[esi ihc-user field="ihc_avatar"]

Curso de Frequências Grátis

Grupo de Frequências

Séries Terapêuticas Personalizadas

[esi ihc-user field="ihc_avatar"]

RECONEXÃO DO CORPO HUMANO AOS ELÉTRONS DA TERRA E AS IMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE

Abstrato

A medicina ambiental geralmente aborda os fatores ambientais com impacto negativo na saúde humana. No entanto, pesquisas científicas emergentes revelaram um fator ambiental surpreendentemente positivo e negligenciado na saúde: o contato físico direto com o vasto suprimento de elétrons na superfície da Terra. O estilo de vida moderno separa os humanos desse contato. A pesquisa sugere que essa desconexão pode ser um dos principais contribuintes para a disfunção fisiológica e o mal-estar. Descobriu-se que a reconexão com os elétrons da Terra promove mudanças fisiológicas intrigantes e relatos subjetivos de bem-estar. Aterramento (ou aterramento) refere-se à descoberta de benefícios – incluindo melhor sono e redução da dor – de andar descalço ao ar livre ou sentar, trabalhar ou dormir em ambientes fechados conectados a sistemas condutores que transferem a Terra. s elétrons do solo para o corpo. Este artigo analisa a pesquisa de aterramento e o potencial do aterramento como uma modalidade global simples e de fácil acesso, de importância clínica significativa.

1. Introdução

A medicina ambiental concentra-se nas interações entre a saúde humana e o meio ambiente, incluindo fatores como ar e água comprometidos e produtos químicos tóxicos, e como eles causam ou medeiam doenças. Onipresente em todo o meio ambiente é um recurso global surpreendentemente benéfico, mas negligenciado, para manutenção da saúde, prevenção de doenças e terapia clínica: a própria superfície da Terra. É um fato estabelecido, embora não amplamente apreciado, que a superfície da Terra possui um suprimento ilimitado e continuamente renovado de elétrons livres ou móveis. A superfície do planeta é eletricamente condutiva (exceto em áreas ultra-secas limitadas, como desertos), e seu potencial negativo é mantido (ou seja, seu suprimento de elétrons é reabastecido) pelo circuito elétrico atmosférico global.

Evidências crescentes sugerem que o potencial negativo da Terra pode criar um ambiente bioelétrico interno estável para o funcionamento normal de todos os sistemas do corpo. Além disso, as oscilações da intensidade do potencial da Terra podem ser importantes para definir os relógios biológicos que regulam os ritmos corporais diurnos, como a secreção de cortisol.

Também está bem estabelecido que os elétrons das moléculas antioxidantes neutralizam as espécies reativas de oxigênio (ROS, ou em termos populares, radicais livres) envolvidas nas respostas imunes e inflamatórias do corpo. O recurso on-line da National Library of Medicine, PubMed, lista 7.021 estudos e 522 artigos de revisão de uma pesquisa de “antioxidante + elétron + radical livre”. Supõe-se que o influxo de elétrons livres absorvidos pelo corpo através do contato direto com a Terra provavelmente neutralize as ROS e, assim, reduza a inflamação aguda e crônica. Ao longo da história, os humanos andavam principalmente descalços ou com calçados feitos de peles de animais. Eles dormiam no chão ou em peles. Por contato direto ou por meio de peles de animais umedecidas com suor, usadas como calçados ou esteiras de dormir, os abundantes elétrons livres do solo conseguiram entrar no corpo, que é eletricamente condutor. Por meio desse mecanismo, todas as partes do corpo poderiam se equilibrar com o potencial elétrico da Terra, estabilizando assim o ambiente elétrico de todos os órgãos, tecidos e células.

O estilo de vida moderno tem cada vez mais separado os humanos do fluxo primordial dos elétrons da Terra. Por exemplo, desde a década de 1960, cada vez mais usamos sapatos isolantes de borracha ou com sola de plástico, em vez do tradicional couro feito de peles. Rossi lamentou que o uso de materiais isolantes em calçados pós-Segunda Guerra Mundial nos tenha separado do campo de energia da Terra. Obviamente, não dormimos mais no chão como antigamente.

Durante as últimas décadas, doenças crônicas, distúrbios imunológicos e doenças inflamatórias aumentaram dramaticamente, e alguns pesquisadores citaram fatores ambientais como a causa. No entanto, a possibilidade de desconexão moderna com a superfície da Terra como causa não foi considerada. Grande parte da pesquisa revisada neste artigo aponta nessa direção.

No final do século 19, um movimento de volta à natureza na Alemanha reivindicou muitos benefícios à saúde por estar descalço ao ar livre, mesmo em climas frios. Na década de 1920, White, um médico, investigou a prática de dormir de castigo após ser informado por alguns indivíduos de que não conseguiam dormir adequadamente “a menos que estivessem no chão ou conectados ao solo de alguma forma”, como fios de cobre conectados a tubos de água, gás ou radiador aterrados. Ele relatou melhora do sono usando essas técnicas. No entanto, essas idéias nunca pegaram na sociedade dominante.

No final do século passado, experimentos iniciados independentemente por Ober nos EUA e K. Sokal e P. Sokal na Polônia revelou benefícios fisiológicos e de saúde distintos com o uso de almofadas condutivas, colchonetes, remendos de eletrodos do tipo EKG e TENS e placas conectadas dentro de casa à Terra do lado de fora. Ober, um executivo de televisão a cabo aposentado, encontrou uma semelhança entre o corpo humano (um organismo bioelétrico transmissor de sinais) e o cabo usado para transmitir sinais de televisão a cabo. Quando os cabos são “aterrados” na Terra, a interferência é praticamente eliminada do sinal. Além disso, todos os sistemas elétricos são estabilizados aterrando-os à Terra. K. Sokal e P. Sokal, por sua vez, descobriram que o aterramento do corpo humano representa um “fator regulador universal na Natureza” que influencia fortemente a bioelétrica, bioenergética,

O aterramento (também conhecido como aterramento) refere-se ao contato com os elétrons da superfície da Terra andando descalço ao ar livre ou sentado, trabalhando ou dormindo em ambientes fechados conectados a sistemas condutores, alguns deles patenteados, que transferem a energia do solo para o corpo. A pesquisa científica emergente apóia o conceito de que os elétrons da Terra induzem múltiplas mudanças fisiológicas de importância clínica, incluindo dor reduzida, melhor sono, uma mudança do tom simpático para parassimpático no sistema nervoso autônomo (ANS) e um efeito de afinamento do sangue. A pesquisa, juntamente com muitos relatos anedóticos, é apresentada em um novo livro intitulado Earthing.

2. Revisão dos Documentos de Aterramento

Os estudos resumidos abaixo envolvem métodos de teste em ambientes fechados sob condições controladas que simulam estar descalço ao ar livre.

2.1. Sono e Dor Crônica

Em um estudo piloto cego, Ober recrutou 60 indivíduos (22 homens e 28 mulheres) que sofriam de distúrbios do sono autodescritos e dores musculares e articulares crônicas por pelo menos seis meses. Os indivíduos foram divididos aleatoriamente para o estudo de um mês em que ambos os grupos dormiram em colchões de fibra de carbono condutivos fornecidos pela Ober. Metade das almofadas foram conectadas a um terra dedicado fora da janela do quarto de cada sujeito, enquanto a outra metade estava “falsamente” aterrada – não conectada à Terra. Os resultados são apresentados pela Tabela 1, logo abaixo:

Tabela 1

Feedback subjetivo de sono, dor e bem-estar.

Categorias Assuntos de teste* Sujeitos de controle**
Mesmo Melhorou Mesmo Melhorou
Hora de adormecer 4 = 15% 23 = 85% 20 = 87% 3 = 13%
qualidade do sono 2 = 7% 25 = 93% 20 = 87% 3 = 13%
Acorde sentindo-se descansado 0 = 0% 27 = 100% 20 = 87% 3 = 13%
Rigidez e dor muscular 5 = 18% 22 = 82% 23 = 100% 0 = 0%
Dor crônica nas costas e/ou nas articulações 7 = 26% 20 = 74% 23 = 100% 0 = 0%
Bem-estar geral 6 = 22% 21 = 78% 20 = 87% 3 = 13%

*Relatos não recebidos de três participantes.

**Relatos não recebidos de sete participantes.

A maioria dos indivíduos fundamentados descreveu melhora sintomática, enquanto a maioria no grupo de controle não. Alguns indivíduos relataram alívio significativo de problemas asmáticos e respiratórios, artrite reumatóide, TPM, apneia do sono e hipertensão enquanto dormiam de castigo. Esses resultados indicaram que os efeitos do aterramento vão além da redução da dor e melhora do sono.

2.2. Sono, Estresse, Dor e Cortisol

Um estudo piloto avaliou os ritmos diurnos no cortisol correlacionados com alterações no sono, dor e estresse (ansiedade, depressão e irritabilidade), monitorados por relatórios subjetivos [ 13  . Doze indivíduos com queixas de disfunção do sono, dor e estresse foram aterrados na Terra durante o sono em suas próprias camas usando um colchão condutor por 8 semanas.

A fim de obter uma medição basal de cortisol, os indivíduos mastigaram salvettes de Dacron por 2 minutos e depois os colocaram em tubos de amostragem marcados com o tempo que foram armazenados em uma geladeira. As coletas de amostras autoadministradas começaram às 8h e foram repetidas a cada 4 horas. Após 6 semanas de castigo, os indivíduos repetiram este teste de saliva de 24 horas. As amostras foram processadas usando um radioimunoensaio padrão.

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração, etc. O nome do objeto é JEPH2012-291541.001.jpg

Níveis de cortisol antes e depois do aterramento. Em indivíduos não estressados, o perfil normal de secreção de cortisol de 24 horas segue um padrão previsível: mais baixo por volta da meia-noite e mais alto por volta das 8h. tendência de normalização dos padrões após seis semanas de sono de castigo.

Sintomas subjetivos de disfunção do sono, dor e estresse foram relatados diariamente durante o período de teste de 8 semanas. A maioria dos indivíduos com níveis de secreção noturna altos a fora do intervalo experimentou melhorias ao dormir no chão. Isso é demonstrado pela restauração dos perfis normais de secreção de cortisol durante o dia e a noite.

Onze dos 12 participantes relataram adormecer mais rapidamente e todos os 12 relataram acordar menos vezes à noite. Aterrar o corpo à noite durante o sono também parece afetar positivamente os níveis de fadiga matinal, a energia diurna e os níveis de dor noturna.

Cerca de 30 por cento da população adulta americana queixa-se de distúrbios do sono, enquanto aproximadamente 10 por cento apresentam sintomas associados de comprometimento funcional diurno consistentes com o diagnóstico de insônia. A insônia geralmente se correlaciona com depressão maior, ansiedade generalizada, abuso de substâncias, demência e uma variedade de dores e problemas físicos. Os custos diretos e indiretos da insônia crônica foram estimados em dezenas de bilhões de dólares anualmente apenas nos EUA. Em vista do fardo do desconforto pessoal e dos custos com a saúde, ancorar o corpo durante o sono parece ter muito a oferecer.

2.3. O aterramento reduz os campos elétricos induzidos no corpo

A tensão induzida em um corpo humano a partir do ambiente elétrico foi medida usando um cabeçote de medição de alta impedância. Applewhite, engenheiro elétrico e especialista em projetos de sistemas de descarga eletrostática na indústria eletrônica, foi o sujeito e o autor do estudo. As medições foram feitas sem aterramento e, em seguida, aterradas usando um remendo condutivo e uma almofada condutiva. O autor mediu os campos induzidos em três posições: mama esquerda, abdômen e coxa esquerda.

Cada método (remendo e folha) reduziu imediatamente a tensão ambiente comum de corrente alternada (CA) de 60 Hz induzida no corpo por um fator altamente significativo de cerca de 70 em média. A Figura 2 mostra esse efeito:

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração, etc. O nome do objeto é JEPH2012-291541.002.jpg

Efeito do aterramento da almofada da cama no modo 60 Hz.

O estudo mostrou que, quando o corpo está aterrado, seu potencial elétrico se iguala ao potencial elétrico da Terra por meio de uma transferência de elétrons da Terra para o corpo. Isso, por sua vez, impede que o modo de 60 Hz produza um potencial elétrico AC na superfície do corpo e produza perturbações nas cargas elétricas das moléculas dentro do corpo. O estudo confirma o efeito “guarda-chuva” de aterramento do corpo explicado pelo ganhador do Prêmio Nobel Richard Feynman em suas palestras sobre eletromagnetismo. Feynman disse que quando o potencial do corpo é o mesmo que o potencial elétrico da Terra (e, portanto, aterrado), ele se torna uma extensão do gigantesco sistema elétrico da Terra. O potencial da Terra torna-se assim o “agente de trabalho que cancela, reduz ou afasta os campos elétricos do corpo”.

Applewhite foi capaz de documentar mudanças na tensão ambiente induzida no corpo monitorando a queda de tensão através de um resistor. Este efeito mostrou claramente o “efeito guarda-chuva” descrito acima. O corpo da pessoa aterrada não está sujeito à perturbação de elétrons e sistemas elétricos.

Jamieson questiona se a falha em aterrar adequadamente os humanos é um fator que contribui para as possíveis consequências da eletropoluição em ambientes de escritório. Existe um debate considerável sobre se os campos eletromagnéticos em nosso ambiente causam risco à saúde, mas não há dúvida de que o corpo reage à presença de campos elétricos ambientais. Este estudo demonstra que o aterramento elimina essencialmente a tensão ambiente induzida no corpo por fontes de energia elétrica comuns.

2.4. Efeitos Fisiológicos e Eletrofisiológicos

2.4.1. Reduções nos níveis gerais de estresse e tensão e mudança no equilíbrio do SNA

Cinquenta e oito indivíduos adultos saudáveis ​​(incluindo 30 controles) participaram de um estudo piloto randomizado duplo-cego investigando os efeitos do aterramento na fisiologia humana. O aterramento foi realizado com um adesivo condutor colocado na sola de cada pé. Um sistema de biofeedback registrou parâmetros eletrofisiológicos e fisiológicos. Os sujeitos experimentais foram expostos a 28 minutos na condição desenterrada, seguidos por 28 minutos com o fio de aterramento conectado. Os controles foram desenterrados por 56 minutos.

Após o aterramento, cerca de metade dos participantes mostrou uma mudança abrupta, quase instantânea, nos valores da raiz quadrada média (rms) dos eletroencefalogramas (EEGs) do hemisfério esquerdo (mas não do hemisfério direito) em todas as frequências analisadas pelo sistema de biofeedback (beta, alfa , teta e delta).

Todos os indivíduos aterrados apresentaram uma mudança abrupta nos valores rms dos eletromiogramas de superfície (SEMGs) dos músculos trapézio superior direito e esquerdo. O aterramento diminuiu o pulso do volume sanguíneo (BVP) em 19 dos 22 sujeitos experimentais (estatisticamente significativo) e em 8 dos 30 controles (não significativo). O aterramento do corpo humano mostrou efeitos significativos nas propriedades eletrofisiológicas do cérebro e da musculatura, no BVP e no ruído e estabilidade das gravações eletrofisiológicas. Tomadas em conjunto, as mudanças no EEG, EMG e BVP sugerem reduções nos níveis gerais de estresse e tensões e uma mudança no equilíbrio do SNA após o aterramento. Os resultados ampliam as conclusões de estudos anteriores.

2.4.2. Confirmando a Mudança da Ativação Simpática para Parassimpática

Um estudo multiparâmetro duplo-cego foi projetado para reproduzir e expandir os parâmetros eletrofisiológicos e fisiológicos anteriores medidos imediatamente após o aterramento com uma metodologia aprimorada e equipamentos de última geração. Quatorze homens e 14 mulheres, com boa saúde, com idades entre 18 e 80 anos, foram testados sentados em uma poltrona confortável durante sessões de aterramento de 2 horas, deixando tempo para que os sinais se estabilizassem antes, durante e após o aterramento (40 minutos para cada período). . Sessões simuladas de aterramento de 2 horas também foram gravadas com os mesmos sujeitos como controles. Para cada sessão, análises estatísticas foram realizadas em quatro segmentos de 10 minutos: antes e depois do aterramento (aterramento falso para sessões de controle) e antes e depois do desprendimento (desaterramento simulado para sessões de controle). Os seguintes resultados foram documentados:

  1. uma diminuição imediata (dentro de alguns segundos) na condutância da pele (SC) no aterramento e um aumento imediato no ungrounding. Nenhuma mudança foi observada nas sessões de controle (sham grounding);
  2. a frequência respiratória (FR) aumentou durante o aterramento, um efeito que durou após o desencaixe. a variância RR aumentou imediatamente após o aterramento e depois diminuiu;
  3. a variação da oxigenação sanguínea (BO) diminuiu durante o aterramento, seguida por um aumento dramático após o desprendimento;
  4. As variações da taxa de pulso (PR) e do índice de perfusão (PI) aumentaram no final do período de aterramento, e essa mudança persistiu após o desligamento.

A diminuição imediata do SC indica uma rápida ativação do sistema nervoso parassimpático e a correspondente desativação do sistema nervoso simpático. O aumento imediato em SC na cessação do aterramento indica um efeito oposto. O aumento da FR, a estabilização da BO e o leve aumento da frequência cardíaca sugerem o início de uma resposta metabólica de cura, necessitando de um aumento no consumo de oxigênio.

2.4.3. Células imunes e respostas de dor com indução de dor muscular de início tardio

A redução da dor por dormir de castigo foi documentada em estudos anteriores. Este estudo piloto procurou por marcadores sanguíneos que pudessem diferenciar entre indivíduos fundamentados e não fundamentados que completaram uma única sessão de exercício intenso e excêntrico, resultando em dor muscular de início tardio (DOMS) do gastrocnêmio. Se os marcadores fossem capazes de diferenciar esses grupos, estudos futuros poderiam ser feitos com mais detalhes com uma base de assuntos maior. DOMS é uma queixa comum no mundo fitness e atlético após atividade física excessiva e envolve inflamação aguda em músculos sobrecarregados. Desenvolve-se em 14 a 48 horas e persiste por mais de 96 horas. Nenhum tratamento conhecido reduz o período de recuperação, mas aparentemente massagem e hidroterapia e acupuntura podem reduzir a dor.

Oito homens saudáveis, com idades entre 20 e 23 anos, foram submetidos a uma rotina semelhante de elevação dos dedos dos pés enquanto carregavam nos ombros uma barra igual a um terço do peso corporal. Cada participante foi exercitado individualmente em uma manhã de segunda-feira e depois monitorado pelo resto da semana, seguindo um cronograma semelhante de alimentação, sono e vida em um hotel. O grupo foi dividido aleatoriamente ao meio e aterrado ou simulado com o uso de um adesivo condutor colocado na sola de cada pé durante as horas de atividade e um lençol condutor à noite. Hemogramas completos, química sanguínea, química enzimática, cortisol sérico e salivar, ressonância magnética e espectroscopia e níveis de dor (um total de 48 parâmetros) foram obtidos na mesma hora do dia antes do exercício excêntrico e aos 24, 48 e 72 horas depois.

Os parâmetros que diferiram por esses critérios incluíram contagem de glóbulos brancos, bilirrubina, creatina quinase, fosfocreatina/fosfato inorgânico, glicerolfosforilcolina, fosforilcolina, escala visual analógica de dor e medições de pressão no gastrocnêmio direito.

Os resultados mostraram que aterrar o corpo na Terra altera as medidas de atividade do sistema imunológico e dor. Entre os homens não castrados, por exemplo, houve um aumento acentuado e esperado nos glóbulos brancos no estágio em que o DOMS atinge seu pico e maior percepção da dor. Este efeito demonstra uma resposta inflamatória típica. Em comparação, os homens de castigo tiveram apenas uma ligeira diminuição nos glóbulos brancos, indicando inflamação escassa e, pela primeira vez observada, um tempo de recuperação mais curto. Brown comentou posteriormente que havia “diferenças significativas” na dor relatada por esses homens.

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração, etc. O nome do objeto é JEPH2012-291541.003.jpg

Dor muscular de início tardio e aterramento. Consistente com todas as medições, os sujeitos não fundamentados expressaram a percepção de maior dor. Relacionado com a descoberta da dor, havia evidências de uma resposta silenciosa dos glóbulos brancos, indicando que um corpo aterrado experimenta menos inflamação.

2.4.4. Variabilidade do batimento cardíaco

A rápida mudança na condutância da pele relatada em um estudo anterior levou à hipótese de que o aterramento também pode melhorar a variabilidade da frequência cardíaca (VFC), uma medida da resposta do coração à regulação do SNA. Um estudo duplo-cego foi desenhado com 27 participantes. Os sujeitos sentaram-se em uma confortável cadeira reclinável. Quatro eletrodos adesivos do tipo estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) foram colocados na sola de cada pé e em cada palma.

Os participantes serviram como seus próprios controles. Os dados de cada participante de uma sessão de 2 horas (40 minutos dos quais foram aterrados) foram comparados com outra sessão de aterramento simulado de 2 horas. A sequência de sessões de aterramento versus aterramento simulado foi atribuída aleatoriamente.

Durante as sessões de solo, os participantes tiveram melhorias estatisticamente significativas na VFC que foram muito além dos resultados básicos de relaxamento (que foram demonstrados pelas sessões sem solo). Uma vez que a melhora da VFC é um indicador positivo significativo no estado cardiovascular, sugere-se que técnicas simples de aterramento sejam utilizadas como uma estratégia integrativa básica no suporte ao sistema cardiovascular, especialmente em situações de tônus ​​autonômico elevado, quando o sistema nervoso simpático é mais ativado do que o parassimpático sistema nervoso.

2.4.5. Redução de Indicadores Primários de Osteoporose, Melhoria da Regulação da Glicose e Resposta Imunológica

K. Sokal e P. Sokal, cardiologista e neurocirurgião pai e filho da equipe médica de uma clínica militar na Polônia, realizaram uma série de experimentos para determinar se o contato com a Terra por meio de um condutor de cobre pode afetar os processos fisiológicos. Suas investigações foram motivadas pela questão de saber se a carga elétrica natural na superfície da Terra influencia a regulação dos processos fisiológicos humanos.

Experimentos duplo-cegos foram conduzidos em grupos variando de 12 a 84 indivíduos que seguiram atividade física, dieta e ingestão de líquidos semelhantes durante os períodos de teste. O aterramento foi feito com uma placa de cobre (30 mm × 80 mm) colocada na parte inferior da perna, presa com uma tira para que não se soltasse durante a noite. A placa foi conectada por um fio condutor a uma placa maior (60 mm × 250 mm) colocada em contato com a Terra do lado de fora.

Em um experimento com indivíduos não medicados, ficar de castigo durante uma única noite de sono resultou em mudanças estatisticamente significativas nas concentrações de minerais e eletrólitos no soro sanguíneo: ferro, cálcio ionizado, fósforo inorgânico, sódio, potássio e magnésio. A excreção renal de cálcio e fósforo foi significativamente reduzida. As reduções observadas no cálcio e fósforo no sangue e na urina estão diretamente relacionadas à osteoporose. Os resultados sugerem que o aterramento por uma única noite reduz os indicadores primários de osteoporose.

O aterramento contínuo durante o repouso e a atividade física durante um período de 72 horas diminuiu a glicemia de jejum entre pacientes com diabetes mellitus não dependente de insulina. Os pacientes estavam bem controlados com glibenclamida, um medicamento antidiabético, por cerca de 6 meses, mas no momento do estudo apresentavam controle glicêmico insatisfatório, apesar das orientações dietéticas e de exercícios e doses de glibenclamida de 10 mg/dia.

K. Sokal e P. Sokal coletaram amostras de sangue de 6 homens e 6 mulheres adultos sem histórico de doenças da tireoide. Uma única noite de castigo produziu uma diminuição significativa da tri-iodotironina livre e um aumento da tiroxina livre e do hormônio estimulante da tireoide. O significado desses resultados não é claro, mas sugere uma influência de aterramento nas relações hepáticas, hipotálamo e pituitária com a função da tireoide. Ober et al. observaram que muitos indivíduos em uso de medicamentos para tireoide relataram sintomas de hipertireoidismo, como palpitações cardíacas, após o início do aterramento. Esses sintomas geralmente desaparecem depois que a medicação é ajustada para baixo sob supervisão médica. Por meio de uma série de regulações de feedback, os hormônios tireoidianos afetam quase todos os processos fisiológicos do corpo, incluindo crescimento e desenvolvimento, metabolismo, temperatura corporal e frequência cardíaca. Claramente, é necessário um estudo mais aprofundado dos efeitos do aterramento na função da tireoide.

Em outro experimento, foi examinado o efeito do aterramento na resposta imune clássica após a vacinação. O aterramento acelerou a resposta imune, conforme demonstrado pelos aumentos na concentração de gamaglobulina. Este resultado confirma uma associação entre o aterramento e a resposta imune, como foi sugerido no estudo DOMS.

K. Sokal e P. Sokal concluem que o aterramento do corpo humano influencia os processos fisiológicos humanos, incluindo o aumento da atividade dos processos catabólicos e pode ser “o principal fator regulador dos sistemas endócrino e nervoso”.

2.4.6. Eletrodinâmica Sanguínea Alterada

Como o aterramento produz mudanças em muitas propriedades elétricas do corpo o próximo passo lógico foi avaliar a propriedade elétrica do sangue. Uma medida adequada é o potencial zeta de glóbulos vermelhos (RBCs) e agregação de hemácias. O potencial zeta é um parâmetro intimamente relacionado ao número de cargas negativas na superfície de uma hemácia. Quanto maior o número, maior a capacidade da hemácia de repelir outras hemácias. Assim, quanto maior o potencial zeta, menos coagulável é o sangue.

Dez indivíduos relativamente saudáveis ​​participaram do estudo. Eles se sentaram confortavelmente em uma cadeira reclinável e permaneceram no chão por duas horas com eletrodos colocados em seus pés e mãos, como em estudos anteriores. Amostras de sangue foram coletadas antes e depois.

Aterrar o corpo na terra aumenta substancialmente o potencial zeta e diminui a agregação de hemácias, reduzindo assim a viscosidade do sangue. Indivíduos com dor relataram redução a ponto de ser quase imperceptível. Os resultados sugerem fortemente que o aterramento é uma solução natural para pacientes com viscosidade sanguínea excessiva, uma opção de grande interesse não apenas para cardiologistas, mas também para qualquer médico preocupado com a relação entre viscosidade sanguínea, coagulação e inflamação. Em 2008, Adak e colegas relataram a presença de sangue hipercoagulável e baixo potencial zeta de hemácias entre os diabéticos. O potencial zeta foi particularmente pobre entre os diabéticos com doença cardiovascular.

3. Discussão

Até agora, o significado fisiológico e os possíveis efeitos para a saúde da estabilização do ambiente bioelétrico interno de um organismo não foram um tópico significativo de pesquisa. Alguns aspectos disso, no entanto, são relativamente óbvios. Na ausência de contato com a Terra, a distribuição interna de carga não será uniforme, mas estará sujeita a uma variedade de perturbações elétricas no ambiente. É bem conhecido que muitas regulações e processos fisiológicos importantes envolvem eventos que ocorrem nas superfícies celulares e teciduais. Na ausência de um ponto de referência comum, ou “terra”, gradientes elétricos, devido à distribuição de carga desigual, podem se acumular ao longo das superfícies dos tecidos e membranas celulares.

Podemos prever que tais diferenciais de carga influenciarão os processos bioquímicos e fisiológicos. Primeiro, a estrutura e o funcionamento de muitas enzimas são sensíveis às condições ambientais locais. Cada enzima tem um pH ótimo que favorece a atividade máxima. Uma mudança no ambiente elétrico pode alterar o pH dos fluidos biológicos e a distribuição de carga nas moléculas e, assim, afetar as taxas de reação. O efeito do pH resulta de aminoácidos com carga crítica no sítio ativo da enzima que participam da ligação do substrato e da catálise. Além disso, a capacidade de um substrato ou enzima de doar ou aceitar íons de hidrogênio é influenciada pelo pH.

Outro exemplo é fornecido pelos canais iônicos controlados por voltagem, que desempenham papéis biofísicos críticos em células excitáveis, como os neurônios. Alterações locais nos perfis de carga ao redor desses canais podem levar à instabilidade elétrica da membrana celular e à atividade espontânea inadequada observada durante certos estados patológicos.

A pesquisa de aterramento oferece insights sobre o potencial clínico do contato descalço com a Terra, ou contato simulado descalço em ambientes internos por meio de sistemas condutores simples, sobre a estabilidade da função bioelétrica interna e a fisiologia humana. Os experimentos iniciais resultaram em relatos subjetivos de melhora do sono e redução da dor. Pesquisas subsequentes mostraram que a melhora do sono estava correlacionada com a normalização do perfil dia-noite do cortisol. Os resultados são significativos à luz da extensa pesquisa que mostra que a falta de sono estressa o corpo e contribui para muitas consequências prejudiciais à saúde. A falta de sono é muitas vezes o resultado da dor. Portanto, a redução da dor pode ser uma razão para os benefícios descritos.

A redução da dor ao dormir de castigo foi confirmada em um estudo controlado sobre DOMS. O aterramento é a primeira intervenção conhecida por acelerar a recuperação do DOMS [ ]. Condições dolorosas são muitas vezes o resultado de vários tipos de condições de inflamação aguda ou crônica causadas em parte por ROS geradas pelo metabolismo normal e também pelo sistema imunológico como parte da resposta a lesões ou traumas. A inflamação pode causar dor e perda de amplitude de movimento nas articulações. O inchaço inflamatório pode pressionar os receptores de dor (nociceptores) e pode comprometer a microcirculação, levando à dor isquêmica. A inflamação pode causar a liberação de moléculas tóxicas que também ativam os receptores de dor. A pesquisa biomédica moderna também documentou uma estreita relação entre a inflamação crônica e praticamente todas as doenças crônicas, incluindo as doenças do envelhecimento e o próprio processo de envelhecimento. O aumento acentuado das doenças inflamatórias, de fato.

A redução da inflamação como resultado do aterramento foi documentada com imagens médicas infravermelhas e com medições da química do sangue e contagem de glóbulos brancos. A explicação lógica para os efeitos antiinflamatórios é que o aterramento do corpo permite que elétrons antioxidantes carregados negativamente da Terra entrem no corpo e neutralizem os radicais livres carregados positivamente em locais de inflamação. O fluxo de elétrons da Terra para o corpo foi documentado.

Um estudo piloto sobre a eletrodinâmica dos glóbulos vermelhos (potencial zeta) revelou que o aterramento reduz significativamente a viscosidade do sangue, um parâmetro importante, mas negligenciado em doenças cardiovasculares e diabetes e circulação em geral. Assim, afinar o sangue pode permitir mais entrega de oxigênio aos tecidos e apoiar ainda mais a redução da inflamação.

A redução do estresse foi confirmada com várias medidas mostrando mudanças rápidas no SNA de dominância simpática para parassimpática, melhora na variabilidade da frequência cardíaca e normalização da tensão muscular.

Não relatadas aqui estão muitas observações ao longo de mais de duas décadas por Ober et al. e K. Sokal e P. Sokal indicando que o aterramento regular pode melhorar a pressão arterial, arritmias cardiovasculares e condições autoimunes, como lúpus, esclerose múltipla e artrite reumatóide. Alguns efeitos do aterramento na medicação são descritos por Ober et al. Por exemplo, a combinação de aterramento e coumadin tem o potencial de exercer um efeito composto de afinamento do sangue e deve ser supervisionado por um médico. Múltiplas anedotas de INR elevado foram relatadas. INR (relação normalizada internacional) é uma medida de coagulação amplamente utilizada. A influência do aterramento na função da tireoide e na medicação já foi descrita anteriormente.

Do ponto de vista prático, os médicos podem recomendar “sessões de pés descalços” ao ar livre para os pacientes, se o clima e as condições permitirem. Ober et al. observaram que andar descalço apenas 30 ou 40 minutos diários pode reduzir significativamente a dor e o estresse, e os estudos resumidos aqui explicam por que isso acontece. Obviamente, não há custo para o aterramento descalço. No entanto, o uso de sistemas condutivos durante o sono, trabalho ou relaxamento em ambientes fechados oferece uma abordagem mais conveniente e amigável à rotina.

4. Conclusão

De Flora et ai. escreveu o seguinte: “Desde o final do século 20, as doenças crônico-degenerativas superaram as doenças infecciosas como as principais causas de morte no século 21, portanto, um aumento na longevidade humana dependerá da descoberta de uma intervenção que iniba o desenvolvimento dessas doenças e retarde seu progresso”.

Tal intervenção poderia estar localizada bem debaixo de nossos pés? Pesquisas de aterramento, observações e teorias relacionadas levantam uma possibilidade intrigante sobre os elétrons da superfície da Terra como um recurso de saúde inexplorado – a Terra como uma “mesa de tratamento global”. Evidências emergentes mostram que o contato com a Terra – seja ao ar livre com os pés descalços ou em ambientes fechados conectados a sistemas condutores aterrados – pode ser uma estratégia ambiental simples, natural e profundamente eficaz contra o estresse crônico, disfunção do SNA, inflamação, dor, sono ruim, VFC perturbada , sangue hipercoagulável e muitos distúrbios de saúde comuns, incluindo doenças cardiovasculares. A pesquisa realizada até o momento apóia o conceito de que o aterramento ou o aterramento do corpo humano pode ser um elemento essencial na equação da saúde, juntamente com a luz do sol, ar e água limpos, alimentos nutritivos,

Divulgação

G. Chevalier, ST Sinatra e JL Oschman são contratantes independentes da Earthx L. Inc., a empresa que patrocina pesquisas de aterramento, e possuem uma pequena porcentagem de ações da empresa.

Referências

1. Williams E, Heckman S. A variação diurna local da eletrificação das nuvens e a variação diurna global da carga negativa na Terra. Jornal da pesquisa geofísica . 1993; 98 (3):5221–5234.  ]
2. Anisimov S, Mareev E, Bakastov S. Sobre a geração e evolução de estruturas aeroelétricas na camada superficial. Jornal de Pesquisa Geofísica D . 1999; 104 (12):14359–14367.  ]
3. Oschman JL. Perspectiva: assumir uma vaca esférica: o papel dos elétrons livres ou móveis em terapias corporais, energéticas e de movimento. Jornal de carroçaria e terapias de movimento . 2008; 12 (1):40–57. [ PubMed ]  ]
4. Oschman JL. Transferência de carga na matriz viva. Jornal de carroçaria e terapias de movimento . 2009; 13 (3):215–228. [ PubMed ]  ]
5. Holiday D, Resnick R, Walker J. Fundamentos da Física, Quarta Edição . Nova York, NY, EUA: John Wiley & Sons; 1993.  ]
6. Rossi W. A vida sexual do pé e do sapato . Vol. 61. Hertfordshire, Reino Unido: Wordsworth Editions; 1989.  ]
7. Stein R. A vida moderna está devastando nosso sistema imunológico? Washington Post; 2008.  ]
8. Apenas A. Retorno à Natureza: O Verdadeiro Método Natural de Cura e Vida e A Verdadeira Salvação da Alma . Nova York, NY, EUA: B. Lust; 1903.  ]
9. White G. As Forças Mais Sutis da Natureza em Diagnóstico e Terapia . Los Angeles, Califórnia, EUA: Phillips Printing Company; 1929.  ]
10. Ober C. Aterramento do corpo humano para neutralizar o estresse bioelétrico da eletricidade estática e CEM. ESD Journal, http://www.esdjournal.com/articles/cober/ground.htm , janeiro de 2000.
11. Sokal K, Sokal P. O aterramento do corpo humano influencia os processos fisiológicos. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . 2011; 17 (4):301–308. Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]  ]
12. Ober C, Sinatra ST, Zucker M. Aterramento: a mais importante descoberta de saúde de todos os tempos? Laguna Beach, Califórnia, EUA: Publicações Básicas de Saúde; 2010.  ]
13. Ghaly M, Teplitz D. Os efeitos biológicos do aterramento do corpo humano durante o sono, medidos pelos níveis de cortisol e relatórios subjetivos de sono, dor e estresse. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . 2004; 10 (5):767–776. [ PubMed ]  ]
14. NIH State-of-the-Science Conference on Manifestations and Management of Chronic Insomnia in Adults. http://consensus.nih.gov/2005/insomniastatement.htm , 13 a 15 de junho de 2005.
15. Applewhite R. A eficácia de um remendo condutivo e uma almofada de cama condutiva na redução da tensão induzida no corpo humano por meio da aplicação de aterramento. Biologia Europeia e Bioeletromagnética . 2005; 1 :23–40.  ]
16. Feynman R, Leighton R, Sands M. As palestras de Feynman sobre física . II. Boston, Mass, EUA: Addison-Wesley; 1963.  ]
17. Jamieson KS, ApSimon HM, Jamieson SS, Bell JNB, Yost MG. Os efeitos de campos elétricos em moléculas e partículas carregadas em microambientes individuais. Ambiente Atmosférico . 2007; 41 (25):5224–5235.  ]
18. Gênios SJ. Colocando em campo uma ideia atual: explorar o impacto da radiação eletromagnética na saúde pública. Saúde Pública . 2008; 122 (2):113–124. [ PubMed ]  ]
19. Chevalier G, Mori K, Oschman JL. O efeito do aterramento (aterramento) na fisiologia humana. Biologia Europeia e Bioeletromagnética . 2006; 2 (1):600–621.  ]
20. Chevalier G. Alterações na pulsação, frequência respiratória, oxigenação do sangue, índice de perfusão, condutância da pele e sua variabilidade induzida durante e após o aterramento de seres humanos por 40 minutos. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . 2010; 16 (1):1–7. [ PubMed ]  ]
21. Brown R, Chevalier G, Hill M. Estudo piloto sobre o efeito do aterramento na dor muscular de início tardio. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . 2010; 16 (3):265–273. Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]  ]
22. Bobbert MF, Hollander AP, Huijing PA. Fatores na dor muscular de início tardio do homem. Medicina e Ciência nos Esportes e Exercícios . 1986; 18 (1):75–81. [ PubMed ]  ]
23. Tartibian B, Maleki B, Abbasi A. Os efeitos da ingestão de ácidos graxos ômega-3 na dor percebida e sintomas externos de dor muscular de início tardio em homens não treinados. Revista Clínica de Medicina Esportiva . 2009; 19 (2):115–119. [ PubMed ]  ]
24. Vaile J, Halson S, Gill N, Dawson B. Efeito da hidroterapia nos sinais e sintomas de dor muscular de início tardio. Jornal Europeu de Fisiologia Aplicada . 2008; 102 (4):447–455. [ PubMed ]  ]
25. Zainuddin Z, Newton M, Sacco P, Nosaka K. Efeitos da massagem na dor muscular de início tardio, inchaço e recuperação da função muscular. Jornal de Treinamento Atlético . 2005; 40 (3):174–180. Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]  ]
26. Hübscher M, Vogt L, Bernhörster M, Rosenhagen A, Banzer W. Efeitos da acupuntura nos sintomas e na função muscular na dor muscular de início tardio. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . 2008; 14 (8):1011–1016. [ PubMed ]  ]
27. Chevalier G, Sinatra S. Estresse emocional, variabilidade da frequência cardíaca, aterramento e tônus ​​autonômico aprimorado: aplicações clínicas. Medicina Integrativa: Diário de um clínico . 2011; 10 (3)  ]
28. Oschman JL. Os elétrons podem atuar como antioxidantes? Uma revisão e comentário. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . 2007; 13 (9):955–967. [ PubMed ]  ]
29. Chevalier G, Sinatra ST, Oschman JL, Delany RM. Aterrar o corpo humano reduz a viscosidade do sangue – um fator importante nas doenças cardiovasculares. Jornal de Medicina Alternativa e Complementar . Na imprensa. Artigo gratuito do PMC ] [ PubMed ]  ]
30. Adak S, Chowdhury S, Bhattacharyya M. Comportamento dinâmico e eletrocinético da membrana eritrocitária em diabetes mellitus e doença cardiovascular diabética. Biochimica et Biophysica Acta . 2008; 1780 (2):108–115. [ PubMed ]  ]
31. Chahine M, Chatelier A, Babich O, Krupp JJ. Canais de sódio controlados por voltagem em distúrbios neurológicos. SNC e Distúrbios Neurológicos — Alvos de Drogas . 2008; 7 (2):144–158. [ PubMed ]  ]
32. Franceschi C, Bonafè M, Valensin S, et al. Envelhecimento inflamatório: uma perspectiva evolutiva sobre a imunossenescência. Anais da Academia de Ciências de Nova York . 2000; 908 :244–254. [ PubMed ]  ]
33. de Flora S, Quaglia A, Bennicelli C, Vercelli M. A revolução epidemiológica do século XX. Revista FASEB . 2005; 19 (8):892–897. [ PubMed ]  ]

Os artigos do Journal of Environmental and Public Health são fornecidos aqui, cortesia da Hindawi Limited

 

error: Este conteúdo é protegido!
0:00
0:00

Esta é uma assinatura anual (365 dias). O Plano Gold - Anual garante o seu acesso a 6.358 frequências disponíveis em nosso app + vantagens e descontos. Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

O Plano GoldAnual dá acesso a 6.358 frequências divididas em:

  • 3.035 FUD (Frequências Ultrassônicas Direcionadas);
  • 418 FUD Essenciais;
  • 312 Frequências Combinadas para Vacinados COVID;
  • 42 Frequências Dr. Garyaev e Anthonio Magalhães
  • 126 FUD para Proteção 5G e Radiações Diversas;
  • 227 FEQ (Frequências Escalares Quânticas);
  • 62 FUM (Frequências Ultrassônicas Meridianas);
  • 17 FUG (Frequências Ultrassônicas dos Genes);
  • 8 FUTI (Frequências Ultrassônicas de Tons Isocrônicos);
  • 24 FUPO (Frequências Ultrassônicas Puras das Ondas);
  • 60 FUOC (Frequências Ultrassônicas de Ondas Cerebrais);
  • 163 FUOS (Frequências Ultrassônicas de Ondas Senoidais);
  • 120 FUC (Frequências Ultrassônicas Cromoterápicas);
  • 57 FUV (Frequências Ultrassônicas de Varreduras);
  • 64 FUS (Frequências Ultrassônicas de Solfeggios);
  • 51 FUB (Frequências Ultrassônicas Binaurais);
  • 15 FUA (Frequências Ultrassônicas para Aterramento);
  • 36 FASMR (Frequências ASMR);
  • 107 FMR (Frequências Musicais para Relax);
  • 259 FESF (Frequências para Estética, Suplementos e Fitness);
  • 266 FPC (Frequências de Pedras e Cristais);
  • 69 FEP (Frequências de Estrelas e Planetas);
  • 79 FP (Frequências da Prosperidade);
  • 136 FH (Frequências Holísticas);
  • 58 FRU (Frequência Repelente Ultrassônica) contra insetos e pequenos animais.
 

Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

Prêmios para os assinantes do Plano Gold:

1– O Plano Gold dá direito a 03 meses (90 dias) de acesso completo ao site Planeta Prisão

(www.planetaprisao.com.br)

2– O Plano Gold dá direito a 02 meses (60 dias) de acesso completo ao site Reversão Humana

(www.reversaohumana.com.br)

3– O Plano Gold dá direito a 01 mês (30 dias) de acesso completo ao site 320.000 Anos

(www.320milanos.com.br)

4– O Plano Gold dá direito a 01 mês (30 dias) de acesso completo ao site BLOCK5G

(www.block5g.com.br)

Obs.: O valor total dos prêmios é de R$ 579,60

Desconto para os assinantes do Plano Gold:

O assinante Gold tem direito a 10% de desconto na renovação do Plano Gold Anual.

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 1 tem um total de 26 frequências divididas em: 23 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 03 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • Abscessos (dor de dente)
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Alergias 02
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 09
  • Fortalecer e Equilibrar o Sistema Imunológico
  • Herpes 1
  • Indigestão 1
  • Insônia 1
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Perda de Peso 10
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Relax – música para meditação
  • Reumatismo 1
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 2 tem um total de 70 frequências divididas em: 60 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 10 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Abscessos (Dor de Dente) 1
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Alcoolismo – dependência de álcool
  • Alergias 02
  • Alívio da Dor – redutor de dores
  • Anemia 3
  • Anti Cancer Versão 2.0
  • Articulação do Joelho
  • Asma 1
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Circulação Sanguínea 2
  • Cólicas menstruais – dor menstrual
  • Deficiência da Vitamina P
  • Deficiência de Vitamina A
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Dermatite 1
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • Distúrbios Estomacais
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Dor de Cabeça 4
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 09
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Estimulação do Décimo Primeiro Nervo Craniano – alívio da dor e melhora da respiração
  • Estresse 5
  • Febre 2 – resfriado, coriza, dor de garganta
  • Fortalecer e Equilibrar Sistema Imunológico
  • Fortalecimento do Coração – efeito tônico
  • Gota 1
  • Hemorróidas 4
  • Herpes 1
  • Hipermetropia – músculos oculares
  • Indigestão 1
  • Insônia 1
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Nervo Ciático 2
  • Níveis de Ingestão de Magnésio – fortalecendo o corpo
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Sódio – para uma função eletrolítica ótima
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis ​​
  • Perda de Peso 10
  • Pressão Alta 1
  • Problemas Intestinais 2
  • Proliferação Celular
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Regeneração dos Nervos
  • Relax – música relaxante com peixes tropicais e recifes de coral
  • Relax – música relaxante subaquática dos golfinhos do Havaí
  • Relax – ondas noturnas de verão ao entardecer
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Reparação de Cicatrizes na Pele (também para piercings)
  • Resfriados 2
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Reumatismo 1
  • Sarna 2
  • Síndrome de Fadiga Crônica 3
  • Sistema Nervoso Parassimpático – ativação
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Tumores – células cancerígenas
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida
  • Zumbidos 1

O Plano 3 tem um total de 140 frequências divididas em: 120 FUDs (Frequência Ultrassônica Direcionada) + 20 FMRs (Frequência Musical para Relax).

  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Abscessos (Dor de Dente) 1
  • Acidose 1
  • Adenóides 2
  • Aguçar a Visão – melhorar a visão
  • Ajuda para Desconstruções Mentais – A
  • Alcoolismo – Dependência de Álcool
  • Alcoolismo 2
  • Alegria
  • Alergias 02
  • Alívio da Dor – redutor de dores
  • Alucinações 1
  • Amplifique os Neurônios do Hipocampo
  • Anemia 2
  • Anemia 3
  • Aneurisma 2
  • Ansiedade 8
  • Ansiedade 9
  • Anti Câncer
  • Anti Câncer Versão 2.0
  • Apneia do sono 1
  • Arnica 2
  • Articulação do Joelho
  • Asma 1
  • Asma 3
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Audição 1
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Autointoxicação
  • Bactéria Lactis Nosode
  • Bócio 1
  • Bom Sono
  • Bronquite 2
  • Calcificação dos Ossos 4
  • Calmante e Alívio da Dor – reduz a dor
  • Cânceres Diversos – frequências ultrassônicas
  • Candidíase (Candida Albicans)
  • Caspa 3
  • Catarro 2
  • Células Doentes 1
  • Choque Séptico
  • Circulação Sanguínea 2
  • Cobre 12
  • Cobre 14
  • Colesterol Alto 3
  • Cólica Biliar
  • Cólicas menstruais – dor menstrual
  • Deficiência da Vitamina P
  • Deficiência de Vitamina A
  • Deficiência de Vitamina B1
  • Deficiência de Vitamina B2 – para pele, cabelo e olhos saudáveis
  • Deficiência de Vitamina D
  • Dermatite 1
  • Detox Corpo e Mente 2
  • Detox de Metais Pesados 5
  • Diarreia 1
  • Distúrbios dos Nervos
  • Distúrbios Estomacais
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Doenças Pulmonares 3
  • Dor de Cabeça 4
  • Dor de Garganta 3
  • Dor de Ouvido 1
  • Dor Muscular 1
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Durma Bem 13
  • Durma Bem 19
  • Durma Bem 20
  • Durma Bem 23
  • Elevação Vibratória 3
  • Energia Positiva – 963 Hz
  • Estimulação do Décimo Primeiro Nervo Craniano – alívio da dor e melhora da respiração
  • Estômago 1
  • Estresse 5
  • Extrofia da Bexiga – Isocrônica Binaural – longa
  • Febre 2 – resfriado, coriza, dor de garganta
  • Fortalecer e Equilibrar o Sistema Imunológico
  • Fortalecimento do Coração – efeito tônico
  • Frequência 285 Hz concentração
  • Frequência 888 Hz concentração
  • Glaucoma 4
  • Gota 1
  • Hanseníase 2
  • Hemorragia 2
  • Hemorróidas 4
  • Herpes 1
  • Herpes Zoster 2
  • Hipermetropia – músculos oculares
  • Impotência
  • Indigestão 1
  • Inflamação de Corpo
  • Inflamações Gerais 1
  • Insônia 1
  • Intestino – inflamação
  • Liberação de Dopamina e Endorfina – aumente sua serotonina – binaural
  • Manchas e Cicatrizes
  • Melhorando a Cicatrização de Feridas Primárias e Secundárias
  • Menopausa – alterações de humor, distúrbios do sono
  • Nervo Ciático 2
  • Neurogênese Cerebral – tons isocrônicos de plasticidade cerebral
  • Neuropatia Periférica 8
  • Níveis de Ingestão de Magnésio – fortalecendo o corpo
  • Níveis de Iodo – para uma função tireoidiana saudável
  • Níveis de Sódio – para uma função eletrolítica ótima
  • Níveis de Zinco – para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Perda de Peso 10
  • Pressão Alta 1
  • Problemas Intestinais 2
  • Proliferação Celular
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Regeneração dos Nervos
  • Relax – baleias no paraíso
  • Relax – cantos dos pássaros e sons de chuva para dormir
  • Relax – música para meditação
  • Relax – relaxamento profundo – ondas alpha
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Relax – som relaxante de água fluindo para dormir
  • Relax – sons de uma viagem cósmica
  • Reparação de Cicatrizes na Pele (também para piercings)
  • Reparação de DNA 1
  • Reparação de DNA 2
  • Resfriados 2
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Reumatismo 1
  • Sarna 2
  • Síndrome de Fadiga Crônica 3
  • Sintonização dos 5 Sentidos
  • Sistema Linfático e a Circulação
  • Sistema Nervoso Parassimpático – ativação
  • Sono Profundo 05 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 09 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 14 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 18 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Tosse Crônica 1 (tosse irritável) – tosse seca
  • Tumores – células cancerígenas
  • Vírus Influenza (Flu) – recuperação rápida
  • Zumbidos 1

O Plano 5 garante o seu acesso a 6.358 frequências disponíveis em nosso app. Mensalmente novas frequências são acrescentadas para que o nosso assinante sempre receba as atualizações e as novidades criadas. Aproveite a oportunidade de ter no seu smartphone as frequências que vão mudar e melhorar muito a sua saúde e da sua família.

  • 3.035 FUD (Frequências Ultrassônicas Direcionadas);
  • 418 FUD Essenciais;
  • 312 Frequências Combinadas para Vacinados COVID;
  • 42 Frequências Dr. Garyaev e Anthonio Magalhães
  • 126 FUD para Proteção 5G e Radiações Diversas;
  • 227 FEQ (Frequências Escalares Quânticas);
  • 62 FUM (Frequências Ultrassônicas Meridianas);
  • 17 FUG (Frequências Ultrassônicas dos Genes);
  • 8 FUTI (Frequências Ultrassônicas de Tons Isocrônicos);
  • 24 FUPO (Frequências Ultrassônicas Puras das Ondas);
  • 60 FUOC (Frequências Ultrassônicas de Ondas Cerebrais);
  • 163 FUOS (Frequências Ultrassônicas de Ondas Senoidais);
  • 120 FUC (Frequências Ultrassônicas Cromoterápicas);
  • 57 FUV (Frequências Ultrassônicas de Varreduras);
  • 64 FUS (Frequências Ultrassônicas de Solfeggios);
  • 51 FUB (Frequências Ultrassônicas Binaurais);
  • 15 FUA (Frequências Ultrassônicas para Aterramento);
  • 36 FASMR (Frequências ASMR);
  • 107 FMR (Frequências Musicais para Relax);
  • 259 FESF (Frequências para Estética, Suplementos e Fitness);
  • 266 FPC (Frequências de Pedras e Cristais);
  • 69 FEP (Frequências de Estrelas e Planetas);
  • 79 FP (Frequências da Prosperidade);
  • 136 FH (Frequências Holísticas);
  • 58 FRU (Frequência Repelente Ultrassônica) contra insetos e pequenos animais.

Experimente Gratuitamente Estas Frequências:

  • Dor de Cabeça 1
  • Dor nas Costas 2
  • Melhorando a Cicatrização de Feridas Primárias e Secundárias
  • Relax – Odisseia Espacial
  • Restauração Digestiva
  • Sinusite 2

Esta é uma assinatura mensal (30 dias). O Plano 4 foi desenvolvido especialmente para quem tomou as vacinas de Covid. Ele tem um total de 312 frequências selecionadas de acordo com os relatos de pessoas vacinadas, publicações médicas e notícias na imprensa. Há frequências que ajudam na eliminação da proteína, Spike, Óxido de Grafeno, Alumínio, etc.

  • 5G – proteção eletromagnética 1
  • 5G – radiações e microondas 2
  • 5G – radiações e microondas 3
  • 5G – radiações e microondas 4
  • 5G – radiações e microondas 5
  • 5G – radiações e microondas 6
  • 7.83 Hz Ressonância Schumann
  • Água das Células – estabilização do campo magnetodielétrico
  • Água Hexagonal 1 (estruturada) – tratamento da água
  • Água Hexagonal 3 (estruturada) – tratamento da água
  • Água Hexagonal 4 (estruturada) – tratamento da água
  • Água, Oxigênio e Vitamina C – estimulador
  • Alcalinização do Corpo
  • Anti-coagulação Sanguínea
  • Antioxidante
  • Aorta 1
  • Aorta 2
  • Artérias 3
  • Aterramento Sonoro A 1
  • Atualização do Sistema Meridiano
  • Aumentar o Fluxo Sanguíneo
  • Borax Tratamento
  • Campo Eletromagnético – fortalecimento com elétrons, oxigênio e hidrogênio negativo
  • Campo Eletromagnético Celular – equilíbrio
  • Campo Eletromagnético do Corpo 1 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Eletromagnético do Corpo 2 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Eletromagnético do Corpo 3 – reforço de frequênca escalar
  • Campo Informacional do CEM
  • Campo Magnetodielétrico do Corpo – oscilar de ondas MUTI
  • Câncer do Pulmão – tratamento
  • Câncer Turbo 1
  • Câncer Turbo 2
  • Câncer Turbo 3
  • CDS – Dióxido de Cloro
  • Células – energizador
  • Células (renovação celular)
  • Células 1
  • Células 2
  • Células 3
  • Células 4
  • Células 5
  • Células 6
  • Células 7
  • Células Cancerígenas 2 – eliminação
  • Células com Gorduras – removedor de gorduras
  • Células Doentes 2
  • Células Novas – aumento
  • Células-tronco 4
  • CEM da Célula
  • Cérebro 1
  • Circulação Sanguínea 1
  • Circulação Sanguínea 2
  • Circulação Sanguínea 3
  • Coágulo Sanguíneo 2
  • Cobre 03
  • Cobre 04
  • Cobre 05
  • Cobre 06
  • Cobre 07
  • Cobre 08
  • Cobre 10
  • Cobre 11
  • Cobre 12
  • Cobre 14
  • Cobre Coloidal
  • Complexo Antioxidante para o Cérebro
  • Coração (problemas diversos) – tratamento
  • Coração 1 – rejuvenescimento
  • Coração 2 – rejuvenescimento
  • Coração Distúrbios 1 – tratamento
  • Coração Distúrbios 2 – tratamento
  • Coronavírus – Covid-19 3
  • Coronavírus – tratamento
  • Coronavírus 2020 1
  • Coronavírus e Covid-19 1
  • Coronavirus e Covid-19 2
  • Corpo Alcalino 1
  • Covid-19 1
  • Covid-19 2
  • Covid-19 3
  • Covid-19 4
  • Covid-19 Proteção + Zinco + Magnésio + Vitamina D
  • Deficiência de Vitamina D
  • Desintoxicação Celular – regeneração de corpo inteiro
  • Desintoxicação do Corpo 1
  • Desintoxicação do Corpo 2
  • Desintoxicação do Corpo 3
  • Desintoxicação do Corpo 4
  • Desintoxicação do Corpo 5
  • Detox Celular Potente
  • Detox Cerebral (remove o muco do cérebro, drena o sistema glinfático e limpa a neurotoxicidade)
  • Detox Chemtrails 1
  • Detox Chemtrails 2
  • Detox Chemtrails 3
  • Detox Chemtrails 4
  • Detox Covid-19 e Proteína Spike
  • Detox da Glândula Adrenal
  • Detox de Micro e Nano Plásticos
  • Detox de Alumínio 1
  • Detox de Alumínio 2
  • Detox de Alumínio 3
  • Detox de Alumínio e Mercúrio
  • Detox de Fígado, Rins, Linfa e Intestinos
  • Detox de Glifosato
  • Detox de Grafeno
  • Detox de Grafeno com Energia Escalar
  • Detox de Grafeno e Nanobots
  • Detox de Grafeno e Nanobots com Disrupção
  • Detox de Grafeno para os Alimentos
  • Detox de Mercúrio 1
    Detox de Mercúrio 2
  • Detox de Metais Pesados 1
  • Detox de Metais Pesados 2
  • Detox de Metais Pesados 3
  • Detox de Morgellons
  • Detox de Nanobots de Grafeno
  • Detox de OGM e Pesticidas
  • Detox de Óxido de Grafeno
  • Detox de Parasitas Ancilostomídeos
  • Detox de Parasitas Diversos 1
  • Detox de Parasitas Diversos 2
  • Detox de Parasitas Linfáticos
  • Detox de Radiações 1
  • Detox de Radiações 2
  • Detox de Radiações 5
  • Detox de Radiações 6
  • Detox de Radiotividade no Corpo – energia escalar (bobina Tesla)
  • Detox de Toxinas Biossintéticas
  • Detox de Toxinas das Células
  • Detox de Vacinas Covid-19
  • Detox dos Rins 1
  • Detox Geral – tratamento
  • Detox Nanobots e Smartdust (IA)
  • Detox Nanoplásticos e Morgellons (IA)
  • Detox no Pâncreas – remoção de parasitas
  • Detox no Sistema Respiratório
  • Detox para Vacinas de Covid-19
  • Detox Poluição Eletromagnética
  • Dissolvedor de Coágulos Sanguíneos
  • DMSO 2
  • DMSO 3 (Dimetilsulfóxido ou Sulfóxido de Dimetilo)
  • DNA – reparador de alterações por vacinas
  • DNA Reparação com 528 Hz
  • Doença X – tratamento
  • Durma Bem 09
  • Durma Bem 11
  • Durma Bem 12
  • Durma Bem 17
  • Durma Bem 19
  • Efeitos Colaterais da Vacina Covid-19 – tratamento
  • Eletrorrecepção – percepção elétrica
  • Energia para o Campo Eletromagnético do Corpo
  • Escudo de Proteção Contra Vacinas SARS-CoV-2
  • Escudo Protetor de Toxinas e Parasitas Eletromagnéticos
  • Estresse 5
  • Éter 2
  • Éter 3
  • Éter 4
  • Éter 6
  • Flutuadores 1
  • Fósforo
  • Frequência para o Campo Eletromagnético do Corpo
  • Glândula Timo 1
  • Grafeno 1 – remoção silenciosa
  • Grafeno 2 – remoção silenciosa
  • Gripe Aviária 1
  • Gripe Aviária 2
  • Gripe Aviária 3
  • Gripe Aviária 4
  • H5N1 2
  • HAARP – frequência de proteção
  • Herpes Zoster 6
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 1
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 2
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 3
  • Hidroxicloroquina e Ivermectina 4
  • Hipóxia – aumenta o nível de oxigênio no sangue e nos tecidos e regula a frequência cardíaca e a respiração
  • Hipóxia – oxigenação para as células
  • Hipóxia (falta de oxigenação no sangue) – tratamento
  • Hipóxia Cerebral
  • HIV – tratamento
  • HIV (infecções relacionadas) – tratamento
  • HIV 2
  • HIV 3
  • Infecção Pulmonar (pneumonia) – tratamento
  • Inflamação Cardíaca
  • Inflamação Geral
  • Influenza (também resfriados)
  • Integridade do DNA – estimulador
  • Íons Negativos
  • Ivermectina + Vitamina D
  • Ivermectina
  • L-Triptofano
  • L-Triptofano (aminoácido) relaxamento para o corpo
  • Levantamento de bustos ou seios – frequência do cobre
  • M.M.S. – simulador
  • Magnetorrecepção – percepção magnética
  • Medula Espinhal 1
  • Melatonina 1
  • Melatonina 3
  • Melatonina 6
  • Miocardite 1
  • Mitocôndrias (DNA) – estimulador A
  • MMS – frequência silenciosa
  • Monkeypox 1 – alta frequência em 741 Hz
  • Monkeypox 2
  • Monkeypox Vírus
  • Morgellons – erradica os parasitas e bactérias e reduz a coceira e erupções cutâneas
  • Morgellons 3
  • Morgellons 4
  • Morgellons Kaboomilicious
  • Morgellons Lyme Nano Blaster
  • N-acetilcisteína – simulação para diminuir o muco respiratório
  • NAC – N-Acetil Cisteína
  • Nanobots de Óxido de Grafeno – desabilitador
  • Nanobots IA 1 – eliminador
  • Nanobots IA 2 – eliminador
  • Nanobots IA 3 – eliminador
  • Nanobots IA 4 – eliminador
  • Nanobots ou Nanorrobôs I.A. das Vacinas de Covid-19 – frequência desabilitadora
  • Nanopartículas de Carbono (grafeno) – desabilitador
  • Nanopartículas de Óxido de Grafeno – eliminador
  • Nanorrobôs – remoção
  • Nanorrobôs e Nanobots IA – tratamento de remoção
  • Nanotecnologia no Corpo 1 – remoção
  • Nanotecnologia no Corpo 2 – remoção
  • Nipah Vírus – eliminação com 741 Hz
  • Níveis de Cobre – produção de energia e suporte ao sistema imunológico
  • Níveis de Zinco para pele, cabelo e unhas saudáveis
  • Ondas de Calor 3
  • Ouro + Prata + Cobre – frequência coloidal
  • Ouro Coloidal 1
  • Ouro Puro – frequência
  • Óxido de Grafeno – detox
  • Óxido Nítrico 2 (antinanotecnologia no corpo) – remoção
  • Óxido Nítrico e Hidrogênio – estimulador
  • Óxido Nítrico e Peróxido de Hidrogênio
  • Oxigenação das Células
  • Oxigênio 3
  • Oxigênio 4
  • Paralisia de Bell 3 – tratamento
  • Paralisia de Bell 5 – tratamento
  • Paralisia do Carrapato – acelera a decomposição de toxinas e restaura as funções nervosas
  • Parasitas 1
  • Parasitas 2
  • Parasitas 3
  • Parasitas e Bactérias
  • Patógenos Biossintéticos
  • Patógenos das Vacinas de Covid-19
  • Patógenos no Cérebro – neutralizador
  • Pericárdio – ressonância do sistema meridiano
  • Pericardite 1
  • Peróxido de Hidrogênio 1
  • Pneumonia do Pulmão Branco 1 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 2 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 3 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 4 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 5 (Micoplasma) – tratamento
  • Pneumonia do Pulmão Branco 6 (Micoplasma) – tratamento
  • Prata Coloidal – efeito-antibiótico
  • Probióticos
  • Proliferação Celular
  • Proteção Contra Ondas Eletomagnéticas Intensas – G
  • Proteção de Radiações para o Cérebro
  • Proteção Eletromagnética para o Cérebro – campo protetor – G
  • Proteína Spike – Eliminador
  • Proteína Spike Vacina Covid 1 – eliminador
  • Proteína Spike Vacina Covid 2 – eliminador
  • Purificação do Ar no seu campo magnetodielétrico
  • Purificação do Sangue
  • Radiação Solar – estimulador
  • Radiações do Câncer – bloqueio
  • Regeneração Celular
  • Regeneração Completa do Corpo
  • Regeneração de Corpo Inteiro
  • Relax – música relaxante com peixes tropicais e recifes de coral
  • Relax – música relaxante subaquática dos golfinhos do Havaí
  • Relax – ondas noturnas de verão ao entardecer
  • Relax – som de chuva para dormir e relaxar – batidas binaurais
  • Remoção de Células Senescentes
  • Remoção de Fungos e Bactérias
  • Remoção de Vírus, Parasitas e Fungos
  • Reparação de DNA 1
  • Respiração Diafragmática – fortaleça seu sistema respiratório
  • Ródio
  • SARS-CoV-2 Ômicron 2021 – vírus
  • Saúde das Células Sanguíneas
  • Sistema Cardiovascular 1
  • Sistema de Condução Elétrica do Coração
  • Sistema Imunológico 01 – G
  • Sistema Imunológico 04
  • Sistema Imunológico 08
  • Sono Profundo 09 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 11 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 12 – música com batida binaural
  • Sono Profundo 21 – música com batida binaural
  • Temperatura Corporal 1
  • Tonificação Celular
  • Trans-Resveratrol e Resveratrol
  • Trombose Venosa Profunda – tratamento
  • Tumores Malignos (diversos) – tratamento
  • Varíola
  • Vírus (diversos) 2 – eliminador
  • Vírus (diversos) 5 – eliminador
  • Vírus da Parainfluenza Humana
  • Vitamina C 1
  • Vitamina D3 1
  • Vitamina D3 3
  • Vortex de Proteção Eletromagnética – estabilização
  • Zeólita e Ácido Fúlvico
  • Zinco
  • Zinco e Fósforo – estimulador antibiótico e antioxidante

Você ainda não possui esta frequência!