[esi ihc-user field="ihc_avatar"]

Curso de Frequências Grátis

Grupo de Frequências

Séries Terapêuticas Personalizadas

Nossa Lojinha

[esi ihc-user field="ihc_avatar"]

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PROBLEMAS DE SAÚDE E DOENÇAS RELACIONADOS COM O “CEM” (CAMPO ELETROMAGNÉTICO)

Abstrato

As doenças crônicas e as doenças associadas a sintomas inespecíficos estão a aumentar. Além do estresse crônico nos ambientes sociais e de trabalho, as exposições físicas e químicas em casa, no trabalho e durante as atividades de lazer são estressores ambientais causais ou contribuintes que merecem atenção do clínico geral, bem como de todos os outros membros da comunidade de saúde. . Parece necessário agora levar em conta “novas exposições”, como campos eletromagnéticos (CEM). Os médicos são cada vez mais confrontados com problemas de saúde de causas não identificadas. Estudos, observações empíricas e relatórios de pacientes indicam claramente interações entre a exposição a campos eletromagnéticos e problemas de saúde. A suscetibilidade individual e os fatores ambientais são frequentemente negligenciados. Novas tecnologias e aplicações sem fios foram introduzidas sem qualquer certeza sobre os seus efeitos na saúde, levantando novos desafios para a medicina e a sociedade. Por exemplo, a questão dos chamados efeitos não térmicos e dos potenciais efeitos a longo prazo da exposição a baixas doses foram pouco investigados antes da introdução destas tecnologias. Campo eletromagnético comum ou fontes EMF: A radiação de radiofrequência (RF) (3 MHz a 300 GHz) é emitida por antenas de transmissão de rádio e TV, pontos de acesso Wi-Fi, roteadores e clientes (por exemplo, smartphones, tablets), dispositivos sem fio e móveis telefones, incluindo suas estações base e dispositivos Bluetooth. Campos elétricos e magnéticos de frequência extremamente baixa (ELF EF) (ELF MF) (3 Hz a 3 kHz) são emitidos por fiação elétrica, lâmpadas e aparelhos. Campos elétricos e magnéticos (VLF MF) de frequência muito baixa (3 kHz a 3 MHz) são emitidos, devido a tensões harmônicas e distorções de corrente, de fiação elétrica, lâmpadas (por exemplo, lâmpadas fluorescentes compactas) e dispositivos eletrônicos. Por um lado, existem fortes evidências de que a exposição prolongada a determinados CEM é um fator de risco para doenças como certos cancros, a doença de Alzheimer e a infertilidade masculina. Por outro lado, a emergente hipersensibilidade eletromagnética (EHS) é cada vez mais reconhecida pelas autoridades de saúde, administradores de deficiência e assistentes sociais, políticos, bem como pelos tribunais. Recomendamos tratar clinicamente a EHS como parte do grupo de doenças multissistêmicas crônicas (IMC), mas ainda reconhecendo que a causa subjacente continua sendo o ambiente. No início, os sintomas de EHS ocorrem apenas ocasionalmente, mas com o tempo podem aumentar em frequência e gravidade. Os sintomas comuns de EHS incluem dores de cabeça, dificuldades de concentração, problemas de sono, depressão, falta de energia, fadiga e sintomas semelhantes aos da gripe. Um histórico médico abrangente, que deve incluir todos os sintomas e suas ocorrências em termos espaciais e temporais e no contexto das exposições a CEM, é a chave para fazer o diagnóstico. A exposição aos CEM é geralmente avaliada por medições de CEM em casa e no trabalho. Certos tipos de exposição a CEM podem ser avaliados perguntando sobre fontes comuns de CEM. É muito importante levar em consideração a suscetibilidade individual. O método primário de tratamento deve centrar-se principalmente na prevenção ou redução da exposição aos CEM, ou seja, na redução ou eliminação de todas as fontes de elevada exposição aos CEM em casa e no local de trabalho. A redução da exposição aos CEM também deve ser alargada a espaços públicos, como escolas, hospitais, transportes públicos e bibliotecas, para permitir às pessoas com EHS uma utilização sem impedimentos (medida de acessibilidade). Se uma exposição prejudicial aos CEM for suficientemente reduzida, o corpo terá a oportunidade de recuperar e os sintomas de EHS serão reduzidos ou mesmo desaparecerão. Muitos exemplos demonstraram que tais medidas podem revelar-se eficazes. Para aumentar a eficácia do tratamento, também deve ser abordada a vasta gama de outros fatores ambientais que contribuem para a carga corporal total. Qualquer coisa que apoie a homeostase aumentará a resiliência de uma pessoa contra doenças e, portanto, contra os efeitos adversos da exposição aos campos eletromagnéticos. Há evidências crescentes de que a exposição aos CEM tem um impacto importante na capacidade de regulação oxidativa e nitrosativa nos indivíduos afetados. Este conceito também pode explicar porque é que o nível de susceptibilidade aos CEM pode mudar e porque é que a gama de sintomas notificados no contexto das exposições aos CEM é tão grande. Com base no nosso conhecimento atual, uma abordagem de tratamento que minimize os efeitos adversos do peroxinitrito – como tem sido cada vez mais utilizado no tratamento de doenças multissistêmicas – funciona melhor. Esta Diretriz sobre CEM fornece uma visão geral do conhecimento atual sobre os riscos para a saúde relacionados com os CEM e fornece recomendações para o diagnóstico, tratamento e medidas de acessibilidade dos EHS para melhorar e restaurar os resultados de saúde individuais, bem como para o desenvolvimento de estratégias de prevenção. uma abordagem de tratamento que minimize os efeitos adversos do peroxinitrito – como tem sido cada vez mais utilizado no tratamento de doenças multissistêmicas – funciona melhor. Esta Diretriz sobre CEM fornece uma visão geral do conhecimento atual sobre os riscos para a saúde relacionados com os CEM e fornece recomendações para o diagnóstico, tratamento e medidas de acessibilidade dos EHS para melhorar e restaurar os resultados de saúde individuais, bem como para o desenvolvimento de estratégias de prevenção. uma abordagem de tratamento que minimize os efeitos adversos do peroxinitrito – como tem sido cada vez mais utilizado no tratamento de doenças multissistêmicas – funciona melhor. Esta Diretriz sobre CEM fornece uma visão geral do conhecimento atual sobre os riscos para a saúde relacionados com os CEM e fornece recomendações para o diagnóstico, tratamento e medidas de acessibilidade dos EHS para melhorar e restaurar os resultados de saúde individuais, bem como para o desenvolvimento de estratégias de prevenção.

Estado atual do debate científico e político sobre problemas de saúde relacionados com CEM numa perspectiva médica

Introdução

O Projeto Carga Ambiental de Doenças avaliou a influência de nove estressores ambientais (benzeno, dioxinas, incluindo furanos e PCBs semelhantes a dioxinas, fumo passivo, formaldeído, chumbo, ruído, ozônio, partículas e radônio) na saúde da população de seis países (Bélgica, Finlândia, França, Alemanha, Itália e Países Baixos). Esses nove fatores de stress ambiental causaram 3% a 7% da carga anual de doenças nos seis países europeus ( 1 ).

O estudo Bundespsychotherapeutenkammer (BPtK) na Alemanha mostrou que os transtornos mentais aumentaram ainda mais e especialmente o esgotamento como motivo de incapacidade para o trabalho aumentou sete vezes entre 2004 e 2011 ( 2 ) . Na Alemanha, 42% das reformas antecipadas em 2012 foram causadas por perturbações mentais, sendo a depressão o principal diagnóstico ( 3 ). Na Alemanha, os psicotrópicos ocupam o terceiro lugar nas prescrições de todos os medicamentos ( 4 ).

O consumo de metilfenidato (Ritalina, Medikinet, Concerta), um medicamento psicotrópico prescrito como tratamento para o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), especialmente para crianças e adolescentes, aumentou de forma alarmante desde o início da década de 1990. De acordo com estatísticas do Instituto Federal Alemão de Medicamentos e Dispositivos Médicos (Bundesinstitut für Arzneimittel und Medizinprodukte), as prescrições aumentaram ainda mais dramaticamente desde 2000 e atingiram o clímax em 2012. Em 2013, apenas foi observado um ligeiro declínio no número de prescrições. ( 5 ). Curiosamente, o rápido aumento na utilização do metilfenidato coincide com a enorme expansão das telecomunicações móveis e outras tecnologias relacionadas, colocando uma questão de investigação em aberto.

Na Alemanha, os casos de incapacidade para o trabalho e os dias de ausência devido a perturbações de saúde mental mais do que duplicaram entre 1994 e 2011 ( 6 ). Nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), ocorreu uma enorme variabilidade na prescrição de antidepressivos e, em geral, foi observada uma tendência crescente. O estatuto socioeconómico e os padrões terapêuticos não podem explicar completamente estas observações ( 7 ). Distúrbios funcionais como inflamação crônica e alterações nas funções dos neurotransmissores causadas por influências ambientais dificilmente foram investigados.

Ocorreu um aumento constante na prevalência de doenças alérgicas/asmáticas em todo o mundo, com cerca de 30% a 40% da população mundial sendo agora afetada por uma ou mais condições alérgicas/asmáticas (8 ) .

Suspeita-se que as condições ambientais, como a exposição crescente da população aos campos electromagnéticos (CEM), desempenham um papel causal nos efeitos na saúde relacionados com os CEM ( 9 ), ( 10 ), ( 11 ), ( 12), incluindo a exposição à radiação de radiofrequência (RF), que emana, por exemplo, de telefones sem fios (DECT), estações base de smart phones e smart phones (GSM, GPRS, UMTS, LTE), especialmente smartphones, cartões de dados para computadores portáteis e notebooks, LAN sem fio (Wi-Fi), medidores inteligentes baseados em comunicação sem fio e powerline, mas também exposição a campos elétricos (EF) e campos magnéticos (MF) de frequência extremamente baixa (ELF), incluindo “eletricidade suja”, que emanam de distúrbios na fiação elétrica, linhas de energia, dispositivos elétricos e outros equipamentos. Para a sociedade e a comunidade médica, tudo isto levanta novos desafios.

Embora os mecanismos biofísicos e bioquímicos dos efeitos biológicos dos campos eletromagnéticos em níveis de baixa intensidade não sejam exatamente conhecidos, foram alcançados progressos significativos nas últimas décadas e existem numerosos dados que indicam que estes mecanismos podem sobrepor-se aos efeitos ELF e FR ( 13 ) , ( 14 ), ( 15 ), ( 16 ), ( 17 ), ( 18). Nas seções a seguir, fornecemos algumas informações básicas sobre aspectos importantes dos efeitos biológicos dos CEM. No entanto, isto não deve ser mal interpretado como uma revisão completa das evidências. Nem sempre diferenciamos estritamente entre os campos RF e ELF devido à sobreposição acima mencionada nos mecanismos biológicos. Deve também ser mencionado aqui que condições de exposição muito específicas podem desencadear respostas biológicas num indivíduo, mas não noutros. Relatos anedóticos, no entanto, indicam que essa capacidade de resposta ou suscetibilidade individual se expande ao longo do tempo e a intolerância se estende então a uma ampla gama de condições de exposição.

As doenças crónicas e as doenças associadas a sintomas inespecíficos estão a aumentar. Além do estresse crônico nos ambientes sociais e de trabalho, as exposições físicas e químicas em casa, no trabalho e durante as atividades de lazer são estressores ambientais causais ou contribuintes que merecem atenção do clínico geral, bem como de todos os outros membros da comunidade de saúde. . Parece certamente necessário agora levar em conta “novas exposições” como EMF, ou como afirmado por Hedendahl et al. ( 19 ): “É hora de considerar os ELF EMF e os RF EMF como poluentes ambientais que precisam ser controlados” .

Declarações mundiais de organizações sobre CEM

As recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) relativas aos campos elétricos e magnéticos ELF e à radiação RF, compiladas pela Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP) ( 20 ), ( 21 ), baseiam-se em correntes induzidas no corpo (ELF) e efeitos térmicos (RF).

Os efeitos térmicos são definidos como efeitos originados em temperaturas elevadas a partir da absorção de energia eletromagnética. A taxa de absorção específica (SAR) é definida como a taxa de absorção de energia eletromagnética em uma unidade de massa de tecido biológico. É proporcional ao aumento incremental da temperatura nesse tecido. Na verdade, embora um aumento significativo da temperatura deva ser evitado, pois pode ter consequências adversas imediatas para a saúde (necrose dos tecidos, stress cardíaco, etc.), as exposições podem ocorrer sem aumento (mensurável) da temperatura, quer devido à dissipação de calor, quer porque a exposição é demasiado baixa para estar associado ao aquecimento relevante. O último tipo de exposição é denominado não térmico. Os efeitos biológicos e relevantes para a saúde em níveis não térmicos foram demonstrados e discutidos por muitos grupos de investigação em todo o mundo (9 ), ( 10 ), ( 22 ), ( 23 ), ( 24 ).

As recomendações da ICNIRP foram adotadas pela UE na sua Recomendação do Conselho de 1999, sem considerar os efeitos não térmicos a longo prazo. Contudo, deve ser sublinhado que numa conferência internacional sobre EMF em Londres (2008), o Professor Paolo Vecchia, Presidente da ICNIRP de 2004 a 2012, disse sobre as directrizes de exposição “O que não são”: “Não são prescrições obrigatórias para segurança ” , “Eles não são a ‘última palavra’ sobre o assunto” e “Eles não são muralhas defensivas para a indústria ou outros” ( 25 ).

Para todos os efeitos CEM não térmicos baseados em RF, as estimativas de SAR não são uma métrica de exposição adequada, mas em vez disso, a intensidade do campo ou a densidade de potência (PD) em combinação com a duração da exposição devem ser utilizadas nas normas de segurança ( 26 ) , ( 14 ) , ( 27 ). Em contraste com as diretrizes da ICNIRP, as normas de segurança russas baseiam-se em efeitos de RF não térmicos, que foram obtidos por vários institutos de investigação na antiga União Soviética durante décadas de estudos sobre exposições crônicas a RF ( 28 ), ( 29 ) .

Em contraste com a sede da OMS em Genebra, a Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC), uma agência especializada afiliada à OMS em Lyon, classificou os campos magnéticos de frequência extremamente baixa (ELF MF) como possivelmente cancerígenos para os seres humanos (Grupo 2B) em 2002. ( 30 ) e radiação de radiofrequência em 2011 ( 24 ).

Deve-se notar que, durante os últimos 20 anos, mais de 20 documentos de posição e resoluções sobre CEM e saúde foram adotados por pesquisadores e médicos de CEM. Estas incluem a Resolução EMF de Viena, Áustria, 1998; Relatório Stewart, Reino Unido, 2000; Resolução de Salzburgo, Áustria, 2000; Apelo de Freiburg, Alemanha, 2002; Resolução de Catânia, Itália, 2002; Declaração da Associação Ambiental dos Médicos Irlandeses, Irlanda, 2005; Apelo de Helsínquia, Finlândia, 2005; Resolução Benevento, Itália, 2006; Resolução de Veneza, Itália, 2008; Resolução Porto Alegre, Brasil, 2009; Resolução do Comitê Nacional Russo sobre Proteção contra Radiação Não Ionizante, Rússia, 2001; Apelo Internacional dos Médicos, Europa, 2012; e o Relatório do Comitê Permanente de Saúde, Canadá, 2015 ( 31 ), ( 32 ), ( 33), ( 34 ).

Em Agosto de 2007 e Dezembro de 2012, o Grupo de Trabalho BioInitiative, um grupo internacional de 29 especialistas com diferentes competências, publicou dois relatórios inovadores “BioInitiative 2007/resp. 2012 – Uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF)”, editado por Cindy Sage e David O. Carpenter, apelando a medidas preventivas contra a exposição a campos eletromagnéticos com base nas evidências científicas disponíveis ( 9 ) , ( 10). Os relatórios da BioInitiative são marcos globais no que diz respeito a uma revisão abrangente dos efeitos biológicos e dos efeitos na saúde da radiação eletromagnética de baixa intensidade, bem como das conclusões e recomendações dadas ao público. O relatório BioInitiative 2012 inclui seções sobre evidências de efeitos em: expressão de genes e proteínas, DNA, função imunológica, neurologia e comportamento, barreira hematoencefálica, tumores cerebrais e neuromas acústicos, leucemia infantil, melatonina, doença de Alzheimer, câncer de mama, fertilidade e reprodução, distúrbios fetais e neonatais, autismo, perturbação pelo sinal modulador, terapêutica médica EMF, bem como seções sobre: ​​declaração do problema, os padrões de exposição pública existentes, evidências de inadequação dos padrões, o princípio da precaução, público global exemplos de saúde,

Dado que é geralmente negligenciado como um perigo para a saúde, a Agência Europeia do Ambiente comparou os riscos das radiações não ionizantes (CEM) com outros perigos ambientais, como o amianto, o benzeno e o tabaco, recomendando urgentemente a implementação de uma abordagem preventiva relativamente aos CEM ( 35 ) . Esta posição foi confirmada e desenvolvida de forma mais compreensível em outras publicações de 2011 e 2013 ( 36 ), ( 37 ).

Em Setembro de 2008, uma declaração do Parlamento Europeu apelou a uma revisão dos limites dos CEM estabelecidos na Recomendação do Conselho da UE de 1999, que se baseava nas diretrizes da ICNIRP, com referência ao Relatório BioInitiative ( 38 ) . Isto foi reforçado na resolução do Parlamento Europeu de Abril de 2009 ( 39 ).

Na reunião de Novembro de 2009 em Seletun, Noruega, um painel científico adotou um Acordo de Consenso que recomenda acções preventivas e de precaução que são agora garantidas, dadas as evidências existentes sobre potenciais riscos globais para a saúde decorrentes da exposição a campos eletromagnéticos (40 ) . Além das recomendações gerais e específicas, por exemplo, para a utilização de telefones móveis e sem fios, o painel recomendou limites de exposição para campos magnéticos ELF e radiação de radiofrequência. O painel afirmou: “Os limites numéricos recomendados aqui ainda não levam em consideração populações sensíveis (EHS, imunocomprometidos, fetos, crianças em desenvolvimento, idosos, pessoas em uso de medicamentos, etc.). Outra margem de segurança é, portanto, provavelmente justificada ainda mais abaixo dos limites numéricos para exposição a CEM recomendados aqui”.

Desde 2007, o Conselho Superior de Saúde do Ministério da Saúde da Áustria recomendou a tomada de medidas preventivas, reduzindo os níveis de exposição de dispositivos de RF que podem levar à exposição humana a longo prazo de pelo menos um fator de 100 abaixo dos níveis de orientação da Comissão Europeia. e emitindo regras sobre como reduzir a exposição individual à radiação RF dos smart phones ( 41 ).

Em maio de 2011, a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa adotou o relatório “Os perigos potenciais dos campos eletromagnéticos e os seus efeitos no ambiente” ( 42 ). A Assembleia recomendou muitas medidas preventivas para os estados membros do Conselho da Europa com o objetivo de proteger os seres humanos e o ambiente, especialmente dos campos eletromagnéticos de alta frequência, tais como: “Tomar todas as medidas razoáveis ​​para reduzir a exposição aos campos eletromagnéticos, especialmente às radiofrequências provenientes de smart phones, e particularmente a exposição de crianças e jovens que parecem estar em maior risco de desenvolver tumores na cabeça” , ou“Prestar especial atenção às pessoas ‘eletrossensíveis’ que sofrem de uma síndrome de intolerância aos campos eletromagnéticos e introduzir medidas especiais para protegê-las, incluindo a criação de áreas livres de ondas não cobertas pela rede sem fio”.

Reconhecendo que os pacientes estão sendo afetados negativamente pela exposição a CEM, a Academia Americana de Medicina Ambiental (AAEM) publicou recomendações sobre a exposição a CEM em julho de 2012. A AAEM pediu aos médicos que considerassem a exposição eletromagnética no diagnóstico e tratamento e reconhecessem que a exposição a CEM “ pode ser uma causa subjacente do processo de doença do paciente” ( 43 ).

Desde 2014, o governo belga proibiu a publicidade de smart phones para crianças com menos de 7 anos e exigiu que a taxa de absorção específica (SAR) dos smart phones fosse listada. Além disso, no ponto de venda, devem ser afixados avisos bem marcados que instruam os utilizadores a utilizar auriculares e a minimizar a sua exposição ( 44 ).

Em Janeiro de 2015, o parlamento francês adotou uma lei abrangente que protege o público em geral da exposição excessiva às ondas eletromagnéticas. Entre outras coisas, foi aprovada a proibição do Wi-Fi nas creches para crianças com menos de 3 anos e a ativação do Wi-Fi nas escolas primárias com crianças com menos de 11 anos apenas quando utilizado especificamente para aulas. Locais públicos que oferecem Wi-Fi devem anunciar claramente esse fato em uma placa. No ponto de venda de smart phones, o valor SAR deve ser claramente apresentado. No futuro, qualquer anúncio de smart phones deverá incluir recomendações sobre como os utilizadores podem reduzir a exposição à radiação RF na cabeça, como a utilização de auriculares. Os dados sobre os níveis locais de exposição aos campos eletromagnéticos devem ser mais facilmente acessíveis ao público em geral, entre outros, através de mapas de transmissores a nível nacional. Também,45 ).

Em fevereiro de 2016, 220 cientistas de 42 países assinaram um apelo internacional, dirigido às Nações Unidas (ONU) e à OMS, apelando à proteção contra a exposição a campos eletromagnéticos não ionizantes. O apelo aborda os efeitos cientificamente comprovados na saúde e as diretrizes internacionais inadequadas (ICNIRP) até à data e a sua utilização pela OMS. Além disso, foram feitos nove pedidos, incluindo que: “o público seja plenamente informado sobre os potenciais riscos para a saúde decorrentes da energia eletromagnética e ensinado estratégias de redução de danos” e que “os profissionais médicos sejam educados sobre os efeitos biológicos da energia eletromagnética e recebam formação sobre tratamento de pacientes com sensibilidade eletromagnética” ( 46 ).

Em Setembro de 2015, uma Declaração Científica Internacional sobre Hipersensibilidade Eletromagnética e Sensibilidade Química Múltipla foi publicada pelo Comitê Científico na sequência do 5º Congresso de Apelo de Paris, que teve lugar em 18 de maio de 2015 na Royal Academy of Medicine, Bruxelas, Bélgica. Apela às agências e organizações nacionais e internacionais para que reconheçam a EHS e a sensibilidade química múltipla como doenças e insta especialmente a OMS a incluir a EHS e a MCS na Classificação Internacional de Doenças. Também pede às agências e organizações nacionais e internacionais que adotem medidas simples de prevenção, que informem o público e que nomeiem grupos de peritos verdadeiramente independentes para avaliar estes riscos para a saúde com base na objetividade científica, o que não é o caso hoje ( 47 ) .

EMF e câncer

Exceto por algumas investigações em ambientes ocupacionais, a pesquisa epidemiológica de CEM começou em 1979, quando Wertheimer e Leeper publicaram seu estudo sobre a relação entre a proximidade dos chamados postes de linha de energia (ELF MF) com fios de “queda de serviço” e a ocorrência de câncer infantil (especificamente leucemia e tumores cerebrais) ( 48 ). Ao mesmo tempo, Robinette et al. estudaram a mortalidade em uma coorte de veteranos da Guerra da Coreia treinados em radares militares (RF) no início da década de 1950 ( 49 ). Ambos os estudos encontraram indicações de riscos aumentados e iniciaram uma nova era de estudo dos efeitos relevantes para a saúde decorrentes da exposição aos CEM.

ELFO MF

Nos anos seguintes, um grande número de investigações sobre a relação entre leucemia infantil e campos magnéticos de frequência extremamente baixa (ELF MF) foram publicados. No entanto, os resultados pareciam inconsistentes até que em 2000 foram realizadas duas análises agrupadas ( 50 ), ( 51 ), fornecendo poucas indicações de inconsistência e demonstrando um aumento do risco de leucemia com o aumento dos níveis médios de exposição que foi significativo para níveis acima de 0,3 ou 0,4 μT relativos para médias abaixo de 0,1 μT, mas sem indicação de limite. Com base nestas conclusões, a Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC) classificou o ELF MF em 2002 como um (possível) cancerígeno do Grupo 2B ( 30 ). A esta categoria pertencem, por exemplo, o chumbo, o DDT, os fumos de soldadura e o tetracloreto de carbono.

Desde então, foram realizados estudos epidemiológicos adicionais que deram essencialmente os mesmos resultados ( 52 ), ( 53 ). O único estudo até o momento sobre a interação gene-ambiente em relação à MF de frequência de potência relatou um aumento significativo do efeito em crianças com um polimorfismo em um gene de reparo de DNA (54 ) . Numa revisão sobre leucemia infantil e MF ELF, Kundi concluiu que há evidências suficientes de estudos epidemiológicos de um risco aumentado de leucemia infantil devido à exposição a MF de frequência de potência que não pode ser atribuída ao acaso, preconceito ou confusão. Por conseguinte, de acordo com as regras da IARC, essas exposições devem ser classificadas como cancerígenas do Grupo 1 (definitivo) ( 55 ).

O Relatório BioInitiative 2012 ( 56 ) declarou: “ As crianças que têm leucemia e estão em recuperação têm taxas de sobrevivência mais baixas se a sua exposição ELF em casa ( ou onde estão em recuperação ) estiver entre 1mG [ 0,1 μT ] e 2 mG [ 0,2 μT ». ] em um estudo; mais de 3 mG [ 0,3 μT ] em outro estudo ”(56).

RF

Foram identificados vários mecanismos que podem ser responsáveis ​​pelos efeitos carcinogênicos do FR ( 23 ). Os estudos epidemiológicos de RF antes do aumento geral da exposição a dispositivos de telecomunicações móveis eram muito restritos e apenas alguns estudos foram realizados nas proximidades de transmissores de rádio, estações de radar, para exposições ocupacionais e em rádios amadores. Após a introdução da telefonia móvel digital, o número de usuários de telefones celulares aumentou dramaticamente e foi recomendado na década de 1990 a realização de estudos epidemiológicos com foco em tumores intracranianos. Desde a primeira publicação em 1999 pelo grupo sueco do Prof. Lennart Hardell ( 57), cerca de 40 estudos foram publicados. A maioria desses estudos investigou tumores cerebrais, mas também foram estudados tumores de glândulas salivares, melanoma uveal, melanoma maligno da pele, tumores da bainha nervosa, câncer testicular e linfoma. Muitos destes estudos são inconclusivos porque a duração da exposição é demasiado curta; no entanto, duas séries de investigações, o estudo internacional Interphone realizado em 13 países e os estudos suecos do grupo Hardell, tiveram uma proporção significativa de utilizadores de telefones móveis de longa data e poderiam, em princípio, ser utilizadas para avaliação de riscos. Em 2011, a IARC classificou os campos eletromagnéticos (RF) de radiofrequência como um agente cancerígeno do Grupo 2B com base em evidências de estudos epidemiológicos e experimentos com animais ( 24). Desde então, estudos adicionais corroboraram a suposição de uma relação causal entre o uso de smart phones e o cancro ( 58 ), ( 59 ), ( 60 ). Hardell e Carlberg ( 61 ) concluíram que os campos eletromagnéticos RF deveriam ser classificados como cancerígenos humanos definitivos (Grupo 1 do IARC). A evidência de uma relação causal entre o uso prolongado de telefones móveis e sem fio e o risco de glioma aumentou ainda mais: em 2014, um estudo realizado por Carlberg e Hardell (62) mostrou taxas de sobrevivência significativamente diminuídas em pacientes com glioblastoma multiforme (astrocitoma grau IV ) e o uso de telefones sem fio e, em 2015, outro estudo conjunto de caso-controle realizado por Hardell e Carlberg ( 63) incluindo períodos de latência >25 anos.

O facto de outros tumores também poderem estar relacionados com a exposição a CEM é exemplificado pela observação em mulheres que usaram o smart phones no soutien durante períodos prolongados de tempo e que mais tarde desenvolveram cancro da mama nesse local ( 64 ) .

O Supremo Tribunal italiano confirmou uma decisão anterior do Tribunal Cível de Apelações de Brescia (n.º 614 de 10 de Dezembro de 2009) que determinou que o Instituto Nacional de Acidentes de Trabalho (INAIL) deve indemnizar um trabalhador que tenha desenvolvido um tumor na cabeça devido ao uso intenso e prolongado de telefones celulares durante o trabalho. O caso foi um neuroma ipsilateral do nervo trigêmeo em sujeito que teve exposição ocupacional por >10 anos, com >15.000 horas em telefones celulares e sem fio. O tribunal reconheceu que “ é provável ( probabilidade qualificada ) que os FR tenham um papel que é pelo menos contributivo no desenvolvimento da origem do tumor sofrido pelo sujeito ” ( 65 ).

Muitos dispositivos modernos emitem CEM de diferentes faixas de frequência simultaneamente. Por exemplo, os telefones celulares criam EMF nas faixas de frequência RF, VLF e ELF e também um campo magnético estático; para uma revisão, ver ( 23 ). Portanto, é importante considerar as exposições combinadas para a avaliação dos efeitos na saúde.

Efeitos genotóxicos

Os efeitos genotóxicos dos CEM relacionados com danos no dna, mutações, estrutura da cromatina e reparação do DNA foram recentemente revistos por Henry Lai no Relatório Bioinititive ( 66 ) e pelo Grupo de Trabalho da IARC na avaliação da carcinogenicidade dos FR ( 24 ). Em geral, cerca de metade dos estudos disponíveis encontraram genotoxicidade (relatórios positivos), embora outros estudos não o tenham encontrado (relatórios negativos) ( 23 ). É digno de nota que uma proporção semelhante de estudos de FR positivos e negativos foi relatada para outros desfechos biológicos ( 67 ), ( 68 ), ( 69). A razão evidente para esta eventual inconsistência é a forte dependência dos efeitos dos campos eletromagnéticos em uma série de parâmetros físicos e biológicos, que variaram significativamente entre os estudos. Essas dependências foram estabelecidas para efeitos ELF ( 70 ), ( 71 ), ( 72 ) e FR ( 24 ), ( 27 ).

Entre outros parâmetros, em linfócitos humanos, foi relatada uma variabilidade individual na resposta da cromatina ao ELF, o que pode sugerir uma resposta mais forte em células de indivíduos com EHS ( 72 ). O mesmo grupo de pesquisa realizou estudos comparativos sobre genotoxicidade com células de EHS e indivíduos controle cuidadosamente combinados ( 73 ), ( 74 ), ( 75 ). A resposta dos linfócitos à RF de telefones celulares GSM (915 MHz) e campos magnéticos de frequência de potência (50 Hz) foi investigada ( 73). A proteína 53BP1, que participa da formação de focos de reparo do DNA no local das quebras da fita dupla do DNA (DSB), foi analisada por imunocoloração in situ. A exposição a 915 MHz ou 50 Hz condensou significativamente a cromatina e inibiu a formação de focos de reparo de DNA. As respostas induzidas por CEM em linfócitos de doadores saudáveis ​​e hipersensíveis foram semelhantes, mas não idênticas, à resposta ao estresse induzida por choque térmico. Os efeitos do GSM na cromatina e nos focos de reparo do DNA em linfócitos de EHS foram ainda confirmados ( 74 ), ( 75 ). Embora tenha sido observada variabilidade individual, os efeitos da RF dos telefones celulares dependeram fortemente da frequência da portadora/canal de frequência ( 74 ), ( 75 ), ( 76 ), (77). Independentemente do tipo de célula (linfócitos humanos, fibroblastos ou células-tronco), os efeitos no canal 74 de 905 MHz/GSM nos focos de reparo de DNA e na cromatina foram consistentemente mais baixos em comparação com os efeitos no canal 124 de 915 MHz/GSM. os dados também indicaram efeitos mais fortes da exposição à RF da radiação de telefones móveis UMTS na frequência de 1.947,4 MHz. Estes dados forneceram evidências de que diferentes canais de frequência de diferentes tipos de tecnologias de comunicações móveis deveriam ser testados separadamente em estudos de provocação com EHS. Embora algumas pequenas diferenças tenham sido detectadas, efeitos ELF/RF muito semelhantes foram observados em células de EHS e indivíduos controle correspondentes. É provável que reações compensatórias num nível mais complexo de organização biológica, como reações de tecidos, órgãos,

Efeitos neurológicos dos CEM

Os efeitos neurológicos e comportamentais estiveram entre os primeiros tópicos de pesquisa sobre potenciais efeitos adversos dos ELF, bem como dos campos eletromagnéticos de RF ( 78 ), ( 79 ). No que diz respeito às evidências epidemiológicas, mais de uma década antes da publicação seminal de Wertheimer e Leeper ( 48 ), Haynal e Regli relataram em 1965 uma prevalência aproximadamente quatro vezes maior de histórico de empregos em engenharia elétrica em pacientes com esclerose lateral amiotrófica (ELA) do que em indivíduos controle ( 80 ).

Alterações funcionais, morfológicas e bioquímicas a nível celular, tecidual e do organismo, bem como alterações comportamentais foram estudadas em condições experimentais, e a epidemiologia avaliou a associação entre exposição ocupacional e residencial a CEM e doenças neurodegenerativas, bem como sintomas neurológicos .

A pesquisa mostrou que os CEM (RF e ELF) têm efeitos deletérios nos neurônios cerebrais e no funcionamento do cérebro ( 81 ). A investigação epidemiológica também demonstrou um risco aumentado de doença de Alzheimer e demência devido à exposição ocupacional e residencial ao ELF.

Efeitos neurológicos da radiação de radiofrequência
Os primeiros estudos de RF são difíceis de avaliar porque as descrições das condições de exposição são muitas vezes insuficientes para derivar as quantidades dosimétricas relevantes. Já em 1932, Schliephake ( 82 ) relatou efeitos que considerava não térmicos: „Es treten Erscheinungen auf, wie wir sie bei Neurasthenikern zu sehen gewohnt sind: starke Mattigkeit am Tag, dafür in der Nacht unruhiger Schlaf, zunächst ein eigenartig ziehendes Gefühl in der Stirn und Kopfhaut, dann Kopfschmerzen, die sich immer mehr steigern, bis zur Unerträglichkeit. Dazu Neigung zu depressivo Stimmung und Aufgeregtheit.“ [“Ocorrem fenômenos que estamos acostumados a ver nos neurastênicos: cansaço pronunciado durante o dia, porém, sono agitado à noite, no início, uma sensação peculiar de puxão na testa e no couro cabeludo, e depois dores de cabeça que aumentam além do limite de tolerância. Além disso, uma tendência ao humor depressivo e à agitação” .] Tais sintomas, não muito diferentes daqueles posteriormente resumidos como síndrome da doença das ondas de rádio ou microondas, foram encontrados em uma porcentagem substancial de trabalhadores expostos na União Soviética ( 83 ) e também em indivíduos apresentando-se como eletrohipersensível (veja abaixo).
A pesquisa experimental em humanos era escassa antes do advento da telefonia móvel digital. Desde os primeiros estudos ( 84 ), ( 85 ) sobre a atividade elétrica cerebral, foi compilada uma grande base de evidências que indicam mudanças sutis na função do SNC após e durante a exposição de curto prazo a diferentes tipos de RF. As investigações experimentais foram predominantemente sobre os efeitos nos espectros de potência do EEG (por exemplo, 86 ), ( 87 ), ( 88 ), ( 89 ), ( 90 ), ( 91 ), ( 92 ), ( 93 ), ( 94 ), ( 95 ) , ( 96 ), potenciais relacionados a eventos (por exemplo, 97), ( 98 ), ( 99 ), ( 100 ), ( 101 ), ( 102 ), ( 103 ) , ( 104 ), dormir (por exemplo, 105 ), ( 106 ), ( 107 ), ( 108 ), ( 109 ), ( 110 ), ( 111 ), ( 112 ) , ( 113 ), ( 114 ) , ( 115 ), ( 116 ), ( 117 ), ( 118 ), ( 119 ) e função cognitiva (por exemplo, 120 ), ( 121 ), (122 ), ( 123 ), ( 124 ), ( 125 ), ( 126 ), ( 127 ), ( 128 ), ( 129 ), ( 130 ), ( 131 ). Algumas investigações foram sobre os efeitos no metabolismo da glicose ( 132 ), ( 133 ) e no fluxo sanguíneo cerebral regional ( 134 ), ( 135 ), aplicando imagens de PET scan. Os estudos em animais cobriram uma ampla variedade de aspectos comportamentais, desde aprendizagem e memória (por exemplo, 136 ), ( 137 ), ( 138 ), ( 139 ), ( 140 ), (141 ) ao comportamento relacionado à ansiedade ( 142 ).A reação do SNC à RF não se restringe à presença da exposição, mas persiste por algum tempo após a exposição, tornando os estudos cruzados de curto prazo pouco informativos. A localização da exposição pode ser relevante em determinadas circunstâncias, mas muitas vezes os efeitos são bilaterais após exposição unilateral, sugerindo envolvimento de estruturas subcorticais. Os efeitos sobre o sono podem depender de características individuais, o que levou à conclusão de que resultados conflitantes não são evidências fortes contra um efeito ( 113 ). A RF pulsada é mais eficaz do que as ondas contínuas, mas há algumas evidências da importância das características de exposição, incluindo o local de acoplamento do campo de RF e sua modulação.Na atualização de 2012 do Relatório BioInitiative, Henry Lai resumiu as evidências experimentais da seguinte forma ( 143 ): “Quase todos os estudos em animais relataram efeitos, enquanto mais estudos em humanos relataram nenhum efeito do que efeitos. Isto pode ser causado por vários factores possíveis: (a) Os seres humanos são menos susceptíveis aos efeitos da RFR do que os roedores. (b) Pode ser mais difícil realizar experiências com humanos do que com animais, uma vez que é, em geral, mais fácil controlar as variáveis ​​e fatores de confusão numa experiência com animais. (c) Nos estudos em animais, a duração cumulativa da exposição foi geralmente mais longa e os estudos foram realizados após a exposição, enquanto nos estudos em humanos, a exposição foi geralmente única e os testes foram realizados durante a exposição. Isto levanta a questão de saber se os efeitos da RFR são cumulativos”.

Efeitos neurológicos de campos eletromagnéticos de frequência extremamente baixa (ELF EMF)
Investigações neurofisiológicas de CEM ELF já foram realizadas na década de 1970. Estudos de tecido cerebral de pintinhos e gatos (por exemplo, 144 ), ( 145 ), ( 146 ) revelaram efeitos de campos eletromagnéticos ELF fracos e campos de RF modulados por ELF que dependiam da intensidade e da frequência (os chamados efeitos de janela). Adey propôs em 1981 ( 147 ) que os efeitos são devidos a uma interação primária de CEM na superfície da membrana celular, induzindo uma cascata de processos intracelulares. Esta visão inicial foi corroborada por estudos recentes sobre vários receptores transmissores no cérebro, como receptores de N-metil-D-aspartato, receptores de dopamina e serotonina (por exemplo, 148), (149), ( 150 ) , ( 151 ) .). Alguns desses estudos mais recentes também relataram efeitos de janela de frequência, bem como efeitos de janela de intensidade no neurodesenvolvimento em ratos ( 152 ).Os efeitos comportamentais dos CEM ELF foram estudados em níveis bastante elevados nas décadas de 1970 e 1980 (por exemplo, 153 ), ( 154 ), enquanto estudos recentes incluem exposições de baixo nível e apoiam efeitos sobre o comportamento em diferentes níveis de complexidade. Estes incluem: alterações na atividade locomotora (por exemplo, 148 ), ( 149 ), ( 155 ), ( 156 ), ansiedade (por exemplo, 157 ), ( 158 ), ( 159 ) e comportamento semelhante à depressão ( 160 ), ( 161 ).“Uma vez que diferentes efeitos comportamentais foram observados em diferentes condições de exposição, espécies de animais e paradigmas de teste, eles fornecem a evidência mais forte de que a exposição a ELF EMF pode afetar o sistema nervoso” . (Lai, 2012, Relatório BioInitiative, seção 9, Evidência de efeitos sobre neurologia e efeitos comportamentais, 143 ). Também em humanos, foram relatados efeitos em níveis baixos (por exemplo, 162 ), ( 163 ), ( 164 ).
Doenças neurodegenerativas

A mais prevalente das doenças neurodegenerativas é a doença de Alzheimer, com uma estimativa de 45 milhões de pacientes em todo o mundo em 2015, seguida pela doença de Parkinson, doença de Huntington, esclerose lateral amiotrófica (ELA) e outras doenças dos neurônios motores (MND). Até o momento, a fisiopatologia dessas doenças não é completamente compreendida. Em muitas destas doenças, conjuntos atípicos de proteínas, disfunção mitocondrial e morte celular programada desempenham um papel e algumas alterações genéticas foram detectadas. Como algumas dessas alterações podem ser consequência do stress oxidativo (ver abaixo), da perturbação da homeostase do cálcio e da perturbação das vias de sinalização intracelular, existe uma possibilidade teórica de que os CEM possam contribuir para o risco destas doenças. Desde a década de 1980, foram realizados mais de 30 estudos epidemiológicos que avaliaram a potencial relação entre a exposição a CEM ELF e doenças neurodegenerativas. Nos últimos anos, diversas metanálises foram publicadas. No que diz respeito à doença de Parkinson, há poucas evidências de associação (165 ). Em relação à ELA, Zhou et al. ( 166 ) resumem seus resultados da seguinte forma: “Embora existam limitações potenciais de viés de seleção de estudos, classificação incorreta de exposição e o efeito de confusão de estudos individuais nesta meta-análise, nossos dados sugerem um aumento leve, mas significativo, do risco de ELA entre aqueles com emprego títulos relacionados com níveis relativamente elevados de exposição ELF EMF”. Uma revisão de Vergara et al. chegou a outra conclusão ( 167 ): “Nossos resultados não apoiam MF [campos magnéticos] como explicação para associações observadas entre títulos ocupacionais e MND”Esta discrepância pode ser resolvida discriminando entre diferentes métodos de avaliação de parâmetros (dados de incidência, prevalência ou mortalidade) e o potencial de classificação incorreta devido às diversas fontes de dados de exposição utilizadas. Se estes factores forem considerados, existe uma relação consistente entre ELF EMF da exposição ocupacional e ELA/MND, e também os poucos estudos sobre exposição residencial estão em linha com um risco aumentado de exposição a MF ( 168 ) .

Barreira hematoencefalica

Todas as trocas entre o sangue e o cérebro são estritamente reguladas pela barreira hematoencefálica (BHE). A BBB impede a passagem de várias moléculas do sangue para o cérebro e vice-versa. Um aumento na permeabilidade BBB normalmente baixa para moléculas hidrofílicas e carregadas poderia ser potencialmente prejudicial. Embora os dados sobre os efeitos do ELF sejam muito escassos, vários grupos de pesquisa investigaram se o FR afeta o BBB. Estes dados foram recentemente revistos ( 169 ), ( 170 ), ( 171 ). Embora alguns estudos da BBB tenham relatado dados negativos, outros estudos, incluindo estudos replicados com ratos do grupo sueco de Leif Salford e Bertil Persson, sugeriram que a RF de telefones celulares pode afetar a BBB sob condições de exposição específicas ( 171). Estudos mais recentes que mostram os efeitos dos CEM em condições específicas de exposição ( 150 ), ( 172 ), ( 173 ) e não mostram efeitos na BBB sob outras condições ( 174 ) estão em consonância com esta sugestão.

EMF e infertilidade e reprodução

A infertilidade e os distúrbios reprodutivos estão aumentando. Com base no Relatório BioInitiative ( 175 ), deve concluir-se que os homens que utilizam – e especialmente aqueles que utilizam um telemóvel, um assistente digital pessoal (PDA) ou um pager no cinto ou no bolso – apresentam efeitos adversos na qualidade do esperma, motilidade e patologia. O uso de telefones celulares, a exposição à radiação de telefones celulares ou o armazenamento de um telefone celular próximo aos testículos de homens humanos afeta a contagem, a motilidade, a viabilidade e a estrutura dos espermatozoides ( 176 ), ( 177 ) , ( 178 ) , ( 179 ), ( 180 ), ( 181 ), ( 182 ), ( 183 ), ( 184). Estudos em animais demonstraram danos oxidativos e de DNA, alterações patológicas nos testículos de animais, diminuição da mobilidade e viabilidade dos espermatozoides e outras medidas de danos deletérios à linhagem germinativa masculina ( 182 ), ( 185 ), ( 186 ) , ( 187 ) , ( 188 ).

Existem também alguns estudos sobre resultados adversos no parto em mulheres expostas a CEM. Um estudo de caso-controle ( 189 ) e um estudo de coorte prospectivo de base populacional ( 190 ) da Califórnia mostraram uma associação entre aborto espontâneo e o valor máximo medido por um dosímetro de campo magnético usado no corpo durante 24 horas.

Hipersensibilidade eletromagnética (EHS)

Um número crescente de seres humanos está continuamente exposto na sua vida diária a níveis crescentes de uma combinação de estática, ELF e VLF (frequências muito baixas, em termos gerais de 3 kHz a 3 MHz, em termos detalhados de 3 kHz a 30 kHz) elétricos. e campos magnéticos e campos eletromagnéticos de RF. Essas exposições apresentam diferentes padrões de sinal, intensidades e aplicações técnicas por diversos períodos de tempo. Todos esses campos são resumidos como CEM, coloquialmente chamados de “eletrosmog”.

Alguns exemplos históricos de EHS desde 1932 ( 82 ), ( 83 ) são apresentados no capítulo “Efeitos neurológicos da radiação de radiofrequência”.

Num inquérito por questionário realizado na Suíça em 2001, dirigido a pessoas que atribuíam problemas de saúde específicos à exposição a CEM, dos 394 inquiridos, 58% sofriam de problemas ou perturbações do sono, 41% de dores de cabeça, 19% de nervosismo, 18% de fadiga, e 16% por dificuldades de concentração. Os inquiridos atribuíram os seus sintomas a, por exemplo, estações base de telemóveis (74%), telemóveis (36%), telefones sem fios (29%) e linhas eléctricas de alta tensão (27%). Dois terços dos entrevistados tomaram medidas para reduzir os sintomas, sendo a mais frequente evitar a exposição ( 191 ).

Em 2001, 63 pessoas que atribuíram problemas de saúde à exposição ambiental foram aconselhadas num projecto-piloto interdisciplinar de medicina ambiental em Basileia. Uma equipe interdisciplinar de especialistas avaliou os sintomas individuais por meio de exame médico psicológico-psiquiátrico e ambiental, incluindo visitas e medições ambientais em casa. No que diz respeito às 25 pessoas com EHS, a equipa de peritos atestou o facto de que em um terço delas pelo menos um sintoma estava plausivelmente relacionado com o electrosmog, embora a exposição aos campos electromagnéticos estivesse dentro dos limites suíços. Eles concluíram que os pacientes com EHS deveriam ser aconselhados do ponto de vista médico, psicológico e ambiental ( 192 ), ( 193 ).

Um estudo por questionário realizado com finlandeses (n=206), que se autodenominam portadores de hipersensibilidade eletromagnética (EHS), revelou que os sintomas mais comuns estavam relacionados ao sistema nervoso: estresse (60%), distúrbios do sono (59%) e fadiga. (57%). As fontes mais frequentemente relatadas como desencadeadoras de EHS foram: computadores pessoais (51%) e telefones celulares (47%). Para 76% dos participantes, a redução ou prevenção de campos eletromagnéticos (CEM) ajudou na sua recuperação total ou parcial ( 194 ).

Uma pesquisa telefônica representativa (n=2.048; idade >14 anos) realizada na Suíça em 2004 rendeu uma frequência de 5% (IC 95% 4% a 6%) de sintomas atribuídos ao eletrosmog, o chamado EHS. Em n=107 pessoas com EHS, os sintomas mais comuns são problemas de sono (43%), dor de cabeça (34%) e dificuldades de concentração (10%). Notavelmente, apenas 13% consultaram o seu médico de família. Indivíduos com histórico de sintomas atribuíveis a CEM deram “desligaram a fonte” como resposta às medidas tomadas três vezes mais frequentemente do que aqueles que ainda apresentavam sintomas ( 195 ).

Num estudo de questionário suíço a médicos de família em 2005, dois terços dos médicos foram consultados pelo menos uma vez por ano devido a sintomas atribuídos aos CEM. Cinquenta e quatro por cento dos médicos avaliaram a relação como possível. Os médicos neste questionário pediram informações mais gerais sobre CEM e saúde e instruções sobre como lidar com pacientes com EHS ( 196 ).

Num outro estudo por questionário, também encomendado pelo Governo Federal Suíço e realizado pela Universidade de Berna em 2004, médicos suíços que trabalham com ferramentas diagnósticas e terapêuticas complementares relataram que 71% das suas consultas estavam relacionadas com CEM. Notavelmente, não apenas os pacientes, mas ainda mais os médicos, suspeitaram de uma possível relação entre a doença e os campos eletromagnéticos. A redução ou eliminação de fontes ambientais foi o principal instrumento terapêutico no tratamento dos sintomas relacionados aos CEM ( 197 ).

Um estudo por questionário realizado com médicos austríacos produziu resultados semelhantes. Neste estudo, a discrepância entre as opiniões dos médicos e as avaliações de risco para a saúde nacionais e internacionais estabelecidas foi notável, considerando que 96% dos médicos acreditavam até certo ponto ou estavam totalmente convencidos de um papel relevante para a saúde dos campos eletromagnéticos ambientais ( 198 ).

Em uma pesquisa realizada em 2009 em um grupo de autoajuda japonês de EHS e sensibilidade química múltipla (MCS) (n = 75), 45% dos entrevistados tinham EHS como diagnóstico médico e 49% se consideravam EHS. Cada segundo entrevistado tinha MCS diagnosticada clinicamente (49%) e 27% tinham MCS autodiagnosticada. Os principais sintomas relacionados à EHS foram fadiga, dor de cabeça, problemas de concentração, distúrbios do sono e tontura. As causas mais frequentes incluíram estações base, telefones celulares de outras pessoas, PC, linhas de energia, televisão, telefone celular próprio, transporte público, telefones sem fio, ar condicionado e carro. As fontes suspeitas de EHS para o início de EHS foram: estações base de telefonia móvel, PC, eletrodomésticos, equipamentos médicos, telefones celulares, linhas de energia e fogões de indução (199 ) .

Em 2010, Khurana et al. relataram que oito em cada dez estudos epidemiológicos que avaliaram os efeitos das estações base de telefonia móvel na saúde relataram um aumento na prevalência de sintomas neurocomportamentais adversos ou câncer em populações que vivem a distâncias de até 500 m das estações base. Nenhum dos estudos relatou níveis de exposição acima das directrizes internacionais aceites, sugerindo que as actuais directrizes podem ser inadequadas na protecção da saúde das populações humanas ( 200 ).

Carpenter relatou em 2015 ( 201 ) uma série de pessoas saudáveis ​​que desenvolveram EHS após uma breve exposição à radiação de microondas de alta intensidade. Os sintomas típicos incluíam, por exemplo, dores de cabeça crónicas, irritabilidade e labilidade emocional, diminuição da libido e problemas de memória, que em alguns pacientes duravam anos.

Hedendahl et al. ( 19 ) relataram dois estudantes do sexo masculino de 15 anos e uma professora de 47 anos que experimentaram efeitos de saúde como dores de cabeça, dificuldades de concentração, taquicardia, memória fraca ou tontura quando expostos ao Wi-Fi na escola. Este exemplo é mencionado para apontar especificamente para os potenciais impactos na saúde decorrentes do aumento da exposição de estudantes e professores à RF por Wi-Fi.

A questão de saber se o EHS está causalmente associado à exposição a CEM é discutida de forma controversa. Por um lado, os médicos consideram plausível uma associação causal entre exposições a campos eletromagnéticos com base em relatos de casos; por outro lado, as avaliações nacionais e internacionais de risco para a saúde afirmam, na sua maioria, que não existe tal associação causal, porque os estudos de provocação sob condições cegas controladas falharam na sua maioria. para mostrar efeitos. No entanto, estes estudos apresentam deficiências graves que devem ser abordadas: as sequências das condições de exposição eram frequentemente contíguas, negligenciando os efeitos posteriores da exposição; a duração da exposição e os efeitos examinados foram de curta duração; a exposição simulada ocorreu frequentemente em condições que poderiam provocar excitação em indivíduos sensíveis; o período de tempo negligenciou as condições temporais de ocorrência e desaparecimento dos sintomas,

A OMS não considera a EHS como um diagnóstico e recomenda aos médicos que o tratamento dos indivíduos afetados se concentre nos sintomas de saúde e no quadro clínico, e não na necessidade percebida de uma pessoa de reduzir ou eliminar os campos eletromagnéticos no local de trabalho ou em casa ( 202 ). Com base nas evidências existentes e no conhecimento prático, esta visão ignora uma abordagem causal; veja também ( 203 ).

O artigo “Hipersensibilidade eletromagnética: fato ou ficção” de Genuis e Lipp ( 204 ) oferece uma revisão instrutiva de estudos das últimas décadas sobre EHS, incluindo marcos históricos, revisões, patogênese, marcadores bioquímicos, manejo terapêutico, bem como o debate sobre a legitimidade do EHS.

Em amostras de pele facial de pessoas eletro-hipersensíveis, foi encontrado um aumento profundo de mastócitos ( 205). A partir deste e de outros estudos anteriores, quando o EHS se manifestou frequentemente durante a exposição a CEM de tubos de raios catódicos (CRT), ficou claro que o número de mastócitos na derme superior está aumentado no grupo EHS. Um padrão diferente de distribuição de mastócitos também ocorreu no grupo EHS. Finalmente, no grupo EHS, os grânulos citoplasmáticos estavam mais densamente distribuídos e mais fortemente corados do que no grupo controle, e o tamanho dos mastócitos infiltrantes também foi geralmente maior no grupo EHS. Deve-se notar que aumentos de natureza semelhante foram posteriormente demonstrados numa situação experimental, empregando voluntários saudáveis ​​normais em frente a monitores CRT, incluindo aparelhos de televisão domésticos comuns (206 ) .

Um grupo de pesquisa francês liderado por Belpomme ( 207 ) investigou prospectivamente, desde 2009, casos autorreferidos de EHS e/ou MCS, clínica e biologicamente, na tentativa de estabelecer critérios diagnósticos objetivos e elucidar os aspectos fisiopatológicos desses dois distúrbios. Com base em 727 casos avaliáveis, a investigação revelou uma série de informações novas e importantes, tais como:

  1. Nenhum dos biomarcadores até agora identificados no estudo é específico para EHS e/ou MCS.

  2. Vários biomarcadores como histamina, nitrotirosina e anticorpos circulantes contra O-mielina estavam aumentados. A relação melatonina/creatinina na urina de 24 horas diminuiu.

  3. EHS e MCS são entidades patológicas somáticas genuínas.

  4. Sob a influência de CEM e/ou produtos químicos, pode ocorrer neuroinflamação cerebral relacionada com hipoperfusão/hipóxia.

  5. Pacientes com EHS e/ou MCS podem estar potencialmente em risco de doenças neurodegenerativas crônicas e câncer.

 

Embora um estudo de 2006 realizado por Regel et al. ( 208 ) não descreveram efeitos de exposição, dois estudos de provocação sobre a exposição de indivíduos “eletrossensíveis” e indivíduos de controle a sinais de estações base de telefonia móvel (GSM, UMTS ou ambos) encontraram um declínio significativo no bem-estar após a exposição a UMTS nos indivíduos que relataram sensibilidade ( 209 ), ( 210 ). A maioria dos chamados estudos de provocação com EHS não mostram efeitos. No entanto, todos estes estudos utilizaram um número muito limitado de condições de exposição e a maioria apresenta fragilidades metodológicas. Tendo em conta a forte dependência dos efeitos dos CEM numa variedade de variáveis ​​físicas e biológicas ( 27), os estudos de provocação disponíveis são cientificamente difíceis de interpretar e, na verdade, não são adequados para refutar a causalidade.

Há evidências crescentes na literatura científica de várias alterações fisiológicas subjetivas e objetivas, por exemplo, variabilidade da frequência cardíaca (VFC), aparente em algumas pessoas com EHS que afirmam sofrer após exposição a certas frequências de RF, como DECT ou Wi-Fi (211 ) . , ( 212 ), ( 213 ), ( 214 ), ( 215 ). A análise dos dados disponíveis sobre a exposição das pessoas que vivem perto de estações de base de telemóveis produziu indicações claras de efeitos adversos para a saúde, como fadiga, depressão, dificuldade de concentração, dores de cabeça , tonturas , etc. , ( 219 ), ( 220). Uma sinopse de 30 estudos sobre estações de base de telefonia móvel é apresentada no documento “Leitfaden Senderbau” ( 221 ).

As exposições residenciais a campos eletromagnéticos na faixa de frequência VLF são frequentemente devidas a “energia suja”/“eletricidade suja” originada de perturbações de tensão e/ou corrente de diversas fontes, como fontes de alimentação eletrônicas para TVs, monitores, PCs, acionamentos de motores, inversores, dimmers, lâmpadas fluorescentes compactas (LFC), dispositivos de controle de ângulo de fase, bem como faíscas e arcos resultantes de operações de comutação e de motores elétricos com escovas. As ondas/transientes kHz viajam ao longo da fiação elétrica e dos sistemas de aterramento (emissões conduzidas) e irradiam campos elétricos e/ou magnéticos para o espaço livre (emissões irradiadas), levando à exposição humana nas proximidades.

A primeira evidência epidemiológica liga a electricidade suja à maioria das doenças da civilização, incluindo o cancro, as doenças cardiovasculares, a diabetes, o suicídio e a perturbação do défice de atenção e hiperactividade nos seres humanos ( 222 ).

Embora a dependência dos efeitos ELF no campo magnético local tenha sido relatada por muitos grupos de pesquisa ( 13 ), ( 223 ), também existem alguns estudos que sugerem que os efeitos de RF também dependem de pequenas alterações no campo magnético estático local. . Na revisão de Belyaev ( 224 ), foi sugerido um mecanismo físico para explicar tais efeitos ( 225 ). Foi relatado que pequenas mudanças no campo magnético estático local dentro de 10 μT, que geralmente são observadas em escritórios e residências devido a objetos ferromagnéticos, induzem efeitos biológicos que correspondem bem às previsões decorrentes do mecanismo de interferência iônica desenvolvido por Binhi (226 ) . .

Em 8 de julho de 2015, um tribunal em Toulouse, França, decidiu a favor de uma mulher com o diagnóstico de “síndrome de hipersensibilidade à radiação eletromagnética” e determinou que a sua incapacidade era de 85%, com restrições substanciais e duradouras no acesso ao emprego ( 227 ) .

Em França, a primeira zona de campos electromagnéticos baixos foi criada em Drôme, em Julho de 2009 ( 228 ). Na Áustria, está planeada para 2015 a construção de uma casa multifamiliar, que foi projectada por uma equipa de arquitectos, profissionais de biologia de edifícios e profissionais de saúde de medicina ambiental para proporcionar um ambiente de vida saudável e sustentável. Tanto os ambientes exteriores como os interiores foram explicitamente escolhidos e concebidos para satisfazer os requisitos de baixos CEM ( 229 ). A implementação de zonas de baixos campos eletromagnéticos para indivíduos eletrossensíveis é realizada em vários países. A realização de tais projetos depende muito da compreensão, conhecimento e tolerância dos membros da comunidade escolhida.

Possível mecanismo de EHS

Com base na literatura científica sobre interações de CEM com sistemas biológicos, vários mecanismos de interação são possíveis ( 14 ), ( 13 ), ( 22 ), ( 26 ). Um mecanismo plausível a nível intracelular e intercelular, por exemplo, é uma interação através da formação de radicais livres ou estresse oxidativo e nitrosativo ( 230 ), ( 231 ), ( 232 ), ( 233 ), ( 234 ), ( 235 ) , ( 236 ), ( 237 ), ( 238 ). Isso foi demonstrado em muitos relatórios revisados ​​por Georgiu ( 15) que espécies reativas de oxigênio (ROS) podem estar envolvidas em reações de pares radicais; assim, os pares de radicais podem ser considerados como um dos mecanismos de transdução capazes de iniciar o estresse oxidativo induzido por CEM. Além disso, muitas das alterações observadas nas células expostas à RF foram evitadas pelo (pré) tratamento com antioxidantes e eliminadores de radicais ( 24 ). Embora os dados de diferentes estudos devam ser interpretados com cuidado, tendo em vista as variações nos parâmetros físicos e biológicos, a maioria dos estudos mostrou efeitos de ELF e FR no estresse oxidativo (239 ) . A monografia da IARC afirma: “mesmo pequenos efeitos na concentração de radicais podem potencialmente afectar múltiplas funções biológicas”, página 103 ( 24 ).

Yakymenko et al. ( 238 ) resumiram as evidências atuais: “ A análise da literatura científica revisada por pares atualmente disponível revela efeitos moleculares induzidos por RFR de baixa intensidade em células vivas; isso inclui ativação significativa de vias-chave que geram espécies reativas de oxigênio ( ROS ), ativação da peroxidação, dano oxidativo do DNA e alterações na atividade de enzimas antioxidantes. Indica que entre 100 estudos revisados ​​por pares atualmente disponíveis que tratam dos efeitos oxidativos da RFR de baixa intensidade, em geral, 93 confirmaram que a RFR induz efeitos oxidativos em sistemas biológicos. Um amplo potencial patogênico das ERO induzidas e seu envolvimento nas vias de sinalização celular explica uma série de efeitos biológicos/para a saúde da RFR de baixa intensidade, que incluem patologias cancerígenas e não cancerígenas” .

Revisões de Pall ( 12 ), ( 16 ), ( 240 ) fornecem evidências de uma interação direta entre campos elétricos estáticos e variáveis ​​no tempo, campos magnéticos estáticos e variáveis ​​no tempo e radiação eletromagnética com canais de cálcio dependentes de voltagem (VGCCs). O aumento de Ca 2+ intracelular produzido por tal ativação de VGCC pode levar a múltiplas respostas regulatórias, incluindo níveis aumentados de óxido nítrico produzidos através da ação das duas sintases de óxido nítrico dependentes de Ca 2+ /calmodulina, nNOS e eNOS. Na maioria dos contextos fisiopatológicos, o óxido nítrico reage com o superóxido para formar peroxinitrito, um potente oxidante não radical, que pode produzir produtos radicais, incluindo radicais hidroxila e NO 2 .

O peroxinitrito é de longe a molécula mais prejudicial que ocorre durante o metabolismo do nosso corpo. Embora não seja um radical livre, o peroxinitrito é muito mais reativo que suas moléculas parentais NO eÓ2-.A meia-vida do peroxinitrito é comparativamente longa (10–20 ms), suficiente para atravessar membranas biológicas, difundir um a dois diâmetros celulares e permitir interações significativas com a maioria das biomoléculas e estruturas críticas (membranas celulares, DNA nuclear, DNA mitocondrial, células organelas) e um grande número de processos metabólicos essenciais ( 225 ). O monóxido de azoto elevado, a formação de peroxinitrito e a indução de stress oxidativo podem estar associados a inflamação crónica, danos na função e estrutura mitocondrial, bem como perda de energia, por exemplo, através da redução de trifosfato de adenosina (ATP).

Um aumento significativo de 3-nitrotirosina foi observado no fígado de ratos Wistar expostos ao ELF, sugerindo um efeito deteriorativo nas proteínas celulares devido à possível formação de peroxinitrito ( 241 ). Verificou-se que a nitrotirosina estava aumentada (>0,9 μg/mL) em 30% dos 259 indivíduos testados com EHS ( 207 ).

Um estudo realizado por De Luca et al., em 2014, em 153 EHS e 132 controles, mostrou alterações metabólicas pró-oxidantes/pró-inflamatórias em EHS, como diminuição da atividade da glutationa S-transferase (GST) eritrocitária, diminuição dos níveis de glutationa reduzida (GSH), aumento atividade da glutationa peroxidase eritrocitária (GPX), uma proporção aumentada de CoQ10 oxidada / CoQ10 total no plasma e um risco 10 vezes maior associado ao EHS para as enzimas desintoxicantes glutationa S transferase haplótipo (nulo) GSTT1 + (nulo) variantes GSTM1 ( 242 ).

A importância do ATP foi demonstrada na síndrome da fadiga crônica (SFC) ( 243 ) e no controle do estresse ( 244 ). Esses pacientes descrevem os mesmos sintomas daqueles que sofrem de IMC. Isso poderia indicar semelhanças em seus patomecanismos. Distúrbios semelhantes na expressão de neurotransmissores foram descritos tanto na exposição crônica a CEM ( 245 ) quanto em pacientes com IMC ( 232 ), ( 246 ).

Um estudo ( 247 ) propôs investigar uma possível associação entre a exposição à RF e a integridade da mielina por meio de marcadores imuno-histoquímicos clássicos para mielina saudável e degenerada, respectivamente, e para células de Schwann em geral.

As queixas de síndrome de fadiga crônica (SFC), fibromialgia (FM), sensibilidade química múltipla (MCS), transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e síndrome da Guerra do Golfo (GWS) são quase as mesmas. Entretanto, são resumidas como doenças multissistémicas crónicas (IMC) ( 246 ). Em todos eles foram demonstrados vários distúrbios dos ciclos funcionais: ativação de óxido de nitrogênio e peroxinitrito, inflamação crônica por ativação de NF-kB, IFN-y, IL-1, IL-6 e interação com expressão de neurotransmissores ( 232 ) , ( 246 ), ( 248 ). Recomendamos classificar EHS como parte do CMI ( 232 ), ( 249 ), mas ainda reconhecendo que a causa subjacente continua sendo o meio ambiente (ver Figura 1).

Figura 1: Patogênese da inflamação, mitocondriopatia e estresse nitrosativo como resultado da exposição a fatores desencadeantes (248).
Figura 1:

Patogênese da inflamação, mitocondriopatia e estresse nitrosativo como resultado da exposição a fatores desencadeantes ( 248 ).

Outras doenças que requerem atenção em relação aos CEM

Com base nas interacções entre a exposição aos campos electromagnéticos e as respostas biológicas que, por exemplo, conduzem a uma perturbação da homeostase oxidativa/nitrosativa, é possível e mesmo previsível que ocorram diversas doenças. Alguns exemplos são dados aqui.

Havas relatou em 2008 ( 250 ):“Os campos eletromagnéticos transitórios (eletricidade suja), na faixa dos quilohertz na fiação elétrica, podem estar contribuindo para níveis elevados de açúcar no sangue entre diabéticos e pré-diabéticos. Ao acompanhar de perto os níveis de glicose plasmática em quatro diabéticos tipo 1 e tipo 2, descobrimos que eles responderam diretamente à quantidade de eletricidade suja no seu ambiente. Num ambiente eletromagneticamente limpo, os diabéticos tipo 1 necessitam de menos insulina e os diabéticos tipo 2 têm níveis mais baixos de glicose plasmática. A eletricidade suja, gerada por equipamentos eletrônicos e dispositivos sem fio, é onipresente no meio ambiente. O exercício em esteira, que produz eletricidade suja, aumenta a glicose plasmática. Essas descobertas podem explicar por que os diabéticos frágeis têm dificuldade em regular o açúcar no sangue.

No que diz respeito às exposições fetais e na primeira infância aos CEM, Sage no BioInitiative Report 2012 ( 56 ) salientou: “As exposições fetais (no útero) e na primeira infância à radiação dos telemóveis e às tecnologias sem fios em geral podem ser um factor de risco para hiperactividade , distúrbios de aprendizagem e problemas comportamentais na escola.” [&] “São necessárias medidas de bom senso para limitar os campos eletromagnéticos ELF e os campos eletromagnéticos RF nessas populações, especialmente no que diz respeito a exposições evitáveis, como incubadoras que podem ser modificadas; e onde a educação da mãe grávida com respeito a computadores portáteis, telemóveis e outras fontes de ELF EMF e RF EMF seja facilmente instituída”.

Em uma revisão de 2013, Herbert e Sage ( 251 ), ( 252 ) relataram semelhanças notáveis ​​entre fenômenos fisiopatológicos encontrados em condições do espectro do autismo (ASCs) e os impactos fisiológicos de ELF MF/RF, como estresse oxidativo, danos por radicais livres, mau funcionamento de membranas , disfunção mitocondrial, problemas inflamatórios, perturbações neuropatológicas e desregulação eletrofisiológica, proteínas de estresse celular e deficiências de antioxidantes como a glutationa.

Num estudo de 6 anos, certos níveis hormonais no sangue foram monitorados em voluntários. O uso de telefones celulares, bem como distâncias próximas às estações base de telefones celulares, foram associados à diminuição dos níveis de testosterona em homens, bem como à diminuição dos níveis de ACTH, cortisol, T3 e T4 em homens e mulheres (253) .

Recomendações para ação

A EUROPAEM desenvolveu directrizes para diagnóstico diferencial e tratamento potencial de problemas de saúde relacionados com CEM com o objectivo de melhorar/restaurar os resultados de saúde individuais e propor estratégias de prevenção. Estas recomendações são descritas mais detalhadamente abaixo.

Estas recomendações são preliminares e em grande parte, embora relacionadas com todo o conjunto de evidências enraizadas na experiência da equipa, não podem ser consideradas estritamente baseadas em evidências em todos os detalhes.

Evidência de estratégias de tratamento para doenças relacionadas a CEM, incluindo EHS

Existem apenas alguns estudos que avaliam abordagens terapêuticas para EHS. A avaliação e aconselhamento interdisciplinar de EHS no Projeto Piloto Ambiental Suíço realizado em 2001 mostrou, numa entrevista de avaliação meio ano após o aconselhamento, que 45% das pessoas com EHS beneficiaram da realização de certos conselhos, por exemplo, mudar de quarto ( 192 ), ( 193 ).

No estudo de questionário suíço de 2005 sobre médicos que trabalham com ferramentas terapêuticas complementares, dois terços escolheram a redução da exposição como ferramenta principal, enquanto a terapêutica complementar foi escolhida apenas como suplemento ( 197 ).

Desde 2008, a Sociedade Suíça de Médicos para o Meio Ambiente administra uma pequena estrutura interdisciplinar de aconselhamento em medicina ambiental para pacientes com EHS, que está incorporada na prática diária com um escritório central de coordenação e consulta, bem como uma rede de médicos de clínica geral interessados ​​em medicina ambiental que realizam avaliações e consultas médicas ambientais com base em um protocolo padrão. Se necessário, especialistas ambientais são consultados e são realizadas inspeções domiciliares. O objectivo das avaliações é detectar ou excluir doenças comuns e analisar o impacto das suspeitas de cargas ambientais nas queixas, a fim de encontrar abordagens terapêuticas individuais. O principal instrumento de avaliação é uma extensa história médica e psicossocial com uma história ambiental adicional,

Nos primeiros anos, o projeto foi avaliado cientificamente. Num questionário realizado 1 ano após o aconselhamento, 70% das pessoas recomendaram a estrutura de aconselhamento interdisciplinar e 32% delas consideraram o aconselhamento útil. Portanto, um modelo baseado nesse conceito interdisciplinar, incorporado no conceito holístico e duradouro de tratamento do médico de família, parece ser promissor para uma melhor abordagem terapêutica da SHE, incluindo também medidas de acessibilidade direcionadas ao ambiente real ( 254 ) .

Na Finlândia, a psicoterapia é a terapia oficialmente recomendada para EHS. Num estudo de questionário com pessoas de EHS na Finlândia, os sintomas, as fontes e os tratamentos percebidos, a eficácia percebida dos tratamentos alternativos médicos e complementares (CAM) em relação ao EHS foram avaliados por questões de múltipla escolha. De acordo com 76% dos 157 entrevistados, a redução ou prevenção dos CEM ajudou na sua recuperação total ou parcial. Os melhores tratamentos para EHS foram dados como efeitos ponderados: mudança alimentar (69,4%), suplementos nutricionais (67,8%) e aumento de exercícios físicos (61,6%). As recomendações oficiais de tratamento de psicoterapia (2,6%) não foram significativamente úteis, ou para medicação (–4,2%) até prejudiciais. Evitar a radiação e os campos eletromagnéticos efetivamente removeu ou diminuiu os sintomas em pessoas com EHS (194 ), ( 255 ).

Resposta dos médicos a este desenvolvimento

Em casos de problemas de saúde inespecíficos (ver Questionário) para os quais não é possível encontrar uma causa claramente identificável – para além de outros factores como produtos químicos, metais não fisiológicos, bolores – a exposição a campos electromagnéticos deve, em princípio, ser tida em consideração como uma causa potencial ou cofactor , especialmente se a pessoa presumir isso.

Uma abordagem central para uma atribuição causal de sintomas é a avaliação da variação nos problemas de saúde dependendo do tempo e da localização e da suscetibilidade individual, o que é particularmente relevante para causas ambientais, como a exposição a campos eletromagnéticos.

No que diz respeito a doenças como a infertilidade masculina, o aborto espontâneo, a doença de Alzheimer, a ELA, as flutuações do açúcar no sangue, a diabetes, o cancro, a hiperactividade, as perturbações de aprendizagem e os problemas comportamentais na escola, seria importante considerar uma possível ligação com a exposição aos CEM. Algumas pessoas com EHS podem ser diagnosticadas erroneamente com esclerose múltipla (EM), uma vez que muitos dos sintomas são semelhantes. Isto oferece uma oportunidade de influenciar causalmente o curso da doença.

Como proceder se houver suspeita de problemas de saúde relacionados com CEM

A abordagem recomendada para diagnóstico e tratamento pretende ser uma ajuda e deve, obviamente, ser modificada para atender às necessidades de cada caso individual (ver Figura 2 ).

  1. História de problemas de saúde e exposição a CEM

  2. Exames médicos e descobertas

  3. Medição da exposição a CEM

  4. Redução e prevenção da exposição a CEM

  5. Diagnóstico

  6. Tratamento do paciente incluindo o meio ambiente

 

Figura 2: Fluxograma para o tratamento de problemas de saúde relacionados com CEM.
Figura 2:

Fluxograma para o tratamento de problemas de saúde relacionados com CEM.

História de problemas de saúde e exposição a CEM

Para colocar as descobertas posteriores em um contexto mais amplo, é necessária uma história médica geral. Parte desta história deve incluir:

  • Trauma elétrico: choques múltiplos, eletrocussão, atingido por raio.

  • Trauma químico: exposição a pesticidas, metais, hidrocarbonetos clorados (PCBs, DDT, etc.)

  • Trauma biológico na forma de uma grande carga de parasitas, infecções fúngicas, infecções virais, etc.

  • Trauma físico no sistema nervoso central na forma de chicotada, outros acidentes, problemas de coluna

  • Distúrbios autoimunes

 

Nas próximas etapas, nos concentraremos apenas nos efeitos à saúde relacionados aos CEM.

Um questionário para obter um histórico sistemático de problemas de saúde e exposição a CEM, compilado pelo Grupo de Trabalho sobre CEM EUROPAEM, está disponível no Anexo desta Diretriz CEM.

O questionário consiste em três seções:

  1. Lista de sintomas

  2. Variação de problemas de saúde dependendo do tempo, local e circunstâncias

  3. Avaliação de certas exposições a CEM que podem ser avaliadas por questionário

 

A lista de sintomas do questionário serve para quantificar sistematicamente os problemas de saúde, independentemente das suas causas. Também inclui perguntas sobre quando os problemas de saúde ocorreram pela primeira vez. A maioria dos sintomas relacionados com CEM são inespecíficos e enquadram-se no âmbito dos problemas de saúde devido à regulação inadequada (descompensação), por exemplo, problemas de sono, fadiga, exaustão, falta de energia, inquietação, palpitações cardíacas, problemas de pressão arterial, dores musculares e articulares, dores de cabeça. , aumento do risco de infecções, depressão, dificuldade de concentração, distúrbios de coordenação, esquecimento, ansiedade, urgência urinária, anomia (dificuldade em encontrar palavras), tontura, zumbido e sensação de pressão na cabeça e nos ouvidos.

Os problemas de saúde podem variar em gravidade, desde sintomas benignos e temporários, como ligeiras dores de cabeça ou parestesia à volta do ouvido, por exemplo, ao utilizar um telemóvel, ou sintomas semelhantes aos da gripe após talvez algumas horas de exposição a campos electromagnéticos de todo o corpo, até sintomas graves e debilitantes. sintomas que prejudicam drasticamente a saúde física e mental. Deve-se ressaltar que, dependendo do estado individual de suscetibilidade, os sintomas de EHS geralmente ocorrem apenas ocasionalmente, mas com o tempo podem aumentar em frequência e gravidade. Por outro lado, se uma exposição prejudicial aos campos electromagnéticos for suficientemente reduzida, o corpo tem a oportunidade de recuperar e os sintomas de EHS serão reduzidos ou desaparecerão.

Variação de problemas de saúde dependendo do tempo, local e circunstâncias

As respostas às perguntas sobre quando e onde os problemas de saúde ocorrem ou diminuem, e quando e onde os sintomas aumentam ou são particularmente evidentes, fornecem apenas indicações. Devem ser interpretados pelo investigador (por exemplo, no que diz respeito à atribuição correta entre localização/fontes de campos eletromagnéticos e problemas de saúde). Deve ser dada especial atenção às áreas de dormir, devido à duração da influência e ao papel vital do sono para a regeneração.

Avaliação de certas exposições a CEM que podem ser avaliadas por questionário

A avaliação da exposição aos CEM normalmente começa com certas questões sobre as fontes habituais de CEM. Independentemente de o paciente suspeitar ou não da exposição a CEM como causa, estas perguntas devem ser utilizadas para avaliar o nível de exposição existente, pelo menos como uma estimativa aproximada. É importante notar que apenas alguns tipos de exposição a CEM podem ser avaliados por meio de perguntas, como o uso de lâmpadas fluorescentes compactas, telefones celulares e telefones sem fio. A detecção de outros tipos de exposição a campos eletromagnéticos, por exemplo, devido a locais de transmissão de RF ou a campos elétricos ou magnéticos de fiação elétrica, geralmente requer medições. Em princípio, devem ser feitas perguntas para avaliar a exposição aos CEM em casa e no trabalho e durante as férias, etc., tendo em conta que o grau de exposição aos CEM pode variar em momentos diferentes.

Exames médicos e descobertas

Ainda não temos quaisquer achados clínicos específicos dos CEM, o que torna o diagnóstico e o diagnóstico diferencial um desafio considerável.

Um método que tem se mostrado útil é usar achados associados ao estresse para diagnóstico e acompanhamento e avaliá-los sinopticamente. Testes de diagnóstico básicos devem ser realizados como primeiro passo, seguidos de medições de exposição a campos eletromagnéticos como segundo passo. O diagnóstico central deve se concentrar em investigações de produção de óxido nítrico (nitrotirosina), mitocondriopatia (ATP intracelular), estresse oxidativo-peroxidação lipídica (MDA-LDL), inflamação [TNF-alfa, proteína 10 induzível por IFN-gama (IP-10) , IL-1b, histamina] e o status de melatonina (relação melatonina/creatinina na urina de 24 horas).

Então, testes diagnósticos adicionais podem ser considerados. Devido às diferenças nos intervalos normais entre laboratórios e às diferentes práticas quanto às unidades de medida em diferentes países, não fornecemos níveis que sejam considerados relevantes em EHS. Recomenda-se interpretá-los no contexto, focando não apenas em valores fora da faixa. Por exemplo, quando vários parâmetros estão simultaneamente próximos do limite dos intervalos normais, isto pode ser instrutivo para a formação de uma opinião terapêutica ou diagnóstica.

Testes funcionais
Testes diagnósticos básicos
  • Pressão arterial e frequência cardíaca (em todos os casos, frequência cardíaca em repouso pela manhã enquanto ainda está na cama), incluindo automonitorização, possivelmente várias vezes ao dia, por exemplo, em locais diferentes e com registo do bem-estar subjetivo durante uma semana.

Testes de diagnóstico adicionais
  • Monitoramento da pressão arterial 24 horas (ausência de declínio noturno)

  • ECG de 24 horas (diagnóstico do ritmo cardíaco)

  • Variabilidade da frequência cardíaca (VFC) em 24 horas (diagnóstico do sistema nervoso autônomo)

  • Ergometria sob estresse físico

  • Durma EEG em casa

Testes laboratoriais
Testes diagnósticos básicos
  • Sangue

    • ACTH

    • Bilirrubina

    • Hemograma e hemograma diferencial

    • PÃO

    • Colesterol, LDL, HDL, triglicerídeos

    • Razão Coenzima-Q10 para CoQ10 oxidada/CoQ10 total

    • Creatinina quinases (CK-MB, CK-MM)

    • Proteína C reativa de alta sensibilidade (PCR-as)

    • Cistatina C (taxa de filtração glomerular)

    • Eletrólitos

    • Glicemia em jejum

    • Ferritina

    • Glutationa S-transferase (GST)

    • Glutationa reduzida (GSH)

    • Glutationa peroxidase (GPX)

    • HBA 1c

    • Histamina e diaminoxidase (DAO)

    • Proteína 10 induzível por IFN-gama (IP-10)

    • Interleucina-1 (por exemplo, IL-1a, IL-1b)

    • ATP intracelular

    • Enzimas hepáticas (por exemplo, ALT, AST, GGT, LDH, AP)

    • Magnésio (sangue total)

    • Malondialdeído (MDA)-LDL

    • Nitrotirosina (NTT)

    • Potássio (sangue total)

    • Prolactina

    • Selênio (sangue total)

    • Testosterona

    • TSH

    • T3, T4

    • Fator de necrose tumoral alfa (TNFα)

    • Vitamina D3

    • Zinco (sangue total)

     

  • Urina padrão

    • Leucócitos, eritrócitos, albumina, urobilinogênio, pH, bactérias, glicose, microalbumina

     

  • Segunda urina da manhã

    • Adrenalina

    • Dopamina

    • Noradrenalina

    • Relação noradrenalina/adrenalina

    • Serotonina

    • Beta-feniletilelamina (PEA)

     

  • Urina de 24 horas

    • Sulfato de melatonina 6-OH

    • Creatinina

    • Proporção 6-OH sulfato de melatonina/creatinina

     

  • Saliva

    • Cortisol (8h, 12h e 20h)

     

Testes de diagnóstico adicionais
  • Urina

    • Metais (dependendo do histórico do caso, por exemplo, mercúrio, cádmio, chumbo, arsênico, alumínio)

     

  • Segunda urina da manhã

    • Ácido gama-aminobutírico (GABA)

    • Glutamato

    • Criptopirrol

     

  • Saliva

    • Dehidroepiandrosterona DHEA (8h e 20h)

    • Alfa-amilase

     

  • Sangue

    • 8-Hidroxidesoxiguanosina (oxidação do DNA)

    • Biotina

    • Perfil lipídico diferencial

    • Folato

    • Holotranscobolamina

    • Homocisteína

    • Interferon-gama (IFN-γ)

    • Interleucina-10 (IL-10)

    • Interleucina-17 (IL-17)

    • Interleucina-6 (IL-6)

    • Interleucina-8 (IL-8)

    • Glutationa intracelular (equilíbrio redox)

    • Lactato, piruvato incl. razão

    • Lipase

    • NF-kappa B

    • Vitamina B6 (sangue total)

     

Testes de provocação

Instalações especiais com o uso de uma variedade de sinais, por exemplo, exposição DECT ou Wi-Fi (por exemplo, 20 a 60 minutos, dependendo da capacidade de regulação individual, suscetibilidade e resposta observada)

  • Variabilidade da frequência cardíaca (VFC) (diagnóstico do sistema nervoso autônomo)

  • Microcirculação

  • Estresse oxidativo (peroxidação lipídica, malondialdeído, oxo-LDL)

  • Para diabéticos, glicose plasmática

  • Análise de sangue vivo (agregação de glóbulos vermelhos na forma de rouleaux, viscosidade do sangue, atividade de macrófagos, lise da membrana dos glóbulos vermelhos)

  • Para pessoas com problemas neurológicos e problemas de coordenação motora fina ou grossa, um vídeo delas andando antes e depois da provocação e uma fotografia tirada de uma amostra de caligrafia antes e depois da provocação.

 

Suscetibilidade individual
  • Sangue (parâmetros genéticos e função real)

    • Glutationa S transferase M1 (GSTM1) – desintoxicação

    • Glutationa S transferase T1 (GSTT1) – desintoxicação

    • Superóxido dismutase 2 (SOD2) – proteção das mitocôndrias

    • Catecol-O-metiltransferase (COMT) – controle do estresse

     

Medição da exposição a CEM

O desenvolvimento evolutivo da espécie humana ocorreu sob a presença do espectro eletromagnético natural (campo magnético terrestre, campo elétrico terrestre, esféricos, ressonância Schumann). Essas influências fazem parte da nossa biosfera, como o teor de oxigénio no ar ou o espectro da luz visível, e foram integradas nas funções biológicas ( 14 ).

Até agora, quase todas as partes não ionizantes do espectro eletromagnético estão repletas de fontes de CEM técnicas e artificiais devido à eletrificação e às tecnologias de comunicação (sem fio), mas são muito raramente encontradas na natureza (ver Figura 3 ) . Medições de campos eletromagnéticos e/ou danos de exposição geralmente não são cobertos pelo seguro de saúde legal.

Figura 3: Exemplos de fontes de CEM naturais (verdes) e artificiais (vermelho e azul) ao longo do espectro eletromagnético (256).
Figura 3:

Exemplos de fontes de campos eletromagnéticos naturais (verdes) e artificiais (vermelho e azul) ao longo do espectro eletromagnético ( 256 ).

Em geral, deve ser considerada uma grande variedade de tipos de exposição a CEM (campos estáticos, ELF, VLF e RF).

  • Os campos magnéticos ELF podem ter origem, por exemplo, em transformadores de 12 V, estações de transformação, correntes líquidas na fiação elétrica, tubulações de água e outros materiais condutores, aquecedores infravermelhos, mantas de aquecimento e diferentes tipos de linhas de energia.

  • Os campos eléctricos ELF podem ter origem, por exemplo, em fios eléctricos, lâmpadas e aparelhos.

  • Campos magnéticos VLF (“energia suja”) e/ou campos elétricos VLF (“eletricidade suja”) podem ser emitidos por dispositivos eletrônicos como iluminação com eficiência energética, transformadores eletrônicos, fogões de indução, inversores de frequência de velocidade variável, interruptores dimmer de luz, linhas de energia comunicação (PLC) conectada à rede elétrica. Esses dispositivos utilizam corrente e/ou tensão em pulsos curtos que podem produzir harmônicos e transientes VLF nos circuitos elétricos, materiais aterrados e terra.

  • As fontes típicas de radiação RF incluem, por exemplo, telefones sem fio (DECT), acesso à Internet sem fio (Wi-Fi), telefones celulares e suas estações base, antenas de transmissão de rádio e TV, radar (militar, aeroportuário, marítimo e meteorológico), Bluetooth e os fornos de microondas.

 

Na área de dormir, o ponto de exposição mais importante é a região da cabeça e do tronco, seguido de todos os outros pontos com exposição crónica ou elevada.

As medições de CEM devem ser planeadas e realizadas por especialistas em testes especialmente treinados e experientes e sempre de acordo com as normas relevantes, por exemplo, as Diretrizes VDB da Associação Alemã de Profissionais de Biologia de Construção ( 257 ) . Além dos resultados da medição, o relatório de medição também deve incluir sugestões sobre como possivelmente reduzir a exposição aos campos eletromagnéticos.

Para esclarecer certas questões, estão disponíveis dosímetros pessoais com função de registro de dados para medir campos magnéticos ELF e radiação de radiofrequência.

Após as medições terem sido encomendadas pela pessoa e realizadas, os resultados devem ser discutidos com um médico familiarizado com a questão dos CEM.

Valores de orientação EMF

Em cada caso, os seguintes aspectos devem ser levados em consideração individualmente na avaliação dos resultados da medição dos campos eletromagnéticos ( 27 ), ( 26 ):

  • A suscetibilidade individual de uma pessoa, que, por exemplo, pode basear-se na história anterior de trauma (elétrico, químico, biológico e físico).

  • A carga corporal total individual de uma pessoa (por exemplo, exposição ao ruído, produtos químicos como neurotoxinas)

  • Duração da exposição a CEM

  • Exposição a CEM durante a noite e o dia

  • Exposição múltipla a diferentes fontes de CEM

  • Intensidade do sinal: watt/m 2 (W/m 2 ), volt/m (V/m), ampere/m (A/m)

  • As características do sinal foram levadas em consideração nos valores de orientação EMF – ver Suplemento 3 ( 258 )

    • Frequência

    • Tempo de subida (ΔT) de rajadas, transientes, etc.

    • Frequência e periodicidade das rajadas, por exemplo, certas estações base GSM (8,3 Hz), redes Wi-Fi (10 Hz), telefones sem fio DECT (100 Hz)

    • Tipo de modulação (modulação de frequência, modulação de amplitude, modulação de fase)

     

 

Independentemente das recomendações da ICNIRP para efeitos agudos específicos, os seguintes valores de orientação ( Tabelas 1 – 3 , 5 e 6 ) aplicam-se a locais sensíveis com exposição prolongada de mais de 20 horas por semana ( 259 ). Baseiam-se em estudos epidemiológicos ( 9 ), ( 10 ), ( 27 ), ( 221 ), ( 260 ), ( 261 ), ( 262 ), observações empíricas e medições relevantes na prática ( 258 ), ( 263 ), bem como recomendações da Declaração Seletun ( 40) e a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa ( 42 ). Os valores de orientação propostos baseiam-se em dados científicos, incluindo uma componente preventiva, e visam ajudar a restaurar a saúde e o bem-estar em pacientes já comprometidos. Todos os níveis fornecidos são para intensidades de incidentes e exposição de corpo inteiro.

Tabela 1:

Valores de orientação de precaução para campos magnéticos ELF.

Campo magnético ELF Exposição diurna Exposição noturna Populações sensíveis
Média aritmética (MÉDIA) 100 nT (1 mG) 1),2),3) 100 nT (1 mG) 1),2),3) 30 nT (0,3 mG) 5)
Máximo (MÁX.) 1000 nT (10 mG) 2),4) 1000 nT (10 mG) 2),4) 300 nT (3 mG) 5)

Baseado em: 1) BioIniciativa ( 9 ), ( 10 ); 2) Oberfeld ( 262 ); 3) Declaração Seletun ( 40 ), 4) NISV ( 264 ); 5) Abordagem preventiva por um fator de 3 (intensidade do campo). Ver também IARC 2002 ( 30 ), Blank e Goodman ( 17 ) e TCO Development ( 265 ).

Mesa 2:

Valores de orientação de precaução para campos elétricos ELF.

Campo elétrico ELF Exposição diurna Exposição noturna Populações sensíveis
Máximo (MÁX.) 10V/m 1), 2) 1V/m2 ) 0,3V/m3 )

Baseado em: 1) Projeto de Recomendações do NCRP sobre Diretrizes de Exposição a CEM: Opção 2, 1995 ( 261 ); 2) Oberfeld ( 262 ); 3) Abordagem preventiva por um fator de 3 (intensidade do campo). Veja também Desenvolvimento de TCO ( 265 ).

Tabela 3:

Valores de orientação de precaução para radiação de radiofrequência.

Fonte de RF Pico Máximo/Retenção de Pico Exposição diurna Exposição noturna Populações sensíveis 1)
Transmissão de rádio (FM) 10.000 μW/ m2 1000 μW/m 2 100 μW/m 2
TETRA 1000 μW/m 2 100 μW/m 2 10 μW/m 2
DVBT 1000 μW/m 2 100 μW/m 2 10 μW/m 2
GSM (2G) 900/1800 MHz 100 μW/m 2 10 μW/m 2 1 μW/m 2
DECT (telefone sem fio) 100 μW/m 2 10 μW/m 2 1 μW/m 2
UMTS (3G) 100 μW/m 2 10 μW/m 2 1 μW/m 2
LTE (4G) 100 μW/m 2 10 μW/m 2 1 μW/m 2
GPRS (2,5G) com PTCCH * (8,33 Hz pulsante) 10 μW/m 2 1 μW/m 2 0,1 μW/m 2
DAB+ (pulsante de 10,4 Hz) 10 μW/m 2 1 μW/m 2 0,1 μW/m 2
Wi-Fi 2,4/5,6 GHz (10 Hz pulsante) 10 μW/m 2 1 μW/m 2 0,1 μW/m 2

* PTCCH, canal de controle avançado de temporização de pacotes.

Baseado em: BioInitiative ( 9 ), ( 10 ); Kundi e Hutter ( 260 ); Leitfaden Senderbau ( 221 ); RITMO ( 42 ); Declaração Seletun ( 40 ). 1) Abordagem preventiva por um fator de 3 (intensidade do campo)= um fator de 10 (densidade de potência). Ver também IARC 2013 ( 24 ) e Margaritis et al. ( 267 ).

Tabela 4:

Conversão de unidades de medição de radiação de radiofrequência.

Conversão de unidades de medição de RF mW/ m2 10 1 0,1 0,01 0,001 0,0001
μW/m 2 10.000 1000 100 10 1 0,1
μW/ cm2 1 0,1 0,01 0,001 0,0001 0,00001
V/m 1,9 0,6 0,19 0,06 0,019 0,006
Tabela 5:

Valores de orientação de precaução para campos magnéticos VLF.

Campo magnético VLF Exposição diurna Exposição noturna Populações sensíveis
Média aritmética (MÉDIA) 1 nT (0,01 mG) 1) 1 nT (0,01 mG) 1) 0,3 nT (0,003 mG) 2)
Máximo (MÁX.) 10 nT (0,1 mG) 1) 10 nT (0,1 mG) 1) 3nT (0,03 mG) 2)

Com base em: 1) A densidade de corrente induzida no corpo humano aumenta com o aumento da frequência numa relação aproximadamente linear ( 266 ). Portanto, o valor de orientação do campo magnético na faixa de frequência VLF deve ser inferior ao do campo magnético de 50/60 Hz, por exemplo, para 100 nT RMS/100=1 nT. Para a justificativa de 100 nT (média) e 1 μT (máx.), consulte a seção Campos magnéticos ELF. 2) Abordagem preventiva por um fator de 3 (intensidade do campo). Veja também Desenvolvimento de TCO ( 265 ).

Tabela 6:

Valores de orientação de precaução para campos elétricos VLF.

Campo elétrico VLF Exposição diurna Exposição noturna Populações sensíveis
Média aritmética (MÉDIA) 0,1V/m 1) 0,01V/m 1) 0,003V/m2 )

Com base em: 1) A densidade de corrente induzida no corpo humano aumenta com o aumento da frequência numa relação aproximadamente linear ( 266 ). Portanto, o valor de orientação do campo elétrico na faixa de frequência VLF deve ser inferior ao do campo elétrico de 50/60 Hz, por exemplo, para 10 V/m/100 = 0,1 V/m. Para a justificativa de 10 V/m e 1 V/m, consulte a seção Campos elétricos ELF. 2) Abordagem preventiva por um fator de 3 (intensidade do campo). Veja também Desenvolvimento de TCO ( 265 ).

Campos magnéticos ELF (frequência extremamente baixa) (ELF MF) Especificações de medição

Faixa de frequência: 50/60 Hz da rede elétrica, até 2 kHz. Sistemas ferroviários de 16,7 Hz na Áustria, Alemanha, Suíça, Suécia e Noruega, 400 Hz em aviões
Tipo de medição: Indução magnética ou densidade de fluxo [T; mT; µT; nT]
Sonda de campo: sonda de campo magnético isotrópico (três eixos ortogonais)
Modo detector: RMS (raiz quadrada média)
Volume de medição: Cama: Medições de curto prazo em toda a área de dormir. Local de trabalho: Medições de curto prazo em toda a área de trabalho (por exemplo, posição sentada). Medições de longo prazo: por exemplo, ponto próximo à cabeça/tronco na cama ou no local de trabalho
Período de medição: Medições de curto prazo para identificar fontes de campo. Medições de longo prazo durante o sono e turno de trabalho
Base para avaliação: Medições de longo prazo: máximo (MAX) e média aritmética (AVG)

Valores de orientação de precaução

Em áreas onde as pessoas passam longos períodos de tempo (> 4 horas por dia), minimize a exposição a campos magnéticos ELF a níveis tão baixos quanto possível ou abaixo dos valores de orientação de precaução especificados abaixo.

Diretrizes de avaliação específicas para áreas de dormir

Frequências mais altas que a rede elétrica em 50/60 Hz e harmônicos distintos devem ser avaliados de forma mais crítica. Consulte também os valores de orientação de precaução para a faixa de frequência VLF mais abaixo. Se aplicável, a corrente da rede ( 50/60 Hz ) e a corrente de tração ( 16,7 Hz ) devem ser avaliadas separadamente, mas somadas (média quadrada). Medições de longo prazo devem ser realizadas especialmente à noite, mas pelo menos durante 24 horas.

Campos elétricos ELF (frequência extremamente baixa) (ELF EF) Especificações de medição

Faixa de frequência: rede elétrica de 50/60 Hz, até 2 kHz. Sistemas ferroviários de 16,7 Hz na Áustria, Alemanha, Suíça, Suécia e Noruega
Tipo de medição: Campo elétrico [V/m] sem referência de terra (sem potencial)
Sonda de campo: Sonda de campo elétrico isotrópico (três eixos ortogonais)
Modo detector: RMS (raiz quadrada média)
Volume de medição: Cama: Nove pontos na área de dormir. Local de trabalho: Em toda a área de trabalho (por exemplo, posição sentada três ou seis pontos)
Período de medição: Medições pontuais para avaliar a exposição, bem como para identificar fontes de campo. Como os níveis de exposição ao campo elétrico na faixa de frequência ELF geralmente não mudam, não são necessárias medições de longo prazo.
Base para avaliação: Medições pontuais (máximo) em pontos relevantes de exposição

Valores de orientação de precaução

Em áreas onde as pessoas passam longos períodos de tempo (> 4 horas por dia), minimize a exposição a campos elétricos ELF a níveis tão baixos quanto possível ou abaixo dos valores de orientação de precaução especificados abaixo.

Diretrizes de avaliação específicas para áreas de dormir

Frequências mais altas que a rede elétrica em 50/60 Hz e harmônicos distintos devem ser avaliados de forma mais crítica. Consulte também os valores de orientação de precaução para a faixa de frequência VLF mais abaixo.

Especificações de medição de radiação de radiofrequência (RF)

Faixa de frequência: antenas de transmissão de rádio e TV, estações base de telefonia móvel, por exemplo, TETRA (400 MHz),GSM (900 e 1800 MHz), UMTS (2100 MHz),LTE (800, 900, 1800, 2500–2700 MHz), sem fio estações base telefônicas, por exemplo, DECT (1900), pontos de acesso e clientes Wi-Fi (2.450 e 5.600 MHz), WiMAX (3.400–3.600 MHz). As frequências acima em MHz referem-se a redes europeias.
Tipo de medição: Geralmente campo elétrico [V/m] -> densidade de potência calculada [W/m 2 ; mW/m 2 ; μW/m 2 ]; para unidades de conversão, consulte a Tabela 4 .
Sonda de campo: Antenas isotrópicas, bicônicas ou logarítmicas periódicas
Modo detector: detector de pico com retenção máxima
Volume de medição: Ponto de exposição na cama e no local de trabalho
Período de medição: Geralmente medições de curto prazo para identificar fontes de campo de RF (por exemplo, análise acústica) e leituras de pico
Base para avaliação: Medições pontuais específicas de banda ou frequência (detector de pico com retenção máxima) de sinais comuns em pontos relevantes de exposição (por exemplo, com analisador de espectro ou pelo menos medidor de RF específico de banda)

Valores de orientação de precaução para fontes de RF selecionadas

Em áreas onde as pessoas passam longos períodos de tempo (> 4 horas por dia ) , minimize a exposição à radiação de radiofrequência a níveis tão baixos quanto possível ou abaixo dos valores de orientação de precaução especificados abaixo. As frequências a serem medidas devem ser adaptadas a cada caso individual. Os valores de orientação específicos levam em consideração as características do sinal de tempo de subida (Δ T ) e “ pulsação ” ELF periódica ( 258 ) Nota: Sinais retangulares apresentam tempos de subida curtos e consistem em um amplo espectro de frequências. A densidade de corrente induzida no corpo humano aumenta com o aumento da frequência em uma relação aproximadamente linear (266 ).

Campos magnéticos na faixa VLF (VLF MF) Especificações de medição

Faixa de frequência: 3 kHz–3 MHz. Medições específicas de frequência (analisador de espectro/medidor EMF), por exemplo, “energia suja”, comunicação powerline (PLC), transmissores de identificação de radiofrequência (RFID), lâmpadas fluorescentes compactas (CFL)
Tipo de medição: Campo magnético [A/m] – > indução magnética calculada [T; mT; µT; nT]
Sonda de campo: Sonda de campo magnético isotrópica ou anisotrópica
Modo detector: RMS (raiz quadrada média)
Volume de medição: Ponto de exposição na cama e no local de trabalho
Período de medição: Medições de curto prazo para identificar fontes de campo. Medições de longo prazo durante o sono e turno de trabalho
Base para avaliação: Medições de longo prazo: detector RMS, média aritmética e máximo em pontos relevantes de exposição
Nota: Se for detectada uma exposição elevada, analisadores de qualidade de energia e osciloscópios podem ser usados ​​na fiação real para rastrear a fonte da energia suja.

Valores de orientação de precaução

Em áreas onde as pessoas passam longos períodos de tempo (> 4 horas por dia ) , minimize a exposição a campos magnéticos VLF a níveis tão baixos quanto possível ou abaixo dos valores de orientação de precaução especificados abaixo.

Campos elétricos na faixa VLF (VLF EF) Especificações de medição

Faixa de frequência: 3 kHz–3 MHz. Medições específicas de frequência (analisador de espectro/medidor EMF), por exemplo, “eletricidade suja”, comunicação powerline (PLC), transmissores de identificação de radiofrequência (RFID), lâmpadas fluorescentes compactas (CFL)
Tipo de medição: Campo elétrico [V/m]
Sonda de campo: Sonda de campo elétrico isotrópica, bicônica, logarítmica-periódica
Modo detector: média aritmética RMS
Volume de medição: Ponto de exposição na cama e no local de trabalho
Período de medição: Medições de curto prazo para identificar fontes de campo. Medições de longo prazo durante o sono e turno de trabalho
Base para avaliação: Medições de longo prazo: média aritmética em pontos relevantes de exposição
Nota: Se for detectada uma exposição elevada, analisadores de qualidade de energia e osciloscópios podem ser usados ​​na fiação real para rastrear a fonte da energia suja.

Valores de orientação de precaução

Em áreas onde as pessoas passam longos períodos de tempo (> 4 horas por dia ) , minimize a exposição a campos elétricos VLF a níveis tão baixos quanto possível ou abaixo dos valores de orientação de precaução especificados abaixo.

Redução e prevenção da exposição a CEM

Prevenir ou reduzir a exposição a campos eletromagnéticos após consultar um especialista em testes é vantajoso por vários motivos:

  1. Para prevenir e reduzir os riscos para a saúde individual e pública,

  2. Para identificar quaisquer ligações a problemas de saúde,

  3. Para tratar causalmente os problemas de saúde relacionados aos CEM.

 

Existem inúmeras causas potenciais para exposições relevantes a campos eletromagnéticos, e esta diretriz sobre campos eletromagnéticos só pode dar alguns exemplos. Mais informações podem ser encontradas, por exemplo, nos documentos “Options to Minimize EMF/RF/Static Field Exposures in Office Environments” ( 268 ) e “Elektrosmog im Alltag” ( 269 ). Para informações detalhadas sobre física, propriedades e medição de CEM, consulte Virnich ( 270 ); relativamente à redução da radiação de radiofrequência (RF) em residências e escritórios, ver Pauli e Moldan ( 271 ).

Na maioria dos casos, será necessário consultar um especialista (por exemplo, engenheiro/consultor qualificado em EMF/RF) e/ou eletricista que aconselhará a pessoa sobre quais medidas podem ser tomadas para reduzir a exposição a EMF.

Redução da exposição a campos eletromagnéticos – primeiros passos

Como primeiro passo, são dadas recomendações (também como medidas preventivas) para eliminar ou reduzir as exposições típicas aos CEM, o que pode ajudar a aliviar problemas de saúde dentro de dias ou semanas. As seguintes ações podem ser sugeridas:

Prevenção da exposição à radiação de radiofrequência (RF)

  • Mantenha chamadas curtas de celulares/smartphones e telefones sem fio; use a função viva-voz ou um kit viva-voz.

  • Evite usar o telemóvel/smartphone junto ao corpo.

  • Desative todos os aplicativos de telefonia móvel sem fio não essenciais, que causam exposição periódica à radiação.

  • Mantenha os telemóveis/smartphones em “modo avião” sempre que possível ou desative os dados móveis, Wi-Fi, Bluetooth e comunicação de campo próximo (NFC) nas configurações do smartphone.

  • Desconecte (desconecte) a fonte de alimentação de todas as estações base de telefones sem fio DECT. Os chamados telefones DECT “Modo ECO” ou “emissão zero” são recomendados apenas condicionalmente porque a exposição do aparelho ainda está presente. Em vez disso, recomenda-se um telefone com fio “tradicional”.

  • Desconecte (desconecte) a fonte de alimentação de todos os pontos de acesso Wi-Fi ou roteadores Wi-Fi. Muitos roteadores LAN agora vêm equipados com Wi-Fi adicional. Ligue para o provedor do roteador LAN e peça para desativar o Wi-Fi. Geralmente também é possível fazê-lo on-line, seguindo as instruções do fornecedor.

  • No caso de fontes externas de radiação RF, devem ser escolhidos quartos – especialmente quartos – afastados da fonte.

  • Evite comunicação powerline para acesso à Internet (dLAN) e, em vez disso, use um cabo Ethernet com fio (LAN).

  • Evite a exposição à radiação RF (por exemplo, dispositivos sem fio como entretenimento doméstico, fones de ouvido, babás eletrônicas, jogos de computador, impressoras, teclados, mouse, sistemas de vigilância doméstica) em casa, nos escritórios e nos carros.

  • Evite a exposição a iluminação energeticamente eficiente (lâmpadas fluorescentes compactas, bem como alguns LEDs geram transientes de alta frequência). Esses tipos de lâmpadas podem ser substituídos por lâmpadas incandescentes ou incandescentes halógenas de tensão de linha até que lâmpadas eficientes em termos de iluminação de boa qualidade se tornem comercialmente disponíveis.

Prevenção da exposição a campos elétricos e magnéticos ELF

  • Afaste a cama ou a mesa da fiação nas paredes e dos cabos de alimentação. Recomenda-se uma distância mínima de 30 cm (1 pé) da parede.

  • Como os campos magnéticos podem atravessar paredes, certifique-se de que não haja fontes magnéticas imediatamente abaixo ou acima da cama ou em um quarto adjacente.

  • Outra ação complementar simples é desligar a alimentação do quarto (desligar disjuntor ou fusível) durante a noite enquanto dorme; experimente durante uma fase de teste de, por exemplo, 2 semanas. Em geral, esta medida nem sempre é bem sucedida porque os circuitos das salas adjacentes contribuem para os níveis do campo eléctrico. As medições de campo elétrico ELF são necessárias para saber exatamente quais disjuntores precisam ser desconectados. Os benefícios devem ser ponderados em relação ao risco potencial de acidentes; portanto, o uso de lanterna para a fase de teste deve ser recomendado.

  • Desligue a alimentação de todos os circuitos elétricos não essenciais, possivelmente em todo o apartamento ou casa. (NB Ver nota acima.)

  • Evite usar cobertor elétrico durante o sono; não apenas desligue-o, mas também desconecte-o.

  • Evite exposições prolongadas perto de motores elétricos em funcionamento. Como primeiro passo, mantenha uma distância mínima de 1,5 m (5 pés). Como segundo passo, estabeleça uma distância segura com base nas medições do campo magnético.

Evitar a exposição a campos magnéticos/elétricos estáticos

  • Durma em cama e colchão sem metal.

  • Evite dormir perto de materiais de ferro (radiador, aço, etc.)

  • Usar roupas sintéticas e, por exemplo, sapatos com sola de borracha e não estar regularmente em contacto com a terra pode resultar na acumulação de electricidade estática. Roupas de algodão e sapatos com sola de couro ajudam a evitar a eletricidade estática.

Redução da exposição a CEM – segundos passos

Como segundo passo, deverão ser realizadas medições de campos eletromagnéticos e medidas de mitigação. Exemplos típicos são:

  • Meça o campo elétrico ELF na cama. Com base nos resultados da medição, instale interruptores automáticos de demanda nos circuitos que aumentam a exposição.

  • Meça o campo elétrico ELF em todos os outros locais usados ​​por longos períodos em casa e no trabalho. Se necessário, opte por lâmpadas utilizadas próximas ao corpo com cabo elétrico blindado e luminária aterrada (metálica). Especialmente em construções leves (madeira, placa de gesso), a fiação elétrica sem aterramento (tomadas de dois slots) pode ter que ser substituída por fiação elétrica aterrada ou blindada. Em casos especiais, poderá ser necessário instalar fiação e tomadas blindadas em todo o edifício.

  • Meça o campo magnético ELF próximo ao leito, por exemplo, durante 24 horas. Se forem detectadas correntes líquidas, a fiação elétrica e o sistema de aterramento do edifício deverão ser corrigidos para reduzir os campos magnéticos.

  • Instale um dispositivo de corrente residual (RCD) ou interruptor de circuito de falha à terra (GFCI) para evitar choques elétricos (medida de segurança).

  • Meça a radiação de radiofrequência e reduza os altos níveis de exposição instalando certos materiais de blindagem de RF nas paredes, janelas, portas, tetos e pisos afetados. Por exemplo, num ambiente com várias unidades (condomínios ou apartamentos altos, moradias), a proximidade com os vizinhos pode contribuir para a exposição interna.

  • Meça a eletricidade/energia suja (campos elétricos e magnéticos na faixa de frequência VLF) e identifique as fontes para removê-las. Se isso não for possível, podem ser usados ​​filtros de potência apropriados em linha com a fonte.

 

Diagnóstico

Teremos de distinguir entre EHS e outros problemas de saúde relacionados com CEM, como certos cancros, doença de Alzheimer, ELA, infertilidade masculina, etc., que podem ter sido induzidos, promovidos ou agravados pela exposição a CEM. Uma investigação de EHS e de outros problemas de saúde relacionados com os CEM basear-se-á em grande parte num histórico de caso abrangente, centrando-se, em particular, nas correlações entre os problemas de saúde e os momentos, locais e circunstâncias da exposição aos CEM, bem como a progressão dos sintomas ao longo do tempo. tempo e a suscetibilidade individual. Além disso, as medições da exposição aos CEM e os resultados de testes de diagnóstico adicionais (exames laboratoriais, sistema cardiovascular) servem para apoiar o diagnóstico. Além disso, todas as outras causas potenciais devem ser excluídas, tanto quanto possível.

Em 2000, o Conselho de Ministros Nórdico (Finlândia, Suécia e Noruega) adotou o seguinte código CID-10 inespecífico para EHS: Capítulo XVIII, Sintomas, sinais e achados clínicos e laboratoriais anormais, não classificados em outra parte, código R68.8 “Outros especificados sintomas e sinais gerais” (Adaptação Nórdica da CID-10, 2000) ( 272 ).

Em relação à atual Classificação Internacional de Doenças (CID), CID-10-OMS 2015, recomendamos neste momento:

  1. Hipersensibilidade eletromagnética (EHS): utilizar os códigos de diagnóstico existentes para os diferentes sintomas mais o código R68.8 “Outros sintomas e sinais gerais especificados” mais o código Z58.4 “Exposição à radiação” e/ou Z57.1 “Exposição ocupacional à radiação .”

  2. Problemas de saúde relacionados com CEM (exceto EHS): utilizar os códigos de diagnóstico existentes para as diferentes doenças/sintomas mais o código Z58.4 “Exposição à radiação” e/ou Z57.1 “Exposição ocupacional à radiação”.

 

Em relação à próxima atualização da CID a ser publicada em 2018 (CID-11 OMS), recomendamos:

  1. Criar códigos CID para todas as doenças multissistêmicas crônicas (CMI) induzidas ambientalmente, como sensibilidade química múltipla (MCS), síndrome de fadiga crônica (SFC), fibromialgia (FM) e hipersensibilidade eletromagnética (EHS), com base em sua descrição clínica e patológica ( 204 ), ( 207 ).

  2. Para expandir o capítulo XIX, Lesões, Envenenamento e Certas Outras Consequências de Causas Externas (T66-T78), para incluir/distinguir efeitos de EMF (campo magnético estático, campo elétrico estático, campo magnético ELF, campo elétrico ELF, campo magnético VLF, VLF campo elétrico, radiação de radiofrequência), radiação infravermelha, luz visível, radiação UV e radiação ionizante.

  3. Expandir o capítulo XXI, Fatores que influenciam o estado de saúde e o contato com os serviços de saúde (Z00-Z99), para incluir/distinguir fatores como CEM (campo magnético estático, campo elétrico estático, campo magnético ELF, campo elétrico ELF, campo magnético VLF, campo elétrico VLF, campo, radiação de radiofrequência), radiação infravermelha, luz visível, radiação UV e radiação ionizante.

 

Tratamento do paciente incluindo o meio ambiente

O método primário de tratamento deve centrar-se principalmente na prevenção ou redução da exposição aos CEM, que reduz ou elimina todas as fontes de CEM em casa e no local de trabalho. A redução da exposição aos CEM também deve ser alargada a escolas, hospitais, transportes públicos, locais públicos como bibliotecas, etc., a fim de permitir às pessoas EHS uma utilização sem entraves (medida de acessibilidade). Muitos exemplos demonstraram que tais medidas podem revelar-se eficazes. No que diz respeito à carga corporal total de outras influências ambientais, elas também devem ser consideradas.

Além da redução dos CEM, outras medidas podem e devem ser consideradas. Estes incluem uma homeostase equilibrada, a fim de aumentar a “resistência” aos CEM. Há evidências crescentes de que o principal efeito dos CEM nos seres humanos é a redução da sua capacidade de regulação oxidativa e nitrosativa. Esta hipótese também explica observações de alteração da sensibilidade aos CEM e o grande número de sintomas relatados no contexto da exposição aos CEM. Com base no conhecimento atualmente disponível, parece útil recomendar uma abordagem de tratamento, como aquelas que estão ganhando terreno para doenças multissistêmicas, que visa minimizar os efeitos adversos do peroxinitrito. Medidas que melhorem o sistema imunológico e reduzam o estresse em combinação com a desintoxicação promoverão a recuperação da EHS.

Deve-se ressaltar que a psicoterapia tem o mesmo significado que em outras doenças. Os produtos oferecidos na forma de placas e similares para “neutralizar” ou “harmonizar” o eletrosmog devem ser avaliados com grande moderação. O estresse psicológico gerado pela falta de compreensão ou apoio da família, amigos e médicos pode exacerbar os sintomas da EHS, assim como o estresse pela exposição. Para uma recuperação rápida, os tratamentos devem ser aplicados ao corpo, mente e espírito do indivíduo.

Em resumo, as seguintes medidas de tratamento e acessibilidade parecem vantajosas, dependendo do caso individual:

Redução da exposição a CEM

Isto deve incluir todos os tipos de exposição a CEM relevantes para a pessoa, especialmente durante o sono e no trabalho – consulte o Capítulo “Redução da exposição a CEM”. Para obter mais informações, consulte, por exemplo, “Opções para minimizar exposições a campos eletromagnéticos/RF/estáticos em ambientes de escritório” ( 268 ) e “Elektrosmog im Alltag” ( 269 ).

Tratamentos de medicina ambiental

Até agora, nenhum tratamento específico para EHS foi estabelecido. Os parágrafos seguintes são recomendações baseadas na experiência combinada da equipe. Podem ser considerados quer como uma tentativa de restaurar a plena capacidade reguladora dos pacientes, como conselhos gerais para uma vida saudável (que podem e devem ser adaptados à situação cultural e individual do paciente), ou como uma abordagem mais direccionada para abordar os problemas específicos dos indivíduos do SHE de acordo com a experiência da equipe.

Seriam necessários ensaios clínicos controlados para avaliar o tratamento ideal e as medidas de acessibilidade. Dados reais indicam que os déficits funcionais, que podem ser encontrados em pacientes com EHS, correspondem àqueles que podemos encontrar na CMI, como MCS, CFS e FM. O objetivo da terapia é a regulação da disfunção fisiológica detectada pelas etapas de diagnóstico (ver capítulo 2 “Exame e Achados”). O principal alvo terapêutico inclui procedimentos gerais e adjuvantes e tratamentos específicos. Estes últimos são desafiadores e necessitam de conhecimento e experiência especiais em tratamentos clínicos de medicina ambiental. Os principais alvos terapêuticos incluem:

  • Controle da carga corporal total

    Além da redução da exposição aos CEM, é indicada a redução da carga corporal total por diversos poluentes ambientais (casa, local de trabalho, escola, hobby), aditivos alimentares e materiais odontológicos.

  • Redução do estresse oxidativo e/ou nitrosativo

    Espécies reativas de oxigênio (ROS) e espécies reativas de nitrogênio (RNS) são radicais livres produzidos naturalmente nas células. Os necrófagos garantem o equilíbrio entre a produção de radicais livres e a taxa de sua remoção. Muitos compostos biologicamente importantes com função antioxidante (AO) foram identificados como necrófagos endógenos e exógenos. Entre os AO endógenos, distinguimos entre AO enzimático (catalase, glutationa peroxidase, glutationa redutase, superóxido dismutase) e AO não enzimático [bilirrubina, ferritina, melatonina, glutationa, metalotionina, N-acetilcisteína (NAC), NADH, NADPH, tioredoxina, 1,4,-bezoquinina, ubiquinona, ácido úrico]. Eles interagem com AO exógenos dietéticos e/ou sintéticos (carotenóides, retinóides, flavonóides, polifenóis, glutationa, ácido ascórbico, tocoferóis).232 ), ( 273 ).

  • Regulação da disfunção intestinal

    Os necrófagos endógenos e exógenos atuam sinergicamente para manter a homeostase redox. Portanto, os antioxidantes dietéticos ou naturais desempenham um papel importante para estabilizar esta interação.

    O tratamento de intestino permeável, intolerância alimentar e alergia alimentar é um pré-requisito para manter a homeostase redox ( 274 ) e também requer conhecimento e experiência especiais.

  • Otimizando a nutrição

    Os alimentos bioativos são a principal fonte de componentes antioxidantes, como vitamina C, vitamina E, NAC, carotenóides, CoQ10, ácido alfa-lipóico, licopeno, selênio e flavonóides (275), ( 276 ) . Por exemplo, a regeneração da vitamina E pela glutationa ou vitamina C é necessária para prevenir a peroxidação lipídica. Os antioxidantes dietéticos só podem ter efeitos benéficos no sistema redox se estiverem presentes em níveis de concentração suficientes ( 273 ). O ácido alfa-lipóico atua direta e indiretamente como um eliminador de radicais livres, incluindo oxigênio singlete, superóxido, radicais peroxil e os radicais de degradação do peroxinitrito ( 232). Foi demonstrado que o número de elétrons livres nos micronutrientes determina a sua eficácia. Nos alimentos orgânicos, o número de elétrons livres é maior do que nos alimentos produzidos convencionalmente ( 277 ). Especialmente no caso de intolerâncias alimentares, é necessária a substituição personalizada de micronutrientes na forma de suplementos.

  • Controle da inflamação (silenciosa)

    Níveis elevados de óxido nítrico e a reação com superóxido sempre levam a níveis elevados de peroxinitrato, que induzem níveis de ERO como nenhuma outra substância faz (ciclo NO/ONOO−). Como resultado, o fator nuclear κB (NF-κB) é ativado, induzindo citocinas inflamatórias como fator de necrose tumoral α (TNF-α), interleucina-1β (IL-1β), interleucina-6 (IL-6), interleucina -8 (IL-8) e interferon gama (IFN-γ) e ativação de várias NO sintases ( 232 ). Tocoferóis ( 278 ), ( 279 ), carotenóides em baixos níveis de concentração ( 280 ), vitamina C ( 281 ), ( 282 ), NAC ( 283 ), curcumina ( 284 ), resveratrol ( 285 ), ( 286) .), os flavonóides ( 287 ) demonstraram interromper esta cascata inflamatória em vários pontos.

  • Normalização da função mitocondrial

    A função mitocondrial pode ser perturbada de duas maneiras. Primeiro: a grande quantidade de radicais livres pode bloquear a produção de trifosfato de adenosina (ATP), causando dores musculares e fadiga. Segundo: no caso da inflamação silenciosa (latente), a necessidade de mais energia é elevada em 25% ( 236 ), causando um elevado consumo de ATP. Neste caso, NADH, L-carnitina e CoQ10 são essenciais para a síntese de ATP.

    Devido à falta de ATP, a regulação do estresse das catecolaminas, especialmente da noradrenalina (NE), é reduzida porque o catabolismo da NE pela S-adenosilmetionina é dependente de ATP ( 288 ), ( 289 ), ( 290 ). Além disso, a regulação do estresse tem uma grande demanda por ácido fólico, vitamina B6 e metilcobalamina. Os polimorfismos genéticos da COMT e da MTHFR influenciam a necessidade individual dessas substâncias ( 244 ), ( 291 ).

  • Desintoxicação

    Nos seres humanos, a acumulação de toxinas ambientais tem um perfil individual de muitos produtos químicos inorgânicos e orgânicos diferentes, que constituem a carga corporal total ( 292 ).

    Entre as substâncias inorgânicas, os metais e seus sais desempenham o papel dominante e podem ser importantes para os pacientes com EHS. O mercúrio elementar (Hg°) e outros metais pesados, como o chumbo (Pb), acumulam-se no cérebro ( 293 ), especialmente na exposição crónica a baixas doses. Eles podem ter efeitos tóxicos e induzir várias reações imunológicas ( 294 ), ( 295 ). Embora geralmente não exista nenhuma substância ativa específica para a desintoxicação de produtos químicos, existem dois grupos de substâncias com efeitos mais específicos que podem ser utilizados para a desintoxicação de metais.

    1. Substâncias com efeitos fisiológicos inespecíficos: glutationa, NAC, ácido alfalipóico, vitamina C e selênio.

    2. Agentes quelantes para desintoxicação de metais ( 296 ), ( 297 ), ( 298 ): os agentes quelantes mais importantes são tiossulfato de sódio 10%, DMPS (ácido 2,3-dimercapto-1-propanossulfônico), DMSA (ácido mesodimercaptosuccínico) e EDTA (ácido 2,22,23,232-etano-1,2-diildinitrotetracético).

     

    Deve-se notar que estas substâncias devem ser utilizadas apenas por pessoas designadas como especialistas nesta área específica.

  • Terapias adjuvantes

    1. Água potável

      Por razões de desintoxicação, é necessária uma maior ingestão de água potável de alta qualidade, com baixo teor de minerais e sem CO 2 . A quantidade de ingestão deve variar de 2,5 a 3,0 L (10–12 copos de 8 onças) diariamente.

    2. Luz

      A maioria das pessoas no centro e norte da Europa tem falta de vitamina D. A exposição suficiente à luz natural durante os meses de produção de vitamina D (da Primavera ao Outono) é um factor importante. Ao mesmo tempo, é necessária a prevenção de danos actínicos à pele. Além da luz solar natural, a fototerapia e os lasers de baixa intensidade podem promover a cura, reduzir a inflamação, promover a circulação e aumentar a produção celular de ATP.

    3. Sauna

      A sauna e a hipertermia terapêutica são uma terapia adjuvante para a desintoxicação de quase todos os xenobióticos. Essas terapias devem ser usadas com cuidado. Ocorre uma interação com drogas desintoxicantes. A sauna ajuda a regenerar a tetra-hidrobiopterina a partir da di-hidrobiopterina, que é essencial para o metabolismo das catecolaminas e da serotonina ( 299 ). No entanto, nem todas as saunas são iguais. São recomendadas saunas tradicionais ou saunas infravermelhas com baixos campos elétricos e magnéticos que não utilizam colas tóxicas e madeira tratada quimicamente.

    4. Oxigênio

      Uma parte dos pacientes com EHS sofre de disfunção mitocondrial. O oxigênio natural suficiente é útil. Como tanto a hipóxia quanto o oxigênio hiperbárico podem produzir estresse oxidativo, a oxigenoterapia hiperbárica só deve ser realizada se os pacientes forem tratados com antioxidantes suficientes ao mesmo tempo.

    5. Exercício

      A quantidade ideal de exercício ainda está sendo debatida. A capacidade física de uma pessoa deve ser avaliada por ergometria para prescrever um regime individual de exercícios. A experiência da medicina ambiental indica que, para pessoas doentes, apenas devem ser utilizados exercícios aeróbicos de baixo impacto. Em geral, comece com uma carga de trabalho de 20 a 30 watts, que muitas vezes pode ser concluída com 60 a 70 watts. O exercício em ergômetro permite um melhor controle do consumo de energia em comparação com caminhada ou corrida. Nenhuma fadiga deve resultar do exercício, pelo menos depois de meia hora.

    6. Dormir

      Problemas de sono são muito comuns em pacientes com EHS. Os distúrbios do sono estão associados a um nível reduzido de melatonina. No caso da inflamação crónica, a ativação da IDO (indolamina-2,3-dioxigenase) reduz a produção de serotonina e, por sua vez, também reduz os níveis de melatonina. A exposição aos CEM pode bloquear a atividade parassimpática enquanto a atividade simpática persiste. No que diz respeito aos distúrbios do sono, qualquer terapia deve seguir as causas patogênicas. O sono ideal é necessário para economizar energia e regular as funções dos sistemas imunológico e neuroendócrino.

    7. Proteção contra luz azul

      Comprimentos de onda de luz visível abaixo de 500 nm são chamados de “luz azul”. Doses baixas de luz azul podem aumentar a sensação de bem-estar, mas quantidades maiores podem ser prejudiciais aos olhos. À luz natural, os efeitos nocivos da “luz azul” são compensados ​​pelo efeito regenerativo do conteúdo vermelho e infravermelho. O uso crescente de fontes de luz eletrônicas – como tubos fluorescentes e lâmpadas fluorescentes compactas (CFL), telas de computadores, laptops, tablets, smartphones e certas lâmpadas LED – aumentou nossa exposição à “luz azul”, que neste nível é suspeita de desempenhar um papel no desenvolvimento da degeneração macular relacionada à idade e do desalinhamento circadiano por meio da supressão da melatonina, que está associada a um risco aumentado de distúrbios do sono, obesidade, diabetes mellitus, depressão, doença cardíaca isquêmica, acidente vascular cerebral e câncer. A exposição prolongada à “luz azul” artificial à noite deve, portanto, ser limitada. Antioxidantes, especialmente melatonina (300 ), ( 301 ) e filtros de tela de luz azul ( 302 ), ( 303 ), ( 304 ) podem ser úteis.

    8. Exposição aos campos eletromagnéticos naturais da Terra.

      A maioria das pessoas nos centros urbanos está desconectada do aterramento natural/campos magnéticos da Terra por andar com sapatos com sola de borracha, usar roupas sintéticas, dirigir em caixas de metal com rodas de borracha e viver e trabalhar em edifícios de concreto que são permeados por campos eletromagnéticos artificiais e radiação. Passar um tempo na floresta, andar descalço na praia, deitar na grama, sentar nas pedras ou passear ao ar livre após uma chuva ajuda a ancorar uma pessoa e a equilibrar os íons carregados positivamente, muitas vezes aumentados, que estão associados a problemas de saúde.

     

 

Medicina dentária

A medicina dentária ainda trabalha com materiais tóxicos ou imunorreactivos, por exemplo, mercúrio, óxido de chumbo, ouro e titânio. A medicina dentária ambiental exige que estes materiais não sejam utilizados ( 305 ), ( 306 ), ( 307 ), ( 308 ). A remoção de materiais dentários tóxicos deve ocorrer em condições máximas de segurança (evitar inalação!). A eliminação de metais particularmente pesados ​​do corpo pode ser indicada. Em termos gerais, os materiais endoprotéticos devem ser inertes no que diz respeito à imunorreactividade. Com base no nosso conhecimento atual, o dióxido de zircónio parece ser um material neutro. Contudo, a abrasão mecânica da superfície revestida pelo dentista deve ser evitada.

Metais imunotóxicos apresentam fisiopatologia semelhante em relação ao estresse oxidativo, mitocondriopatia e inflamação.

Coaching de estilo de vida

O coaching de estilo de vida pode incluir exercícios equilibrados, nutrição, redução de substâncias viciantes, mudança de hábitos de sono, etc. e medidas de redução do estresse (redução do estresse geral e do estresse no trabalho), bem como métodos para aumentar a resistência ao estresse por meio, por exemplo, de treinamento autogênico, ioga , relaxamento muscular progressivo, técnicas de respiração, meditação, tai chi e qigong.

Tratamento dos sintomas

Um tratamento bem equilibrado dos sintomas justifica-se até que as causas tenham sido identificadas e eliminadas. No entanto, é de suma importância perceber que a redução dos sintomas pode colocar a pessoa em risco de um aumento da carga ambiental de CEM, gerando assim possíveis efeitos futuros e a longo prazo na saúde, incluindo danos neurológicos e cancro. O médico assistente enfrenta uma tarefa ética muito difícil ao fazê-lo, e os riscos associados devem ser apontados – de forma igualmente equilibrada – ao paciente em questão. De uma perspectiva ética, tratar os sintomas é, obviamente, um bom começo para proporcionar alívio imediato, mas – sem uma redução simultânea da exposição ambiental e um estilo de vida – pode revelar-se contraproducente a longo prazo. Para um médico convencionalmente treinado, esta pode parecer uma forma muito nova de raciocínio, mas é a única maneira de aliviar os sintomas com sucesso e eficácia e de alcançar a recuperação clínica completa ao lidar com doenças multissistêmicas crônicas (CMI) e EHS. Embora, mesmo que as causas não sejam conhecidas à partida, já é importante, nesta fase, fornecer conselhos sobre como reduzir a exposição de uma pessoa a campos electromagnéticos e outros factores de stress ambientais para prevenir maiores danos e promover a cura.

Referências

1. Hanninen O, Knol AB, Jantunen M, Lim TA, Conrad A, et al. Carga ambiental das doenças na Europa: avaliando nove factores de risco em seis países. Perspectiva de Saúde Ambiental 2014;122(5):439–46.10.1289/ehp.1206154Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

2. Bundespsychotherapeutenkammer. BPtK-Studie zur Arbeitsunfähigkeit – Psychische Erkrankungen und Burnout [Internet]. Berlim (DE): Bundespsychotherapeutenkammer, 2012:29. Relatório 2012. Disponível em: http://www.bptk.de/uploads/media/20120606_AU-Studie-2012.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

3. Bundespsychotherapeutenkammer. BPtK-Studie zur Arbeits- und Erwerbsunfähigkeit – Psychische Erkrankungen und gesundheitsbedingte Frühverrentung [Internet]. Berlim (DE): Bundespsychotherapeutenkammer, 2013:66. Relatório 2013. Disponível em: http://www.bptk.de/uploads/media/20140128_BPtK-Studie_zur_Arbeits-und_Erwerbsunfaehigkeit_2013_1.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

4. Fritze J. Psychopharmaka-Verordnungen: Ergebnisse und Kommentare zum Arzneiverordnungsreport 2011. Psychopharmakotherapie 2011;18:245–56.Pesquise no Google Acadêmico

5. Bundesinstitut für Arzneimittel und Medizinprodukte. Erstmals seit 20 Jahren kein Anstieg beim Methylphenidat-Verbrauch [Internet]. Bonn (DE): Bundesinstitut für Arzneimittel und Medizinprodukte, 1 de abril de 2014. Pressemitteilung Nummer 05/14; Disponível em: https://www.bfarm.de/SharedDocs/Pressemitteilungen/DE/mitteil2014/pm05-2014.html .Pesquise no Google Acadêmico

6. Badura B, Ducki A, Schroder H, Klose J, Meyer M, editores. Fehlzeiten-Report 2012. Berlim, Heidelberg (DE): Springer Verlag, 2012:528pp.10.1007/978-3-642-29201-9Pesquise no Google Acadêmico

7. OCDE. Panorama da Saúde 2013: Indicadores da OCDE [Internet]. Paris (FR): OCDE Publishing, 2013:212 p.10.1787/health_glance-2013-en . Disponível em: http://dx.DOI.org/10.1787/health_glance-2013-en .Pesquise no Google Acadêmico

8. Pawankar R, Canonica GW, Holgate ST, Lockey RF, editores. Livro branco da WAO sobre alergia 2011–2012 [Internet]. Milwaukee, WI (EUA): Organização Mundial de Alergia, 2013:228. Disponível em: http://www.worldallergy.org/UserFiles/file/WAO-White-Book-on-Allergy.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

9. Grupo de Trabalho BioInitiative, Sage C, Carpenter DO, editores. Relatório BioInitiative: Uma justificativa para um padrão de exposição pública com base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF) em www.bioinitiative.org , 31 de agosto de 2007.Pesquise no Google Acadêmico

10. Grupo de Trabalho BioInitiative, Sage C, Carpenter DO, editores. Relatório BioInitiative: Uma justificativa para um padrão de exposição pública com base biológica para radiação eletromagnética em www.bioinitiative.org , 31 de dezembro de 2012.Pesquise no Google Acadêmico

11. Levitt B, Lai H. Efeitos biológicos da exposição à radiação eletromagnética emitida por estações base de torres celulares e outros conjuntos de antenas. Meio Ambiente Rev 2010;18:369–95.10.1139/A10-018Pesquise no Google Acadêmico

12. PallML. As evidências científicas contradizem as descobertas e suposições do painel de segurança canadense 6: as micro-ondas agem através da ativação do canal de cálcio dependente de voltagem para induzir impactos biológicos em níveis não térmicos, apoiando uma mudança de paradigma para a ação do campo eletromagnético de micro-ondas/frequência mais baixa. Rev Environ Health 2015;30(2):99–116.10.1515/reveh-2015-0001Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

13. Binhi VN. Magnetobiologia: Problemas Físicos Subjacentes. San Diego: Academic Press, 2002:1–473.Pesquise no Google Acadêmico

14. Binhi VN. Princípios de biofísica eletromagnética (em russo). Moscou (RU): Fizmatlit, 2011:1–571.Pesquise no Google Acadêmico

15. Georgiou CD. Danos biológicos induzidos por estresse oxidativo por CEM de baixo nível: mecanismo de polarização de spin de elétrons de pares de radicais livres e amplificação bioquímica. In: Giuliani L, Soffritti M, editores. Efeitos não térmicos e mecanismos de interação entre campos eletromagnéticos e matéria viva. Bolonha (IT): Instituto Ramazzini, 2010. European Journal of Oncology – Library Vol. 5. páginas 63–113. Disponível em: http://www.icems.eu/papers.htm?f=/c/a/2009/12/15/MNHJ1B49KH.DTL .Pesquise no Google Acadêmico

16. PallML. Os campos eletromagnéticos atuam através da ativação de canais de cálcio dependentes de voltagem para produzir efeitos benéficos ou adversos. J Cell Mol Med 2013;17(8):958–65.10.1111/jcmm.12088Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

17. Blank M, Goodman R. Os campos eletromagnéticos estressam as células vivas. Fisiopatologia 2009;16(2–3):71–8.10.1016/j.pathophys.2009.01.006Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

18. Blackman C. Radiação de telefones celulares: evidências de estudos ELF e RF que apoiam uma identificação e avaliação de riscos mais inclusivas. Fisiopatologia 2009;16(2–3):205–16.10.1016/j.pathophys.2009.02.001Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

19. Hedendahl L, Carlberg M, Hardell L. Hipersensibilidade eletromagnética – um desafio crescente para a profissão médica. Rev Environ Health 2015;30(4):209–15.10.1515/reveh-2015-0012Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

20. Comissão Internacional sobre Proteção contra Radiações Não Ionizantes. Diretrizes para limitar a exposição a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos variáveis ​​no tempo (até 300 GHz). Física da Saúde 1998;74(4):494–522.Pesquise no Google Acadêmico

21. Comissão Internacional sobre Proteção contra Radiações Não Ionizantes. Diretrizes para limitar a exposição a campos elétricos e magnéticos variáveis ​​no tempo (1 Hz a 100 kHz). Saúde Física 2010;99(6):818–36.10.1097/HP.0b013e3181f06c86Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

22. Belyaev I. Mecanismos biofísicos para efeitos não térmicos de microondas. In: Markov M, editor. Campos eletromagnéticos em biologia e medicina. Boca Raton, Londres, Nova York: CRC Press 2015:49–68.Pesquise no Google Acadêmico

23. Belyaev I. Efeitos do campo eletromagnético nas células e riscos de câncer decorrentes da comunicação móvel. In: Rosch PJ, editor. Medicina bioeletromagnética e de energia sutil, 2ª ed. Boca Raton, Londres, Nova York: CRC Press, 2015:517–39.Pesquise no Google Acadêmico

24. Grupo de Trabalho da IARC sobre Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos. Radiação Não Ionizante, Parte 2: Campos Eletromagnéticos de Radiofrequência. Lyon (FR): Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC), 2013:480. Monografias da IARC sobre a Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos, Vol 102. Disponível em: http://monographs.iarc.fr/ENG/Monographs/vol102/ .Pesquise no Google Acadêmico

25. Vecchia P. ICNIRP e padrões internacionais. Londres (GB): Conferência EMF e Saúde, 2008:28. Disponível em: http://archive.radiationresearch.org/conference/downloads/021145_vecchia.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

26. Panagopoulos DJ, Johansson O, Carlo GL. Avaliação da taxa de absorção específica como grandeza dosimétrica para bioefeitos de campos eletromagnéticos. PLoS One 2013;8(6):e62663.10.1371/journal.pone.0062663Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

27. Belyaev I. Dependência dos efeitos biológicos não térmicos das microondas em variáveis ​​físicas e biológicas: implicações para a reprodutibilidade e padrões de segurança [Internet]. In: Giuliani L, Soffritti M, editores. Efeitos não térmicos e mecanismos de interação entre campos eletromagnéticos e matéria viva. Bolonha (IT): Instituto Ramazzini, 2010. European Journal of Oncology – Library Vol. 5. páginas 187–218. Disponível em: http://www.icems.eu/papers.htm?f=/c/a/2009/12/15/MNHJ1B49KH.DTL .Pesquise no Google Acadêmico

28. Grigoriev YG, Stepanov VS, Nikitina VN, Rubtcova NB, Shafirkin AV, et al. Relatório ISTC. Efeitos biológicos dos campos eletromagnéticos de radiofrequência e as diretrizes de radiação. Resultados de experiências realizadas na Rússia/União Soviética. Moscou: Instituto de Biofísica, Ministério da Saúde, Federação Russa, 2003.Pesquise no Google Acadêmico

29.SanPiN 2.2.4/2.1.8. Radiação eletromagnética de radiofrequência (RF EMR) em condições ocupacionais e de vida. Moscou: Minzdrav. [2.2.4/2.1.8.055-96] 1996.Pesquise no Google Acadêmico

30. Grupo de Trabalho da IARC sobre Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos. Radiação Não Ionizante, Parte 1: Campos Elétricos e Magnéticos Estáticos e de Frequência Extremamente Baixa (ELF). Lyon (FR): Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC), 2002:445. Monografias da IARC sobre a Avaliação de Riscos Carcinogênicos para Humanos, VOL 80. Disponível em: http://monographs.iarc.fr/ENG/Monographs/vol80/ .Pesquise no Google Acadêmico

31. Oberfeld G. Precaução em Ação – Conselhos de Saúde Pública Global Seguindo BioInitiative 2007. Em Sage C, Carpenter DO, editores. Relatório BioInitiative 2012: Uma justificativa para um padrão de exposição pública com base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2012. Disponível em: http://www.bioinitiative.org .Pesquise no Google Acadêmico

32. Comissão Internacional para Segurança Eletromagnética (ICEMS), Resoluções. Disponível em: http://www.icems.eu/resolution.htm .Pesquise no Google Acadêmico

33. Radiação eletromagnética de radiofrequência e a saúde dos canadenses. Relatório do Comitê Permanente de Saúde, JUNHO DE 2015, Parlamento do Canadá, Ottawa, Ontário. Disponível em: http://www.parl.gc.ca/content/hoc/Committee/412/HESA/Reports/RP8041315/hesarp13/hesarp13-e.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

34. Havas M. Perspectiva de especialistas internacionais sobre os efeitos dos campos eletromagnéticos (EMF) e da radiação eletromagnética (EMR) na saúde [Internet]. Peterborough, ON, (CD): 11 de junho de 2011 (atualizado em julho de 2014). Disponível em: http://www.magdahavas.com/international-experts-perspective-on-the-health-effects-of-electromagnetic-fields-emf-and-electromagnetic-radiation-emr/ .Pesquise no Google Acadêmico

35. Agência Europeia do Ambiente. Avaliação do risco de radiação de dispositivos do dia a dia [Internet]. Copenhague (DK): 17 de setembro de 2007. Disponível em: http://www.eea.europa.eu/highlights/radiation-risk-from-everyday-devices-assessed .Pesquise no Google Acadêmico

36. Agência Europeia do Ambiente. Riscos para a saúde decorrentes da radiação dos telemóveis – por que os especialistas discordam [Internet]. Copenhague (DK): 12 de outubro de 2011. Disponível em: http://www.eea.europa.eu/highlights/health-risks-from-mobile-phone .Pesquise no Google Acadêmico

37. Agência Europeia do Ambiente. Lições tardias de alertas precoces: ciência, precaução, inovação [Internet]. Copenhaga (DK): 23 de janeiro de 2013. Relatório EEE n.º 1/2013. Disponível em: http://www.eea.europa.eu/publications/late-lessons-2 .Pesquise no Google Acadêmico

38. Parlamento da UE. Relatório sobre preocupações de saúde associadas a campos eletromagnéticos. Bruxelas (BE): Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar do Parlamento Europeu. Relator: Frederique Ries (2008/2211(INI) [Internet]. Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?pubRef=-//EP//NONSGML+REPORT+A6- 2009-0089+0+DOC+PDF+V0//EN .Pesquise no Google Acadêmico

39. Parlamento da UE. Resolução do Parlamento Europeu, de 2 de abril de 2009, sobre preocupações de saúde associadas a campos eletromagnéticos [Internet]). Bruxelas (BE): Parlamento Europeu, 2 de abril de 2009. Disponível em: http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?pubRef=-//EP//TEXT+TA+P6-TA-2009 -0216+0+DOC+XML+V0//EN .Pesquise no Google Acadêmico

40. Fragopoulou A, Grigoriev Y, Johansson O, Margaritis LH, Morgan L, et al. Painel científico sobre riscos à saúde em campos eletromagnéticos: pontos de consenso, recomendações e justificativas. Saúde Ambiental 2010;25(4):307–17.Pesquise no Google Acadêmico

41. Gesichtspunkte zur aktuellen gesundheitlichen Bewertung des Mobilfunks. Empfehlung des Obersten Sanitätsrates. Agosto 14/05; Bundesministerium für Gesundheit. Viena (AT). Disponível em: http://www.bmg.gv.at/cms/home/attachments/1/9/2/CH1238/CMS1202111739767/mobilfunk_osr_empfehlungen.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

42. Conselho da Europa – Assembleia Parlamentar. Os perigos potenciais dos campos eletromagnéticos e seus efeitos no meio ambiente. Resolução, doutor. 1815, Texto aprovado pela Comissão Permanente, agindo em nome da Assembleia, em 27 de maio de 2011 [Internet]. Disponível em: http://assembly.coe.int/nw/xml/XRef/Xref-XML2HTML-en.asp?fileid=17994&lang=en .Pesquise no Google Acadêmico

43. Reitor AL, Rea WJ. Recomendações da Academia Americana de Medicina Ambiental em relação à exposição eletromagnética e de radiofrequência [Internet]. Wichita, KS (EUA): Comitê Executivo da Academia Americana de Medicina Ambiental, 12 de julho de 2012. Disponível em: https://www.aaemonline.org/pdf/AAEMEMFmedicalconditions.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

44. Serviço Público Federal (FPS) de Saúde, Segurança da Cadeia Alimentar e Meio Ambiente. Telemóveis e crianças – Nova regulamentação para a venda de telemóveis a partir de 2014 [Internet]. Bruxelas (BE): Serviço Público Federal (FPS) Saúde, Segurança da Cadeia Alimentar e Ambiente, 12 de janeiro de 2016. Disponível em: http://www.health.belgium.be/en/mobile-phones-and-children .Pesquise no Google Acadêmico

45. Assembleia Nacional. PROPOSIÇÃO DE LOI relativa à sobriedade, à transparência, à informação e à concertação em matéria de exposição aux ondes electromagnetiques. Paris (FR): Assemblėe Nationale, França, 29 de janeiro de 2015. Disponível em: http://www.assemblee-nationale.fr/14/pdf/ta/ta0468.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

46. ​​Blank M, Havas M, Kelley E, Lai H, Moskowitz JM. Apelo Internacional de Cientistas EMF [Internet]. 11 de maio de 2015. Disponível em: https://www.emfscientist.org/index.php/emf-scientist-appeal .Pesquise no Google Acadêmico

47. Declaração Científica Internacional sobre Hipersensibilidade Eletromagnética e Sensibilidade Química Múltipla. Na sequência do 5º Congresso de Apelo de Paris que teve lugar no dia 18 de maio de 2015 na Royal Academy of Medicine, Bruxelas, Bélgica. Disponível em: http://appel-de-paris.com/wp-content/uploads/2015/09/Statement-EN.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

48. Wertheimer N, Leeper E. Configurações de fiação elétrica e câncer infantil. Am J Epidemiol 1979;109(3):273–84.10.1093/oxfordjournals.aje.a112681Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

49. Robinette CD, Silverman C, Jablon S. Efeitos sobre a saúde da exposição ocupacional à radiação de microondas (radar). Am J Epidemiol 1980;112:39–53.10.1093/oxfordjournals.aje.a112975Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

50. Ahlbom A, Dia N, Feychting M, Roman E, Skinner J, et al. Uma análise conjunta de campos magnéticos e leucemia infantil. Br J Câncer 2000;83(5):692–8.10.1054/bjoc.2000.1376Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

51. Groenlândia S, Sheppard AR, Kaune WT, Poole C, Kelsh MA. Uma análise conjunta de campos magnéticos, códigos de fios e leucemia infantil. Grupo de Estudo sobre Leucemia Infantil-EMF. Epidemiologia 2000;11(6):624–34.10.1097/00001648-200011000-00003Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

52. Kheifets L, Ahlbom A, Crespi CM, Draper G, Hagihara J, et al. Análise conjunta de estudos recentes sobre campos magnéticos e leucemia infantil. Br J Câncer 2010;103(7):1128–35.10.1038/sj.bjc.6605838Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

53. Zhao L, Liu X, Wang C, Yan K, Lin X, et al. Exposição a campos magnéticos e risco de leucemia infantil: uma meta-análise baseada em 11.699 casos e 13.194 controles. Leuk Res 2014;38(3):269–74.10.1016/j.leukres.2013.12.008Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

54. Yang Y, Jin X, Yan C, Tian Y, Tang J, et al. Estudo apenas de caso de interações entre genes de reparo de DNA e campos eletromagnéticos de baixa frequência na leucemia aguda infantil. Linfoma de Leuk 2008;29(12):2344.10.1080/10428190802441347Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

55. Kundi M. Evidência de câncer infantil (Leucemia). In: Sage C, Carpenter DO, editores. O Relatório BioInitiative 2012. Uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2012, http://www.bioinitiative.org/ .Pesquise no Google Acadêmico

56. Sage C. Resumo para o público. In: Sage C, Carpenter DO, editores. The BioInitiative Report 2012. Uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2012. Disponível em: http://www.bioinitiative.org .Pesquise no Google Acadêmico

57. Hardell L, Nasman A, Pahlson A, Hallquist A, Hansson Mild K. Uso de telefones celulares e o risco de tumores cerebrais: um estudo de caso-controle. 15(1):113–6.10.3892/ijo.15.1.113Pesquise no Google Acadêmico

58. Coureau G, Bouvier G, Lebailly P, Fabbro-Peray P, Gruber A, et al. Uso de telefone celular e tumores cerebrais no estudo caso-controle CERENAT. Ocupar Environ Med 2014;71(7):514–22.10.1136/oemed-2013-101754Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

59. Hardell L, Carlberg M, Soderqvist F, Mild KH. Estudo caso-controle da associação entre tumores cerebrais malignos diagnosticados entre 2007 e 2009 e uso de telefone celular e sem fio. 43(6):1833–45.10.3892/ijo.2013.2111Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

60. Hardell L, Carlberg M, Soderqvist F, Mild KH. Análise agrupada de estudos caso-controle sobre neuroma acústico diagnosticado entre 1997–2003 e 2007–2009 e uso de telefones celulares e sem fio. 43(4):1036–44.10.3892/ijo.2013.2025Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

61. Hardell L, Carlberg M. Usando os pontos de vista de Hill de 1965 para avaliar a força das evidências do risco de tumores cerebrais associados ao uso de telefones celulares e sem fio. Rev Saúde Ambiental 2013;28:97–106.10.1515/reveh-2013-0006Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

62. Carlberg M, Hardell L. Diminuição da sobrevida de pacientes com glioma com astrocitoma grau IV (glioblastoma multiforme) associada ao uso prolongado de telefones celulares e sem fio. Int J Environ Res Saúde Pública 2014;11(10):10790–805.10.3390/ijerph111010790Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

63. Hardell L, Carlberg M. Uso de telefones celulares e telefones sem fio e o risco de glioma – Análise de estudos de caso-controle agrupados na Suécia, 1997–2003 e 2007–2009. Fisiopatologia 2015;22(1):1–13.10.1016/j.pathophys.2014.10.001Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

64. West JG, Kapoor NS, Liao SY, Chen JW, Bailey L, et al. Câncer de mama multifocal em mulheres jovens com contato prolongado entre as mamas e o celular. Caso Rep Med 2013;2013:354682.10.1155/2013/354682Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

65. Levis AG, Gennaro V, Garbisa S. Viés empresarial como sempre: o caso da poluição eletromagnética. In: Elsner W, Frigato P, Ramazzotti P, editores. Custos sociais hoje. Economia Institucional e Crises Contemporâneas. Londres e Nova York: Routledge (Taylor & Francis Group), 2012:225–68.Pesquise no Google Acadêmico

66. Lai H. Efeitos genéticos de campos eletromagnéticos não ionizantes Bioiniciativa 2012: Uma justificativa para um padrão de exposição pública com base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF). Sábio C e Carpinteiro DO. http://www.bioinitiative.org/ : 1-59.Pesquise no Google Acadêmico

67. Huss A, Egger M, Hug K, Huwiler-Müntener K, Röösli M. Fonte de financiamento e resultados de estudos sobre os efeitos do uso de telefones celulares na saúde: revisão sistemática de estudos experimentais. Cien Saúde Colet 2008;13(3):1005–12.10.1590/S1413-81232008000300022Pesquise no Google Acadêmico

68. Apollonio F, Liberti M, Paffi A, Merla C, Marracino P, et al. Viabilidade da energia das microondas afetar sistemas biológicos através de mecanismos não térmicos: uma abordagem sistemática. Tecnologia de Teoria Trans Microw do IEEE 2013;61(5):2031–45.10.1109/TMTT.2013.2250298Pesquise no Google Acadêmico

69. Cucurachi S, Tamis WL, Vijver MG, Peijnenburg WJ, Bolte JF, et al. Uma revisão dos efeitos ecológicos dos campos eletromagnéticos de radiofrequência (RF-EMF). Meio Ambiente Int 2013;51:116–40.10.1016/j.envint.2012.10.009Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

70. Belyaev IY, Alipov YD, Harms-Ringdahl M. Efeitos de ELF fraco em células de E-coli e linfócitos humanos: papel dos parâmetros genéticos, fisiológicos e físicos. In: Bersani F, editor. Eletricidade e magnetismo em biologia e medicina. Nova York: Kluwer Academic/Plenum Publ, 1999:481–4.10.1007/978-1-4615-4867-6_113Pesquise no Google Acadêmico

71. Belyaev IY, Alipov ED. Efeitos dependentes da frequência do campo magnético ELF na conformação da cromatina em células de Escherichia coli e linfócitos humanos. Biochim Biophys Acta 2001;1526(3):269–76.10.1016/S0304-4165(01)00138-6Pesquise no Google Acadêmico

72. Sarimov R, Alipov ED, Belyaev IY. Campos magnéticos de cinquenta hertz afetam individualmente a conformação da cromatina em linfócitos humanos: dependência da amplitude, temperatura e estado inicial da cromatina. Bioeletromagnética 2011;32(7):570–9.10.1002/bem.20674Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

73. Belyaev IY, Hillert L, Protopopova M, Tamm C, Malmgren LO, et al. Microondas de 915 MHz e campo magnético de 50 Hz afetam a conformação da cromatina e os focos 53BP1 em linfócitos humanos de pessoas hipersensíveis e saudáveis. Bioeletromagnética 2005;26(3):173–84.10.1002/bem.20103Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

74. Markovà E, Hillert L, Malmgren L, Persson BR, Belyaev IY. Microondas de telefones celulares GSM afetam focos 53BP1 e gama-H2AX em linfócitos humanos de pessoas saudáveis ​​e hipersensíveis. Perspectiva de Saúde Ambiental 2005;113(9):1172–7.10.1289/ehp.7561Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

75. Belyaev IY, Markovà E, Hillert L, Malmgren LO, Persson BR. Microondas de telefones celulares UMTS/GSM induzem inibição duradoura de focos de reparo de DNA 53BP1/g-H2AX em linfócitos humanos. Bioeletromagnética 2009;30(2):129–41.10.1002/bem.20445Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

76. Sarimov R, Malmgren LO, Markova E, Persson BR, Belyaev IY. As microondas GSM não térmicas afetam a conformação da cromatina em linfócitos humanos de forma semelhante ao choque térmico. 32(4):1600–8.10.1109/TPS.2004.832613Pesquise no Google Acadêmico

77. Markovà E, Malmgren LOG, Belyae IY. As microondas dos telemóveis inibem a formação do foco 53BP1 em células estaminais humanas mais fortemente do que em células diferenciadas: possível ligação mecanística ao risco de cancro. Perspectiva de Saúde Ambiental 2010;118(3):394–9.10.1289/ehp.0900781Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

78. Organização Mundial da Saúde (OMS). Radiofrequência e microondas. Critérios de Saúde Ambiental 16, Genebra (CH): OMS, 1981. Disponível em: http://www.inchem.org/documents/ehc/ehc/ehc016.htm .Pesquise no Google Acadêmico

79. Organização Mundial da Saúde (OMS). Campos de frequência extremamente baixa (ELF). Critérios de Saúde Ambiental 35, Genebra (CH): OMS, 1984. Disponível em: http://www.inchem.org/documents/ehc/ehc/ehc35.htm .Pesquise no Google Acadêmico

80. Haynal A, Regli F. Zusammenhang der amyotrophischen Lateralsklerose mit gehäuften Elektrotraumata [Esclerose lateral amiotrófica associada a lesão elétrica acumulada]. Confin Neurol 1964;24:189–98.10.1159/000104117Pesquise no Google Acadêmico

81. Şahin A, Aslan A, Baş O, İkinci A, Özyılmaz C, et al. Impactos deletérios de um campo eletromagnético de 900 MHz em neurônios piramidais do hipocampo de ratos machos Sprague Dawley com 8 semanas de idade. Brain Res 2015;1624:232–8.10.1016/j.brainres.2015.07.042Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

82. Schliephake E. Arbeitsergebnisse auf dem Kurzwellengebiet [Resultados do trabalho na área de ondas curtas]. Dtsch Med Wochenschr 1932;58(32):1235–41.10.1055/s-0028-1123572Pesquise no Google Acadêmico

83. Sadchikova M.N. Estado do sistema nervoso sob influência de UHF. In: Letavet AA, Gordon ZV, editores. A ação biológica das frequências ultra-altas. Moscou: Academia de Ciências Médicas, 1960:25–9.Pesquise no Google Acadêmico

84. Von Klitzing L. Campos eletromagnéticos pulsados ​​de baixa frequência influenciam o EEG do homem. Física Médica 1995;11:77–80.Pesquise no Google Acadêmico

85. Reiser H, Dimpfel W, Schober F. A influência dos campos eletromagnéticos na atividade cerebral humana. Eur J Med Res 1995;1(1):27–32.Pesquise no Google Acadêmico

86. Röschke J, Mann K. Nenhum efeito de curto prazo do radiotelefone móvel digital no eletroencefalograma humano acordado. Bioeletromagnética 1997;18(2):172–6.10.1002/(SICI)1521-186X(1997)18:2<172::AID-BEM10>3.0.CO;2-TPesquise no Google Acadêmico

87. Hietanen M, Kovala T, Hamalainen AM. Atividade cerebral humana durante exposição a campos de radiofrequência emitidos por telefones celulares. Scand J Work Environ Health 2000;26(2):87–92.10.5271/sjweh.516Pesquise no Google Acadêmico

88. Croft R, Chandler J, Burgess A, Barry R, ​​Williams J, et al. A operação aguda do telefone celular afeta a função neural em humanos. 113(10):1623–32.10.1016/S1388-2457(02)00215-8Pesquise no Google Acadêmico

89. Kramarenko AV, Tan U. Efeitos de campos eletromagnéticos de alta frequência no EEG humano: um estudo de mapeamento cerebral. 113(7):1007–19.10.1080/00207450390220330Pesquise no Google Acadêmico

90. Vecchio F, Babiloni C, Ferreri F, Curcio G, Fini R, et al. A emissão do telefone celular modula o acoplamento funcional inter-hemisférico dos ritmos alfa do EEG. Eur J Neurosci 2007;25(6):1908–13.10.1111/j.1460-9568.2007.05405.xPesquise no Google Acadêmico

91. Vecchio F, Babiloni C, Ferreri F, Buffo P, Cibelli G, et al. A emissão do telefone celular modula o acoplamento funcional inter-hemisférico dos ritmos alfa do EEG em idosos em comparação com jovens. Clin Neurofisiol 2010;121(2):163–71.10.1016/j.clinph.2009.11.002Pesquise no Google Acadêmico

92. Vecchio F, Buffo P, Sergio S, Iacoviello D, Rossini PM, et al. A emissão do telefone celular modula a dessincronização relacionada a eventos dos ritmos α e do desempenho cognitivo-motor em humanos saudáveis. Clin Neurofisiol 2012;123(1):121–8.10.1016/j.clinph.2011.06.019Pesquise no Google Acadêmico

93. Perentos N, Croft RJ, McKenzie RJ, Cvetkovic D, Cosic I. O efeito da radiação ELF semelhante ao GSM na banda alfa do EEG humano em repouso. Conf Proc IEEE Eng Med Biol Soc 2008;1:5680–3.10.1109/IEMBS.2008.4650503Pesquise no Google Acadêmico

94. Tronco A, Stefanics G, Zentai N, Kovács-Bálint Z, Thuróczy G, et al. Nenhum efeito da exposição de um único telefone celular 3G UMTS na atividade espontânea de EEG, correlações de ERP e detecção automática de desvios. Bioeletromagnética 2013;34(1):31–42.10.1002/bem.21740Pesquise no Google Acadêmico

95. Ghosn R, Yahia-Cherif L, Hugueville L, Ducorps A, Lemarechal JD, et al. O sinal de radiofrequência afeta a banda alfa no eletroencefalograma de repouso. J Neurofisiol 2015;113(7):2753–9.10.1152/jn.00765.2014Pesquise no Google Acadêmico

96. Roggeveen S, van Os J, Viechtbauer W, Lousberg R. Alterações no EEG devido à radiação de telefones celulares 3G induzida experimentalmente. PLoS One 2015;10(6):e0129496.10.1371/journal.pone.0129496Pesquise no Google Acadêmico

97. Freude G, Ullsperger P, Eggert S, Ruppe I. Efeitos das microondas emitidas por telefones celulares nos potenciais cerebrais lentos humanos. Bioeletromagnética 1998;19(6):384–7.10.1002/(SICI)1521-186X(1998)19:6<384::AID-BEM6>3.0.CO;2-YPesquise no Google Acadêmico

98. Freude G, Ullsperger P, Eggert S, Ruppe I. Microondas emitidas por telefones celulares afetam os potenciais lentos do cérebro humano. Eur J Appl Physiol 2000;81(1–2):18–27.10.1007/PL00013791Pesquise no Google Acadêmico

99. Hladky A, Musil J, Roth Z, Urban P, Blazkova V. Efeitos agudos do uso de um telefone celular nas funções do SNC. Cent Eur J Saúde Pública 1999;7(4):165–7.Pesquise no Google Acadêmico

100. Hamblin DL, Wood AW, Croft RJ, Stough C. Examinando os efeitos dos campos eletromagnéticos emitidos por telefones celulares GSM nos potenciais relacionados a eventos humanos e no desempenho durante uma tarefa auditiva. 115(1):171–8.10.1016/S1388-2457(03)00313-4Pesquise no Google Acadêmico

101. Yuasa K, Arai N, Okabe S, Tarusawa Y, Nojima T, et al. Efeitos de trinta minutos de uso do telefone celular no córtex sensorial humano. 117:900–5.10.1016/j.clinph.2005.12.005Pesquise no Google Acadêmico

102. Bak M, Dudarewicz A, Zmyślony M, Sliwinska-Kowalska M. Efeitos dos sinais GSM durante a exposição a potenciais relacionados a eventos (ERPs). Int J Occup Med Environ Health 2010;23(2):191–9.10.2478/v10001-010-0021-8Pesquise no Google Acadêmico

103. Maganioti AE, Hountala CD, Papageorgiou CC, Kyprianou MA, Rabavilas AD, et al. Análise de componentes principais da forma de onda P600: efeitos de RF e gênero. Neurosci Lett 2010;478(1):19–23.10.1016/j.neulet.2010.04.058Pesquise no Google Acadêmico

104. Tronco A, Stefanics G, Zentai N, Bacskay I, Felinger A, et al. Falta de interação entre a exposição simultânea à cafeína e ao telefone celular na detecção visual de alvos: um estudo de ERP. 124:412–20.10.1016/j.pbb.2014.07.011Pesquise no Google Acadêmico

105. Mann K, Röschke J. 1996. Efeitos de campos eletromagnéticos pulsados ​​de alta frequência no sono humano. Neuropsicobiologia 1996;33(1):41–7.10.1159/000119247Pesquise no Google Acadêmico

106. Borbely AA, Huber R, Graf T, Fuchs B, Gallmann E, et al. O campo eletromagnético pulsado de alta frequência afeta o sono humano e o eletroencefalograma do sono. Neurosci Lett 1999;275(3):207–10.10.1016/S0304-3940(99)00770-3Pesquise no Google Acadêmico

107. Huber R, Graf T, Cote KA, Wittmann L, Gallmann E, et al. A exposição ao campo eletromagnético pulsado de alta frequência durante a vigília afeta o EEG do sono humano. Neuroreport 2000;11(15):3321–5.10.1097/00001756-200010200-00012Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

108. Huber R, Treyer V, Borbély AA, Schuderer J, Gottselig JM, et al. Os campos eletromagnéticos, como os dos telefones celulares, alteram o fluxo sanguíneo cerebral regional e o EEG do sono e da vigília. 11:289–95.10.1046/j.1365-2869.2002.00314.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

109. Huber R, Schuderer J, Graf T, Jutz K, Borbely AA, et al. Exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência em humanos: estimativa da distribuição de SAR no cérebro, efeitos no sono e na frequência cardíaca. Bioeletromagnética 2003;24(4):262–76.10.1002/bem.10103Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

110. Regel SJ, Tinguely G, Schuderer J, Adam M, Kuster N, et al. Campos eletromagnéticos de radiofrequência pulsados: efeitos dependentes da dose no sono, no EEG do sono e no desempenho cognitivo. J Sleep Res 2007;16(3):253–8.10.1111/j.1365-2869.2007.00603.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

111. Fritzer G, Göder R, Friege L, Wachter J, Hansen V, et al. Efeitos dos campos eletromagnéticos de radiofrequência pulsada de curto e longo prazo no sono noturno e nas funções cognitivas em indivíduos saudáveis. Bioeletromagnética 2007;28(4):316–25.10.1002/bem.20301Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

112. Lowden A, Akerstedt T, Ingre M, Wiholm C, Hillert L, et al. Sono após exposição ao celular em indivíduos com sintomas relacionados ao celular. Bioeletromagnética 2011;32(1):4–14.10.1002/bem.20609Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

113. Loughran SP, McKenzie RJ, Jackson ML, Howard ME, Croft RJ. Diferenças individuais nos efeitos da exposição ao telefone celular no sono humano: repensando o problema. Bioeletromagnética 2012;33(1):86–93.10.1002/bem.20691Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

114. Schmid MR, Loughran SP, Regel SJ, Murbach M, Bratic Grunauer A, et al. Alterações no EEG do sono: efeitos de diferentes campos eletromagnéticos de radiofrequência modulados por pulso. J Sleep Res 2012;21(1):50–58.10.1111/j.1365-2869.2011.00918.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

115. Schmid MR, Murbach M, Lustenberger C, Maire M, Kuster N, et al. Alterações no EEG do sono: efeitos de campos magnéticos pulsados ​​versus campos eletromagnéticos de radiofrequência modulados por pulso. J Sleep Res 2012;21(6):620–9.10.1111/j.1365-2869.2012.01025.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

116. Nakatani-Enomoto S, Furubayashi T, Ushiyama A, Groiss SJ, Ueshima K, et al. Efeitos dos campos eletromagnéticos emitidos por telefones celulares do tipo W-CDMA no sono de humanos. Bioeletromagnética 2013;34(8):589–8.10.1002/bem.21809Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

117. Lustenberger C, Murbach M, Durr R, Schmid MR, Kuster N, et al. A estimulação do cérebro com pulsos de campo eletromagnético de radiofrequência afeta a melhoria do desempenho dependente do sono. Estimulo Cerebral 2013;6(5):805–11.10.1016/j.brs.2013.01.017Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

118. Lustenberger C, Murbach M, Tüshaus L, Wehrle F, Kuster N, et al. Variação interindividual e intraindividual dos efeitos da exposição a RF EMF pulsado no EEG do sono humano. Bioeletromagnética 2015;36(3):169–77.10.1002/bem.21893Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

119. Danker-Hopfe H, Dorn H, Bolz T, Peter A, Hansen ML, et al. Efeitos da exposição ao telemóvel (GSM 900 e WCDMA/UMTS) na qualidade do sono baseada na polissonografia: Uma perspectiva intra e interindividual. Environ Res 2015;145:50–60.10.1016/j.envres.2015.11.011Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

120. Preece AW, Iwi G, Davies-Smith A, Wesnes K, Butler S, et al. Efeito de um sinal simulado de telefone celular de 915 MHz na função cognitiva do homem. Int J Radiat Biol 1999;75(4):447–56.10.1080/095530099140375Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

121. Koivisto M, Revonsuo A, Krause C, Haarala C, Sillanmaki L, et al. Efeitos do campo eletromagnético de 902 MHz emitido por telefones celulares nos tempos de resposta em humanos. Neuroreport 2000;11(2):413–5.10.1097/00001756-200002070-00038Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

122. Edelstyn N, Oldershaw A. Os efeitos agudos da exposição ao campo eletromagnético emitido por telefones celulares na atenção humana. Neuroreport 2002;13(1):119–21.10.1097/00001756-200201210-00028Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

123. Lee TM, Lam PK, Yee LT, Chan CC. O efeito da duração da exposição ao campo eletromagnético emitido pelos telefones celulares na atenção humana. Neuroreport 2003;14(10):1361–4.10.1097/01.wnr.0000078400.18847.f9Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

124. Curcio G, Ferrara M, De Gennaro L, Cristiani R, D’Inzeo G, et al. Evolução temporal dos efeitos do campo eletromagnético no desempenho humano e na temperatura timpânica. Neurorrelatório 2004; 15(1):161–4.10.1097/00001756-200401190-00031Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

125. Schmid G, Sauter C, Stepansky R, Lobentanz IS, Zeitlhofer J. Nenhuma influência nos parâmetros selecionados da percepção visual humana da exposição tipo UMTS de 1970 MHz. Bioeletromagnética 2005;26(4):243–50.10.1002/bem.20076Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

126. Cinel C, Boldini A, Russo R, Fox E. Efeitos dos campos eletromagnéticos de telefones celulares em uma tarefa de limiar de ordem auditiva. Bioeletromagnética 2007;28(6):493–6.10.1002/bem.20321Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

127. Luria R, Eliyahu I, Hareuveny R, Margaliot M, Meiran N. Efeitos cognitivos da radiação emitida por telefones celulares: a influência do lado e do tempo de exposição. Bioeletromagnética 2009;30(3):198–204.10.1002/bem.20458Pesquise no Google Acadêmico

128. Leung S, Croft RJ, McKenzie RJ, Iskra S, Silber B, et al. Efeitos dos telefones celulares 2G e 3G no desempenho e na eletrofisiologia em adolescentes, adultos jovens e idosos. Clin Neurofisiol 2011;122(11):2203–16.10.1016/j.clinph.2011.04.006Pesquise no Google Acadêmico

129. Mortazavi SM, Rouintan MS, Taeb S, Dehghan N, Ghaffarpanah AA, et al. A exposição humana de curto prazo a campos eletromagnéticos emitidos por telefones celulares diminui o tempo de reação visual assistida por computador. Acta Neurol Belg 2012;112(2):171–5.10.1007/s13760-012-0044-yPesquise no Google Acadêmico

130. Wallace D, Eltiti S, Ridgewell A, Garner K, Russo R, et al. Respostas cognitivas e fisiológicas em humanos expostos a um sinal de estação base TETRA em relação à hipersensibilidade eletromagnética percebida. Bioeletromagnética 2012;33(1):23–39.10.1002/bem.20681Pesquise no Google Acadêmico

131. Sauter C, Eggert T, Dorn H, Schmid G, Bolz T, et al. Os sinais de um transmissor portátil TETRA afetam o desempenho cognitivo, o bem-estar, o humor ou as queixas somáticas em homens jovens saudáveis? Resultados de um estudo randomizado duplo-cego de provocação cruzada. Environ Res 2015;140:85–94.10.1016/j.envres.2015.03.021Pesquise no Google Acadêmico

132. Volkow ND, Tomasi D, Wang GJ, Vaska P, Fowler JS, et al. Efeitos da exposição ao sinal de radiofrequência do telefone celular no metabolismo cerebral da glicose. JAMA 2011;305(8):808–13.10.1001/jama.2011.186Pesquise no Google Acadêmico

133. Kwon MS, Vorobyev V, Kännälä S, Laine M, Rinne JO, et al. A radiação dos telefones celulares GSM suprime o metabolismo da glicose no cérebro. J Cereb Blood Flow Metab 2011;31(12):2293–301.10.1038/jcbfm.2011.128Pesquise no Google Acadêmico

134. Huber R, Treyer V, Schuderer J, Berthold T, Buck A, et al. A exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequência modulados por pulso afeta o fluxo sanguíneo cerebral regional. Eur J Neurosci 2005;21(4):1000–6.10.1111/j.1460-9568.2005.03929.xPesquise no Google Acadêmico

135. Aalto S, Haarala C, Brück A, Sipilä H, Hämäläinen H, et al. O telefone celular afeta o fluxo sanguíneo cerebral em humanos. J Cereb Blood Flow Metab 2006;26(7):885–90.10.1038/sj.jcbfm.9600279Pesquise no Google Acadêmico

136. Sienkiewicz ZJ, Blackwell RP, Haylock RG, Saunders RD, Cobb BL. A exposição de baixo nível à radiação de microondas pulsada de 900 MHz não causa déficits no desempenho de uma tarefa de aprendizagem espacial em camundongos. Bioeletromagnética 2000;21(3):151–8.10.1002/(SICI)1521-186X(200004)21:3<151::AID-BEM1>3.0.CO;2-QPesquise no Google Acadêmico

137. Fragopoulou AF, Miltiadous P, Stamatakis A, Stylianopoulou F, Koussoulakos SL, et al. A exposição de corpo inteiro com GSM 900 MHz afeta a memória espacial em ratos. Fisiopatologia 2010;17(3):179–87.10.1016/j.pathophys.2009.11.002Pesquise no Google Acadêmico

138. Aldad TS, Gan G, Gao XB, Taylor HS. A exposição fetal à radiação de radiofrequência de telefones celulares com classificação de 800 a 1900 MHz afeta o neurodesenvolvimento e o comportamento em camundongos. Ciência Re 2012;2:312.10.1038/srep00312Pesquise no Google Acadêmico

139. Sharma A, Sisodia R, Bhatnagar D, Saxena VK. Memória espacial e desempenho de aprendizagem e sua relação com a síntese protéica de camundongos albinos suíços expostos a microondas de 10 GHz. Int J Radiat Biol 2013;90(1):29–35.10.3109/09553002.2013.835883Pesquise no Google Acadêmico

140. Shirai T, Imai N, Wang J, Takahashi S, Kawabe M, et al. Efeitos multigeracionais da exposição de todo o corpo a sinais de telefone celular W-CDMA de 2,14 GHz na função cerebral em ratos. Bioeletromagnética 2014;35(7):497–511.10.1002/bem.21871Pesquise no Google Acadêmico

141. Hu S, Peng R, Wang C, Wang S, Gao Y, et al. Efeitos neuroprotetores do suplemento alimentar Kang-fu-ling contra micro-ondas de alta potência através de ação antioxidante. Função Alimentar 2014;5(9):2243–51.10.1039/C4FO00257APesquise no Google Acadêmico

142. Sokolovic D, Djordjevic B, Kocic G, Babovic P, Ristic G, et al. O efeito da melatonina na massa corporal e no comportamento de ratos durante a exposição à radiação de micro-ondas do telefone celular. Bratisl Lek Listy 2012;113(5):265–9.10.4149/BLL_2012_062Pesquise no Google Acadêmico

143. Lai H. Efeitos neurológicos de campos eletromagnéticos não ionizantes. In: Sage C, Carpenter DO, editores. O relatório de bioinitiative 2012, uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2012. Disponível em: http://www.bioinitiative.org .Pesquise no Google Acadêmico

144. Adey WR. Evidências de mecanismos cooperativos na suscetibilidade do tecido cerebral a campos elétricos ambientais e intrínsecos. In: Schmitt FO, Schneider DN, Crothers DM, editores. Ligação funcional em sistemas biomoleculares. Nova York: Raven Press, 1975:325–42.Pesquise no Google Acadêmico

145. Bawin SM, Sheppard AR, Adey WR. Possíveis mecanismos de acoplamento de campo eletromagnético fraco no tecido cerebral. Bioelectrochem Bioenerg 1978;5:67–76.10.1016/0302-4598(87)87008-3Pesquise no Google Acadêmico

146. Blackman CF, Benane SG, Kinney LS, Joines WT, House DE. Efeitos dos campos ELF no efluxo de íons cálcio do tecido cerebral in vitro. Radiat Res 1982;92:510–20.10.2307/3575923Pesquise no Google Acadêmico

147. Adey WR. Interações de tecidos com campos eletromagnéticos não ionizantes. Physiol Rev 1981;61(2):435–514.10.1152/physrev.1981.61.2.435Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

148. Shin EJ, Jeong JH, Kim HJ, Jang CG, Yamada K, et al. A exposição a campos magnéticos de frequência extremamente baixa aumenta a atividade locomotora através da ativação de receptores do tipo dopamina D1 em camundongos. J Pharmacol Sci 2007;105(4):367–71.10.1254/jphs.SC0070348Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

149. Shin EJ, Nguyen XK, Nguyen TT, Pham DT, Kim HC. A exposição a campos magnéticos de frequência extremamente baixa induz imunorreatividade ao antígeno relacionada ao fos através da ativação do receptor dopaminérgico D1. Exp Neurobiol 2011;20(3):130–6.10.5607/pt.2011.20.3.130Pesquise no Google Acadêmico

150. Wang LF, Li X, Gao YB, Wang SM, Zhao L, et al. A ativação da via VEGF/Flk-1-ERK induziu lesão da barreira hematoencefálica após exposição a microondas. Mol Neurobiol 2015;52(1): 478–91.10.1007/s12035-014-8848-9Pesquise no Google Acadêmico

151. Ravera S, Bianco B, Cugnoli C, Panfoli I, Calzia D, et al. Os campos magnéticos ELF sinusoidais afetam a atividade da acetilcolinesterase nas membranas sinaptossômicas do cerebelo. Bioeletromagnética 2010;31(4):270–6.10.1002/bem.20563Pesquise no Google Acadêmico

152. Fournier NM, Mach QH, Whissell PD, Persinger MA. Anomalias do neurodesenvolvimento do hipocampo em ratos expostos a campos magnéticos complexos de fraca intensidade durante a gestação. 30(6):427–33.10.1016/j.ijdevneu.2012.07.005Pesquise no Google Acadêmico

153. Gavalas RJ, Walter DO, Hamner J, Adey WR. Efeito de campos elétricos de baixo nível e baixa frequência no EEG e no comportamento de Macaca nemestrina. Brain Res 1970;18:491–501.10.1016/0006-8993(70)90132-0Pesquise no Google Acadêmico

154. Anderson LE, Phillips ED. Efeitos biológicos de campos elétricos: uma visão geral. In: Gandolfo M, Michaelson S, Rindi A, editores. Efeitos biológicos e dosimetria de campos eletromagnéticos estáticos e ELF. Nova York: Plenum Press, 1984.Pesquise no Google Acadêmico

155. Balassa T, Szemerszky R, Bárdos G. Efeito da exposição de curto prazo ao campo eletromagnético de 50 Hz no comportamento de ratos. Acta Physiol Hung 2009;96(4):437–48.10.1556/APhysiol.96.2009.4.4Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

156. Dimitrijević D, Savić T, Anđelković M, Prolić Z, Janać B. Campo magnético de frequência extremamente baixa (50 Hz, 0,5 mT) modifica componentes de aptidão e atividade locomotora de Drosophila subobscura. 90(5):337–43.10.3109/09553002.2014.888105Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

157. Ele LH, Shi HM, Liu TT, Xu YC, Ye KP, et al. Efeitos do campo magnético de frequência extremamente baixa no nível de ansiedade e na memória espacial de ratos adultos. Chin Med J (Inglês) 2011;124(20):3362–6.Pesquise no Google Acadêmico

158. Korpinar MA, Kalkan MT, Tuncel H. O campo magnético sinusoidal de 50 Hz (10 mT): efeitos no comportamento de ratos relacionado ao estresse. Bratisl Lek Listy 2012;113(9):521–4.10.4149/BLL_2012_117Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

159. Salunke BP, Umathe SN, Chavan JG. Envolvimento do receptor NMDA na ansiedade induzida por campo magnético de baixa frequência em camundongos. Electromagn Biol Med 2014;33(4):312–26.10.3109/15368378.2013.839453Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

160. Szemerszky R, Zelena D, Barna I, Bárdos G. Efeitos endocrinológicos e psicopatológicos relacionados ao estresse da exposição ao campo eletromagnético de 50 Hz de curto e longo prazo em ratos. Brain Res Bull 2010;81(1):92–9.10.1016/j.brainresbull.2009.10.015Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

161. Kitaoka K, Kitamura M, Aoi S, Shimizu N, Yoshizaki K. A exposição crônica a um campo magnético de frequência extremamente baixa induz comportamento semelhante à depressão e secreção de corticosterona sem aumento do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal em camundongos. Bioeletromagnética 2013;34(1):43–51.10.1002/bem.21743Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

162. Stevens P. Resposta afetiva a alterações fisiológicas induzidas por campo magnético de 5 microT ELF. Bioeletromagnética 2007;28(2):109–14.10.1002/bem.20280Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

163. Ross ML, Koren SA, Persinger MA. Campos magnéticos fracos fisiologicamente padronizados aplicados sobre o lobo frontal esquerdo aumentam a aceitação de afirmações falsas como verdadeiras. Electromagn Biol Med 2008;27(4):365–71.10.1080/15368370802493545Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

164. Nishimura T, Tada H, Guo X, Murayama T, Teramukai S, et al. Um campo eletromagnético de frequência extremamente baixa de 1 μT vs. controle simulado para hipertensão leve a moderada: um estudo duplo-cego e randomizado. Hypertens Res 2011;34(3):372–7.10.1038/hr.2010.246Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

165. Huss A, Koeman T, Kromhout H, Vermeulen R. Exposição ao campo magnético de frequência extremamente baixa e doença de Parkinson – uma revisão sistemática e meta-análise dos dados. Int J Environ Res Saúde Pública 2015;12(7):7348–56.10.3390/ijerph120707348Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

166. Zhou H, Chen G, Chen C, Yu Y, Xu Z. Associação entre ocupações de campos eletromagnéticos de frequência extremamente baixa e esclerose lateral amiotrófica: uma meta-análise. PLoS One 2012;7(11):e48354.10.1371/journal.pone.0048354Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

167. Vergara X, Kheifets L, Groenlândia S, Oksuzyan S, Cho YS, et al. Exposição ocupacional a campos magnéticos de frequência extremamente baixa e doenças neurodegenerativas: uma meta-análise. J Occup Environ Med 2013;55(2):135–46.10.1097/JOM.0b013e31827f37f8Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

168. Kundi M, Hutter HP. Umwelthygienische Bewertung des Berichtes zur Bestimmung der Feldstarken niederfrequenter magnetischer Wechselfelder im Bereich der 110 kV Hochspannungsleitung im Siedlungsbereich der Gemeinde Kottingbrunn von Dr.-Ing. Dietrich Moldan de 20.8.2014 [Internet]. Kottingbrunn (AT): Gemeinde Kottinbrunn, 2014:69–104. Disponível em: www.kottingbrunn.or.at/system/web/GetDocument.ashx?fileid=972861 .Pesquise no Google Acadêmico

169. Stam R. Campos eletromagnéticos e a barreira hematoencefálica. Brain Res Rev 2010;65(1):80–97.10.1016/j.brainresrev.2010.06.001Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

170. Nittby H, Brun A, Strömblad S, Moghadam MK, Sun W, et al. Efeitos não térmicos de GSM RF e ELF EMF sobre a permeabilidade BBB de ratos. Ambientalista 2011; 31(2):140–8.10.1007/s10669-011-9307-zPesquise no Google Acadêmico

171. Salford LG, Nittby H, Persson BRR. Efeitos dos campos eletromagnéticos da comunicação sem fio sobre a barreira hematoencefálica. In: Sage C, Carpinteiro DO. O Relatório BioInitiative 2012: Uma justificativa para um padrão de exposição pública com base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF). Disponível em: http://www.bioinitiative.org/ : 1–52.Pesquise no Google Acadêmico

172. Zhou JX, Ding GR, Zhang J, Zhou YC, Zhang YJ, et al. Efeito prejudicial da exposição ao pulso eletromagnético na permeabilidade do modelo de barreira hematoencefálica in vitro. Biomed Environ Sci 2013;26(2):128–37.Pesquise no Google Acadêmico

173. Tang J, Zhang Y, Yang L, Chen Q, Tan L, et al. A exposição a campos eletromagnéticos de 900 MHz ativa a via mkp-1/ERK e causa danos à barreira hematoencefálica e comprometimento cognitivo em ratos. Brain Res 2015;1601:92–101.10.1016/j.brainres.2015.01.019Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

174. Masuda H, Hirota S, Ushiyama A, Hirata A, Arima T, et al. Nenhuma mudança dinâmica na permeabilidade da barreira hematoencefálica ocorre em ratos em desenvolvimento durante a exposição local do córtex às microondas. In Vivo 2015;29(3):351–7.Pesquise no Google Acadêmico

175. Sage C. Tabela resumida 1-1. In: Sage C, DO Carpenter (editores), The BioInitiative Report 2012: uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2012. Disponível em: http://www.bioinitiative.org / .Pesquise no Google Acadêmico

176. Agarwal A, Deepinder F, Sharma RK, Ranga G, Li J. Efeito do uso do telefone celular na análise de sêmen em homens que frequentam uma clínica de infertilidade: um estudo observacional. Fertil Steril 2008;89(1):124–8.10.1016/j.fertnstert.2007.01.166Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

177. Agarwal A, Desai NR, Makker K, Varghese A, Mouradi R, et al. Efeito das ondas eletromagnéticas de radiofrequência (RF-EMF) de telefones celulares no sêmen ejaculado humano: um estudo in vitro. Fertil Steril 2009;92(4):1318–25.10.1016/j.fertnstert.2008.08.022Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

178. Wdowiak A, Wdowiak L, Wiktor H. Avaliação do efeito do uso de telefones celulares na fertilidade masculina. Ann Agric Environ Med 2007;14(1):169–72.Pesquise no Google Acadêmico

179. De Iuliis GN, Newey RJ, King BV, Aitken RJ. A radiação dos telefones celulares induz a produção de espécies reativas de oxigênio e danos ao DNA em espermatozóides humanos in vitro. PLoS One 2009;4(7):e6446.10.1371/journal.pone.0006446Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

180. Fejes I, Zavacki Z, Szollosi J, Koloszar Daru J, Kovacs L, et al. Existe uma relação entre o uso do telefone celular e a qualidade do sêmen? Arch Androl 2005;51(5):385–93.10.1080/014850190924520Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

181. Aitken RJ, Bennetts LE, Sawyer D, Wiklendt AM, King BV. Impacto da radiação eletromagnética de radiofrequência na integridade do DNA na linhagem germinativa masculina. Int J Androl 2005;28(3):171–9.10.1111/j.1365-2605.2005.00531.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

182. Kumar S, Behari J, Sisodia R. Impacto do microondas na banda X na etiologia da infertilidade masculina. Eletromagnético Eletromagn Biol Med 2012;31(3):223–32.10.3109/15368378.2012.700293Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

183. Aitken RJ, Koopman P, Lewis SEM. Sementes de preocupação. Natureza 2004;432(7013):48–52.10.1038/432048aPesquise no Google AcadêmicoPubMed

184. Erogul O, Oztas E, Yildirim I, Kir T, Aydur E, et al. Efeitos da radiação eletromagnética de um telefone celular na motilidade do esperma humano: um estudo in vitro. Arch Med Res 2006;37(7):840–3.10.1016/j.arcmed.2006.05.003Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

185. Dasdag S. Exposição de corpo inteiro a microondas emitidas por telefones celulares e função testicular de ratos. Urol Res 1999;27(3):219–23.10.1007/s002400050113Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

186. Yan JG, Agresti M, Bruce T, Yan YH, Granlund A, et al. Efeitos das emissões de telefones celulares na motilidade espermática em ratos. Fertil Steril 2007;88(4):957–64.10.1016/j.fertnstert.2006.12.022Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

187. Otitoloju AA, Obe IA, Adewale OA, Otubanjo OA, Osunkalu VO. Estudo preliminar sobre a redução de anormalidades na cabeça dos espermatozoides em camundongos, Mus musculus, expostos a radiações de radiofrequência do sistema global para estações base de comunicação móvel. Bull Environ Contam Toxicol 2010;84(1):51–4.10.1007/s00128-009-9894-2Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

188. Behari J, Kesari KK. Efeitos das radiações de microondas no sistema reprodutivo de ratos machos. Embryo Talk 2006;1(Suplemento 1):81–5.Pesquise no Google Acadêmico

189. Neutra RR, Hristova L, Yost M, Hiatt RA. Um estudo de caso-controle aninhado de medidas de campo magnético residenciais e pessoais e abortos espontâneos. Epidemiologia 2002;13(1):21–31.10.1097/00001648-200201000-00005Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

190. Li DK, Odouli R, Wi S, Janevic T, Golditch I, et al. Um estudo de coorte prospectivo de base populacional sobre a exposição pessoal a campos magnéticos durante a gravidez e o risco de aborto espontâneo. Epidemiologia 2002;13(1):9–20.10.1097/00001648-200201000-00004Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

191. Roosli M, Moser M, Baldinini Y, Meier M, Braun-Fahrlander C. Sintomas de problemas de saúde atribuídos à exposição ao campo eletromagnético – uma pesquisa por questionário. Int J Hyg Environ Health 2004;207(2):141–50.10.1078/1438-4639-00269Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

192. Huss A, Kuchenhoff J, Bircher A, Heller P, Kuster H, et al. Sintomas atribuídos ao meio ambiente – uma avaliação interdisciplinar sistemática. Int J Hyg Environ Health 2004;207(3):245–54.10.1078/1438-4639-00286Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

193. Huss A, Kuchenhoff J, Bircher A, Niederer M, Tremp J, et al. Eletromagnético Felder und Gesundheitsbelastungen – Interdisziplinare Fallabklärungen im Rahmen eines umweltmediznischen Beratungsprojektes. Umweltmed Forsch Prax 2005;10(1):21–8.Pesquise no Google Acadêmico

194. Hagstrom M, Auranen J, Ekman R. Finlandeses hipersensíveis eletromagnéticos: sintomas, fontes percebidas e tratamentos, um estudo por questionário. Fisiopatologia 2013;20(2):117–22.10.1016/j.pathophys.2013.02.001Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

195. Schreier N, Huss A, Roosli M. A prevalência de sintomas atribuídos à exposição ao campo eletromagnético: uma pesquisa representativa transversal na Suíça. Soz Praventivmed 2006;51(4):202–9.10.1007/s00038-006-5061-2Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

196. Huss A, Roosli M. Consultas em cuidados primários para sintomas atribuídos a campos eletromagnéticos – uma pesquisa entre médicos de clínica geral. BMC Saúde Pública 2006;6:267.10.1186/1471-2458-6-267Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

197. Ausfeld-Hafter B, Manser R, Kempf D, Brandli I. Komplementärmedizin. Um Fragebogenerhebung em Schweizerischen Arztpraxen mit komplementärmedizinischem Diagnostik- und Therapieangebot. Estude no Auftrag do Bundesamt für Umwelt. Universidade de Berna. Kollegiale Instanz für Komplementärmedizin (KIKOM) [Internet]. Berna (CH): Bundesamt für Umwelt. 5 de outubro de 2006. Disponível em: https://www.diagnose-funk.org/publikationen/artikel/detail&newsid=720 .Pesquise no Google Acadêmico

198. Leitgeb N, Schrottner J, Bohm M. A “poluição eletromagnética” causa doenças? Um inquérito entre clínicos gerais austríacos. Wien Med Wochenschr 2005;155(9–10):237–41.10.1007/s10354-005-0175-3Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

199. Kato Y, Johansson O. Deficiências funcionais relatadas em japoneses eletro-hipersensíveis: uma pesquisa por questionário. Fisiopatologia 2012;19(2):95–100.10.1016/j.pathophys.2012.02.002Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

200. Khurana VG, Hardell L, Everaert J, Bortkiewicz A, Carlberg M, et al. Evidências epidemiológicas de um risco para a saúde proveniente de estações base de telefonia móvel. Int J Occup Saúde Ambiental 2010;16(3):263–7.10.1179/oeh.2010.16.3.263Pesquise no Google Acadêmico

201. Carpinteiro DO. A síndrome das microondas ou eletro-hipersensibilidade: antecedentes históricos. Rev Environ Health 2015;30(4):217–22.10.1515/reveh-2015-0016Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

202. Organização Mundial da Saúde. Ficha informativa nº. 296, Elektromagnetische Felder und Öffentliche Gesundheit – Elektromagnetische Hypersensitivität (Elektrosensibilität) [Internet]. Genf (CH): OMS, dezembro de 2005. Disponível em: http://www.who.int/peh-emf/publications/facts/ehs_fs_296_german.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

203. Tresidder A, Bevington M. Eletrosensibilidade: fontes, sintomas e soluções. In: Rosch PJ, editor. Medicina bioeletromagnética e de energia sutil, 2ª ed. Boca Raton, FL, (EUA): CRC Press, Taylor & Francis Group Data da versão: 20141107, ISBN-13: 978-1-4822-3320-9 (e-book – PDF).Pesquise no Google Acadêmico

204. Genuis SJ, Lipp CT. Hipersensibilidade eletromagnética: fato ou ficção? Sci Total Environ 2012;414:103–12.10.1016/j.scitotenv.2011.11.008Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

205. Johansson O, Liu PY. “Eletrosensibilidade”, “eletrosupersensibilidade” e “dermatite de tela”: observações preliminares de estudos em andamento na pele humana. In: Simunic D, editor. Anais do COST 244: Efeitos Biomédicos de Campos Eletromagnéticos – Workshop sobre Hipersensibilidade Eletromagnética. Bruxelas/Graz: UE/CE (DG XIII) 1995:52–57.Pesquise no Google Acadêmico

206. Johansson O, Gangi S, Liang Y, Yoshimura K, Jing C, et al. Os mastócitos cutâneos são alterados em voluntários saudáveis ​​normais sentados em frente a TVs/PCs comuns – resultados de experimentos de provocação em campo aberto. J Cutan Pathol 2001;28(10):513–9.10.1034/j.1600-0560.2001.281004.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

207. Belpomme D, Campagnac C, Irigaray P. Biomarcadores de doenças confiáveis ​​que caracterizam e identificam eletro-hipersensibilidade e sensibilidade química múltipla como dois aspectos etiopatogênicos de um distúrbio patológico único. Rev Environ Health 2015;30(4):251–71.10.1515/reveh-2015-0027Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

208. Regel SJ, Negovetic S, Roosli M, Berdinas V, Schuderer J, et al. Exposição, bem-estar e desempenho cognitivo semelhantes aos da estação base UMTS. Perspectiva de Saúde Ambiental 2006;114(8):1270–5.10.1289/ehp.8934Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

209. Zwamborn APM, Vossen SHJA, van Leersum BJAM, Ouwens MA, Makel WN. Efeitos dos campos de radiofrequência do sistema de comunicação global no bem-estar e nas funções cognitivas de seres humanos com e sem queixas subjetivas. Haia (NL): Laboratório de Física e Eletrônica TNO, setembro de 2003, 86p. Relatório TNO FEL-03-C148. Disponível em: https://www.salzburg.gv.at/gesundheit_/Documents/tno-fel_report_03148_definitief.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

210. Eltiti S, Wallace D, Ridgewell A, Zougkou K, Russo R, et al. A exposição de curto prazo aos sinais da estação base de telefonia móvel aumenta os sintomas em indivíduos que relatam sensibilidade a campos eletromagnéticos? Um estudo de provocação randomizado duplo-cego. Perspectiva de Saúde Ambiental 2007;115(11):1603–8.10.1289/ehp.10286Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

211. McCarty DE, Carrubba S, Chesson AL, Frilot C, Gonzalez-Toledo E, et al. Hipersensibilidade eletromagnética: evidências de uma nova síndrome neurológica. 121(12):670–6.10.3109/00207454.2011.608139Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

212. Havas M, Marrongelle J, Pollner B, Kelley E, Rees CR, et al. Estudo de provocação usando variabilidade da frequência cardíaca mostra que a radiação de micro-ondas de um telefone sem fio de 2,4 GHz afeta o sistema nervoso autônomo [Internet]. In: Giuliani L, Soffritti M, editores. Efeitos não térmicos e mecanismos de interação entre campos eletromagnéticos e matéria viva. Bolonha (IT): Instituto Ramazzini, 2010. European Journal of Oncology – Library Vol. 5. páginas 187–218. Disponível em: http://www.icems.eu/papers.htm?f=/c/a/2009/12/15/MNHJ1B49KH.DTL .Pesquise no Google Acadêmico

213. Havas M. A radiação da tecnologia sem fio afeta o sangue, o coração e o sistema nervoso autônomo. Rev Environ Health 2013;28(2–3):75–84.10.1515/reveh-2013-0004Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

214. Tuengler A, von Klitzing L. Hipótese sobre como medir a hipersensibilidade eletromagnética. Electromagn Biol Med 2013;32(3):281–90.10.3109/15368378.2012.712586Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

215. Klitzing L. Einfluss elektromagnetischer Felder auf kardiovaskulare Erkrankungen. umwelt medizin gesellschaft 2014;27(1):17–21.Pesquise no Google Acadêmico

216. Santini R, Santini P, Danze JM, Le Ruz P, Seigne M. Investigação sobre a saúde das pessoas que vivem perto de estações retransmissoras de telefonia móvel: I/Incidência segundo distância e sexo. Pathol Biol (Paris) 2002;50(6):369–73.10.1016/S0369-8114(02)00311-5Pesquise no Google Acadêmico

217. Navarro EA, Segura J, Portoles M, Gomez-Perretta de Mateo C. A síndrome das microondas: um estudo preliminar na Espanha. Electromagn Biol Med 2003;22(2–3):161–9.10.1081/JBC-120024625Pesquise no Google Acadêmico

218. Hutter HP, Moshammer H, Wallner P, Kundi M. Sintomas subjetivos, problemas de sono e desempenho cognitivo em indivíduos que vivem perto de estações base de telefonia móvel. Ocupar Environ Med 2006;63(5):307–13.10.1136/oem.2005.020784Pesquise no Google Acadêmico

219. Abdel-Rassoul G, El-Fateh OA, Salem MA, Michael A, Farahat F, et al. Efeitos neurocomportamentais entre habitantes próximos a estações base de telefonia móvel. Neurotoxicologia 2007;28(2):434–40.10.1016/j.neuro.2006.07.012Pesquise no Google Acadêmico

220. Blettner M, Schlehofer B, Breckenkamp J, Kowall B, Schmiedel S, et al. Estações base de telefonia móvel e efeitos adversos à saúde: fase 1 de um estudo transversal de base populacional na Alemanha. Ocupar Environ Med 2009;66(2):118–23.10.1136/oem.2007.037721Pesquise no Google Acadêmico

221. Molla-Djafari H, Witke J, Poinstingl G, Brezansky A, Hutter HP, et al. Leitfaden Senderbau -Vorsorgeprinzip bei Errichtung, Betrieb, Um- und Ausbau von ortsfesten Sendeanlagen. Wien (AT): Ärztinnen und Ärzte für eine gesunde Umwelt eV (ed.), 2 de outubro de 2014. Auflage, 42 p, disponível em: www.aegu.net/pdf/Leitfaden.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

222. Milham S, Stetzer D. Eletricidade suja, estresse crônico, neurotransmissores e doenças. Electromagn Biol Med 2013;32(4):500–7.10.3109/15368378.2012.743909Pesquise no Google Acadêmico

223. Blackman C. Evidência de interrupção pelo sinal modulante. In: Sage C, Carpenter DO, editores. O relatório bioInitiative 2007: uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2007. Disponível em: http://www.bioinitiative.org/ .Pesquise no Google Acadêmico

224. Belyaev I. Evidência de interrupção por modulação: papel das variáveis ​​físicas e biológicas nos bioefeitos de microondas não térmicas para reprodutibilidade, risco de câncer e padrões de segurança. In: Sage C, Carpenter DO, editores. Relatório BioInitiative 2012: uma justificativa para um padrão de exposição pública de base biológica para campos eletromagnéticos (ELF e RF), 2012, disponível em: http://www.bioinitiative.org/ .Pesquise no Google Acadêmico

225. Matronchik AI, Belyaev IY. Mecanismo de ação combinada de microondas e campo magnético estático: rotação lenta e não uniforme de nucleóide carregado. Electromagn Biol Med 2008;27:340–54.10.1080/15368370802493313Pesquise no Google Acadêmico

226. Binhi VN, Alipov YD, Belyaev IY. Efeito do campo magnético estático em células de E. coli e rotações individuais de complexos íon-proteína. Bioeletromagnética 2001;22(2):79–86.10.1002/1521-186X(200102)22:2<79::AID-BEM1009>3.0.CO;2-7Pesquise no Google Acadêmico

227. Primeiro reconhecimento de uma deficiência de eletricidade na França. Le Monde com AFP | 25.08.2015. Disponível em: http://www.lemonde.fr/planete/article/2015/08/25/premiere-reconnaissance-en-justice-d-un-handicap-du-al-electrosensibilite_4736299_3244.html .Pesquise no Google Acadêmico

228. Abelous D. France tem o seu primeiro refúgio livre de radiação no Drome [Internet]. EURRE/Drome (FR): Agence France Presse (AFP), 9 de outubro de 2009. Disponível em: http://www.next-up.org/pdf/AFP_France_has_its_first_radiation_free_refuge_in_the_Drome_09_10_2009.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

229. Ecoforma. Mit einem schadstofffreiem Haus gegen Schlafprobleme [Internet]. Sarleinsbach (AT): Ecoforma, 9 de setembro de 2014. Disponível em: http://www.ecoforma.co.at/holzbau-ecobau-lehrbaustelle/ .Pesquise no Google Acadêmico

230. Friedmann J, Kraus S, Hauptmann Y, Schiff Y, Seger R. Mecanismo de ativação ERK de curto prazo por campos eletromagnéticos em frequências de telefonia móvel. Biochem J 2007;405(3):559–68.10.1042/BJ20061653Pesquise no Google Acadêmico

231. Simko M. O status redox específico do tipo de célula é responsável por diversos efeitos de campo eletromagnético. Curr Med Chem 2007;14(10):1141–52.10.2174/092986707780362835Pesquise no Google Acadêmico

232. Pall ML. Explicando “Doenças Inexplicáveis”: paradigma de doença para síndrome de fadiga crônica, sensibilidade química múltipla, fibromialgia, transtorno de estresse pós-traumático, Síndrome da Guerra do Golfo e outros. Nova York, NY (EUA), Londres (GB): Harrington Park Press/Haworth Press, 2007, ISBN 978-0-7890-2388-9.Pesquise no Google Acadêmico

233. Bedard K, Krause KH. A família NOX de NADPH oxidases geradoras de ROS: fisiologia e fisiopatologia. Physiol Rev 2007;87(1):245–313.10.1152/physrev.00044.2005Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

234. Pacher P, Beckman JS, Liaudet L. Óxido nítrico e peroxinitrito na saúde e na doença. Physiol Rev 2007;87(1):315–424.10.1152/physrev.00029.2006Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

235. Desai NR, Kesari KK, Agarwal A. Fisiopatologia da radiação do telefone celular: estresse oxidativo e carcinogênese com foco no sistema reprodutor masculino. Reprod Biol Endocrinol 2009;7:114.10.1186/1477-7827-7-114Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

236. Straub RH, Cutolo M, Buttgereit F, Pongratz G. Regulação energética e controle neuroendócrino-imune em doenças inflamatórias crônicas. J Intern Med 2010;267(6):543–60.10.1111/j.1365-2796.2010.02218.xPesquise no Google AcadêmicoPubMed

237. Gye MC, Parque CJ. Efeito da exposição ao campo eletromagnético no sistema reprodutivo. Clin Exp Reprod Med 2012;39(1):1–9.10.5653/cerm.2012.39.1.1Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

238. Yakymenko I, Tsybulin O, Sidorik E, Henshel D, Kyrylenko O, et al. Mecanismos oxidativos da atividade biológica da radiação de radiofrequência de baixa intensidade. Eletromagn Biol Med 2015;19:1–16.Pesquise no Google Acadêmico

239. Consales C, Merla C, Marino C, Benassi B. Campos eletromagnéticos, estresse oxidativo e neurodegeneração. 2012:683897.10.1155/2012/683897Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

240. Pall ML. Os campos eletromagnéticos (CEM) de frequência de micro-ondas produzem efeitos neuropsiquiátricos generalizados, incluindo depressão. J Chem Neuroanat 2015. pii: S0891-0618(15)00059-9.10.1016/j.jchemneu.2015.08.001 . [Epub antes da impressão].Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

241. Erdal N, Gurgul S, Tamer L, Ayaz L. Efeitos da exposição a longo prazo do campo magnético de frequência extremamente baixa no estresse oxidativo/nitrosativo no fígado de rato. 49(2):181–7.10.1269/jrr.07070Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

242. De Luca C, Thai JC, Raskovic D, Cesareo E, Caccamo D, et al. Triagem metabólica e genética de indivíduos com hipersensibilidade eletromagnética como ferramenta viável para diagnóstico e intervenção. Mediat Inflamm 2014;2014:924184.10.1155/2014/924184Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

243. Myhill S, Booth NE, McLaren-Howard J. Síndrome de fadiga crônica e disfunção mitocondrial. Int J Clin Exp Med 2009;2(1):1–16.Pesquise no Google Acadêmico

244. Müller KE. Regulação do estresse e função mitocondrial. Zs f Orthomol Med 2012;1:1–13.10.1055/s-0032-1328305Pesquise no Google Acadêmico

245. Buchner K, Eger H. Veränderung klinisch bedeutsamer Neurotransmitter unter dem Einfluss modulierter hochfrequenter Felder – Eine Langzeiterhebung unter lebensnahen Bedingungen. umwelt medizin gesellschaft 2011;24(1):44–57.Pesquise no Google Acadêmico

246. Hill HU, Huber W, Müller KE. Sensibilidade Química Múltipla (MCS) – Uma imagem de risco crônica multissistêmica, um aspecto médico, toxicológico e de política social. Aachen (DE): Shaker-Verlag, abril de 2010, 3ª edição, 500p. ISBN: 978-3-8322-9046-7.Pesquise no Google Acadêmico

247. Redmayne M, Johansson O. Poderia o dano à mielina causado pela exposição ao campo eletromagnético de radiofrequência ajudar a explicar o comprometimento funcional da eletro-hipersensibilidade? Uma revisão da evidência. J Toxicol Environ Health B Crit Rev 2014;17(5):247–58.10.1080/10937404.2014.923356Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

248. Von Baehr V. Rationelle Labordiagnostik bei chronisch entzündlichen Systemerkrankungen. umwelt medizin gesellschaft 2012;25(4):244–7.Pesquise no Google Acadêmico

249. Warnke U, Hensinger P. Steigende. “Burn-out“-Inzidenz durch technisch erzeugte magnetische und eletromagnetische Felder des Mobil- und Kommunikationsfunks. umwelt-medizin-gesellschaft 2013;26(1):31–8.Pesquise no Google Acadêmico

250. Havas M. A eletricidade suja eleva o açúcar no sangue entre diabéticos eletricamente sensíveis e pode explicar o diabetes frágil. Electromagn Biol Med 2008;27(2):135–46.10.1080/15368370802072075Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

251. Herbert MR, Sage C. Autismo e EMF? Plausibilidade de uma ligação fisiopatológica – Parte I. Fisiopatologia 2013;20(3):191–209.10.1016/j.pathophys.2013.08.001Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

252. Herbert MR, Sage C. Autismo e EMF? Plausibilidade de uma ligação fisiopatológica parte II. Fisiopatologia 2013;20(3):211–34.10.1016/j.pathophys.2013.08.002Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

253. Eskander EF, Estefan SF, Abd-Rabou AA. Como a exposição prolongada a estações base e telefones celulares afeta os perfis hormonais humanos? Clin Biochem 2012;45(1–2):157–61.10.1016/j.clinbiochem.2011.11.006Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

254. Steiner E, Aufdereggen B, Bhend H, Gilli Y, Kalin P, et al. Erfahrungen des Pilotprojektes “Umweltmedizinisches Beratungsnetz” des Vereins Aerztinnen und Aerzte für Umweltschutz (AefU). Therapeutische Umschau 2013;70(12):739–45.10.1024/0040-5930/a000473Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

255. Hagstrom M, Auranen J, Johansson O, Ekman R. A redução da irradiação eletromagnética e dos campos alivia os riscos à saúde decorrentes do trabalho com VDU. Fisiopatologia 2012;19(2):81–7.10.1016/j.pathophys.2012.01.005Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

256. Oberfeld G. Die Veränderung des EMF Spektrums und ihre Folgen. In: Baubiologische EMF-Messtechnik. Munique, Heidelberg (DE): Hüthig e Pflaum Verlag, 2012. ISBN 1438-8707.Pesquise no Google Acadêmico

257. Berufsverband Deutscher Baubiologen. VDB-Richtlinien, Physikalische Untersuchungen, Banda 1: Fürth (DE): Verlag AnBUS eV, 2006. 2ª edição. ISBN 3-9808428-6-X.Pesquise no Google Acadêmico

258. Virnich M. Gutachten über die messtechnische Untersuchung der Charakteristik von Funksignalen [Internet]. Salzburgo (AT): Land Salzburg, 2015, 26 de junho, 141p. Disponível em: https://www.salzburg.gv.at/gesundheit_/Seiten/technik.aspx .Pesquise no Google Acadêmico

259. Bundesamt für Umwelt. Orte mit empfindlicher Nutzung (OMEN) [Internet]. Berna (CH): Bundesamt für Umwelt, 4 de março de 2010. Disponível em: http://www.bafu.admin.ch/elektrosmog/13893/15175/15257/index.html?lang=de .Pesquise no Google Acadêmico

260. Kundi M, Hutter HP. Estações base de telefonia móvel – Efeitos no bem-estar e na saúde. Fisiopatologia 2009;16(2–3):123–35.10.1016/j.pathophys.2009.01.008Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

261. Conselho Nacional de Proteção e Medições Radiológicas (NCRP). Rascunho do Relatório do Comitê Científico 89-3 do NCRP sobre Campos Elétricos e Magnéticos de Frequência Extremamente Baixa [Internet]. 13 de junho de 1995. Disponível em: https://www.salzburg.gv.at/gesundheit_/Documents/ncrp_draft_recommendations_on_emf_exposure_guidelines_1995.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

262. Oberfeld G. Prüfkatalog des Fachbereiches Umweltmedizin für das Vorhaben 380kV Freileitung von St. H. zum Umspannwerk Salzach Neu (Salzburgleitung) der Verbund-Austrian Power Grid AG. [Internet] Salzburgo (AT): Land Salzburg, 2006, 27 de fevereiro. Disponível em: https://www.salzburg.gv.at/gesundheit_/Documents/Umweltmedizin-Sbg.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

263. Baubiologie Maes/Institut für Baubiologie + Nachhaltigkeit (IBN). Diretrizes de avaliação de biologia de construção para áreas de dormir (SBM-2015). Neuss, Rosenheim (DE): Baubiologie Maes, IBN., maio de 2015, 3p. Disponível em: http://www.baubiologie.de/site/wp-content/uploads/richtwerte-2015-englisch.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

264. Der Schweizerische Bundesrat. Verordnung über den Schutz vor nichtionisierender Strahlung (NISV) de 23 de dezembro de 1999 [Internet]. Berna (CH): Der Schweizerische Bundesrat, 1º de julho de 2012. Disponível em: https://www.admin.ch/opc/de/classified-compilation/19996141/index.html .Pesquise no Google Acadêmico

265. Monitores certificados pela TCO 7.0-11 de novembro de 2015 [Internet]. Desenvolvimento de TCO. Disponível em: http://tcodevelopment.com/files/2015/11/TCO-Certified-Displays-7.0.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

266. Vignati M, Giuliani L. Exposição à radiofrequência perto de linhas de alta tensão. Environ Health Perspect 1997;105(Suplemento 6): 1569–73.10.1289/ehp.97105s61569Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

267. Margaritis LH, Manta AK, Kokkaliaris KD, Schiza D, Alimisis K et al. Oogênese de Drosophila como biomarcador de resposta a fontes de CEM. Electromagn Biol Med 2014;33(3):165–89.10.3109/15368378.2013.800102Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

268. Gustavs K. Opções para minimizar exposições à radiação eletromagnética não ionizante (EMF/RF/campos estáticos) em ambientes de escritório [Internet]. Victoria, BC (CA): Katharina Consulting, 14 de novembro de 2008. Disponível em: http://www.katharinaconsulting.com/s/2008_Gustavs_Low_EMF_Office_Environment.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

269. Oberfeld G, Gutbier J. Elektrosmog im Alltag [Internet]. Stuttgart (DE): Diagnose Funk, 10 de novembro de 2013, 44p. Disponível em: https://www.salzburg.gv.at/gesundheit_/Seiten/infoblaetter.aspx .Pesquise no Google Acadêmico

270. Virnich M. Baubiologische EMF-Messtechnik – Grundlagen der Feldtheorie, Praxis der Feldmesstechnik. Munique, Heidelberg (DE): Hüthig & Pflaum Verlag, 2012. ISBN 1438-8707.Pesquise no Google Acadêmico

271. Pauli P, Moldan D. Reduzierung hochfrequenter Strahlung im Bauwesen: Baustoffe und Abschirmmaterialien. Fürth (DE): Ed. Berufsverband Deutscher Baubiologen VDB eV, Verlag AnBUS eV 2015. ISBN 978-3-9814025-9-9.Pesquise no Google Acadêmico

272. Levy F, Wannag A, editores. Adaptação nórdica da classificação de transtornos ocupacionais (doenças e sintomas) para CID-10 [Internet]. Oslo (NO): Conselho de Ministros Nórdico, 2000, 53p. DIVS: 2000:839, ISBN: 92-893-0559-2. Disponível em: http://www.nordclass.se/ICD-10_Nordic%20Occupational_2000.pdf .Pesquise no Google Acadêmico

273. Bansal M, Kaushal N. Mecanismos de estresse oxidativo e sua modulação. Nova Deli (IN): Springer, 2014:167.10.1007/978-81-322-2032-9Pesquise no Google Acadêmico

274. Brostoff J, Challacombe S. Alergia e intolerância alimentar. Londres (GB): Balliere Tindall, 1987.Pesquise no Google Acadêmico

275. Andre CM, Larondelle Y, Eners D. Antioxidantes dietéticos e estresse oxidativo de uma perspectiva humana e vegetal, uma revisão. Curr Nutr Food Sci 2010;6(1):2–12.10.2174/157340110790909563Pesquise no Google Acadêmico

276. Bouayed J, Bohn T. Antioxidantes exógenos – espadas de dois gumes no estado redox celular; efeitos benéficos à saúde em doses fisiológicas versus efeitos deletérios em altas doses. Oxid Med Cell Longev 2010;3(4):228–37.10.4161/oxim.3.4.12858Pesquise no Google Acadêmico

277. Hoffmann W, Staller B. Prävention durch richtige Ernährung. umwelt medizin gesellschaft 2012;25(2):115–7.Pesquise no Google Acadêmico

278. Suzuki YJ, Packer L. Inibição da ativação de NFkB por derivados de vitamina E. Biochem Biophys Res Commun 1993;193(1):277–83.10.1006/bbrc.1993.1620Pesquise no Google Acadêmico

279. Zingg JM. Modulação da transdução de sinal pela vitamina E. Mol Aspects Med 2007;28(5–6):481–506.10.1016/j.mam.2006.12.009Pesquise no Google Acadêmico

280. Yeh SL, Wang HM, Chen PY, Wu TC. Interação de ß-Carotina e flavonóides na secreção de mediadores inflamatórios em sistema in vitro. Chem Biol Interact 2009;179(2–3): 386–93.10.1016/j.cbi.2008.12.006Pesquise no Google Acadêmico

281. Carcamo JM, Pedraza A, Borquez-Ojeda O, Golde DW. A vitamina C suprime a ativação do NF kappa B induzida pelo TNF alfa, inibindo a fosforilação do I kappa B alfa. Bioquímica 2002;41(43):12995–3002.10.1021/bi0263210Pesquise no Google Acadêmico

282. Carcamo JM, Pedraza A, Borquez-Ojeda O, Zhang B, Sanchez R, et al. A vitamina C é um inibidor da quinase: o ácido desidroascórbico inibe a IkappaBalphakinase beta. Mol Cell Biol 2004; 24(15):6645–52.10.1128/MCB.24.15.6645-6652.2004Pesquise no Google Acadêmico

283. Kyaw M, Yoshizumi M, Tsuchya K, Suzaki Y, Abe S, et al. Os antioxidantes inibem a proliferação de células musculares lisas vasculares induzida pela endotelina-1 (1-31) através da inibição da proteína quinase ativada por mitógeno (MAP) e da proteína ativadora-1 (AP-1). Biochem Pharmacol 2002;64(10):1521–31.10.1016/S0006-2952(02)01349-7Pesquise no Google Acadêmico

284. Lubbad A, Oriowo MA, Khan I. A curcumina atenua a inflamação através da inibição do receptor TLR-4 na colite experimental. Mol Cell Biochem 2009;322(1–2): 127–35.10.1007/s11010-008-9949-4Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

285. Woo JH, Lim JH, Kim YH, Soh SI, Min DS, et al. O resveratrol inibe a expressão da metaloproteinase-9 da matriz induzida por acetato de forbol miristato, inibindo a transdução de sinal delta de JNK e PKC. Oncogene 2004;23(10):1845–53.10.1038/sj.onc.1207307Pesquise no Google Acadêmico

286. Nonn L, Duong D, Pechl DM. Atividades quimiopreventivas antiinflamatórias da curcumina e outros fitoquímicos mediadas pela MAP quinase fosfatase-5 nas células da próstata. Carcinogênese 2007;28(6):1188–96.10.1093/carcin/bgl241Pesquise no Google Acadêmico

287. Khan N, Mukhtar H. Terapia multissetorial do câncer por polifenóis green tee. Câncer Lett 2008;269(2):269–80.10.1016/j.canlet.2008.04.014Pesquise no Google Acadêmico

288. Roskoski R. Bioquímica. Filadélfia, PA, EUA: WB Saunders Company, 1996:530pp.Pesquise no Google Acadêmico

289. DevlinTM, editor. Livro Didático de Bioquímica com Correlações Clínicas, 5ª ed. Nova York, NY (EUA): Wiley-Liss, 2002.Pesquise no Google Acadêmico

290. Rassow J, Hauser K, Netzker, Deutzmann R. Biochemie. 2ª edição. Estugarda (DE): Thieme, 2008:872pp.10.1055/b-002-85529Pesquise no Google Acadêmico

291. Müller KE. Polimorfismo Genético da Catecol-O-Metiltransferase (COMT). umwelt medizin gesellschaft 2007;20(4):282–8.Pesquise no Google Acadêmico

292. Rea WJ. Sensibilidade Química, Vol. 2: Fontes de Carga Corporal Total, 1ª ed. Boca Raton, FL (EUA): CRC Press/Lewis Publishers, 1994:569pp.Pesquise no Google Acadêmico

293. Schäfer SG, Elsenhans B, Forth W, Schumann K. Metalle. In: Marquardt H, Schäfer SG, editores. Lehrbuch der Toxicologie. Heidelberg (DE): Spektrum Akademischer Verlag, 1997:504–49pp.Pesquise no Google Acadêmico

294. Goyer RA, Cherian GM, editores. Toxicologia de Metais. Berlim, Heidelberg (DE): Springer-Verlag, 1995:467pp.10.1007/978-3-642-79162-8Pesquise no Google Acadêmico

295. Müller KE. Imuntoxicologia do Metal. umwelt medizin gesellschaft 2004;17(4):299–301.Pesquise no Google Acadêmico

296. Aposian HV, Malorino RM, Gonzales-Ramirez D, Zuniga-Charles M, Xu Z, et al. Mobilização de metais pesados ​​por agentes quelantes mais recentes e terapeuticamente úteis. Toxicologia 1995;97(1–3):23–38.10.1016/0300-483X(95)02965-BPesquise no Google Acadêmico

297. Flora SJ, Pachauri V. Quelação em intoxicação por metais. Int J Environ Res Saúde Pública 2010;7(7):2745–88.10.3390/ijerph7072745Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

298. Jennrich P. Desintoxicação de Schwermetallen. umwelt medizin gesellschaft 2012;25(4):24–7.Pesquise no Google Acadêmico

299. Pall ML. A terapia com sauna e os exercícios atuam aumentando a disponibilidade de tetrahidrobiopterina? Hipóteses Med 2009;73(4):610–3.10.1016/j.mehy.2009.03.058Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

300. Rozanowska M, Jarvis-Evans J, Korytowski W, Boulton ME, Burke JM, et al. Reatividade induzida pela luz azul do pigmento da idade da retina. Geração in vitro de espécies reativas de oxigênio. 270(32):18825–30.10.1074/jbc.270.32.18825Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

301. Tolentino M, Morgan G. Popularidade dos dispositivos eletrônicos, lâmpadas “mais verdes” aumentam a exposição à luz azul. Notícias de optometria Pri Care 2012;18–9.Pesquise no Google Acadêmico

302. van der Lely S, Frey S, Garbazza C, Wirz-Justice A, Jenni OG, et al. Óculos bloqueadores azuis como contramedida para alertar os efeitos da exposição noturna à tela de diodo emissor de luz em adolescentes do sexo masculino. J Saúde do Adolescente 2015;56(1):113–9.10.1016/j.jadohealth.2014.08.002Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

303. Narimatsu T, Negishi K, Miyake S, Hirasawa M, Osada H, et al. Expressão de marcadores inflamatórios induzidos por luz azul no epitélio pigmentar da retina-coróide de camundongos e o efeito protetor de um material de lente intraocular amarelo in vivo. Exp Eye Res 2015;132:48–51.10.1016/j.exer.2015.01.003Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

304. Nishi T, Saeki K, Obayashi K, Miyata K, Tone N, et al. O efeito das lentes intraoculares bloqueadoras de azul no ritmo biológico circadiano: protocolo para um ensaio clínico randomizado (estudo de cores CLOCK-IOL). BMJ Open 2015;5(5):e007930.10.1136/bmjopen-2015-007930Pesquise no Google AcadêmicoPubMed PubMed Central

305. Mutter J, Naumann J, Schneider R, Walach H, Haley B. Mercúrio e autismo: evidências aceleradas? Neuro Endocrinol Lett 2005;26(5):439–46.Pesquise no Google Acadêmico

306. Mutter J, Naumann J, Guethlin C. Comentários sobre o artigo “a toxicologia do mercúrio e seus compostos químicos” de Clarkson e Magos (2006). Crit Rev Toxicol 2007;37(6):537–49; discussão 551–2.10.1080/10408440701385770Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

307. Mutter J, Curth A, Naumann J, Deth R, Walach H. O mercúrio inorgânico desempenha um papel na doença de Alzheimer? Uma revisão sistemática e um mecanismo molecular integrado. J Alzheimer Dis 2010;22(2):357–74.10.3233/JAD-2010-100705Pesquise no Google AcadêmicoPubMed

308. Geier DA, King PG, Sykes LK, Geier MR. Uma revisão abrangente do mercúrio provocou autismo. Indiano J Med Res 2008;128(4):383–411.Pesquise no Google Acadêmico


Material Suplementar:

A versão online deste artigo (DOI: 10.1515/reveh-2016-0011 ) oferece material complementar, disponível para usuários autorizados.


Recebido: 16/03/2016
Aceito: 29/05/2016
Publicado on-line: 25/07/2016
Publicado na versão impressa: 2016-9-1

©2016 Walter de Gruyter GmbH, Berlim/Boston

 

error: Este conteúdo é protegido!
0:00
0:00

Esta é uma assinatura anual (365 dias). O Plano Gold - Anual garante o seu acesso a 6.358 frequências disponíveis em nosso app + vantagens e descontos. Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

O Plano GoldAnual dá acesso a 6.358 frequências divididas em:

  • 3.035 FUD (Frequências Ultrassônicas Direcionadas);
  • 418 FUD Essenciais;
  • 312 Frequências Combinadas para Vacinados COVID;
  • 42 Frequências Dr. Garyaev e Anthonio Magalhães
  • 126 FUD para Proteção 5G e Radiações Diversas;
  • 227 FEQ (Frequências Escalares Quânticas);
  • 62 FUM (Frequências Ultrassônicas Meridianas);
  • 17 FUG (Frequências Ultrassônicas dos Genes);
  • 8 FUTI (Frequências Ultrassônicas de Tons Isocrônicos);
  • 24 FUPO (Frequências Ultrassônicas Puras das Ondas);
  • 60 FUOC (Frequências Ultrassônicas de Ondas Cerebrais);
  • 163 FUOS (Frequências Ultrassônicas de Ondas Senoidais);
  • 120 FUC (Frequências Ultrassônicas Cromoterápicas);
  • 57 FUV (Frequências Ultrassônicas de Varreduras);
  • 64 FUS (Frequências Ultrassônicas de Solfeggios);
  • 51 FUB (Frequências Ultrassônicas Binaurais);
  • 15 FUA (Frequências Ultrassônicas para Aterramento);
  • 36 FASMR (Frequências ASMR);
  • 107 FMR (Frequências Musicais para Relax);
  • 259 FESF (Frequências para Estética, Suplementos e Fitness);
  • 266 FPC (Frequências de Pedras e Cristais);
  • 69 FEP (Frequências de Estrelas e Planetas);
  • 79 FP (Frequências da Prosperidade);
  • 136 FH (Frequências Holísticas);
  • 58 FRU (Frequência Repelente Ultrassônica) contra insetos e pequenos animais.
 

Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

Prêmios para os assinantes do Plano Gold:

1– O Plano Gold dá direito a 03 meses (90 dias) de acesso completo ao site Planeta Prisão

(www.planetaprisao.com.br)

2– O Plano Gold dá direito a 02 meses (60 dias) de acesso completo ao site Reversão Humana

(www.reversaohumana.com.br)

3– O Plano Gold dá direito a 01 mês (30 dias) de acesso completo ao site 320.000 Anos

(www.320milanos.com.br)

4– O Plano Gold dá direito a 01 mês (30 dias) de acesso completo ao site BLOCK5G

(www.block5g.com.br)

Obs.: O valor total dos prêmios é de R$ 579,60

Desconto para os assinantes do Plano Gold:

O assinante Gold tem direito a 10% de desconto na renovação do Plano Gold Anual.

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 1 tem um total de 26 frequências divididas em: 23 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 03 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • Abscessos (dor de dente)
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Alergias 02
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 09
  • Fortalecer e Equilibrar o Sistema Imunológico
  • Herpes 1
  • Indigestão 1
  • Insônia 1
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Perda de Peso 10
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Relax – música para meditação
  • Reumatismo 1
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 2 tem um total de 70 frequências divididas em: 60 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 10 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Abscessos (Dor de Dente) 1
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Alcoolismo – dependência de álcool
  • Alergias 02
  • Alívio da Dor – redutor de dores
  • Anemia 3
  • Anti Cancer Versão 2.0
  • Articulação do Joelho
  • Asma 1
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Circulação Sanguínea 2
  • Cólicas menstruais – dor menstrual
  • Deficiência da Vitamina P
  • Deficiência de Vitamina A
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Dermatite 1
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • Distúrbios Estomacais
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Dor de Cabeça 4
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 09
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Estimulação do Décimo Primeiro Nervo Craniano – alívio da dor e melhora da respiração
  • Estresse 5
  • Febre 2 – resfriado, coriza, dor de garganta
  • Fortalecer e Equilibrar Sistema Imunológico
  • Fortalecimento do Coração – efeito tônico
  • Gota 1
  • Hemorróidas 4
  • Herpes 1
  • Hipermetropia – músculos oculares
  • Indigestão 1
  • Insônia 1
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Nervo Ciático 2
  • Níveis de Ingestão de Magnésio – fortalecendo o corpo
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Sódio – para uma função eletrolítica ótima
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis ​​
  • Perda de Peso 10
  • Pressão Alta 1
  • Problemas Intestinais 2
  • Proliferação Celular
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Regeneração dos Nervos
  • Relax – música relaxante com peixes tropicais e recifes de coral
  • Relax – música relaxante subaquática dos golfinhos do Havaí
  • Relax – ondas noturnas de verão ao entardecer
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Reparação de Cicatrizes na Pele (também para piercings)
  • Resfriados 2
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Reumatismo 1
  • Sarna 2
  • Síndrome de Fadiga Crônica 3
  • Sistema Nervoso Parassimpático – ativação
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Tumores – células cancerígenas
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida
  • Zumbidos 1

O Plano 3 tem um total de 140 frequências divididas em: 120 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 20 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Abscessos (Dor de Dente) 1
  • Acidose 1
  • Adenóides 2
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Ajuda para Desconstruções Mentais – A
  • Alcoolismo – Dependência de Álcool
  • Alcoolismo 2
  • Alegria
  • Alergias 02
  • Alívio da Dor – redutor de dores
  • Alucinações 1
  • Amplifique os Neurônios do Hipocampo
  • Anemia 2
  • Anemia 3
  • Aneurisma 2
  • Ansiedade 8
  • Ansiedade 9
  • Anti Câncer
  • Anti Câncer Versão 2.0
  • Apneia do sono 1
  • Arnica 2
  • Articulação do Joelho
  • Asma 1
  • Asma 3
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Audição 1
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Autointoxicação
  • Bactéria Lactis Nosode
  • Bócio 1
  • Bom Sono
  • Bronquite 2
  • Calcificação dos Ossos 4
  • Calmante e Alívio da Dor – reduz a dor
  • Cânceres Diversos – frequências ultrassônicas
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Caspa 3
  • Catarro 2
  • Células Doentes 1
  • Choque Séptico
  • Circulação Sanguínea 2
  • Cobre 12
  • Cobre 14
  • Colesterol Alto 3
  • Cólica Biliar
  • Cólicas menstruais – dor menstrual
  • Deficiência da Vitamina P
  • Deficiência de Vitamina A
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Deficiência de Vitamina D
  • Dermatite 1
  • Detox Corpo e Mente 2
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • Distúrbios dos Nervos
  • Distúrbios Estomacais
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Doenças Pulmonares 3
  • Dor de Cabeça 4
  • Dor de Garganta 3
  • Dor de Ouvido 1
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Durma Bem 13
  • Durma Bem 19
  • Durma Bem 20
  • Durma Bem 23
  • Elevação Vibratória 3
  • Energia Positiva – 963 Hz
  • Estimulação do Décimo Primeiro Nervo Craniano – alívio da dor e melhora da respiração
  • Estômago 1
  • Estresse 5
  • Extrofia da Bexiga – Isocrônica Binaural – longa
  • Febre 2 – resfriado, coriza, dor de garganta
  • Fortalecer e Equilibrar o Sistema Imunológico
  • Fortalecimento do Coração – efeito tônico
  • Frequência 285 Hz concentração
  • Frequência 888 Hz concentração
  • Glaucoma 4
  • Gota 1
  • Hanseníase 2
  • Hemorragia 2
  • Hemorróidas 4
  • Herpes 1
  • Herpes Zoster 2
  • Hipermetropia – músculos oculares
  • Impotência
  • Indigestão 1
  • Inflamação de Corpo
  • Inflamações Gerais 1
  • Insônia 1
  • Intestino – inflamação
  • Liberação de Dopamina e Endorfina – aumente sua serotonina – binaural
  • Manchas e Cicatrizes
  • Melhorando a Cicatrização de Feridas Primárias e Secundárias
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Nervo Ciático 2
  • Neurogênese Cerebral – tons isocrônicos de plasticidade cerebral
  • Neuropatia Periférica 8
  • Níveis de Ingestão de Magnésio – fortalecendo o corpo
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Sódio – para uma função eletrolítica ótima
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Perda de Peso 10
  • Pressão Alta 1
  • Problemas Intestinais 2
  • Proliferação Celular
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Regeneração dos Nervos
  • Relax – baleias no paraíso
  • Relax – cantos dos pássaros e sons de chuva para dormir
  • Relax – música para meditação
  • Relax – relaxamento profundo – ondas alpha
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Relax – som relaxante de água fluindo para dormir
  • Relax – sons de uma viagem cósmica
  • Reparação de Cicatrizes na Pele (também para piercings)
  • Reparação de DNA 1
  • Reparação de DNA 2
  • Resfriados 2
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Reumatismo 1
  • Sarna 2
  • Síndrome de Fadiga Crônica 3
  • Sintonização dos 5 Sentidos
  • Sistema Linfático e a Circulação
  • Sistema Nervoso Parassimpático – ativação
  • Sono Profundo 05 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 09 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 14 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 18 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Tumores – células cancerígenas
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida
  • Zumbidos 1

O Plano 5 garante o seu acesso a 6.358 frequências disponíveis em nosso app. Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

  • 3.035 FUD (Frequências Ultrassônicas Direcionadas);
  • 418 FUD Essenciais;
  • 312 Frequências Combinadas para Vacinados COVID;
  • 42 Frequências Dr. Garyaev e Anthonio Magalhães
  • 126 FUD para Proteção 5G e Radiações Diversas;
  • 227 FEQ (Frequências Escalares Quânticas);
  • 62 FUM (Frequências Ultrassônicas Meridianas);
  • 17 FUG (Frequências Ultrassônicas dos Genes);
  • 8 FUTI (Frequências Ultrassônicas de Tons Isocrônicos);
  • 24 FUPO (Frequências Ultrassônicas Puras das Ondas);
  • 60 FUOC (Frequências Ultrassônicas de Ondas Cerebrais);
  • 163 FUOS (Frequências Ultrassônicas de Ondas Senoidais);
  • 120 FUC (Frequências Ultrassônicas Cromoterápicas);
  • 57 FUV (Frequências Ultrassônicas de Varreduras);
  • 64 FUS (Frequências Ultrassônicas de Solfeggios);
  • 51 FUB (Frequências Ultrassônicas Binaurais);
  • 15 FUA (Frequências Ultrassônicas para Aterramento);
  • 36 FASMR (Frequências ASMR);
  • 107 FMR (Frequências Musicais para Relax);
  • 259 FESF (Frequências para Estética, Suplementos e Fitness);
  • 266 FPC (Frequências de Pedras e Cristais);
  • 69 FEP (Frequências de Estrelas e Planetas);
  • 79 FP (Frequências da Prosperidade);
  • 136 FH (Frequências Holísticas);
  • 58 FRU (Frequência Repelente Ultrassônica) contra insetos e pequenos animais.

Experimente Gratuitamente Estas Frequências:

  • Dor de Cabeça 1
  • Dor nas Costas 2
  • Melhorando a Cicatrização de Feridas Primárias e Secundárias
  • Relax – Odisseia Espacial
  • Restauração Digestiva
  • Sinusite 2

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 4 foi desenvolvido especialmente para quem tomou as vacinas de Covid. Ele tem um total de 312 frequências selecionadas de acordo com os relatos de pessoas vacinadas, publicações médicas e notícias na imprensa. Há frequências que ajudam na eliminação da proteína, Spike, Óxido de Grafeno, Alumínio, etc.

  • 5G – proteção eletromagnética 1
  • 5G – radiações e microondas 2
  • 5G – radiações e microondas 3
  • 5G – radiações e microondas 4
  • 5G – radiações e microondas 5
  • 5G – radiações e microondas 6
  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Água das Células – estabilização do campo magnetodielétrico
  • Água Hexagonal 1 (estruturada) – tratamento da água
  • Água Hexagonal 3 (estruturada) – tratamento da água
  • Água Hexagonal 4 (estruturada) – tratamento da água
  • Água, Oxigênio e Vitamina C – estimulador
  • Alcalinização do Corpo
  • Anti-coagulação Sanguínea
  • Antioxidante
  • Aorta 1
  • Aorta 2
  • Artérias 3
  • Aterramento Sonoro A 1
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Borax Tratamento
  • Campo Eletromagnético – fortalecimento com elétrons, oxigênio e hidrogênio negativo
  • Campo Eletromagnético Celular – equilíbrio
  • Campo Eletromagnético do Corpo 1 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Eletromagnético do Corpo 2 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Eletromagnético do Corpo 3 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Informacional do CEM
  • Campo Magnetodielétrico do Corpo – oscilar de ondas MUTI
  • Câncer do Pulmão – tratamento
  • Câncer Turbo 1
  • Câncer Turbo 2
  • Câncer Turbo 3
  • CDS – Dióxido de Cloro
  • Células – energizador
  • Células (renovação celular)
  • Células 1
  • Células 2
  • Células 3
  • Células 4
  • Células 5
  • Células 6
  • Células 7
  • Células Cancerígenas 2 – eliminação
  • Células com Gorduras – removedor de gorduras
  • Células Doentes 2
  • Células Novas – aumento
  • Células-tronco 4
  • CEM da Célula
  • Cérebro 1
  • Circulação Sanguínea 1
  • Circulação Sanguínea 2
  • Circulação Sanguínea 3
  • Coágulo Sanguíneo 2
  • Cobre 03
  • Cobre 04
  • Cobre 05
  • Cobre 06
  • Cobre 07
  • Cobre 08
  • Cobre 10
  • Cobre 11
  • Cobre 12
  • Cobre 14
  • Cobre Coloidal
  • Complexo Antioxidante para o Cérebro
  • Coração (problemas diversos) – tratamento
  • Coração 1 – rejuvenescimento
  • Coração 2 – rejuvenescimento
  • Coração Distúrbios 1 – tratamento
  • Coração Distúrbios 2 – tratamento
  • Coronavírus – Covid-19 3
  • Coronavírus – tratamento
  • Coronavírus 2020 1
  • Coronavírus e Covid-19 1
  • Coronavirus e Covid-19 2
  • Corpo Alcalino 1
  • Covid-19 1
  • Covid-19 2
  • Covid-19 3
  • Covid-19 4
  • Covid-19 Proteção + Zinco + Magnésio + Vitamina D
  • Deficiência de Vitamina D
  • Desintoxicação Celular – regeneração de corpo inteiro
  • Desintoxicação do Corpo 1
  • Desintoxicação do Corpo 2
  • Desintoxicação do Corpo 3
  • Desintoxicação do Corpo 4
  • Desintoxicação do Corpo 5
  • Detox Celular Potente
  • Detox Cerebral (remove o muco do cérebro, drena o sistema glinfático e limpa a neurotoxicidade)
  • Detox Chemtrails 1
  • Detox Chemtrails 2
  • Detox Chemtrails 3
  • Detox Chemtrails 4
  • Detox Covid-19 e Proteína Spike
  • Detox da Glândula Adrenal
  • Detox de Micro e Nano Plásticos
  • Detox de Alumínio 1
  • Detox de Alumínio 2
  • Detox de Alumínio 3
  • Detox de Alumínio e Mercúrio
  • Detox de Fígado, Rins, Linfa e Intestinos
  • Detox de Glifosato
  • Detox de Grafeno
  • Detox de Grafeno com Energia Escalar
  • Detox de Grafeno e Nanobots
  • Detox de Grafeno e Nanobots com Disrupção
  • Detox de Grafeno para os Alimentos
  • Detox de Mercúrio 1
    Detox de Mercúrio 2
  • Detox de Metais Pesados 1
  • Detox de Metais Pesados 2
  • Detox de Metais Pesados 3
  • Detox de Morgellons
  • Detox de Nanobots de Grafeno
  • Detox de OGM e Pesticidas
  • Detox de Óxido de Grafeno
  • Detox de Parasitas Ancilostomídeos
  • Detox de Parasitas Diversos 1
  • Detox de Parasitas Diversos 2
  • Detox de Parasitas Linfáticos
  • Detox de Radiações 1
  • Detox de Radiações 2
  • Detox de Radiações 5
  • Detox de Radiações 6
  • Detox de Radiotividade no Corpo – energia escalar (bobina Tesla)
  • Detox de Toxinas Biossintéticas
  • Detox de Toxinas das Células
  • Detox de Vacinas Covid-19
  • Detox dos Rins 1
  • Detox Geral – tratamento
  • Detox Nanobots e Smartdust (IA)
  • Detox Nanoplásticos e Morgellons (IA)
  • Detox no Pâncreas – remoção de parasitas
  • Detox no Sistema Respiratório
  • Detox para Vacinas de Covid-19
  • Detox Poluição Eletromagnética
  • Dissolvedor de Coágulos Sanguíneos
  • DMSO 2
  • DMSO 3 (Dimetilsulfóxido ou Sulfóxido de Dimetilo)
  • DNA – reparador de alterações por vacinas
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Doença X – tratamento
  • Durma Bem 09
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Durma Bem 17
  • Durma Bem 19
  • Efeitos Colaterais da Vacina Covid-19 – tratamento
  • Eletrorrecepção – percepção elétrica
  • Energia para o Campo Eletromagnético do Corpo
  • Escudo de Proteção Contra Vacinas SARS-CoV-2
  • Escudo Protetor de Toxinas e Parasitas Eletromagnéticos
  • Estresse 5
  • Éter 2
  • Éter 3
  • Éter 4
  • Éter 6
  • Flutuadores 1
  • Fósforo
  • Frequência para o Campo Eletromagnético do Corpo
  • Glândula Timo 1
  • Grafeno 1 – remoção silenciosa
  • Grafeno 2 – remoção silenciosa
  • Gripe Aviária 1
  • Gripe Aviária 2
  • Gripe Aviária 3
  • Gripe Aviária 4
  • H5N1 2
  • HAARP – frequência de proteção
  • Herpes Zoster 6
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 1
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 2
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 3
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 4
  • Hipóxia – aumenta o nível de oxigênio no sangue e nos tecidos e regula a frequência cardíaca e a respiração
  • Hipóxia – oxigenação para as células
  • Hipóxia (falta de oxigenação no sangue) – tratamento
  • Hipóxia Cerebral
  • HIV – tratamento
  • HIV (infecções relacionadas) – tratamento
  • HIV 2
  • HIV 3
  • Infecção Pulmonar (pneumonia) – tratamento
  • Inflamação Cardíaca
  • Inflamação Geral
  • Influenza (também resfriados)
  • Integridade do DNA – estimulador
  • Íons Negativos
  • Ivermectina + Vitamina D
  • Ivermectina
  • L-Triptofano
  • L-Triptofano (aminoácido) relaxamento para o corpo
  • Levantamento de bustos ou seios – frequência do cobre
  • M.M.S. – simulador
  • Magnetorrecepção – percepção magnética
  • Medula Espinhal 1
  • Melatonina 1
  • Melatonina 3
  • Melatonina 6
  • Miocardite 1
  • Mitocôndrias (DNA) – estimulador A
  • MMS – frequência silenciosa
  • Monkeypox 1 – alta frequência em 741 Hz
  • Monkeypox 2
  • Monkeypox Vírus
  • Morgellons – erradica os parasitas e bactérias e reduz a coceira e erupções cutâneas
  • Morgellons 3
  • Morgellons 4
  • Morgellons Kaboomilicious
  • Morgellons Lyme Nano Blaster
  • N-acetilcisteína – simulação para diminuir o muco respiratório
  • NAC – N-Acetil Cisteína
  • Nanobots de Óxido de Grafeno – desabilitador
  • Nanobots IA 1 – eliminador
  • Nanobots IA 2 – eliminador
  • Nanobots IA 3 – eliminador
  • Nanobots IA 4 – eliminador
  • Nanobots ou Nanorrobôs I.A. das Vacinas de Covid-19 – frequência desabilitadora
  • Nanopartículas de Carbono (grafeno) – desabilitador
  • Nanopartículas de Óxido de Grafeno – eliminador
  • Nanorrobôs – remoção
  • Nanorrobôs e Nanobots IA – tratamento de remoção
  • Nanotecnologia no Corpo 1 – remoção
  • Nanotecnologia no Corpo 2 – remoção
  • Nipah Vírus – eliminação com 741 Hz
  • Níveis de Cobre – produção de energia e suporte ao sistema imunológico
  • Níveis de Zinco para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Ondas de Calor 3
  • Ouro + Prata + Cobre – frequência coloidal
  • Ouro Coloidal 1
  • Ouro Puro – frequência
  • Óxido de Grafeno – detox
  • Óxido Nítrico 2 (antinanotecnologia no corpo) – remoção
  • Óxido Nítrico e Hidrogênio – estimulador
  • Óxido Nítrico e Peróxido de Hidrogênio
  • Oxigenação das Células
  • Oxigênio 3
  • Oxigênio 4
  • Paralisia de Bell 3 – tratamento
  • Paralisia de Bell 5 – tratamento
  • Paralisia do Carrapato – acelera a decomposição de toxinas e restaura as funções nervosas
  • Parasitas 1
  • Parasitas 2
  • Parasitas 3
  • Parasitas e Bactérias
  • Patógenos Biossintéticos
  • Patógenos das Vacinas de Covid-19
  • Patógenos no Cérebro – neutralizador
  • Pericárdio – ressonância do sistema meridiano
  • Pericardite 1
  • Peróxido de Hidrogênio 1
  • Pneumonia do Pulmão Branco 1 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 2 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 3 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 4 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 5 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 6 (Micoplasma) – tratamento
  • Prata Coloidal – efeito-antibiótico
  • Probióticos
  • Proliferação Celular
  • Proteção Contra Ondas Eletomagnéticas Intensas – G
  • Proteção de Radiações para o Cérebro
  • Proteção Eletromagnética para o Cérebro – campo protetor – G
  • Proteína Spike – Eliminador
  • Proteína Spike Vacina Covid 1 – eliminador
  • Proteína Spike Vacina Covid 2 – eliminador
  • Purificação do Ar no seu campo magnetodielétrico
  • Purificação do Sangue
  • Radiação Solar – estimulador
  • Radiações do Câncer – bloqueio
  • Regeneração Celular
  • Regeneração Completa do Corpo
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Relax – música relaxante com peixes tropicais e recifes de coral
  • Relax – música relaxante subaquática dos golfinhos do Havaí
  • Relax – ondas noturnas de verão ao entardecer
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Remoção de Células Senescentes
  • Remoção de Fungos e Bactérias
  • Remoção de Vírus, Parasitas e Fungos
  • Reparação de DNA 1
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Ródio
  • SARS-CoV-2 Ômicron 2021 – vírus
  • Saúde das Células Sanguíneas
  • Sistema Cardiovascular 1
  • Sistema de Condução Elétrica do Coração
  • Sistema Imunológico 01 – G
  • Sistema Imunológico 04
  • Sistema Imunológico 08
  • Sono Profundo 09 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Temperatura Corporal 1
  • Tonificação Celular
  • Trans-Resveratrol e Resveratrol
  • Trombose Venosa Profunda – tratamento
  • Tumores Malignos (diversos) – tratamento
  • Varíola
  • Vírus (diversos) 2 – eliminador
  • Vírus (diversos) 5 – eliminador
  • Vírus da Parainfluenza Humana
  • Vitamina C 1
  • Vitamina D3 1
  • Vitamina D3 3
  • Vortex de Proteção Eletromagnética – estabilização
  • Zeólita e Ácido Fúlvico
  • Zinco
  • Zinco e Fósforo – estimulador antibiótico e antioxidante

Você ainda não possui esta frequência!