emitem radiação de frenagem (Bremsstrahlung). A desaceleração de elétrons de alta velocidade produz raios-X. Seu espectro de frequência é contínuo, mas também há picos estreitos sobrepostos, resultantes da excitação de elétrons fortemente ligados dentro dos átomos do ânodo. Eles retornam ao seu estado normal emitindo fótons de energia particular. Esses processos produzem um feixe de raios-X que é emitido a 90o quando o ânodo plano está inclinado a 45o em relação ao feixe de elétrons. Rife criou um novo sistema, representado na Figura 8(a).

Na verdade, ele substituiu o tubo de Geissler por uma esfera de vidro do tamanho de uma mão e o filamento quente da esfera Coolidge por uma placa de metal fria. Quando a diferença de potencial aplicada entre os dois eletrodos excede um valor particular, aparece uma descarga de brilho. Isso resulta do fato de que uma carga espacial local é criada perto do eletrodo negativo e empurra alguns íons em direção ao cátodo. Emite então elétrons que são acelerados e ionizam átomos do gás nobre. Sua pressão é tal que a difusão de átomos excitados é limitada, mas os elétrons acelerados são constantemente desacelerados e atingem o ânodo em energia moderada. Sendo subitamente parados, eles produzem radiação de frenagem, mas a energia dos fótons emitidos é menor do que para os tubos de raios-X de Coolidge. O feixe de ondas de rádio resultante também é perpendicular ao feixe de elétrons e é representado por pontos na Figura 8(a). A divergência lateral deste feixe é maior do que para os raios-X, devido ao comprimento de onda mais longo.

O gás que envolve o feixe torna-se luminoso e tal diodo é chamado de “phanotron”. Rife experimentou diferentes gases nobres. Ele descobriu que o hélio é preferível, uma vez que o impacto do isqueiro He + íons no cátodo aumenta sua vida útil. A Figura 8(b) indica de forma esquemática que a tensão elétrica pode ser aplicada modulando um sinal de F de alta frequência Fcom pulsos retangulares de menor

Figura 8. (a) O phanotron de Rife é um diodo de descarga de gás, onde um feixe de elétrons produz a 90 o feixe de ondas EM. (b) Um sinal elétrico de alta frequência fixa F é combinado com pulsos em uma f de frequência de áudio particular para produzir oscilações sinusoidais das frequências desejadas f’.

a frequência f. Uma vez que os fenômenos da avalanche distorcem esses sinais, a onda EM resultante é equivalente a uma superposição de ondas sinusoidais de várias frequências f’ pela transformação de Fourier.

3.3 – O que se é com o que é o que é o que é. As Frequências Rife e Evidência da Explosões de Micróbios

A história do desenvolvimento da máquina de Rife foi reconstruída em detalhes [47]. O relatório contém muitas fotografias e inclui novas medições. Eles foram realizados em instrumentos redescobertos ou reconstruídos, de acordo com esquemas originais. Este estudo estava essencialmente preocupado com problemas de engenharia, mas para nós é importante que este sistema poderia produzir campos elétricos que oscilam a qualquer frequência desejada f’. Rife forneceu uma lista de frequências de ressonância para diferentes tipos de micróbios, observando sua reação com seu microscópio. Uma vez que eles foram definitivamente inativados, ele os chamou de “taxas oscilatórias vitais”.

Ele comunicou sua lista inicial em 1935 ao engenheiro eletrônico Philip Hoyland. Ele foi contratado pelo Dr. Milbank Johnson, que operava uma “clínica de câncer” que usava o método de Rife. A missão de Hoyland era construir uma versão mais compacta da máquina de Rife. A eletrônica estava constantemente progredindo, de fato. Ele determinou também as frequências de ressonância com o microscópio de Rife e Rife controlou suas medidas. Ele concordou com os valores de 1936. A Tabela 1 fornece a lista cuidadosamente estabelecida. Aparece no relatório (p.103), mas é reorganizado aqui para aumentar as frequências em vez dos nomes as patologias em ordem alfabética.

Para produzir essas frequências, a Rife comprou equipamentos comercialmente disponíveis de alta qualidade. Ele precisava de uma onda portadora senoidal de frequência autorizada e foi autorizado a emitir a F ? 3.300.000 Hz. Este sinal, modulado por pulsos retangulares, foi alimentado ao phanotron. Os pulsos foram distorcidos por efeitos de avalanche e as frequências possíveis foram então determinadas por

F + ? f ?

(4)

Os números n e n’ podem ser de 1, no 2, ?3, … As bandas laterais têm intensidades decrescentes para maiores valores desses números. A Tabela 1 nos diz que a ressonância

Frequência de Contras que 549.07 kHz (mHz) Staphylococcus Albus (estola)
139.20 kHz (m) AnthraxTrata-la de 759.45 kHz (mHz) Febre de Tifóide (varo)
191.80 kHz (mHz) Streptothrix (B) 719.15 kHz (s) Streptococcus Pyrogen (s)
233.00 kHz (m) Gonorreia em 769.000 kHz Tuberculose (filtrável)
234.00 kHz O teutanus 769.035 kHz (m) Coli (filtro afiável)
369.43 kHz (m) Tuberculose (bastão) 788.70 kHz (m) Sífilis
416.51 kHz (mHz) Coli (de hast) 1.4452 MHz Febre de Tifóide (filtável)
426 anos. 86 kHz (68 km) Meningite da coluna vertebral 1.52952 MHz Sarcoma do câncer (BY)
477.66 kHz (m) Staphylococcus Aureus (Aureus) 1.60745 MHz Sarcoma do câncer (BX)

Tabela 1. A Lista Rife-Hoyland de frequências de ressonância para diferentes patologias.

A frequência para BX é de 1607,45 kHz. Foi assim produzido pela escolha de f ? 21.275 kHz, enquanto n ? -4 e n’ ? 2. Este procedimento é bastante complicado, mas semelhante à prática normal para a radiodifusão. Também protegeu a invenção de Rife, sem exigir patenteamento, uma vez que não era fácil encontrar o valor adequado de f.

Quando Hoyland faleceu, Verne Thomson tornou-se o novo engenheiro de Rife. Construiu várias máquinas de raios e verificou que as frequências de ressonância aparadas finas da Tabela 1 estão corretas. Nós vemos lá que as frequências de ressonância são diferentes, mas únicas para qualquer tipo particular de micróbios. Rife atribuiu esse fato à sua “constituição química” (pát. 20 do relatório). Ainda não era possível ser mais explícito, mas o resultado empírico já era muito importante.

Hoje, é possível usar geradores de frequência e eletrodos portáteis. Ficamos surpresos quando examinamos um sistema, promovido em um livro (Frequenz Therapie, Edição Alemã, 2014). Ele contém uma enorme lista de frequências de ressonância, sem explicar como elas foram determinadas. Afirma, por exemplo, que são 21.275 Hz para o carcinoma BX e 20.080 Hz para o sarcoma BY. Esses valores diferem dos da Tabela 1. Além disso, o livro preconiza, por exemplo, 11 frequências contra a “falta de apetite”. Eles são muito baixos, já que até 10 deles estão situados entre 20 e 1865 Hz, enquanto 63 frequências foram listadas para tratar a hepatite C. Isso contradiz o resultado de Rife: há apenas uma frequência de ressonância para cada tipo de micróbios. Outra lista de frequências, reivindicadas como frequências de Rife [48] fornece também muitas frequências relativamente baixas, sem qualquer justificativa detalhada. Apenas 4 das 11 frequências da lista anterior são dadas aqui por falta de apetite, mas 52 frequências são fornecidas para o câncer. Eles variam entre 120 Hz e 795,6 kHz. É prudentemente afirmado que essas frequências são “apenas para experimentos”, mas “você pode ver se elas funcionam para você”. De qualquer forma, o aparelho é vendido com muita publicidade.

Tememos, é claro, que esse tipo de negócio possa constituir um sério obstáculo ao reconhecimento científico do método de Rife e ter que concluir que são necessários controle e autorizações objetivas, como para a maioria das profissões e equipamentos técnicos. O engenheiro biomédico Marcello Allegretti revisou aplicações médicas de ondas EM em vários livros, para torná-las compreensíveis em termos gerais [49]. No entanto, nunca encontramos uma explicação da destruição direcionada de micróbios por ressonância. Isso tem que ser possível para qualquer fenômeno real.

Nossa primeira tarefa foi, portanto, verificar se existem provas visuais da eficiência do método de Rife. Além do teste confiável para curar pacientes com câncer, Rife fez inúmeras microfotografias e filmes para documentar suas observações50, mas quase todos eles foram roubados ou destruídos. No entanto, algumas provas foram salvas. Recomendamos dois vídeos facilmente disponíveis 51para ver com nossos próprios olhos o que acontece. O vídeo “Royal Rife-em suas próprias palavras” mostra instrumentos, procedimentos e (aos 6:58) as nanobactérias azul-turquesa que ele descobriu. “A história da Royal Rife” mostra várias vezes bactérias estourando (6:45, 6:59, 7:12, 8:37 e 9:07). Outros vídeos [52] fornecem mais informações básicas.

John Crane se apresenta em “Dr. O filme de laboratório de 1939 da Royal Rife é o local de trabalho e o equipamento, usado por Rife. As primeiras imagens do BX (14:33) foram tiradas com o microscópio de Rife de 1922. As bactérias são muito maiores e já podem ser observadas com microscópios ópticos padrão, mesmo quando explodiram (34:25, 34:45 e 35:15). A versão mais longa de “Rife em suas próprias palavras” exibe nanobactérias azul-azuladas (7:39) e verdes (8:53). Os desenhos do BX e das entidades POR (15:23, 16:23) indicam a presença de pili em sua superfície. As nanobactérias podem até ser vistas em conjunto com as bactérias correspondentes (41:12). “A história de Rife” inclui mais imagens de bactérias explodindo (15:48, 16:02, 16:15, 1.56:03 e 1.56:14).

  1. Explicação da destruição do micróbio por ressonância

4.1 – O que se é com o que é o que é. Formulação do Problema Básico

O primeiro método que é habitualmente usado quando nos deparamos com fenômenos inexplicáveis é torná-los plausíveis, referindo-se a analogias. Em um vídeo de excelente qualidade pedagógica, o professor musical Anthony Holland utilizou esse método, já que é possível quebrar um copo de vinho por ondas sonoras de frequência adequada [53]. A frequência de ressonância pode ser determinada tocando no copo do vinho ou esfregando sua borda com um dedo úmido. O atrito deslizante resultante produz um som contínuo como para o arco e uma corda vibratória de violinos. Embora existam vários modos de vibração para copos de vinho e sinos, o dominante corresponde a deformações da borda ao longo de dois eixos ortogonais, como indicado na Figura 9 (a). Quando a intensidade da onda sonora emocionante é forte o suficiente, o vidro é quebrado, uma vez que é bastante frágil.

O conceito relevante pode ser visualizado de forma mais transparente por meio de um laço de fio de aço, ligado a um vibrador vertical que é ativado por um gerador de frequência. Parecem então “ondas de pé” com 4 nós para a menor frequência de ressonância. Mais nós do que na Figura 9(a) também são possíveis em frequências mais altas. A figura 9(b) representa uma “gea de gesso”. Este é um instrumento musical muito antigo, ainda usado na China, no Tibete e em outros países asiáticos. Era feito de bronze e vibra como um copo de vinho, mas não quebra. Quando é parcialmente preenchido com água, gotículas saltitantes aparecem para excitação suficientemente forte [54]. No entanto, esses sistemas fornecem apenas exemplos de fenômenos de ressonância normal. Ondas superficiais de pequena escala de água resultam da tensão superficial e é bem conhecido que a coesão pode levar à formação de gotas.

Figura 9. (a) Deformações de um copo de vinho vibratório. (b) Uma tigela ou sino de pé.

O colapso espetacular da Ponte Tacoma é frequentemente citado como um exemplo de fenômenos de ressonância, mas essa ressonância dizia respeito a uma vibração tortuosa da ponte que causou vento turbulento. Essa turbulência ampliou a vibração e vice-versa, como explicado visualmente em um vídeo [55]. O feedback positivo pode, portanto, levar a amplificação automática e ressonâncias mais fortes do que as normais. Mostraremos que a destruição direcionada de vírus e outros micróbios resulta de tal mecanismo e também termina com uma interrupção fatal.

Anthony Holland realizou experimentos sobre os efeitos das ondas EM. Ele mostrou os resultados para um organismo unicelular inofensivo, chamado “blepharisma”. Seu tamanho usual é de 75 a 300 m e pode ser facilmente observado com um microscópio óptico padrão. Essas entidades são alongadas e sua superfície é uniformemente coberta com organelas curtas semelhantes a cabelos (ver Wikipedia). O vídeo de Holland 53mostra (no minuto 10:43) que a membrana exibe uma bolha antes de se separar (11:13). É interessante que outra bolha estava se formando no outro lado (11:03) e que uma pequena entidade aparentemente exploradora não foi afetada na frequência imposta. Holland também mostrou células de leucemia explodindo (13:00-13:24), usando o phanotron de um “dispositivo Basre/Rife”.

James Bare é um MD, querendo ajudar os pacientes. É respeitável que ele tentou entender o que acontece, mas é instrutivo examinar suas tentativas de explicações para tomar consciência de possíveis armadilhas. O termo “tecnologia de luz ressonante” não é adequado, uma vez que a ressonância é devida a uma onda EM e não pelo feixe de elétrons luminoso. – Dr. Dr. (em inglês). Bare sabia disso, mas ele pensou que isso constitui uma “pequena antena”. Ele menciona até mesmo “solitons”, 56mas uma antena é apenas um fio condutor, onde os elétrons são definidos em oscilação longitudinal para produzir uma onda permanente com amplitude máxima em ambas as extremidades. Esta é a maneira usual de criar ondas EM, mas já explicamos que Rife produziu ondas EM por desaceleração de elétrons no ânodo.

Desde que o microscópio revelou que a membrana de células quase esféricas estava dividida localmente, Dr. Bare e colaboradores pensaram que a ressonância é devido ao buraco. Um vaso esférico com um pescoço curto constitui um “ressonador de Henry Beltz”, já que o ar em qualquer navio fechado age como uma mola no ar oscilante no pescoço. A ressonância aparece espontaneamente quando uma corrente de ar está soprando rápido o suficiente sobre a abertura, uma vez que as ondas estacionárias são excitadas pela turbulência, como dentro de algumas flautas. No entanto, há apenas uma frequência de ressonância para um determinado tamanho do vaso e seu pescoço, uma vez que há um único oscilador. Para flautas, existem várias ondas permanentes possíveis de diferentes frequências. Na verdade, o buraco na membrana de uma célula explosiva é uma consequência das ressonâncias de Rife e não da sua causa.

Para explicar a destruição de vírus e micróbios por ressonância, é necessário começar com a adoção de um modelo adequado. A analogia de Holland com a quebra de um copo de vinho poderia sugerir que Rife excitava deformações do corpo celular. Isso produziria um conjunto de frequências de ressonância [57], enquanto a Tabela 1 atribui apenas uma frequência de ressonância a qualquer tipo particular de micróbios. Outra hipótese possível seria uma polarização elétrica do corpo celular. Este mecanismo leva a uma ressonância para partículas que são muito pequenas em comparação com o comprimento de onda das ondas EM. Eles estão banhando-se em um campo elétrico homogêneo que induz cargas superficiais, criando um campo elétrico secundário dentro da partícula. Isso leva a uma ressonância para oscilações dipolo. Isso explica o céu azul, já que o campo elétrico da luz solar polariza partículas muito pequenas no ar atmosférico. Esta frequência de ressonância está situada no domínio da luz UV e a energia só é absorvida nesta frequência de ressonância, mas espalhada em frequências vizinhas. Essa chamada “ditterulação de Rayleigh” da luz solar resulta da polarização induzida. É mais intenso para azul do que para a luz vermelha. Esta teoria também se aplica a oscilações coletivas de elétrons em partículas de metal muito pequenas e nos permitiu explicar a “absorção óptica anômala” de filmes de metal granular finos [58]. A mesma teoria explica a ressonância que as ondas de rádio produzem nos glóbulos vermelhos [59]. No entanto, o mecanismo do fenômeno de ressonância de Rife é diferente e ainda não foi explicado.

4.2. Estrutura e função de picos de vírus

A pandemia de Covid-19 e as imagens dos vírus relevantes sugeriram ao autor que seus picos poderiam ser definidos em oscilação e talvez pudessem levar a uma ressonância devastadora. Vamos testar esta hipótese, estabelecendo a equação relevante e resolvendo-a, mas em primeiro lugar, tivemos que saber mais sobre a estrutura e função dos picos de vírus. Eles não são apenas decorações semelhantes a flores, mas armas muito eficientes para atacar células, a fim de usar sua maquinaria para se reproduzir em grande número.

A chamada “colação espanhola” de 1918 foi devido a um vírus. Ele infectou cerca de 500 milhões de pessoas e matou pelo menos 20 milhões de pessoas [60]. Este vírus tornou-se mais letal durante a pandemia, uma vez que a sua mutação levou a uma segunda onda, onde os pulmões estavam cheios de sangue. O vírus Corina-19 apareceu na China e foi parcialmente controlado por contenção, mas não parado. A proximidade social, o aumento das densidades populacionais, a mobilidade mundial e as economias interligadas são os principais fatores da sua propagação. Vemos também que a busca e o teste de vacinas levam tempo. Mesmo uma vacina não pode nos proteger contra novas mutações imprevisíveis e a possível aparência de formas mais viruleentas. Seria, portanto, irresponsável negligenciar a evidência já existente de que um método biofísico eficiente, seguro e rapidamente adaptável é possível.

O método de Rife poderia ter sido testado pelo menos por meio de procedimentos experimentais, mas foi rejeitado, uma vez que parecia ser inacreditável. No entanto, também é necessário explicar por que os fatos relatados são verdadeiros. Somos, portanto, confrontados com um problema científico básico. Há inúmeros exemplos, de fato, onde algo inesperado foi descoberto. Preocupava-se com realidades ainda ocultas. Como podemos ter acesso a qualquer coisa que não seja diretamente observável? Temos que imaginar o que poderia acontecer, extrair consequências lógicas dessa hipótese e verificar se elas são verdadeiras ou não. O primeiro problema é, assim, selecionar uma hipótese plausível, merecendo uma análise rigorosa …

Tornou possível, por volta de 1980, combinar microscopia eletrônica criogênica com sequenciamento de genes para entender o papel dos picos. O conhecimento resultante está resumido na Figura 10, mas para maior clareza, representamos apenas um par de macromoléculas, enquanto os espinhos de hemaglutinina (HA) semelhantes a flores contêm 3 pares idênticos. Estamos acostumados agora a representações artísticas, mas elas não revelam o que é essencial. A Figura 10(a) representa o estado normal das proteínas HA1 e AH2 associadas. A molécula HA1 contém cargas negativas (COO-) que pertencem a pequenas moléculas de ácido siálico que podem se mover dentro da molécula. Por causa de sua repulsa mútua, eles criam cargas superficiais. Os eletrostáticos nos dizem que sua densidade depende da configuração da superfície e deve ser maior perto da ponta pontiaguda da molécula HA1.

Essas cargas polarizam a molécula HA2 eletricamente neutra, que é uma molécula de ferida esbelta e helicoidal. Ele tende a ser reto, mas é dobrado e mantido neste estado, por causa do aumento da carga superficial na extremidade inferior da molécula HA1. A parte do meio da mola da bobina é mais irregular do que o indicado aqui, mas é importante que obtemos uma armadilha de molas carregada. Está ancorado na membrana do vírus. Tts extremidade, representado em verde na Figura 10(a), está situado no outro lado da membrana do vírus. É eletricamente carregado e, portanto, hidrofílico. Isso geralmente é suficiente para garantir a implantação, mas não para tração muito forte.

A Figura 10(b) mostra o que acontece nas proximidades de uma célula. Seus poros permitem o transporte iônico que mantém uma diferença potencial entre a superfície interna e externa de sua membrana. Isso leva a uma maior densidade de íons H + perto da superfície externa. Quando um vírus se aproxima da membrana, esses prótons reduzem a densidade de carga superficial da molécula de HA1, uma vez que o COO + H + COOH. A carga superficial restante é então muito pequena para manter a mola HA2 em seu estado de dobramento. De repente, é liberado e sua ponta carrega uma proteína de fusão, indicada em vermelho. Ele penetra na membrana e isso ocorre simultaneamente para os três HA.

Figura 10. Representação esquemática de um par de moléculas de HA1 e AH2, constituindo espinhos de vírus. (a) No estado normal, a molécula de ferida helicamente HA2 é dobrada e mantida no lugar como uma mola carregada. (b) É liberado pela neutralização da molécula HA1.

– Em pares. A redundância fortalece a grilagem, assim como o enraizamento. Além disso, a estrutura da parte HA1 é modificável por mutações para impedir que o sistema imunológico reconheça o potencial invasor. Os vírus são terroristas, carregando facas sob um casaco. Eles estão prontos para esfaquear células que estão ao alcance e sua camuflagem pode ser modificada para escapar da detecção. A parte HA2 é, pelo contrário, estritamente conservada. Este engenhoso sistema foi elaborado pela seleção natural, governada pela sobrevivência do mais apto.

A existência desta máquina de guerra foi reconhecida em 1993.61 Para destacar a rápida expansão da pesquisa sobre esse tema, mencionamos a revisão do virologista Suzuki e um bioquímico molecular [62]. O professor Stephen Harrison, da faculdade de medicina 6364de Harvard, apresentou essa teoria em um excelente vídeo e explicou como os picos ajudam o vírus a penetrar na célula. Insistimos mais em explicar o mecanismo de disparo automático. Sabe-se que os picos do vírus SARS-2 têm uma forma cônica [65]. Difere das representações usuais, embora também esteja ligado à membrana por um talo fino.

  1. 3. Outros picos de vírus e o pitáco das bactérias

Até agora, descrevemos apenas picos de vírus feitos de hemaglutinina (HA), mas os vírus também têm outro tipo de picos. Eles são constituídos por 4 proteínas neuraminidase (NA), que também são eletricamente carregadas [66]. São conhecidas 18 variantes de HA e 11 subtipos de NA [67]. A árvore filogenética do vírus Corona indica68, portanto, uma grande variabilidade. Os vírus foram modificados para se tornarem mais eficientes. O virião da gripe carrega 300 a 400 picos de HA e 40 a 50 picos de NA. Seus números relativos têm que ser equilibrados69, uma vez que eles cooperam para ajudar o vírus a entrar na célula pirata. O diâmetro do núcleo esférico dos vírus usuais é de cerca de 120 nm. O comprimento dos picos de HA pode ter cerca de 12,5 nm de comprimento, enquanto o comprimento dos picos de NA é ligeiramente menor ou maior.

Os rotavírus são diferentes. Eles contêm RNA de cadeia dupla, em vez de um de cadeia simples e dizem ser não-envelados. Na verdade, a bicamada lipídica é substituída por um revestimento proteico firmemente adequado, mas há sempre espinhos que sofrem alterações conformacionais e perfuram a bicamada lipídica da célula alvo [70]. As bactérias são dotadas de flagelos longos semelhantes a saca-rolhas. Eles permitem propulsão eficiente, uma vez que são ativados por pequenos motores individuais, embutidos na membrana celular, mas toda a superfície das bactérias é coberta com pili. O crescimento e a constituição molecular dessas estruturas semelhantes a cabelos são agora bem conhecidos. A maior parte é uma fibra helicoidal com uma ponta pegajosa. Isso permite a adesão e algum alongamento que causa forças de retração. A haste é oca e pode até permitir a transferência de DNA, mas também é um condutor de elétrons. A principal função do pili ou cílios das bactérias é sentir o seu ambiente e facilitar a reprodução sexual por fusão com o mesmo tipo de bactéria. As moléculas antibacterianas interferem nesse processo, mas não impedem os sobreviventes de produzir mutações protetoras. Para nós, é essencial que o pili também carregue peças positivas e negativas [71], já que isso oferece a possibilidade de agir sobre elas por meio de um campo elétrico oscilante.

4.4 A ressonância normal e os amplificadores paramétricos

Para facilitar uma compreensão racional da ressonância de Rife, começamos analisando as propriedades de um sistema simples e familiar. Um pêndulo é meramente composto de uma massa M, suspensa em um ponto fixo por meio de uma cadeia de comprimento constante L. A figura 11(a) mostra que um deslocamento angular em relação à vertical implica um deslocamento horizontal x ? ?

– A . (í a questão: es. , , , íntepeo. . E. . es. sobre a questão . (em, proprio, e os . sobre a questão . (emo, on- via-, on- via-, e por A massa M é submetida à força gravitacional F- Mg. O seu componente tangencial F sin ? É proporcional ao x, mas oposto. Essa força restauradora tende a restabelecer o equilíbrio, mas uma vez que o pêndulo começou a oscilar, tem a tendência de permanecer nesse estado de movimento. Para mostrar por que e para tornar o raciocínio científico acessível a não-especialistas, também para generalizações posteriores, lembramos a lei de Newton. Ele afirma que o produto da massa M e sua aceleração instantânea x ?

é sempre igual à soma de todas as forças aplicadas. Quando a fricção do ar é insignificante, olhemos para pequenos deslocamentos angulares

M x ? =?    ou   x? + ? 2 o x ?    ? ? ? ?

(5)

Cada ponto indica uma derivação em relação à variável de tempo t. A solução desta equação é x(t)? sin((o) oo t )

e contabilizam as oscilações livres. A frequência (angular) ωé determinada pelo valor da aceleração gravitacional local g e pelo comprimento do pêndulo. Os valores da amplitude C e da fase dependem das condições iniciais. De fato, uma criança que está sentada em um balanço pode iniciar oscilações livres, empurrando com os pés no chão. Isto significa que x(0) ? 0 e, portanto, ? 0, mas a velocidade inicial x ?(0) ? ? C

– A . (í a , , , , , ínte , . A amplitude C depende, então, do impulso para iniciar a oscilação.

Se o atrito do ar fosse realmente insignificante, a amplitude C permaneceria constante. Na verdade, a oscilação é progressivamente amortecido, uma vez que a massa M é submetida a fricção do ar. Esta força de travagem é proporcional à velocidade instantânea x ?

e depende da área de seção transversal. No entanto, as oscilações podem ser sustentadas por meio de um impulso no ritmo adequado. O tratamento matemático é simplificado para uma força motriz constantemente aplicada que oscila em alguma frequência com força constante S. A equação do movimento é então

Figura 11. (a) Parâmetros necessários para descrever o movimento de um pêndulo simples. (b) O pico para possíveis amplitudes de oscilação forçada é muito alto e estreito para baixo atrito.

x ? + ? 2 o x ? x ? ? sin(? )

(6)

Assim,

x(t)? ? ? ? sin(() )φ)

(7)

A solução (7) descreve oscilações forçadas que subsistem quando as condições iniciais não são mais relevantes, devido ao amortecimento. A massa M está oscilando na frequência impostaω, mas as constantes A e B são determinadas por substituição da Equação (7) na Equação (6). Nós obtemos então

(? 2 o ? ? 22)A ? ? ? ?

E a((‘ 2 o’ ? 2)B ? ? ?

Assim,

A ?(? 2 2o ? S(2$2o? 22) 2 +(2 ? ?)2

E aB

Por causa de (7), C 2 ? +

– A . (í a , , , , , í , A amplitude da oscilação forçada é, portanto,

C ?   enquanto   tg ? ?

(8)

Essas expressões descrevem o fenômeno da ressonância normal. A ressonância de Rife é mais poderosa, mas a primeira relação (8) já é muito útil para entender o significado físico das ressonâncias. A amplitude C das oscilações forçadas é máxima quando o denominador é mínimo, isso acontece quando sua derivada em relação a ? é zero e, portanto, quando ω? ? ? ? ? ? ? ?, onde ? 2 ? ? ? 2 o? ? 2 ?

– A . (í a , , , , , ínte , . Quando a fricção é suficientemente pequena ( ? ? ?o

), o gráfico de C(o) exibe um pico simétrico centrado em o. A frequência de ressonância tem, assim, o mesmo valor que opara as oscilações livres. A figura 11(b) fornece o gráfico de C( ?) quando S ? 1, ? 1 e ? 0,02.

Em geral, a altura do pico é de S / 4 2 e sua largura a meia altura é igual a . A ressonância torna-se assim mais nítida para diminuir o atrito. A amplitude C se tornaria infinita na ausência de atrito. A segunda relação (8) prevê a diferença de fase ? para diferentes valores de ?. Esta função é representada na Figura 12(a) para ? o ? 1 e ? ? 0,02. A mudança de sinal significa que o oscilador é capaz de seguir o ritmo da força aplicada quando a frequência imposta é menor do que o, mas fica para trás quando é muito rápido.

Agora estamos prontos para responder a uma pergunta simples: uma criança, sentada em um balanço, é capaz de sustentar-se as oscilações sem qualquer ajuda externa? Provavelmente, você encontrou a resposta por tentativa e erro. É divertido fazer descobertas e dominar uma situação. É ainda mais interessante e surpreendente entender por que isso é possível. A criança tem que endireitar quando está se aproximando dos pontos mais altos e inclinar-se para trás quando está se movendo em direção ao outro lado. O comprimento efetivo L do pêndulo é assim modificado como mostrado na Figura 12(b).

Figura 12. (a) A diferença de fase entre a oscilação forçada e a força aplicada. (b) Este tipo de variações periódicas do comprimento efetivo L do pêndulo produz um amplificador paramétrico.

A variação de L pode ser aproximada pela função

L(t)’ (1 sin ? )  quando  x(t)? ?

A variação do parâmetro L é adaptada à frequência real da oscilação, mas a equação de movimento (6) é então modificada. Ele rende

x ? + ? 2 o(1 ? ? sin ? )x ? x ? ?  quando  S ?

(9)

Para resolver esta equação, notamos que

2 ? ? ? ? ? ?

(10)

Essa relação foi comprovada na trigonometria, sem mencionar sua importância física. O fato de o produto de duas funções oscilantes é equivalente a uma soma de duas funções oscilantes implica que a Equação (9) é equivalente a

x ? + ? 2 o x ? ωA ? ? ? ? (cos ? ? ? 3 ? ))

A variação periódica do comprimento L produz assim duas forças motrizes oscilantes. O primeiro compensa exatamente o atrito quando ? ? ? ? ? 2 ? / ? ? ? ? A outra força tem efeitos insignificantes, uma vez que a frequência 3 está muito longe da frequência de ressonância. A criança pode assim sustentar as oscilações por suas próprias forças musculares. Maiores valores de não só compensarão as perdas de energia, mas também aumentarão a amplitude. O sistema torna-se então um amplificador paramétrico até que o equilíbrio seja alcançado. Isso pode ser facilmente verificado anexando uma pequena massa em uma corda que é parcialmente enrolada em torno de um lápis. Basta girar o lápis para a esquerda e para a direita no ritmo adequado. Os artistas de trapos aplicam este método em escala humana.

Transpuseram esta teoria para explicar o misterioso fenômeno da iluminação da bola [72]. Uma vez que os céticos simplesmente atribuíram a ilusões, apesar de numerosos testemunhos de testemunhas sérias, é útil mostrar como a explicação foi encontrada. O exemplo também é adequado para ilustrar o método de imaginar o que está oculto e verificar se as consequências lógicas concordam com todos os fatos observados. Assumimos que o raio da bola é semelhante a uma bolha de sabão, mas que a membrana é luminosa, uma vez que contém ar ionizado. No entanto, a emissão de luz resulta de processos de recombinação. A luminosidade deve diminuir muito rapidamente, como para os relâmpagos comuns. A diferença é que a membrana permite movimentos coletivos dos elétrons livres em relação aos íons mais pesados dentro da membrana. A frequência desta o“oscilação de plasma” é determinada pela densidade de elétrons livres, mas eles estão oscilando radialmente dentro da membrana. Isso torna a superfície externa alternativamente positiva e negativa. O relâmpago esférico atrai, assim, alternativamente, elétrons e íons positivos que estão presentes no ar ambiente perto de sua superfície. Isso reabastece não apenas o estoque de partículas carregadas, mas modula também a frequência de oscilação como na Equação (9). Isso leva a auto-oscilações. Eles são sustentados sem a necessidade de excitação constante por um campo elétrico oscilante de origem externa.

Como podemos testar a validade dessa explicação? A resposta é que ela explica por observações aparentemente misteriosas. De fato, o relâmpago da bola geralmente se move de maneira aparentemente errática. Podemos agora “ver mentalmente” que é constantemente atraído para a maior densidade de partículas carregadas no meio ambiente. Comporta-se assim como um ser vivo que sobrevive alimentando-se. Além disso, o relâmpago da bola pode desaparecer repentinamente no ar, como se a luz tivesse sido extinta. Isso se deve a entrar em uma região onde o ar ambiente não foi suficientemente ionizado. Também pode acontecer que o raio da bola exploda, mesmo muito violentamente. A causa invisível é uma ionização localmente maior do ar ambiente, o que levou à amplificação paramétrica fatal. Embora isso tenha sido uma digressão, é útil entender uma característica essencial da ciência e estar preparado para outra aventura intelectual. Trata-se da destruição de vírus e outros micróbios por meio de ressonância, mas eles são bastante especiais.

4,5. A Ressonância Peculiar de Vírus Spikes

A analogia com quebrar um copo de vinho é 49útil como primeira aproximação. Começa também com a determinação da frequência de ressonância e um cantor experiente é capaz de produzir uma onda sonora precisamente da mesma frequência. Com a instrumentação laboratorial, podemos provar que existem vários possíveis e selecionar uma dessas frequências para produzir uma ressonância [73]. Os picos também podem ser configurados em oscilações forçadas, mas a ressonância resultante é mais poderosa do que as ressonâncias normais. A Figura 13(a) mostra o contorno dos picos do vírus Corona, segundo dados obtidos por meio de crio-eletromicrografia [74]. O pico é normalmente reto e sabemos que sua parte superior é carregada negativamente. A Figura 13(b) reduz o pico aos seus elementos essenciais. É então semelhante a um balanço que é implantado em um corpo maior, mas pode ser dobrado, quando sua ponta eficaz.

Figura 13. (a) A forma global de um pico do vírus Corona em seu estado normal. (b) A força aplicada produz um deslocamento lateral e permite uma ressonância poderosa.

A massa M é submetida a uma força lateral F. Produz então um deslocamento x em relação ao eixo de simetria. Como é que ele varia para uma força oscilante?

Felizmente, a equipe de Friswell já estabeleceu em 2012 a equação de movimento para colheitadeiras de energia [75]. Eles consistem em um feixe elástico homogêneo que carrega uma massa de ponta e é implantado em uma carruagem. É colocado em movimento por oscilações aleatórias de uma ponte e a energia cinética resultante é transformada por detectores em energia elétrica. Adaptamos sua equação para descrever possíveis vibrações de picos de vírus. A diferença é apenas que sua base permanece fixa, enquanto a força oscilante F é aplicada diretamente à massa de ponta M o. Embora o caule do pico não seja homogêneo, podemos manter o modelo de uma viga uniforme definindo valores médios. No entanto, o pico é cercado por um fluido em vez de ar e, portanto, submetido a fricção viscosa. A equação do movimento é então

M o x ? =F(t) ? ? ? −[k (x ? + 2) ]x

(11)

Onde e onde

M o ? + I

E ak ? E I ? g g ? μ

a M + ? I

E ab ? 3.756 L 5 E I

A massa efetiva M o é assim definida pela massa de ponta real M, o comprimento L do feixe e sua densidade de massa média.μ Também é necessário explicar o momento da inércia I do pico em relação ao ponto fixo. A rigidez do feixe é determinada principalmente pelo coeficiente k, que depende do módulo de Young E do material constituído, o comprimento L do modilhão e seu momento de inércia I. Para os colhedores de energia com um feixe muito flexível, os pesos da massa de ponta M do feixe reduzirão a força de restauração. Isso permite duas posições de equilíbrio lateral ao longo de uma determinada direção. Os termos não-lineares de Equação (11) levam ao comportamento caótico, onde a massa da ponta pode executar pequenas oscilações em torno de uma das possíveis posições de equilíbrio, mas também passar de um lado para o outro. De fato, mudanças muito pequenas da posição e da velocidade instantâneas em momentos críticos produzirão movimentos qualitativamente diferentes. Para picos, cercados por um fluido, podemos negligenciar os pesos por causa da flutuabilidade, mas os efeitos não lineares permanecem importantes. Na verdade, a equação de movimento (11) é reduzida a

x ? + ? 2 o x ? x ? + ?[x + + ? x2] ] ? sin ?

(12)

? 2 o ? ?

,, , –? ? ? E a? ? ? EI L 3 M o ? ? 2 o

O pico não se comporta simplesmente como um pêndulo invertido, uma vez que a Equação (6) é generalizada. Os termos não-lineares dependem dos valores instantâneos do deslocamento x, a velocidade x ?

E a aceleração x ?– A . (í a , , , , , ínte , . Quando a massa da ponta é dominante, IML 2 e M o – 3,467 M. Medindo o deslocamento x nas unidades L ? 1, obtemos então ? ? ? E a ? ? ? 2 o

– A . (í a , , , , , ínte , . Uma vez que ocorrem oscilações forçadas na frequência imposta

x ? sin( )

,, , –x ? ? C Ccos(? ?)E ax ? ? ? ? 2 x

O valor de ? depende de ?, mas quando ? ? ? ?

, nós o atemos sempre

4 ? (3 ? ? ?)

E a4 x ? C 3(sin ? ?)

Os termos não-lineares em Equação (12) são novamente equivalentes a adicionar duas forças. Eles oscilam nas frequências ? e 3 ?. O primeiro modifica a força aplicada e a segunda força pode ser negligenciada, uma vez que a frequência 3o é muito longe da ressonância. Para se concentrar em características essenciais para a ressonância, assumimos que o atrito é insignificante (? ? 0 e ? 0). A amplitude C das oscilações forçadas é então determinada pela Equação (12), que produz

(? 2 o ? 2)C sin ? ?(? 2 1? ? 2)C sin ? S sin ? ?

Na verdade, 4(x + + ? x 22)((3 ? ? ? 22)C 3 sin ?

E a ? 2 1 ? ? 0.798 ? 2 o

– A . (í a , , , , , í , . A amplitude C da oscilação forçada é assim determinada pela equação cúbica.

((o 2 2o ? 2)C + ?(? 2 1 ? 2) C ?

(13)

Assim,

C ? (?)?

Quando? ?0

Sem efeitos não lineares, obtemos a ressonância normal. Corresponde a (8), mas é mais simples, uma vez que ? ? 0. É representado pelo gráfico preto na Figura 14(a) e representa a amplitude real de oscilações forçadas com mudança de sinal abaixo e acima da frequência de ressonância. Difere da Figura 11(b), que representou apenas a magnitude de C() quando ? 0,02, enquanto o sinal foi determinado pela Figura 12(a). Os efeitos não lineares modificam a resposta dos picos, uma vez que a Equação (13) permite 3 soluções possíveis e, em particular, para

Figura 14. (a) A amplitude das oscilações forçadas de espigas seria C o(o) sem efeitos não lineares. A frequência de ressonância é então ? o ? 1. Os efeitos não lineares permitem auto-oscilações, caracterizadas por C 1(o). (b). Isso leva a uma sinergia quando é combinado com excitação constante e produz então C( ).

C ?

ou aC 2 ?(? 22o ? 2 ?(? 2 ? ? 1)QuandoS ?

Esperávamos, é claro, que sem excitação não há resposta, mas por causa de efeitos não-lineares, os picos são capazes de produzir uma força motriz que produz auto-oscilações. Isso é semelhante ao que aconteceu com um pêndulo, quando seu comprimento efetivo foi modificado periodicamente, mas a razão é diferente. Agora, não compensa o atrito, uma vez que consideramos mesmo o caso em que ? 0. A rigidez dos picos permite que eles ossecilem por si mesmos, mas apenas em um domínio de frequência limitada, uma vez que o C 2 tem que ser positivo para produzir um valor real para a amplitude C. É necessário que ? 1 ? ? ? ?o

, A função resultante C 1(o) é representada pela curva vermelha na Figura 14(a). Ele define a amplitude da auto-oscilação e diverge quando ? ? ? 1 ? ? ? 0 ?0

– A . (í a , , , , , ínte , . Há uma ressonância, mas em uma frequência menor do que para a ressonância normal. Equação (13) nos diz o que acontece quando o pico é constantemente submetido a uma excitação de força S, oscilando em alguma frequência. A ressonância normal é então modificada, uma vez que C o(o) deve ser substituído por uma função C( ?) que é representada na Figura 14(b). Só pode ser definido por soluções de (13). Isso produz 3 curvas representadas em diferentes cores. Eles são simultaneamente possíveis em um domínio de frequência muito pequeno (de 0,8933 a 0,899621 quando – 0 ? 1).

O tratamento rigoroso deste problema foi necessário, devido a contestações passadas. Também está instruindo do ponto de vista teórico, uma vez que ilustra o mecanismo geralmente oculto dos sistemas não-lineares. Além disso, é e deve ser de grande importância prática. Agora podemos colher os frutos. Medimos deslocamentos nas unidades L o 1, mas quando a massa M é dominante, o momento da inércia I é proporcional ao L2L2. O valor de ? 2 1

É, portanto, proporcional a 1/ L. A frequência de ressonância é maior para picos curtos, pois são mais rígidos. No entanto, ? 0.11/ L 22. A amplitude das oscilações forçadas é, portanto, proporcional a L 2 S e maior para picos longos do que para os curtos. Além disso, há apenas uma frequência de ressonância para cada tipo particular de micróbios, de acordo com as medições de Rife. Uma vez que seu valor 1 1não depende da força S da força aplicada, é suficiente determinar o – para força particular , embora valores maiores de aumentem a amplitude das oscilações forçadas. Descobertas empíricas podem fazer sentido, é claro, sem entender o mecanismo subjacente. Só é necessário verificar se os fatos observados são confiáveis. Quando acontece que eles são reais, eles têm que ser explicados, mas isso requer outros métodos e pode ser atrasado.

4.6. O Mecanismo de Destruição de Microsser Alvo

A construção de uma teoria consiste em escolher uma hipótese plausível e deduzir consequências lógicas. Mesmo uma teoria correta só é válida quando suas previsões concordam com todos os fatos conhecidos e outras verificações experimentais. A Figura 15(a) representa um balanço que é definido em oscilação forçada em uma frequência que está próxima da frequência de ressonância. Quando ? ? ? 11, a amplitude C da oscilação

Figura 15. (a) As oscilações forçadas de um espigão ou pili. (b) Na ressonância, é extraído e cria um orifício na membrana que destrói o micróbio por extrusão de seu conteúdo.

torna-se quase infinito, mesmo quando a fricção não é totalmente insignificante. A ressonância implicaria, assim, um enorme alongamento de espigas ou pili, se fossem implantados solidamente na membrana ou em qualquer estrutura equivalente. Normalmente, isso causaria deformações plásticas e, eventualmente, fratura, mas isso é substituído pela extração da membrana e criação de um buraco.

Isso causa a expulsão do conteúdo do vírus, conforme representado na Figura 15(b). O vírus foi definitivamente destruído. Lembramos que os picos só são fixados pela cauda hidrofílica de sua espinha dorsal, representada em verde. Esta fixação é geralmente suficiente, mas não fixada, como pode ser alcançado por meio de parafusos e parafusos. Este sistema foi inventado na Antiguidade por volta de 400 aC e foi reconhecido que o parafuso tem que ser bem apertado. A explicação é que o atrito seco entre superfícies não móveis é maior do que o atrito cinético e o aumento da pressão. Esta visão veio muito mais tarde e exigiu até mesmo repetidas descobertas [por da Vinci, Amontons e Coulomb, respectivamente, por volta de 1500, 1700 e 1785]. A fixação dos picos é melhorada pela implantação tripla, mas não o suficiente para resistir na frequência de ressonância. Mesmo as árvores podem ser desenraizadas pelo vento forte, apesar de suas raízes distribuídas.

Esta teoria também se aplica ao pili, cobrindo a superfície das bactérias e nanobactérias. Uma vez que eles carregam cargas elétricas, eles também podem ser definidos em vibrações forçadas por um campo elétrico oscilante. Eles se comportam como balanços que podem ser elasticamente dobrados, mas por causa de efeitos não-lineares, eles permitem auto-oscilação e amplitudes extremamente grandes de oscilação em sua frequência de ressonância .1 A criação de um buraco e destruição de micróbios pode ser observada. O vídeo da Holanda 53mostra até mesmo o abaulamento local da membrana das bactérias antes da erupção explosiva. Isso significa que um monte de pili estava envolvido em um lugar, onde o campo elétrico era perpendicular a essas estruturas. O volume também começou no lado oposto, onde o campo elétrico também é eficaz. Além disso, os micróbios são imobilizados antes de se romperem, já que a função de propulsão do pili já está perturbada. Não depende apenas de flagelo motorizado.

Os picos sofisticados de vírus são armas altamente eficientes, mas têm uma fraqueza inerente que pode ser explorada quando estamos cientes dessa possibilidade. Embora pili de bactérias e nanobactérias tenham outras funções, elas também levam à destruição total, sem sobreviventes que poderiam iniciar a garantia de mutações. Só é necessário impor uma frequência que é precisamente igual à frequência de ressonância. Foi um grande erro afirmar que os fatos observados tinham que ser falsos, mesmo sem verificar, uma vez que impedia a humanidade de fazer uso de um método simples e seguro para combater doenças, pragas e até câncer.

Rife descobriu não só que as bactérias BX e BY estão envolvidas no câncer, mas também que eles estão proliferando após a radioterapia. Isso merece atenção especial. Foi redescoberto que campos elétricos oscilantes podem ser usados para terapia do câncer. Um possível mecanismo foi proposto [76] [77], mas ainda é hipotético e deve ser reexaminado em um contexto maior. Como as transformações pleomórficas são reversíveis, é plausível que o número total de pili seja conservado na redução de tamanho. Sua densidade superficial seria então aumentada para nanobactérias e explicar por que eles se tornam mais virulentos. No entanto, eles permanecem vulneráveis às ressonâncias de Rife.

Deve-se notar que um modilhão, constituído por um fio de aço, também permite outro modo de oscilação, onde um nó é criado perto do final livre. No entanto, a frequência de ressonância é significativamente maior e este tipo de deformações pode ser excluído para picos de vírus. Mencionamos também que é possível usar luz UV para desinfecção de superfícies. As lâmpadas de mercúrio de baixa pressão produzem luz UVC a 254 nm. É absorvido pelo RNA e produz defeitos locais [78], mas este método só é aplicável a vírus que são diretamente expostos a esta radiação em uma superfície, em gotículas de aerossol ou filmes líquidos muito finos. A FDA emitiu um aviso, uma vez que a luz UVC danifica a pele humana e é perigosa para os nossos olhos [79]. O método de Rife não é perigoso e eficiente para destruir micróbios virulentos em qualquer lugar dentro do nosso corpo.

  1. Resumo e Conclusões

Rife provou que opticalos microscópios ópticos permitem uma ampliação muito maior e maior resolução do que se supunha. Desde que ele construiu vários supermicroscópios com meios puramente clássicos, sua criatividade científica e habilidade talentosa merecem reconhecimento e respeito. Com seus instrumentos, ele pôde observar claramente que quando as bactérias são expostas ao estresse, elas reduzem seu tamanho. Eles mantêm apenas o que é essencial para sobreviver, mas são mais agressivos. Naessens também provou a realidade do pleomorfismo, mas algumas autoridades não gostaram disso. Eles declararam que esses pioneiros são charlatães, mas se recusaram a verificar se os fatos relatados eram reais ou não. Essa atitude é mais do que estranha.

Além disso, Rife descobriu já há cerca de 100 anos que as bactérias e as nanobactérias podem ser destruídas por ressonância. Seu phanotron foi um instrumento engenhoso que produziu o campo elétrico requerido por meio de radiação de frenagem. Em vez de emitir ondas EM em todas as direções por meio de uma antena, como Hertz fez e é habitual para a radiodifusão, seu sistema gerou um feixe local de ondas EM. A destruição de bactérias por ressonância já era observável com microscópios ópticos padrão, mas Rife também foi capaz de ver a explosão das nanobactérias. Na verdade, ele teve que perseverar durante mais de uma década para tornar esses minúsculos micróbios visíveis. Ele então provou que alguns deles estão presentes no tecido do câncer e que, depois de serem cultivados, eles também causam câncer. Ele determinou a frequência de ressonância para a destruição direcionada de vários micróbios. Esses valores foram confirmados por dois colaboradores, utilizando equipamentos diferentes.

A eficiência de seu método de cura do câncer foi clinicamente testada, mas mesmo esses resultados foram declarados falsos, uma vez que exigiam a modificação de postulados queridos. Para aqueles que tinham o poder de esmagar Rife, não importava que os resultados relatados pudessem ser verdadeiros. O Rife foi processado. Os documentos foram roubados. Instrumentos foram destruídos e todos os vestígios de suas realizações foram erradicados dos registros médicos oficiais. Isso foi profundamente injusto,verdademente anticientífico e prejudicial para o sistema de saúde mundial.

Resolvemos o quebra-cabeça científico básico com rigor matemático, considerando que picos de vírus, bem como pili de bactérias e nanobactérias podem ser definidos em oscilação forçada. Os efeitos não lineares tornam a ressonância mais forte e mais nítida do que os habituais. Há apenas uma frequência de ressonância para cada tipo particular de micróbios. Depende do comprimento das estruturas oscilantes e é, portanto, específico. Esta teoria é confirmada experimentalmente e não deixa nenhuma razão racional para negar a possibilidade de destruição direcionada de micróbios. O autor deste estudo não tem qualquer interesse financeiro na implementação geral deste método. Sua preocupação é meramente verdade, justiça, mas também a redução do sofrimento e da morte desnecessários. Outras pessoas e instituições têm agora de seguir em frente na direção que foi apontada por Rife.

A pandemia do coronavírus e suas implicações sociais devem deixar todos atentos à existência de um método biofísico que difere do bioquímico usual, mas que seja eficaz, seguro e rapidamente adaptável. Só é necessário determinar a frequência de ressonância adequada com muito cuidado, mas isso pode ser feito com equipamentos baratos e por meio de observação microscópica direta. Mesmo a constante ameaça de mutações imprevisíveis pode ser rapidamente combatida. O tratamento dos pacientes requer apenas alguns minutos, em intervalos de três dias. Devido à ressonância aguda, este método é seletivo e pode eliminar os efeitos colaterais quando é controlado objetivamente como carros e tráfego, por exemplo.

Há também evidências crescentes de que nosso precioso arsenal de antibióticos está em perigo. Múltiplas resistências antibacterianas estão aumentando [80]. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA concluíram já em 2015 que “esforços coordenados para implementar novas políticas, renovar os esforços de pesquisa e buscar medidas para gerenciar a crise são muito necessários”. Isso foi pensado para “exigir um investimento considerável de recursos humanos e financeiros”, mas isso não é verdade para o método de Rife. Basicamente, só precisava mudar alguns hábitos de pensamento.

Temos que insistir que o dogmatismo e a concentração de poder põem em perigo o progresso científico, bloqueando a liberdade de pensamento. Quando é guiado pela observação da realidade e da análise racional, é mais eficiente do que a ideologia, mas a ditadura e o uso imprudente do poder são sempre uma tentação. Neste contexto, temos de mencionar a pesquisa da química russa Tamara Lebedeva [81]. Ela fez uma pesquisa intensiva sobre parasitas tricômade e provou que eles podem causar câncer. Sua taxa de reprodução foi aumentada pela radioterapia, mas o trabalho de Lebedeva não foi reconhecido pelas autoridades médicas. Alfons Weber estudou o impacto no câncer de protozoários causadores de malária [82]. Ele publicou seus resultados em 1967 e prontamente perdeu sua aprovação como médico. Agora está aparecendo que existem conexões entre malária e câncer [83]. O parasita plasmódico está envolvido em ambos os campos e a fertilização cruzada na medicina deve ser incentivada. A característica comum da pesquisa de Lebedeva e Dr. Weber deveria considerar que o câncer é uma doença infecciosa. Temos que acrescentar que esses tipos de parasitas não são a única causa possível de câncer, mas seus efeitos também devem ser investigados.

Para fornecer um exemplo concreto e ainda real de preconceitos tenazes relacionados à medicina, mencionamos que o Dr. Jacques Benveniste provou experimentalmente a existência de “memória da água” em 1980th. No entanto, foi declarado (mesmo por uma revista científica mundialmente famosa) que isso é impossível. Esta afirmação foi baseada na ideia aparentemente óbvia de que quando moléculas biologicamente ativas são repetidamente dissolvidas em água, elas não podem mais estar ativas quando todas foram eliminadas. Uma vez que Benveniste descobriu que a solução final produzia o mesmo efeito como se essas moléculas ainda estivessem presentes, esse fato exigia uma explicação. Do ponto de vista científico e humano, é chocante que tenha sido aceito fingir que o Dr. Benveniste e sua equipe foram apenas vítimas de uma ilusão. O problema real necessário para verificar se as moléculas ativas poderiam ser substituídas por substitutos, resultantes da estruturação da água. É realmente impossível que a agitação térmica das moléculas de água no estado líquido possa causar estruturação de moléculas de água de acordo com o modelo inicial?

Uma vez que isso diz respeito à física da matéria condensada, tentamos resolver esse problema e publicamos em 2018 uma explicação racional [84]. Como as moléculas de água são dipolares, elas podem constituir cristalitos muito densos, onde todos esses dipolos têm a mesma orientação. Nós provamos que eles são esféricos e tão pequenos que não puderam ser observados com microscópios ópticos padrão. Estes nano-pérolas são formados pelo campo elétrico de partes carregadas de moléculas biologicamente ativas. Sendo também dipolares, essas “pérolas de água” constituem cadeias, onde são definidas em rotação na frequência da parte vibratória carregada de moléculas ativas. A onda estacionária resultante limita o comprimento dessas cadeias, impedindo o crescimento. Uma vez que o comprimento dessas cadeias depende da frequência de oscilação da parte carregada das moléculas ativas, elas se tornam portadoras de informações relevantes. Sua existência é real.

Eles são até multiplicados por diluições sucessivas, sempre acompanhadas de tremores vigorosos, uma vez que algumas correntes são então quebradas, mas são reconstituídas pelo campo elétrico oscilante da maioria das correntes intactas. Este processo produz numerosos substitutos eficientes das moléculas ativas. Ele explica também cerca de uma dúzia de outras observações experimentais, feitas nesse meio tempo. É responsável até mesmo pela homeopatia, que atualmente está sob ataque severo por aqueles que afirmam que esses produtos podem apenas atuar como placebos. Sem entender o mecanismo real, é mais difícil abandonar os preconceitos, mas é surpreendente que mesmo um “Conselho Consultivo Científico” de alto nível tenha participado do lobby para eliminar a homeopatia por procedimentos legais [85]. A ideologia e os interesses financeiros podem até anular os procedimentos científicos normais.

Este fato tem que ser combinado com evidências objetivas de que as indústrias farmacêuticas são radicalmente e imprudentemente orientadas para grandes lucros de uma forma capitalista. Esta situação terrível foi recentemente documentada por Luc Hartmann 86e mostra que a indústria farmacêutica está fora de controle. Isso nem sempre é verdade, é claro, mas, de acordo com autoridades confiáveis [86], elas podem pagar indiretamente às instituições que devem avaliar a eficiência, bem como os efeitos colaterais já relatados. As autoridades políticas e legislar devem reagir urgentemente para evitar mais escândalos e injustiças flagrantes.

Rife fez uma grande descoberta. Nós só explicamos por que aparentemente inacreditável, mas os fatos observados são verdadeiros. Agora, depende de outras pessoas e instituições continuarem. O rápido desenvolvimento das vacinas merece elogios, mas agora há muito mais em jogo do que a proteção de impérios industriais já gigantescos. Apelamos, portanto, à Organização Mundial da Saúde, a todos os Ministros da Saúde e dos Governos, bem como às Nações Unidas para iniciar e organizar também outra forma de lidar com o sofrimento e a morte desnecessários. Isso é possível e urgentemente necessário.

Agradecimentos

O autor quer agradecer ao Dr. Med (em inglês). Jens Wurster por informá-lo sobre o trabalho de Rifle e muitas trocas interessantes de ideias, bem como um árbitro cuidadoso e desconhecido para comentários construtivos.

Os conflitos de interesse

O autor não declara conflitos de interesse quanto à publicação deste artigo.

Referências

1[1] A que é Lynes, em B. (1987) A cura do câncer que funcionava! Cinquenta anos de supressão. BioMed Publishing Group, South Lake Tahoe (em inglês).
2[2] Mestres, B.R. (2010) O desenvolvimento da microscopia de fluorescência. Biblioteca Online de Wiley.
https://doi.org/10.1002/9780470015902.a0022093
3) E. Anonymous (2017) O Microscópio Universal de Royal Rife (e Por que não existe). Blog.
http://sustentável-nano.com/2017/08/18/royal-rifes-universal-
microscópio-e-porquê-pode-existir
4() ) O Wade, G. (2014) O primeiro microscópio Rife e a capacidade ganha para observar vírus e a estrutura fina de bactérias com um microscópio óptico.
https://www.rife.de/observe-viruses-and-bacteria.html
5[5] Kungliga Vetenskapsakademien (2014) O Prêmio Nobel de Química 2014. Antecedentes científicos.
https://www.nobelprize.org/prizes/chemistry/2014/advanced-information
6[6] Seidel, R.E. e Inverno, M.E. (1944) Jornal do Instituto Franklin, 237, 103-130.
http://www.pulsedtechresearch.com/wp-
conteúdo/uploads/2013/04/Novo-Microscópios-SeidelWinter.pdf
https://doi.org/10.1016/S0016-0032(44)90203-6
7[7] BRMI (2018) História – Dr. O Royal Raymond Rife Jr.
https://www.brmi.online/royal-raymond-rifeTradução
8[8] Comparet, B.L. (1960) Perguntas e Respostas. Rife Research Europe: Uma entrevista com Rife.
https://www.rife.de/an-entrevista-com-ifesto.html
9[9] Neuman, R.O. e Mayer, M. (1914) Atlas und Lehrbuch wichtiger tierischer Parasiten und ihrer ?bertr?ger.
https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/438846
10[10] Kendall, A.K. e Rife, R.R. (1931) Califórnia e Medicina Ocidental, 35, 409-411.
https://europepmc.org/article/med/18741967
11[11] San Diego Union (1929) Local Man Bares Maravilhas da Vida Germe. Novos aparelhos revelam o Universo do Micro-bedo oculto para o olho humano.
https://rifevideos.com/local_man_bares_wonders_of_germ_life.html
12[12] Rife, R.R. (1953) História do desenvolvimento de um tratamento bem sucedido para o câncer e outros vírus, bactérias e fungos. Laboratório de Investigação. Data, San Diego.
https://www.rife.de/files/history_rife_cancer_treatment.pdf
13[13] Rosenow, E.C. (em inglês) (1932) Ciência, 76, 192-193.
https://www.rife.de/observations-with-the-rife-microscope.html
https://doi.org/10.1126/science.76.1965.192
14[14] Hess, D.J. (1996) Antropologia Médica Trimestral, 10, 657-674.
https://doi.org/10.1525/maq.1996.10.4.02a00140
15[15] Rife, R. R. e Crane, J. (1950) O microscópio universal. RifeVideos.com (em inglês).
https://www.rifevideos.com/dr_rife_talks_with_john_crane_about_his_universal_microscope.html
16[16] Diabos, S.W. (Redução do Nobel).
https://www.youtube.com/watch?v-9BzGB1SUPGQ
https://www.nobelprize.org/uploads/2018/06/hell-lecture.pdf
17[17] Vangindertael, J., et al. (2018) Métodos e Aplicações em Fluorescência, 6, ID do artigo: 022003.
https://doi.org/10.1088/2050-6120/aaae0c
https://www.chem.kuleuven.be/pd/static/publications/Vangindertael2018.pdf
18[18] Bonhams (2009) Um microscópio excepcionalmente raro de Rife.
https://www.bonhams.com/leilões/16871/lotelovo/113
19[19] Elswick, S.R. As maravilhas surpreendentes de Gaston Naessens. Super microscópios e tratamentos de câncer suprimidos. Nexus Magazine (em inglês).
http://wwwhale.to/v/naessens.html
20[20] Naessens, G. (2010) O somatoscópio.
https://www.youtube.com/watch?v-KGJW94ciq4c
21[21] Claxton, N.S., et al. (2006) Microscopia, Confocal. Wiley, Hoboken (em inglês).
https://pt.wikipedia.org/wiki/Confocal_microscopy
https://doi.org/10.1002/0471782777.emd291
22[22] Pássaro, C. A perseguição e o julgamento de Gaston Naessens. Tiburon-Kramer (em inglês). 336 p. 1 p.
23[23] BRMI (que não é o BMI). História – Antoine Béchamp.
https://www.biologicalmedicineinstitute.com/antoine-bechamp
24[24] Perrot, A. e Schwarz, M. (2014) Pasteur et Koch, des duel de géants dans le monde des micróbios. Odile Jacobs (em inglês).
https://www.youtube.com/watch?v-YuC3T3eesDU
25[25] – O Henri, V. (1914) Comptes rendus de l’Académie des Sciences, 159, 340-343, 413-415.
https://pubs.rsc.org/pt/content/articlelanding/1914/ca9140601112/Abstract!
26[26] Almquist, E. (1922) Jornal de Doenças Infecciosas, 31, 483-493.
https://doi.org/10.1093/infdis/31.5.483
27[27] Em que i ( Naessens, G. (2010) O Somatídeo e seu ciclo de estágio 16.
https://www.youtube.com/watch?v.ttl5NBo3_Z4
28[28] Klieneberger-Nobel, E. (1951) Avaliações de Microbiologia e Biologia Molecular, 15, 77-103.
https://mmbr.asm.org/content/mmbr/15/2/77.full.pdf
https://doi.org/10.1128/MMBR.15.2.77-103.1951
29[29] Kurath, G. e Morita, R.Y. (1983) Microbiologia Aplicada e Ambiental, 45, 1206-1211.
https://doi.org/10.1128/AEM.45.4.1206-1211.1983
30[30] () [30] Folk, R.L. (em inglês) Interação entre Bactérias, Nannobérias e Precipitação Mineral em Termas da Itália Central.
https://www.erudit.org/pt/journals/gpq/1994-v48-n3-gpq1907/033005ar.pdf
31[31] Kajander, E.O. e Ciftcioglu, N. (1998) Aceedings da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América, 95, 874-879.
https://doi.org/10.1073/pnas.95.14.8274
[32] Ciftcioglu, N., et al. (2006) Jornal de Medicina Investigativa, 54, 385-394.
https://doi.org/10.2310/6650.2006.06018
33[33] Cantwell, A. (1990, 1995) O micróbio do câncer. O assassino escondido em câncer, AIDS e outras doenças imunológicas. Aries Rising Press, Los Angeles, 281 p.
34[34] Cantwell, A. (2005) Para as Mulheres contra o Câncer. Aries Rising Press, Los Angeles, 281 p.
[35] Wainwright, M. (em inglês) (1997) Perspectivas em Biologia e Medicina, 407-414.
https://doi.org/10.1353/pbm.1997.0038
[36] Kumar, C.A., et al. Medicina oral e radiologia, 23, 354-359.
https://doi.org/10.5005/jp-journals-10011-1168
[37] Schlieper, G., et al. Transplante de diálise de nefrologia, 26, 3436-3439.
https://doi.org/10.1093/ndt/gfr521
[38] Ciftcioglu, N. e McKay, D. (2010) Pesquisa Pediátrica, 67, 490-499.
https://doi.org/10.1203/PDR.0b013e3181d476ce
[39] Cantwell, A. (A) (em inglês).
https://livebloodonline.com/breast-cancer-causado-pleomorphic-bactérias
[40] Duda, V.I., et al. (em inglês) Microbiologia, 81, 379-390.
https://doi.org/10.1134/S0026261712040054
[41] Luef, B., et al. (2015) Comunicação da Natureza, 6, 6373.
https://www.nature.com/articles/ncomms7372
https://doi.org/10.1038/ncomms7372
[42] Krotz, D. (em inglês) (2015) Primeira evidência detalhada de microscopia de bactérias no limite de tamanho mais baixo da vida.
https://newscenter.lbl.gov/2015/02/27/ultra-small-bactérias
[43] Mattman, L.H. (em inglês) (1974) Formas deficientes de parede celular: patógenos furtivo. CRC Press, Boca Raton, 448 p.
https://doi.org/10.1201/b16928
[44] Ramijan, K., et al. (2019) Comunicação da Natureza, 9, Artigo No. 5164 (em inglês).
https://www.nature.com/articles/s41467-018-07560-9.pdf
[45] Claessen, D. e Errington, J. (2019) Tendências em Microbiologia, 5, 1025-1033.
https://www.cell.com/tendências/microbiologia/pdf/S0966-842X(19)30192-1.pdf
https://doi.org/10.1016/j.tim.2019.07.008
[46] Vassilatos, G. (em inglês) (2003) Ultra Microscópio e Raios de Cura: R. O Raymond Rife. Ciência perdida (ver Spears)
http://customers.hbci.com/.wenonah/history/rife.htm
[47] Crane, J., março, J., et al. O Relatório da Máquina Rife: Uma História dos Instrumentos e Frequências de Rife. 149 p. 149 p. (em inglês)
http://www.royal-rife-machine.com/the_rife_machine_report.pdf
[48] Spooky 2 (2018) Lista de Frequência de Rife. Compilado por Spooky2-mall .com, 2018.
https://s6c2n9k7.stackpathcdn.com/download/spooky2rifequencylist.pd
[49] Allegretti, M. (em inglês) (2018) As Propriedades Terapêuticas das Ondas EM. 154 p.
[50] Dunn, H.H. (em inglês) (em inglês) Filme.
https://www.rife.de/movie-new-eye-of-microscope-in-war-of-germs.html
[51] Vídeos: Rife em suas palavras. A história da Royal Rife.
https://www.rife.de/rife-related-videos.html
[52] Rifevideos.com: 1939 Royal Rife Laboratory Film (John Crane, 35:34); Royal Rif em Suas Próprias Palavras (51:15); The Royal Rife Story (2.11:22).
[53] Holanda, A. (Reuters) – Shattering Cancer with Resonant Frequencies. TEDx Talks (17:08).
https:///www.youtube.com/watch?v ?1w0_kazbb_U
[54] Terwange, D. e Bush, J. (Bing Bowls) Tibetano.
https://core.ac.uk/download/pdf/4434335.pdf
[55] Engenharia Prática (2018) Por que a Ponte Tacoma desmoronou. YouTube (8:48).
[56] Dubost, G., et al. Ressonâncias acústicas teóricas de baixa frequência de várias antenas Rife-Bare.
https://www.researchgate.net/publication/273886201
[57] Baladin, A.A. e Fonoberov, V.A. (2005) Jornal de Nanotecnologia Biomédica, 1, 90-95.
https://doi.org/10.1166/jbn.2005.005
[58] ROard, P. e Meessen, A. (1977) Progresso em óptica, 50, 79-137.
http://www.meessen.net/AMeessen/optical_properties_of_thin_metal_films.pd
https://doi.org/10.1016/S0079-6638(08)70477-3
[59] Polk, C. e Postow, E. (1986) Manual CRC de Efeitos Biológicos de Campos Eletromagnéticos. Imprensa da CRC, Boca Raton.
[60] Barry, J.M. (em inglês). A Grande Gripe: A História da Pandemia mais mortal da História. Penguin Books, em Londres.
[61] CARR, C.M. e Kim, P.S. (1993) Cell, 73, 823-832.
https://doi.org/10.1016/0092-8674(93)90260-W
[62] Sriwilaaijaroen, N. e Suzuki, Y. Aprovação da Academia do Japão, Ser. B, 88, 226-249.
https://doi.org/10.2183/pjab.88.226
[63] O Harrison, o S. (em inglês) Membrana de fusão viral. Parte 2.
https://www.youtube.com/watch?v-qcepGvFUM38
[64] O Harrison, o S. (2015) Virologia, 479-480, 498-507.
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S004268221500183X
https://doi.org/10.1016/j.virol.2015.03.043
[65] Saplakoglu, Y. (em inglês). (2020).
https://www.livescience.com/coronavirus-spike-protein-structure.html
[66] McAuley, J.L., et al. (2019) Fronteiras em Microbiologia, 10, 39-62.
https://doi.org/10.3389/fmicb.2019.00039
[67] Kosik, I. e Yewdell, J.W. (2019) Vírus, 11, 346-364.
https://doi.org/10.3390/v11040346
[68] Biswas, A., et al. (2020) Revisões críticas em Microbiologia, 46, 182-193.
[69] Gaymard, A., et al. (2016) Microbiologia Clínica e Infecção, 22, 975-983.
https://doi.org/10.1016/j.cmi.2016.07.007
[70] O Harrison, o S. (2015) Entrada de Vírus Não Envelopedo.
https://www.youtube.com/watch?v–1tSBwE1Wuk
[71] Chang, C., et al. (2019) Aceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 116, 18041-18049.
https://doi.org/10.1073/pnas.1907733116
[72] Meessen, A. (Direito de Bola: Bolhas de Oscilações Eletrônicas de Plasma).
http://www.meessen.net/AMeessen/Ball-Lightning-Theory.pdf
[73] Harvard Natural Science, Demonstrações de Palestras: Despejo de vinhos.
https://sciencedemonstrations.fas.harvard.edu/presentações/shattering-wineglass
[74] Wrapp, D., et al. (2020) Ciência, 367, 1260-1263.
https://science.sciencemag.org/content/367/6483/1260
https://doi.org/10.1126/science.abb2507
[75] Litak, G., et al. (2012) Oscilações não lineares de um pêndulo invertido elástico. 4a Conferência Internacional IEEE sobre Ciência e Complexidade Não-linear, Budapeste, 6-11 de agosto de 2012, 113-116.
http://litak.pollub.pl/20_nsc2012.pdf
https://doi.org/10.1109/NSC.2012.6304737
[76] Kirson, E.D., et al. (2004) Disrupção da replicação de células cancerígenas por campos elétricos alternativos. Pesquisa do Câncer, 64, 3288-3295.
[77] Miller, J. (em inglês) (2007) Campos elétricos têm potencial como tratamento do câncer. Hoje, 60 anos, 19.
https://doi.org/10.1158/0008-5472.CAN-04-0083
https://physicstoday.scitation.org/doi/10.1063/1.2774085
[78] He?ling, M., et al. (2020) Doses de irradiação ultravioleta para a inativação do coronavírus. Controle de Higiene e Infecção GMS, 15, Doc08.
https://www.egms.de/static/en/journals/dgkh/2020-15/dgkh000343.sht
[79] https://www.fda.gov/medical-dispositivos/coronavírus-covid-19-and–
dispositivos médicos/uv-lights-and-lamps-ultraviolet-c-radiation-desinfecção-e-coronavírus
[80] Ventola, C.L. (em inglês) A crise da resistência aos antibióticos Parte 1 Causas e ameaças. Parte 2 Estratégias de Gestão e Novos Agentes. Farmacologia e Terapêutica, 40, 277-283.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/artigos/PMC4378521
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25987823/
[81] Lebedewa, T. und Driediger, E. (em inglês) Krebserreger Entdeckt. Driediger Verlag, Georgsmarienh.
[82] Weber, A. (1969) ?ber die Ursache der Krebskrankheit. Verlag Parcus, em M?enchen.
[83] Nordor, A.V. (2018) Biologia Aberta, 8, ID do artigo: 180127.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/artigos/PMC62236
https://doi.org/10.1098/rsob.180127
[84] Meessen, A. (2018) Jornal de Física Moderna, 9, 2657-2724.
https://www.scirp.org/pdf/JMP_2018122814230215.pdf (em inglês)
https://doi.org/10.4236/jmp.2018.914165
[85] European Academies Science Advisory Council (2017) Produtos e Práticas Homeopáticas.
https://easac.eu/fileadmin/PDF_s/reports_statements/EASAC_Homepathy_statement_web_final.pd
[86] Hartmann, L. e Lasco, C. (2020) Big-Pharma Labos Tout-Puissants. Arte, TV. – Sept. 11, 2020.
https://www.telez.fr/actus-tv/big-pharma-labos-tout-puissants-sur-
arte-le-juteux-business-du-medicamento/

 

error: Este conteúdo é protegido!
0:00
0:00

Esta é uma assinatura anual (365 dias). O Plano Gold - Anual garante o seu acesso a 6.358 frequências disponíveis em nosso app + vantagens e descontos. Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

O Plano GoldAnual dá acesso a 6.358 frequências divididas em:

  • 3.035 FUD (Frequências Ultrassônicas Direcionadas);
  • 418 FUD Essenciais;
  • 312 Frequências Combinadas para Vacinados COVID;
  • 42 Frequências Dr. Garyaev e Anthonio Magalhães
  • 126 FUD para Proteção 5G e Radiações Diversas;
  • 227 FEQ (Frequências Escalares Quânticas);
  • 62 FUM (Frequências Ultrassônicas Meridianas);
  • 17 FUG (Frequências Ultrassônicas dos Genes);
  • 8 FUTI (Frequências Ultrassônicas de Tons Isocrônicos);
  • 24 FUPO (Frequências Ultrassônicas Puras das Ondas);
  • 60 FUOC (Frequências Ultrassônicas de Ondas Cerebrais);
  • 163 FUOS (Frequências Ultrassônicas de Ondas Senoidais);
  • 120 FUC (Frequências Ultrassônicas Cromoterápicas);
  • 57 FUV (Frequências Ultrassônicas de Varreduras);
  • 64 FUS (Frequências Ultrassônicas de Solfeggios);
  • 51 FUB (Frequências Ultrassônicas Binaurais);
  • 15 FUA (Frequências Ultrassônicas para Aterramento);
  • 36 FASMR (Frequências ASMR);
  • 107 FMR (Frequências Musicais para Relax);
  • 259 FESF (Frequências para Estética, Suplementos e Fitness);
  • 266 FPC (Frequências de Pedras e Cristais);
  • 69 FEP (Frequências de Estrelas e Planetas);
  • 79 FP (Frequências da Prosperidade);
  • 136 FH (Frequências Holísticas);
  • 58 FRU (Frequência Repelente Ultrassônica) contra insetos e pequenos animais.
 

Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

Prêmios para os assinantes do Plano Gold:

1– O Plano Gold dá direito a 03 meses (90 dias) de acesso completo ao site Planeta Prisão

(www.planetaprisao.com.br)

2– O Plano Gold dá direito a 02 meses (60 dias) de acesso completo ao site Reversão Humana

(www.reversaohumana.com.br)

3– O Plano Gold dá direito a 01 mês (30 dias) de acesso completo ao site 320.000 Anos

(www.320milanos.com.br)

4– O Plano Gold dá direito a 01 mês (30 dias) de acesso completo ao site BLOCK5G

(www.block5g.com.br)

Obs.: O valor total dos prêmios é de R$ 579,60

Desconto para os assinantes do Plano Gold:

O assinante Gold tem direito a 10% de desconto na renovação do Plano Gold Anual.

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 1 tem um total de 26 frequências divididas em: 23 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 03 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • Abscessos (dor de dente)
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Alergias 02
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 09
  • Fortalecer e Equilibrar o Sistema Imunológico
  • Herpes 1
  • Indigestão 1
  • Insônia 1
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Perda de Peso 10
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Relax – música para meditação
  • Reumatismo 1
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 2 tem um total de 70 frequências divididas em: 60 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 10 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Abscessos (Dor de Dente) 1
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Alcoolismo – dependência de álcool
  • Alergias 02
  • Alívio da Dor – redutor de dores
  • Anemia 3
  • Anti Cancer Versão 2.0
  • Articulação do Joelho
  • Asma 1
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Circulação Sanguínea 2
  • Cólicas menstruais – dor menstrual
  • Deficiência da Vitamina P
  • Deficiência de Vitamina A
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Dermatite 1
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • Distúrbios Estomacais
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Dor de Cabeça 4
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 09
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Estimulação do Décimo Primeiro Nervo Craniano – alívio da dor e melhora da respiração
  • Estresse 5
  • Febre 2 – resfriado, coriza, dor de garganta
  • Fortalecer e Equilibrar Sistema Imunológico
  • Fortalecimento do Coração – efeito tônico
  • Gota 1
  • Hemorróidas 4
  • Herpes 1
  • Hipermetropia – músculos oculares
  • Indigestão 1
  • Insônia 1
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Nervo Ciático 2
  • Níveis de Ingestão de Magnésio – fortalecendo o corpo
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Sódio – para uma função eletrolítica ótima
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis ​​
  • Perda de Peso 10
  • Pressão Alta 1
  • Problemas Intestinais 2
  • Proliferação Celular
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Regeneração dos Nervos
  • Relax – música relaxante com peixes tropicais e recifes de coral
  • Relax – música relaxante subaquática dos golfinhos do Havaí
  • Relax – ondas noturnas de verão ao entardecer
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Reparação de Cicatrizes na Pele (também para piercings)
  • Resfriados 2
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Reumatismo 1
  • Sarna 2
  • Síndrome de Fadiga Crônica 3
  • Sistema Nervoso Parassimpático – ativação
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Tumores – células cancerígenas
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida
  • Zumbidos 1

O Plano 3 tem um total de 140 frequências divididas em: 120 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 20 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Abscessos (Dor de Dente) 1
  • Acidose 1
  • Adenóides 2
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Ajuda para Desconstruções Mentais – A
  • Alcoolismo – Dependência de Álcool
  • Alcoolismo 2
  • Alegria
  • Alergias 02
  • Alívio da Dor – redutor de dores
  • Alucinações 1
  • Amplifique os Neurônios do Hipocampo
  • Anemia 2
  • Anemia 3
  • Aneurisma 2
  • Ansiedade 8
  • Ansiedade 9
  • Anti Câncer
  • Anti Câncer Versão 2.0
  • Apneia do sono 1
  • Arnica 2
  • Articulação do Joelho
  • Asma 1
  • Asma 3
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Audição 1
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Autointoxicação
  • Bactéria Lactis Nosode
  • Bócio 1
  • Bom Sono
  • Bronquite 2
  • Calcificação dos Ossos 4
  • Calmante e Alívio da Dor – reduz a dor
  • Cânceres Diversos – frequências ultrassônicas
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Caspa 3
  • Catarro 2
  • Células Doentes 1
  • Choque Séptico
  • Circulação Sanguínea 2
  • Cobre 12
  • Cobre 14
  • Colesterol Alto 3
  • Cólica Biliar
  • Cólicas menstruais – dor menstrual
  • Deficiência da Vitamina P
  • Deficiência de Vitamina A
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Deficiência de Vitamina D
  • Dermatite 1
  • Detox Corpo e Mente 2
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • Distúrbios dos Nervos
  • Distúrbios Estomacais
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Doenças Pulmonares 3
  • Dor de Cabeça 4
  • Dor de Garganta 3
  • Dor de Ouvido 1
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Durma Bem 13
  • Durma Bem 19
  • Durma Bem 20
  • Durma Bem 23
  • Elevação Vibratória 3
  • Energia Positiva – 963 Hz
  • Estimulação do Décimo Primeiro Nervo Craniano – alívio da dor e melhora da respiração
  • Estômago 1
  • Estresse 5
  • Extrofia da Bexiga – Isocrônica Binaural – longa
  • Febre 2 – resfriado, coriza, dor de garganta
  • Fortalecer e Equilibrar o Sistema Imunológico
  • Fortalecimento do Coração – efeito tônico
  • Frequência 285 Hz concentração
  • Frequência 888 Hz concentração
  • Glaucoma 4
  • Gota 1
  • Hanseníase 2
  • Hemorragia 2
  • Hemorróidas 4
  • Herpes 1
  • Herpes Zoster 2
  • Hipermetropia – músculos oculares
  • Impotência
  • Indigestão 1
  • Inflamação de Corpo
  • Inflamações Gerais 1
  • Insônia 1
  • Intestino – inflamação
  • Liberação de Dopamina e Endorfina – aumente sua serotonina – binaural
  • Manchas e Cicatrizes
  • Melhorando a Cicatrização de Feridas Primárias e Secundárias
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Nervo Ciático 2
  • Neurogênese Cerebral – tons isocrônicos de plasticidade cerebral
  • Neuropatia Periférica 8
  • Níveis de Ingestão de Magnésio – fortalecendo o corpo
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Sódio – para uma função eletrolítica ótima
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Perda de Peso 10
  • Pressão Alta 1
  • Problemas Intestinais 2
  • Proliferação Celular
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Regeneração dos Nervos
  • Relax – baleias no paraíso
  • Relax – cantos dos pássaros e sons de chuva para dormir
  • Relax – música para meditação
  • Relax – relaxamento profundo – ondas alpha
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Relax – som relaxante de água fluindo para dormir
  • Relax – sons de uma viagem cósmica
  • Reparação de Cicatrizes na Pele (também para piercings)
  • Reparação de DNA 1
  • Reparação de DNA 2
  • Resfriados 2
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Reumatismo 1
  • Sarna 2
  • Síndrome de Fadiga Crônica 3
  • Sintonização dos 5 Sentidos
  • Sistema Linfático e a Circulação
  • Sistema Nervoso Parassimpático – ativação
  • Sono Profundo 05 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 09 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 14 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 18 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Tumores – células cancerígenas
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida
  • Zumbidos 1

O Plano 5 garante o seu acesso a 6.358 frequências disponíveis em nosso app. Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

  • 3.035 FUD (Frequências Ultrassônicas Direcionadas);
  • 418 FUD Essenciais;
  • 312 Frequências Combinadas para Vacinados COVID;
  • 42 Frequências Dr. Garyaev e Anthonio Magalhães
  • 126 FUD para Proteção 5G e Radiações Diversas;
  • 227 FEQ (Frequências Escalares Quânticas);
  • 62 FUM (Frequências Ultrassônicas Meridianas);
  • 17 FUG (Frequências Ultrassônicas dos Genes);
  • 8 FUTI (Frequências Ultrassônicas de Tons Isocrônicos);
  • 24 FUPO (Frequências Ultrassônicas Puras das Ondas);
  • 60 FUOC (Frequências Ultrassônicas de Ondas Cerebrais);
  • 163 FUOS (Frequências Ultrassônicas de Ondas Senoidais);
  • 120 FUC (Frequências Ultrassônicas Cromoterápicas);
  • 57 FUV (Frequências Ultrassônicas de Varreduras);
  • 64 FUS (Frequências Ultrassônicas de Solfeggios);
  • 51 FUB (Frequências Ultrassônicas Binaurais);
  • 15 FUA (Frequências Ultrassônicas para Aterramento);
  • 36 FASMR (Frequências ASMR);
  • 107 FMR (Frequências Musicais para Relax);
  • 259 FESF (Frequências para Estética, Suplementos e Fitness);
  • 266 FPC (Frequências de Pedras e Cristais);
  • 69 FEP (Frequências de Estrelas e Planetas);
  • 79 FP (Frequências da Prosperidade);
  • 136 FH (Frequências Holísticas);
  • 58 FRU (Frequência Repelente Ultrassônica) contra insetos e pequenos animais.

Experimente Gratuitamente Estas Frequências:

  • Dor de Cabeça 1
  • Dor nas Costas 2
  • Melhorando a Cicatrização de Feridas Primárias e Secundárias
  • Relax – Odisseia Espacial
  • Restauração Digestiva
  • Sinusite 2

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 4 foi desenvolvido especialmente para quem tomou as vacinas de Covid. Ele tem um total de 312 frequências selecionadas de acordo com os relatos de pessoas vacinadas, publicações médicas e notícias na imprensa. Há frequências que ajudam na eliminação da proteína, Spike, Óxido de Grafeno, Alumínio, etc.

  • 5G – proteção eletromagnética 1
  • 5G – radiações e microondas 2
  • 5G – radiações e microondas 3
  • 5G – radiações e microondas 4
  • 5G – radiações e microondas 5
  • 5G – radiações e microondas 6
  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Água das Células – estabilização do campo magnetodielétrico
  • Água Hexagonal 1 (estruturada) – tratamento da água
  • Água Hexagonal 3 (estruturada) – tratamento da água
  • Água Hexagonal 4 (estruturada) – tratamento da água
  • Água, Oxigênio e Vitamina C – estimulador
  • Alcalinização do Corpo
  • Anti-coagulação Sanguínea
  • Antioxidante
  • Aorta 1
  • Aorta 2
  • Artérias 3
  • Aterramento Sonoro A 1
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Borax Tratamento
  • Campo Eletromagnético – fortalecimento com elétrons, oxigênio e hidrogênio negativo
  • Campo Eletromagnético Celular – equilíbrio
  • Campo Eletromagnético do Corpo 1 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Eletromagnético do Corpo 2 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Eletromagnético do Corpo 3 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Informacional do CEM
  • Campo Magnetodielétrico do Corpo – oscilar de ondas MUTI
  • Câncer do Pulmão – tratamento
  • Câncer Turbo 1
  • Câncer Turbo 2
  • Câncer Turbo 3
  • CDS – Dióxido de Cloro
  • Células – energizador
  • Células (renovação celular)
  • Células 1
  • Células 2
  • Células 3
  • Células 4
  • Células 5
  • Células 6
  • Células 7
  • Células Cancerígenas 2 – eliminação
  • Células com Gorduras – removedor de gorduras
  • Células Doentes 2
  • Células Novas – aumento
  • Células-tronco 4
  • CEM da Célula
  • Cérebro 1
  • Circulação Sanguínea 1
  • Circulação Sanguínea 2
  • Circulação Sanguínea 3
  • Coágulo Sanguíneo 2
  • Cobre 03
  • Cobre 04
  • Cobre 05
  • Cobre 06
  • Cobre 07
  • Cobre 08
  • Cobre 10
  • Cobre 11
  • Cobre 12
  • Cobre 14
  • Cobre Coloidal
  • Complexo Antioxidante para o Cérebro
  • Coração (problemas diversos) – tratamento
  • Coração 1 – rejuvenescimento
  • Coração 2 – rejuvenescimento
  • Coração Distúrbios 1 – tratamento
  • Coração Distúrbios 2 – tratamento
  • Coronavírus – Covid-19 3
  • Coronavírus – tratamento
  • Coronavírus 2020 1
  • Coronavírus e Covid-19 1
  • Coronavirus e Covid-19 2
  • Corpo Alcalino 1
  • Covid-19 1
  • Covid-19 2
  • Covid-19 3
  • Covid-19 4
  • Covid-19 Proteção + Zinco + Magnésio + Vitamina D
  • Deficiência de Vitamina D
  • Desintoxicação Celular – regeneração de corpo inteiro
  • Desintoxicação do Corpo 1
  • Desintoxicação do Corpo 2
  • Desintoxicação do Corpo 3
  • Desintoxicação do Corpo 4
  • Desintoxicação do Corpo 5
  • Detox Celular Potente
  • Detox Cerebral (remove o muco do cérebro, drena o sistema glinfático e limpa a neurotoxicidade)
  • Detox Chemtrails 1
  • Detox Chemtrails 2
  • Detox Chemtrails 3
  • Detox Chemtrails 4
  • Detox Covid-19 e Proteína Spike
  • Detox da Glândula Adrenal
  • Detox de Micro e Nano Plásticos
  • Detox de Alumínio 1
  • Detox de Alumínio 2
  • Detox de Alumínio 3
  • Detox de Alumínio e Mercúrio
  • Detox de Fígado, Rins, Linfa e Intestinos
  • Detox de Glifosato
  • Detox de Grafeno
  • Detox de Grafeno com Energia Escalar
  • Detox de Grafeno e Nanobots
  • Detox de Grafeno e Nanobots com Disrupção
  • Detox de Grafeno para os Alimentos
  • Detox de Mercúrio 1
    Detox de Mercúrio 2
  • Detox de Metais Pesados 1
  • Detox de Metais Pesados 2
  • Detox de Metais Pesados 3
  • Detox de Morgellons
  • Detox de Nanobots de Grafeno
  • Detox de OGM e Pesticidas
  • Detox de Óxido de Grafeno
  • Detox de Parasitas Ancilostomídeos
  • Detox de Parasitas Diversos 1
  • Detox de Parasitas Diversos 2
  • Detox de Parasitas Linfáticos
  • Detox de Radiações 1
  • Detox de Radiações 2
  • Detox de Radiações 5
  • Detox de Radiações 6
  • Detox de Radiotividade no Corpo – energia escalar (bobina Tesla)
  • Detox de Toxinas Biossintéticas
  • Detox de Toxinas das Células
  • Detox de Vacinas Covid-19
  • Detox dos Rins 1
  • Detox Geral – tratamento
  • Detox Nanobots e Smartdust (IA)
  • Detox Nanoplásticos e Morgellons (IA)
  • Detox no Pâncreas – remoção de parasitas
  • Detox no Sistema Respiratório
  • Detox para Vacinas de Covid-19
  • Detox Poluição Eletromagnética
  • Dissolvedor de Coágulos Sanguíneos
  • DMSO 2
  • DMSO 3 (Dimetilsulfóxido ou Sulfóxido de Dimetilo)
  • DNA – reparador de alterações por vacinas
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Doença X – tratamento
  • Durma Bem 09
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Durma Bem 17
  • Durma Bem 19
  • Efeitos Colaterais da Vacina Covid-19 – tratamento
  • Eletrorrecepção – percepção elétrica
  • Energia para o Campo Eletromagnético do Corpo
  • Escudo de Proteção Contra Vacinas SARS-CoV-2
  • Escudo Protetor de Toxinas e Parasitas Eletromagnéticos
  • Estresse 5
  • Éter 2
  • Éter 3
  • Éter 4
  • Éter 6
  • Flutuadores 1
  • Fósforo
  • Frequência para o Campo Eletromagnético do Corpo
  • Glândula Timo 1
  • Grafeno 1 – remoção silenciosa
  • Grafeno 2 – remoção silenciosa
  • Gripe Aviária 1
  • Gripe Aviária 2
  • Gripe Aviária 3
  • Gripe Aviária 4
  • H5N1 2
  • HAARP – frequência de proteção
  • Herpes Zoster 6
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 1
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 2
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 3
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 4
  • Hipóxia – aumenta o nível de oxigênio no sangue e nos tecidos e regula a frequência cardíaca e a respiração
  • Hipóxia – oxigenação para as células
  • Hipóxia (falta de oxigenação no sangue) – tratamento
  • Hipóxia Cerebral
  • HIV – tratamento
  • HIV (infecções relacionadas) – tratamento
  • HIV 2
  • HIV 3
  • Infecção Pulmonar (pneumonia) – tratamento
  • Inflamação Cardíaca
  • Inflamação Geral
  • Influenza (também resfriados)
  • Integridade do DNA – estimulador
  • Íons Negativos
  • Ivermectina + Vitamina D
  • Ivermectina
  • L-Triptofano
  • L-Triptofano (aminoácido) relaxamento para o corpo
  • Levantamento de bustos ou seios – frequência do cobre
  • M.M.S. – simulador
  • Magnetorrecepção – percepção magnética
  • Medula Espinhal 1
  • Melatonina 1
  • Melatonina 3
  • Melatonina 6
  • Miocardite 1
  • Mitocôndrias (DNA) – estimulador A
  • MMS – frequência silenciosa
  • Monkeypox 1 – alta frequência em 741 Hz
  • Monkeypox 2
  • Monkeypox Vírus
  • Morgellons – erradica os parasitas e bactérias e reduz a coceira e erupções cutâneas
  • Morgellons 3
  • Morgellons 4
  • Morgellons Kaboomilicious
  • Morgellons Lyme Nano Blaster
  • N-acetilcisteína – simulação para diminuir o muco respiratório
  • NAC – N-Acetil Cisteína
  • Nanobots de Óxido de Grafeno – desabilitador
  • Nanobots IA 1 – eliminador
  • Nanobots IA 2 – eliminador
  • Nanobots IA 3 – eliminador
  • Nanobots IA 4 – eliminador
  • Nanobots ou Nanorrobôs I.A. das Vacinas de Covid-19 – frequência desabilitadora
  • Nanopartículas de Carbono (grafeno) – desabilitador
  • Nanopartículas de Óxido de Grafeno – eliminador
  • Nanorrobôs – remoção
  • Nanorrobôs e Nanobots IA – tratamento de remoção
  • Nanotecnologia no Corpo 1 – remoção
  • Nanotecnologia no Corpo 2 – remoção
  • Nipah Vírus – eliminação com 741 Hz
  • Níveis de Cobre – produção de energia e suporte ao sistema imunológico
  • Níveis de Zinco para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Ondas de Calor 3
  • Ouro + Prata + Cobre – frequência coloidal
  • Ouro Coloidal 1
  • Ouro Puro – frequência
  • Óxido de Grafeno – detox
  • Óxido Nítrico 2 (antinanotecnologia no corpo) – remoção
  • Óxido Nítrico e Hidrogênio – estimulador
  • Óxido Nítrico e Peróxido de Hidrogênio
  • Oxigenação das Células
  • Oxigênio 3
  • Oxigênio 4
  • Paralisia de Bell 3 – tratamento
  • Paralisia de Bell 5 – tratamento
  • Paralisia do Carrapato – acelera a decomposição de toxinas e restaura as funções nervosas
  • Parasitas 1
  • Parasitas 2
  • Parasitas 3
  • Parasitas e Bactérias
  • Patógenos Biossintéticos
  • Patógenos das Vacinas de Covid-19
  • Patógenos no Cérebro – neutralizador
  • Pericárdio – ressonância do sistema meridiano
  • Pericardite 1
  • Peróxido de Hidrogênio 1
  • Pneumonia do Pulmão Branco 1 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 2 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 3 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 4 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 5 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 6 (Micoplasma) – tratamento
  • Prata Coloidal – efeito-antibiótico
  • Probióticos
  • Proliferação Celular
  • Proteção Contra Ondas Eletomagnéticas Intensas – G
  • Proteção de Radiações para o Cérebro
  • Proteção Eletromagnética para o Cérebro – campo protetor – G
  • Proteína Spike – Eliminador
  • Proteína Spike Vacina Covid 1 – eliminador
  • Proteína Spike Vacina Covid 2 – eliminador
  • Purificação do Ar no seu campo magnetodielétrico
  • Purificação do Sangue
  • Radiação Solar – estimulador
  • Radiações do Câncer – bloqueio
  • Regeneração Celular
  • Regeneração Completa do Corpo
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Relax – música relaxante com peixes tropicais e recifes de coral
  • Relax – música relaxante subaquática dos golfinhos do Havaí
  • Relax – ondas noturnas de verão ao entardecer
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Remoção de Células Senescentes
  • Remoção de Fungos e Bactérias
  • Remoção de Vírus, Parasitas e Fungos
  • Reparação de DNA 1
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Ródio
  • SARS-CoV-2 Ômicron 2021 – vírus
  • Saúde das Células Sanguíneas
  • Sistema Cardiovascular 1
  • Sistema de Condução Elétrica do Coração
  • Sistema Imunológico 01 – G
  • Sistema Imunológico 04
  • Sistema Imunológico 08
  • Sono Profundo 09 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Temperatura Corporal 1
  • Tonificação Celular
  • Trans-Resveratrol e Resveratrol
  • Trombose Venosa Profunda – tratamento
  • Tumores Malignos (diversos) – tratamento
  • Varíola
  • Vírus (diversos) 2 – eliminador
  • Vírus (diversos) 5 – eliminador
  • Vírus da Parainfluenza Humana
  • Vitamina C 1
  • Vitamina D3 1
  • Vitamina D3 3
  • Vortex de Proteção Eletromagnética – estabilização
  • Zeólita e Ácido Fúlvico
  • Zinco
  • Zinco e Fósforo – estimulador antibiótico e antioxidante

Você ainda não possui esta frequência!